A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Capa O ambiente e as doenças do trabalho Curso de Especialização em Engenharia e Segurança do Trabalho Jefferson Benedito Pires de Freitas.

Cópias: 1
AGENTES FÍSICOS UNILINS FUNDAÇÃO PAULISTA DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO Engenharia e Segurança do Trabalho 2011 Jefferson Benedito Pires de Freitas.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Capa O ambiente e as doenças do trabalho Curso de Especialização em Engenharia e Segurança do Trabalho Jefferson Benedito Pires de Freitas."— Transcrição da apresentação:

1 Capa O ambiente e as doenças do trabalho Curso de Especialização em Engenharia e Segurança do Trabalho Jefferson Benedito Pires de Freitas

2 AGENTES FÍSICOS Calor Ruído Pressões anormais Radiações Ionizantes Radiações Não Ionizantes Vibração

3 AGENTES FÍSICOS Calor: É a sensação produzida em um ambiente de trabalho em que: a temperatura do ar é mais elevada do que a temperatura da pele (33 graus centígrados); existem fontes de calor radiante (radiação infravermelho) à temperaturas superiores a temperatura da pele.

4 AGENTES FÍSICOS Como o organismo se relaciona com o meio ambiente para manter o equilíbrio térmico. – Metabolismo; – Calor Radiante; – Calor de condução; – Calor de Convecção; – Evaporação.

5 AGENTES FÍSICOS Exposição ao calor Fundi ç ões Ind ú stria cerâmica Ind ú stria do vidro Lavanderias Cozinhas industriais Trabalhos a c é u aberrto

6 AGENTES FÍSICOS Exposição ao calor Avaliada atrav é s do Í ndice de Bulbo Ú mido – Termômetro de Globo (IBUTG) – Ambientes internos ou externos sem carga solar: » IBUTG= 0,7 tbn + 0,3 tg – Ambientes externos com carga solar » IBUTG= 0,7 tbn + 0,1 tbs + 0,2 tg » Tbn= temperatura de bulbo ú mido natural » Tg= temperatura de globo » Tbs= temperatura de bulbo seco

7 AGENTES FÍSICOS Limites de tolerância para exposição ao calor, em regime de trabalho intermitente com períodos de descanso no próprio local de prestação de serviço. Regime de trabalho intermitente com descanso no próprio local de trabalho (por hora) TIPO DE ATIVIDADE Leve Moderada Pesada Leve Moderada Pesada Trabalho contínuo até 30,0 até 26,7 até 25,0 45 minutos trabalho 15 minutos descanso 31,0 a 30,6 26,8 a 28,0 25,1 a 25,9 30 minutos trabalho 30 minutos descanso 30,7 a 31,4 28,1 a 29,4 26,0 a 27,9 15 minutos trabalho 45 minutos descanso 31,5 a 32,2 29,5 a 31,1 28,0 a 30,0 Não é permitido o trabalho, sem a adoção de medidas adequadas de controle acima 32,2 acima 31,1 acima 30,0

8 AGENTES FÍSICOS Limites de tolerância para exposição ao calor, em regime de trabalho intermitente com períodos de descanso em outro local (local de descanso). QUADRO 2 M (kcal/h) MÁXIMO IBUTG 17530, , , , , , , ,0

9 TAXAS DE METABOLISMO POR TIPO DE ATIVIDADE QUADRO 3 Tipo de Atividade Kcal/h Sentado em repouso 100 Trabalho Leve Sentado, movimentos moderados com braços e tronco (datilografia) Sentado, movimentos moderados com braços e pernas (dirigir) De pé, trabalho leve, em máquina ou bancada, principalmente com os braços Trabalho Moderado Sentado, movimentos vigorosos com braços e pernas De pé, trabalho leve em máquina ou bancada, com alguma movimentação De pé, trabalho moderado em máquina ou bancada, com alguma movimentação Em movimento, trabalho moderado de levantar ou empurrar Trabalho Pesado Trabalho intermitente de levantar, empurrar ou arrastar pesos Trabalho fatigante

10 AGENTES FÍSICOS Doenças causadas pelo calor. Golpe do Calor, Intermação ou insolação. – Caracterizado por diarréia, convulsões, vômitos e incoordenação motora. – A temperatura pode atingir valores próximos a 43,5ºC. – Os órgãos que sofrem mais: cérebro e os rins. Tratamento – Vítima deverá ser antes de tudo transportada para um ambiente tão fresco quanto possível, ventilado e liberada de suas roupas. – Redução da temperatura recorrendo a fricção de pedaços de gelo, lavagem com esponja embebida em água fria, banho de ducha fria, e clister de água fria mililitros.

11 AGENTES FÍSICOS Doenças causadas pelo calor. Colapso pelo calor ou Prostração térmica. – Se manifesta com cefaléia, náuseas, prostração, palidez e eventualmente lipotímia. – A temperatura corpórea não é aumentada e a pele resulta fria ao tato. – Pode ocorrer por deficiência circulatória ou por desidratação.

12 AGENTES FÍSICOS Doenças causadas pelo calor. Cãibras do calor. – Mais freqüentemente a musculatura do abdome e das pernas. – São curadas rapidamente pela administração de Cloreto de Sódio, eventualmente por via endovenosa. – Relatada como mais freqüente entre foguistas, forneiros, fundidores de metais, vidreiros e mineiros. – O trabalhador é mais afetado na segunda parte da jornada e são atingidos os músculos que estão sendo utilizados mais intensamente. – Geralmente as cãibras iniciam nas panturrilhas mas atingem também membros superiores e abdômen.

