A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

DOENÇAS OSTEOMUSCULARES RELACIONADAS AO TRABALHO - DORT.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "DOENÇAS OSTEOMUSCULARES RELACIONADAS AO TRABALHO - DORT."— Transcrição da apresentação:

1 DOENÇAS OSTEOMUSCULARES RELACIONADAS AO TRABALHO - DORT

2 Principais Coeficiente dos registros de doenças do trabalho no INSS pelo Número Médio Mensal de Contribuintes, segundo o Setor Econômico em 2002 (x )Setor Nº médio mensal de contribuintes Doenças do Trabalho Coef. D. Trabalho Interm. Financeiras ,1 Comunicação ,6 Montagem de veículos e equip. transp ,3 Fab. De Maq. E Ap. elétricos ,6 Artigos de Borracha ,5 Metal. Básica ,7

3 HISTÓRICO Ramazzini – Livro De Morbis Artificum Diatriba descreve os distúrbios osteomusculares realcionados ao trabalho dos escribas e notários – Fritz De Quervain relata quadros osteomusculares comum em lavadeiras (dores em polegares e punho e denomina de entorse das lavadeiras). A partir da segunda metade do Século XX, aumento destes distúrbios acomentendo trabalhadores de diversos ramos de atividade tanto do setor industrial quanto de serviços. Terminologias usadas: E.U.A. – Lesões por Traumas Cumulativos Austrália e Inglaterra – Lesões por Esforços Repetitivos Japão – Sindromes Cervicobraquiais

4 HISTÓRICO BRASIL: 1973: casos de tenossinovite ocupacional em lavadeiras, limpadoras e engomadeiras. Na década de 80, enquadramento da tenossinovite como doença do trabalho. Em novembro de 1986, reconhecimento da tenossinovite como doença do trabalho, quando resultante de movimentos articulares intensos e reiterados.

5 A INSTRUÇÃO NORMATIVA 98 LER – DORT

6 ATUALIZAÇÃO CLÍNICA DAS LESÕES POR ESFORÇOS REPETITIVOS (LER) DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO (DORT) necessidade de concentração e atenção do trabalhador para realizar suas atividades e a tensão imposta pela organização do trabalho, são fatores que interferem de forma significativa para a ocorrência das LER/DORT.

7 A alta prevalência das LER/DORT tem sido explicada por: transformações do trabalho e das empresas; estabelecimento de metas e produtividade; qualidade dos produtos e serviços e competitividade de mercado;

8 não leva em conta os trabalhadores e seus limites físicos e psicossociais; exigência de adequação dos trabalhadores às características organizacionais das empresas; intensificação do trabalho e padronização dos procedimentos, impossibilitando qualquer manifestação de criatividade e flexibilidade;

9 execução de movimentos repetitivos; ausência e impossibilidade de pausas espontâneas; necessidade de permanência em determinadas posições por tempo prolongado; exigência de informações específicas;

10 atenção para não errar; submissão a monitoramento de cada etapa dos procedimentos; mobiliário, equipamentos e instrumentos que não propiciam conforto.

11 FATORES DE RISCO O desenvolvimento das LER/DORT é multicausal, sendo importante analisar os fatores de risco envolvidos direta ou indiretamente. A expressão "fator de risco" designa, de maneira geral, os fatores do trabalho relacionados com as LER/DORT.

12 FATORES DE RISCO Repetitividade – ciclo de trabalho com duração menor que 30 segundos. Invariabilidade do trabalho – tarefas monótonas, com posturas imobilizadas pelas exigências do trabalho. Posturas inadequadas – posto de trabalho inadaptado. Força – uso de ferramenta pesada.

