A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Diretora da VP Consultoria Nutricional Editora da Revista Nutrição Saúde e Performance Coordenadora Científica da Divisão Valéria Paschoal de Ensino e.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Diretora da VP Consultoria Nutricional Editora da Revista Nutrição Saúde e Performance Coordenadora Científica da Divisão Valéria Paschoal de Ensino e."— Transcrição da apresentação:

1 Diretora da VP Consultoria Nutricional Editora da Revista Nutrição Saúde e Performance Coordenadora Científica da Divisão Valéria Paschoal de Ensino e Pesquisa Vice-Presidente do Centro Brasileiro de Nutrição Funcional Dra. Valéria Paschoal Como o nutricionista clínico funcional avalia seu paciente

2

3

4 FERRAMENTAS DA NUTRIÇÃO FUNCIONAL 1.Diagnóstico de Atendimento: Anamnese Funcional

5 Ingestão Digestão Absorção Transporte Excreção ANAMNESE FUNCIONAL

6

7 FERRAMENTAS DA NUTRIÇÃO FUNCIONAL 1.Diagnóstico de Atendimento: Anamnese Funcional: Ingestão, Digestão, Absorção, Transporte e Excreção Avaliação de sinais e sintomas clínicos de déficits e superávits nutricionais

8 CONTROLSOFT NUTRITION – Avaliação de Sinais e Sintomas

9

10 FERRAMENTAS DA NUTRIÇÃO FUNCIONAL 1.Diagnóstico de Atendimento: Anamnese Funcional: Ingestão, Digestão, Absorção, Transporte e Excreção Avaliação de sinais e sintomas clínicos de déficits e superávits nutricionais Rastreamento Metabólico

11 Questionário de Rastreamento Metabólico

12

13

14 FERRAMENTAS DA NUTRIÇÃO FUNCIONAL 1.Diagnóstico de Atendimento: Anamnese Funcional: Ingestão, Digestão, Absorção, Transporte e Excreção Avaliação de sinais e sintomas clínicos de déficits e superávits nutricionais Rastreamento Metabólico Análise dos Exames Laboratoriais

15 EXAMES LABORATORIAIS Hemograma: Eritrograma e leucograma - interações nutricionais na síntese da hemoglobina: anemia e policitemia; - Papel do ferro, ácido fólico e vitamina B12, zinco, cobre, fósforo, vitamina C, vitamina A, riboflavina e metais tóxicos Painel de avaliação nutricional: minerais - zinco, cobre, manganês, cálcio, magnésio, fósforo, sódio, potássio - cromo, selênio, iodo Perfil Hepático – hepatocelular - AST, ALT, Gama GT e Fosfatase Alcalina Oxidantes e Antioxidantes - MDA, LDL Peroxidada, Antioxidantes Totais Perfil de Risco Cardiovascular - fatores não lipídicos: insulina, lipoproteína (a), fibrinogênio, proteína C reativa, ferritina, LDL oxidada/glicada, - fatores lipídicos: lipoproteínas, apoA, apoB, Coleterol total, HDL, LDL, triglicérides Perfil de Adequação Nutricional do Cálcio Perfil Tireoidiano e suas interações nutricionais

16 COPROLÓGICOFUNCIONAL

17 COPROLOGICO FUNCIONAL RESÍDUOS MACROSCÓPICOS Batata ou cenoura ausentes Batata ou cenoura ausentes Fragmentos de carneausentes Fragmentos de carneausentes Tecido conjuntivoausentes Tecido conjuntivoausentes Outros restos alimentarespresentes (++) Outros restos alimentarespresentes (++) Fibras musculares digeridas presentes (+) Fibras musculares digeridas presentes (+) Fibras musculares mal digeridasausentes Fibras musculares mal digeridasausentes Amido incluídopresentes (++) Amido incluídopresentes (++) Amido amorfoausentes Amido amorfoausentes Amido cruausentes Amido cruausentes Flora Iodofilapresente Flora Iodofilapresente Gorduras neutrasausentes Gorduras neutrasausentes Sabõesausentes Sabõesausentes Ácidos graxosausentes Ácidos graxosausentes Oxalato de cálcioausentes Oxalato de cálcioausentes Fosfato Triploausentes Fosfato Triploausentes

18 * Ácidos graxos e amidos: se elevados suspeitar de insuficiência pancreática se elevados suspeitar de insuficiência pancreática * Fibras musculares e fibras vegetais não digeridas: se +2, pensar em hipoclorídria se +2, pensar em hipoclorídria * Macrofágos: se numerosos, suspeitar de alergia, processo inflamatório se numerosos, suspeitar de alergia, processo inflamatório COPROLOGICO FUNCIONAL

19 AVALIAÇÃO LABORATORIAL COPROLÓGICO FUNCIONAL COPROLÓGICO FUNCIONAL ABSORÇÃO DE CARBOIDRATOS ABSORÇÃO DE CARBOIDRATOS AVALIAÇÃO LABORATORIAL COPROLÓGICO FUNCIONAL COPROLÓGICO FUNCIONAL ABSORÇÃO DE CARBOIDRATOS ABSORÇÃO DE CARBOIDRATOS DIFERENCIA AS DIARRÉIAS FERMENTATIVAS - Correlaciona intolerância aos açúcares com má-absorção - Reconhece as formas primárias e secundárias da intolerância - Distingue as intolerâncias a mono e dissacarídeos - Ajuda a associar a diarréia com fenômenos osmóticos - Induz a que se esclareça as enzimas digestivas envolvidas no processo

20 COPROLOGICO FUNCIONAL Capacidade digestiva (digestão de macronutrientes) Capacidade digestiva (digestão de macronutrientes) Função intestinal (inflamação intestinal, sangue oculto, hipermotilidade) Função intestinal (inflamação intestinal, sangue oculto, hipermotilidade) Status microbiano (flora bacteriana) Status microbiano (flora bacteriana) Risco de câncer de colon (ácido butirico) Risco de câncer de colon (ácido butirico)

21 Sinais e sintomas intestinais MURRAY M.,PIZZORNO, N.D. Encyclopedia of Natural Medicine, Distensão abdominal, eructação, queimação, flatulência imediatamente após a refeição Indigestão, diarréia ou constipação Sensação de empachamento após comer Restos alimentares mal digeridos nas fezes Língua branca Mau hálito

22 FORMAÇÃO DE IMUNOCOMPLEXOS SUPERCRESCIMENTO DE FUNGOS E BACTÉRIAS

23 Alimentos que protegem a parede intestinal da ação de bactérias Alimentos que alteram microbiota intestinal Alimentos como vegetais, frutas e legumes protegem a parede intestinal da ação de bactérias nocivas e toxinas Alimentos como vegetais, frutas e legumes protegem a parede intestinal da ação de bactérias nocivas e toxinas Alimentos com alto teor de colesterol, ricos em gorduras saturadas, provocam um desequilíbrio na flora intestinal, causando a chamada disbiose Alimentos com alto teor de colesterol, ricos em gorduras saturadas, provocam um desequilíbrio na flora intestinal, causando a chamada disbiose

24 DISBIOSE INTESTINAL É um estado em que microorganismos de baixa virulência se tornam patogênicos em virtude do desequilíbrio quantitativo e qualitativo que está instalado, afetando negativamente a saúde do ser humano É um estado em que microorganismos de baixa virulência se tornam patogênicos em virtude do desequilíbrio quantitativo e qualitativo que está instalado, afetando negativamente a saúde do ser humano

25 HOSPITALIZAÇÃO (5) ANTIBIOTICOTERAPIA (6) DIETA (7, 8) 1. NEUT,C, et al. Bacterial colonization of the large intestine of newborns delivered by caesarian section. Zentbl. Bakteriol. Mikrobiol Hyg Ser A 266: HALL, M.A, et al. Factors influencing the presence of faecal lactobacilli in erarly infancy. Arch Dis Child 1990;65: STARK, P.L, A. LEE. The microbial ecology of the large bowel of breast-fed and formula-fed infants during the first year of life. J Med Microbiol 1982, 15: STARK, P.L, A. LEE. The microbial ecology of the large bowel of breast-fed and formula-fed infants during the first year of life. J Med Microbiol 1982, 15: BOURLIOUX, P. et al. The intestine and its microflora are partners for the protection of the host: report on the Danone Symposium The Intelligent Intestine, held in Paris, June 14, AJCN 2003; 78: LE FROCK, J.C.E, WEINSTEIN, L. The impact of hospitalization on the aerobic fecal microflora. J Med Sci 1979; 277: BENNET,R. et al. Fecal bacterial microflora of newborn infants during intensive care management and tratment with five antibiotic regimens. Pediatr Infect Dis 1986; 5: HAGIAGE, M. La flore intestinale, de léquilibre au déséquilibre. Biocodex, 1994: WALKER, W.ª Role of nutrients and bacterial colonistion in the development of intestinal host defence. J Pediatr Gastroenterol Nutr 2000:30:S COLLINS, M.D, GIBSON, G.R. Probiotics, prebiotics and synbiotics: approaches for modulating the microbial ecology of the gut. AJCN 1999;69:1052-7S AONDE COMEÇA ISTO TUDO?