13 FATORES DE RISCO Trabalho manual estático – manutenção de um membro em uma determinada posição, lutando contra a gravidade com contração mantida sem interrupção. Pressão mecânica – contato direto contra um objeto duro presente no ambiente de trabalho. Vibração – manipulação de instrumentos elétricos e pneumáticos (problemas vasculares, neurológicos e articulares. Frio

14 FISIOPATOLOGIA Complexa – diversidade das estruturas envolvidas, estágios da evolução e manifestações clínicas variadas. Nível periférico: alterações teciduais de nervos, tendões e/ou músculos (alterações metabólicas seguidas por lesão tecidual e mecanismos claudicantes de regeneração) Nível central: envolvimento de mecanismos neurológicos centrais responsáveis pela sensação, percepção e modulação da dor crônica, assim como o sistema autonomo de defesa.

15 DIAGNÓSTICO – Essencialmente clínico Anamnese clínica Sinais e sintomas apresentados, evolução, fatores de melhora e piora Manifestações clínicas associadas Antecedentes pessoais e familiares de patologias osteomusculares, traumas, cirurgias Uso de medicamentos Hábitos e atividades de lazer

16 Anamnese ocupacional Análise das condições ergonômicas das atividades de trabalho atual e pregressa Postos de trabalho Posturas movimentos realizados Jornada de trabalho pausas realizadas formas de controle de produtividade ambiente psíquico e social relações de trabalho.

17 DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL Patologias degenerativas: patologias reumáticas Tumores ósseos, metástases Metabólicas (hipotireoidismo) Infecciosas: artrites infecciosas

18 DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL As manifestações clínicas destas patologias podem até se sobrepor a um quadro de LER/DORT. Neste caso estaremos diante de duas entidades patológicas cujas abordagens terapêutica, preventiva e médico-legal devem ser devidamente contempladas.

19 DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL EXAMES COMPLEMENTARES Provas de atividade reumáticas, radiografias ultrassom eletroneuromiografias tomografias computadorizadas ressonância magnética (somente quando necessários, pois o diagnóstico é fundamentado na história clínico-ocupacional)

20 DIAGNÓSTICO formas de pressão de chefias, exigência de produtividade, existência de prêmio por produção, falta de flexibilidade de tempo, mudanças no ritmo de trabalho ou na organização do trabalho, existência de ambiente estressante, relações com chefes e colegas, insatisfações, falta de reconhecimento profissional, sensação de perda de qualificação profissional. Conclusão diagnóstica: É importante lembrar sempre que os exames complementares devem ser interpretados à luz do raciocínio clínico. Um diagnóstico não-ocupacional não descarta LER/DORT.

21 MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS DA LER/DORT Distúrbios de caráter crônico em função da persistência de sobrecargas osteomusculares sobre o organismo humano. Inicialmente sensação de fadiga muscular e desconforto do membro ou segmento afetado que melhora com o repouso. Posteriormente, com a persistência da sobrecarga, evolui para dor crônica que se torna progressivamente mais intensa e contínua levando em alguns casos a impotência funcional do membro afetado e o repouso pouco contribui para a melhora deste sintoma.

22 MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS DA LER/DORT A dor é o principal sintoma: Pode ter origem nos tendões, músculos, nervos periféricos ou articulações dos segmentos afetados. Pode ser localizada, com irradiação definida ou difusa dependendo da extensão e estrutura comprometida. Pode ser desencadeada ou agravada por movimentos, ou ter um caráter contínuo e persistente.

23 MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS DA LER/DORT Nos casos de comprometimento neurológico podemos encontrar parestesias. Além da dor podemos encontrar hipertonia ou hipotonia de grupos musculares, edema, espessamento dos tendões, cistos, nódulos, redução da amplitude dos movimentos dos segmentos acometidos. Associado ao quadro descrito acima podemos encontrar: ansiedade, irritabilidade, alterações de humor, distúrbios do sono e fadiga crônica.

24 ESTADIAMENTO DA LER/DORT Fase I Sensação de peso, desconforto no membro afetado. Ausência de sinais ao exame físico. Aparece no final da jornada de trabalho/durante picos de produção. melhora com repouso/diminuição do ritmo de produção. Prognóstico bom. Conduta: Investigar condições de trabalho, orientar o trabalhador e retorno médico periódico.

25 ESTADIAMENTO DA LER/DORT Fase II Dor mais intensa e mais localizada acompanhada ou não de parestesias, edema, nodulações, dor à palpação de grupos musculares/tendões. Aparece durante a jornada de trabalho, começa haver queda da produtividade, pode surgir durante a realização de atividades domésticas. Demora maia para melhorar com o repouso Prognóstico bom Conduta: Afastar do trabalho, emitir CAT e tratamento (reabiliatação e readaptação profissional).

26 ESTADIAMENTO DA LER/DORT Fase III Dor mais intensa e persistente, mais localizada acompanhada de parestesias, diminuição da força muscular, edema, hipertonia muscular, alterações da sensibilidade, palidez, sudorese. Impossibilidade de realizar atividades laborais ou domésticas. Repouso apenas atenua a dor. Prognóstico reservado Conduta: Afastar do trabalho, emitir CAT e tratamento/ambulatório de dor (reabilitação e readaptação profissional).

27 ESTADIAMENTO DA LER/DORT Fase IV Dor forte contínua, piora o quadro à mobilização mínima, diminuição importante da força e sensibilidade, edema persistente, deformidades, atrofias musculares, quadro depressivo, angústia, ansiedade, distúrbio do sono. Capacidade para o trabalho nula, atividades simples da vida diária muito prejudicadas Prognóstico Ruim Conduta: Afastar do trabalho, emitir CAT e tratamento/ambulatório de dor (reabilitação/readaptação/aposentadoria).

28 FORMAS CLÍNICAS DA LER/DORT Afecções tendíneas/sinoviais Tenossinovites dos extensores e dos flexores do carpo Epicondilite medial e lateral Tendinite do supra-espinhoso Tendinite biccipital Afecções neurológicas Sindrome do túnel do carpo Sindrome do pronador redondo Sindrome do desfiladeiro torácico

29 FORMAS CLÍNICAS DA LER/DORT Afecções musculares Mialgias Sindrome da dor miosfascial Afecções articulares Osteoartrose da coluna lombar Prolapso de disco intervertebral lombar

30 6. TRATAMENTO os grupos informativo-psicoterapêutico- pedagógicos, promovidos por profissionais da área de saúde mental, também propiciam a troca de experiências a respeito de toda problemática das LER/DORT, enriquecendo as discussões e os progressos durante o tratamento. Situações de conflitos, de medo, que trazem sofrimento expresso de diferentes maneiras são enfrentadas coletivamente, por meio de técnicas diversificadas;

31 6. TRATAMENTO nas atividades em grupo são discutidos temas referentes às atividades da vida cotidiana, para que esses trabalhadores possam se apropriar novamente das suas capacidades e re-significar o seu fazer, levando em conta as mudanças decorrentes do adoecimento as terapias complementares, como a acupuntura, do-in, shiatsu, entre outras, também têm se mostrado bastante eficazes no tratamento da LER/DORT....; terapias corporais de relaxamento, alongamento a hidroterapia.....

32 PREVENÇÃO A prevenção das LER/DORT não depende de medidas isoladas, de correções de mobiliários e equipamentos. Um programa de prevenção das LER/DORT em uma empresa inicia-se pela criteriosa identificação dos fatores de risco presentes na situação de trabalho. Aspectos organizacionais do trabalho e psicossociais devem ser especialmente focalizado. NOTIFICAÇÃO Havendo suspeita de diagnóstico de LER/DORT, deve ser emitida a Comunicação de Acidente do Trabalho – CAT. A CAT deve ser emitida mesmo nos casos em que não acarrete incapacidade laborativa para fins de registro e não necessariamente para o afastamento do trabalho.


Carregar ppt "DOENÇAS OSTEOMUSCULARES RELACIONADAS AO TRABALHO - DORT."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google