26 ALGUMAS CAUSAS Dieta de baixa qualidade Acloridria / Hipocloridria Insuficiência pancreática Motilidade Reduzida/ Estase/ Obstrução (colagenose, neuropatia diabética) Estresse Uso abusivo de medicamentos (laxantes, antiinflamatórios, pílula anticoncepcional e antibióticos)

27 RecolocarRemover ReinocularReparar PROGRAMA DOS 4 Rs RESTAURANDO A PERMEABILIDADE INTESTINAL

28 OS 4 PASSOS Remover: patógenos, xenobióticos e alérgenos alimentares. Reinocular: probióticos e prebióticos Recolocar: enzimas digestivas Reparar: dieta não irritativa, nutrientes e fitoquímicos tróficos e de reparo da mucosa

29

30 DESTOXIFICAÇÃO Trata-se de um processo que envolve múltiplas reações bioquímicas com a utilização de múltiplos substratos e dependente de cofatores enzimáticos BIOTRANSFORMAÇÃO Tem por objetivo a BIOTRANSFORMAÇÃO de moléculas orgânicas endógenas e exógenas em metabólitos excretáveis

31

32 ConstituintesFontes Dietéticas Enzimas FASE I Enzimas FASE II Referências/Modelo SulforafanoBrássicas Quinona redutase (QR) Zhang et al., 1992 (camundongos) Dialil sulfeto Dialil dissulfeto Dialil trissulfeto Alho CIP1A1 e 2B1 CIP2E1 GST Wu et al., 2002 (ratos) Limoneno e sobrerol Limão CIP2BC, 2C e hepoxi hidrolase GST e UGT Maltzman et al., 1991; Elegbede et al., 1993 (ratos) LicopenoTomate, melancia, goiaba GST e QR Breinholt et al., 2000 (ratos) Carnosol e Ácido Carnosóico Alecrim CIP1A1 GST e QR Offord et al., 1995 (células humanas) TimolTomilho ECOD GST e QR Sasaki et al., 2005 (camundongos)

33 FERRAMENTAS DA NUTRIÇÃO FUNCIONAL 1.Diagnóstico de Atendimento: Anamnese Funcional: Ingestão, Digestão, Absorção, Transporte e Excreção Avaliação de sinais e sintomas clínicos de déficits e superávits nutricionais Rastreamento Metabólico Análise dos Exames Laboratoriais Questionário de Interpretação de Destoxificação Funcional

34 AVALIANDO A CAPACIDADE DE DESTOXIFICAÇÃO

35 Questionário Funcional para Avaliação da Destoxificação 1-Você tem uma forte reação negativa quando consome alimentos ou bebidas que contêm cafeína? A citocromo P450-1A2 é a principal enzima envolvida na detoxificação da cafeína. Pacientes com reações adversas à cafeína podem apresentar uma redução ou indução da atividade da P450, ou um desequilíbrio na capacidade de detoxificação da P450/Fase II. Na prática clínica, pacientes com baixa capacidade de detoxificação pela citocromo P450-1A2 apresentam um aumento nos sintomas de insônia e agitação após o consumo de cafeína. Mais investigações sobre os fatores de qualidade de vida, produção de endotoxina, o uso de medicamentos como cimetidina, fatores dietéticos como a naringenina, e metabólitos das bactérias intestinais como os lipopolissacarídeos podem inibir a atividade da citocromo P450-1A2. A citocromo P450-1A2 é a principal enzima envolvida na detoxificação da cafeína. Pacientes com reações adversas à cafeína podem apresentar uma redução ou indução da atividade da P450, ou um desequilíbrio na capacidade de detoxificação da P450/Fase II. Na prática clínica, pacientes com baixa capacidade de detoxificação pela citocromo P450-1A2 apresentam um aumento nos sintomas de insônia e agitação após o consumo de cafeína. Mais investigações sobre os fatores de qualidade de vida, produção de endotoxina, o uso de medicamentos como cimetidina, fatores dietéticos como a naringenina, e metabólitos das bactérias intestinais como os lipopolissacarídeos podem inibir a atividade da citocromo P450-1A2. FABER, M.S.; JETTER, A.; FUHR, U. Assessment of CYP1A2 activity in clinical practice: why, how, and when? Basic Clin Pharmacol Toxicol;97(3):125-34, GUO, L.Q.; YAMAZOE, Y. Inhibition of cytochrome P450 by furanocoumarins in grapefruit juice and herbal medicines. Acta Pharmacol Sin;25(2):129-36, Você usa regularmente paracetamol? Se sim, há quanto tempo, qual a intensidade e quantidade? Esta prática aumenta a demanda de certas vias de detoxificação, principalmente a sulfação e a glicuronidação. Alguns trabalhos indicam que uma dose de paracetamol pode depletar 50% das reservas de sulfação. Estudos com animais indicam que quando o paracetamol é adicionado a dietas de animais, há uma rápida depleção dos estoques de glutationa e uma depleção dos aminoácidos essenciais L-metionina e L-cisteína. AONO, S.; ADACHI, Y.; UYAMA, E. et al. Analysis of genes for bilirubin UDP-glucuronosyltransferase in Gilberts syndrome. Lancet, 345(8955): 958-9, DE MORAIS, S.M.; UETRECHT, J.P.; WELLS, P.G. Decreased glucuronidation and increased bioactivation of acetaminophen in Gilberts syndrome. Gastroenterology; 102(2): , 1992.

36

37 Lignana antioxidante, prevenção do câncer e doenças cardiovasculares, ação anti-estrogênica, aumento da imunidade e evita lesão muscular nos atletas Lignana antioxidante, prevenção do câncer e doenças cardiovasculares, ação anti-estrogênica, aumento da imunidade e evita lesão muscular nos atletas Licopeno antioxidante, prevenção do câncer de próstata e doenças cardiovasculares, aumento da imunidade e evita lesão muscular nos atletas Licopeno antioxidante, prevenção do câncer de próstata e doenças cardiovasculares, aumento da imunidade e evita lesão muscular nos atletas Ácido oléico prevenção das doenças cardiovasculares Ácido oléico prevenção das doenças cardiovasculares Fibras solúveis e insolúveis prevenção das doenças cardiovasculares, câncer, obesidade e diabetes Fibras solúveis e insolúveis prevenção das doenças cardiovasculares, câncer, obesidade e diabetes Isoflavonas antioxidante, prevenção do câncer, doenças cardiovasculares, osteoporose, obesidade, aumento da imunidade e evita lesão muscular nos atletas, tratamento da menopausa e tensão pré-menstrual Isoflavonas antioxidante, prevenção do câncer, doenças cardiovasculares, osteoporose, obesidade, aumento da imunidade e evita lesão muscular nos atletas, tratamento da menopausa e tensão pré-menstrual PRINCIPAIS FITOQUÍMICOS

38 Beta-glucana prevenção das doenças cardiovasculares e obesidade Beta-glucana prevenção das doenças cardiovasculares e obesidade Compostos Organosulfurados prevenção do câncer e doenças cardiovasculares, antioxidante Compostos Organosulfurados prevenção do câncer e doenças cardiovasculares, antioxidante Ômega-3 prevenção das doenças cardiovasculares e obesidade e aumento da imunidade, inclusive em atletas Ômega-3 prevenção das doenças cardiovasculares e obesidade e aumento da imunidade, inclusive em atletas Probiótico melhora da função intestinal, aumento da imunidade em atletas e prevenção da doença cardiovascular e hipertensão arterial Probiótico melhora da função intestinal, aumento da imunidade em atletas e prevenção da doença cardiovascular e hipertensão arterial PRINCIPAIS FITOQUÍMICOS

39

40 OBRIGADA Dra. Valéria Paschoal Diretora da VP Consultoria Nutricional Editora da Revista Nutrição Saúde e Performance Coordenadora Científica da Divisão Valéria Paschoal Ensino e pesquisa Vice-Presidente do Centro Brasileiro de Nutrição Funcional

41


Carregar ppt "Diretora da VP Consultoria Nutricional Editora da Revista Nutrição Saúde e Performance Coordenadora Científica da Divisão Valéria Paschoal de Ensino e."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google