13 AGENTES FÍSICOS Doenças causadas pelo calor. Prevenção Médica. – Exames periódicos para avaliar a integridade do sistema cardio-circulatório. – Durante o trabalho em altas temperaturas, deve ser assegurado aos trabalhadores água e sais suficientes para compensar as perdas devidas ao suor. – Hidratação durante o trabalho de modo a manter constante o equilíbrio hídrico.

14 AGENTES FÍSICOS RUÍDO – Perda auditiva induzida pelo ruído (PAIR) relacionada ao trabalho é uma diminuição gradual da acuidade auditiva decorrente da exposição continuada a níveis elevados de pressão sonora. – Trauma acústico é a perda súbita da acuidade auditiva, decorrente de uma única exposição a pressão sonora intensa ou devido a trauma físico do ouvido, crânio ou coluna cervical.

15 AGENTES FÍSICOS RUÍDO – Perda auditiva induzida pelo ruído (PAIR) tem como característica principal a irreversibilidade e a progressão gradual com o tempo de exposição ao risco. – Inicia-se com acometimento dos limiares auditivos em uma ou mais freqüências da faixa de a Hz. – As freqüências mais altas e mais baixas poderão levar mais tempo para serem acometidas. – Cessada a exposição não haverá progressão da redução auditiva.

16 AGENTES FÍSICOS RUÍDO – Efeitos extra-auditivos provocados pela exposição ao ruído – Hipertensão arterial – Distúrbios gastrintestinais – Alterações do sono – Alterações psicoafetivas

17 AGENTES FÍSICOS RUÍDO – O diagnóstico da PAIR ocupacional deverá ser estabelecido por: Anamnese clínica e ocupacional Exame físico Avaliação audiológica Outros exames complementares se necessário

18 AGENTES FÍSICOS RUÍDO – Após sua instalação, as mudanças dos limiares auditivos não tem recuperação. – A prevenção é a única estratégia a ser adotada.

19 AGENTES FÍSICOS RUÍDO – Medidas de controle Enclausuramento de processos e isolamento de setores de trabalho Colocação de barreiras e anteparos Monitoramento ambiental sistemático Diminuição do número de trabalhadores expostos Diminuição do tempo de exposição Fornecimento pelo empregador de EPIs adequados, fornecidos após orientação sobre o seu uso e de modo complementar a medidas coletivas.

20 AGENTES FÍSICOS VARIAÇÃO DA PRESSÃO ATMOSFÉRICA – Pressão: é definida pela força ou peso que age sobre determinada área. Pressão atmosférica: pressão exercida pela atmosfera terrestre. A pressão ao nível do mar é de 1 atmosfera (ATA), à 10 metros de profundidade é de 2 ATA, à 20 metros é de 3 ATA e assim por diante.

21 AGENTES FÍSICOS VARIAÇÃO DA PRESSÃO ATMOSFÉRICA – O ar que respiramos corresponde a uma mistura dos seguintes gases: Nitrogênio (N2): 78,08%. Gás inerte, não utilizado pelo organismo humano. Oxigênio (O2): 20,94%. É rapidamente utilizado pelo organismo humano. Dióxido de carbono (CO2): 0,04%. Quantidade mínima de gás carbônico contida no ar que respiramos.

22 AGENTES FÍSICOS VARIAÇÃO DA PRESSÃO ATMOSFÉRICA – Atividades hiperbáricas. Mergulho: civil ou militar Trabalhos de construção civil: em tubulão pneumático ou túnel pressurizado Voar em aeronaves civis ou militares Medicina

23 AGENTES FÍSICOS VARIAÇÃO DA PRESSÃO ATMOSFÉRICA – Tipos de Mergulho Mergulho livre. – Praticado com o conteúdo de ar disponível nos pulmões. – Tempo de permanência submerso reduzido (130). – Profundidade ao redor de cinco ou seis metros raramente sendo superior a 20 metros. – Pescadores: captura de esponjas, pérolas, corais, mariscos e algas comestíveis.

24 AGENTES FÍSICOS VARIAÇÃO DA PRESSÃO ATMOSFÉRICA Mergulho raso. – Profundidades de até 50 metros, com auxílio de equipamentos respiratórios que fornecem ar comprimido. – Duração variável, normalmente não ultrapassando uma hora. – Grande aplicação profissional e é utilizado também por amadores em atividade de fotografia e exploração de ambiente submarino. – Podem ser: » Mergulho raso autônomo. » Mergulho raso dependente.

25 AGENTES FÍSICOS VARIAÇÃO DA PRESSÃO ATMOSFÉRICA Mergulho profundo. – Profundidades maiores do que 50 metros. – Mistura respiratória composta do gás Hélio, que substitui o nitrogênio do ar como diluente do oxigênio a fim de se evitar o efeito narcótico do Nitrogênio a pressões maiores. – Necessário o apoio de um complexo hiperbárico na superfície, representado por um navio ou de uma plataforma marítima, constituído de câmaras, e do sino de mergulho fechado.

26 AGENTES FÍSICOS VARIAÇÃO DA PRESSÃO ATMOSFÉRICA Mergulho profundo de intervenção. – Período de tempo de não mais de 60 minutos – Período de descompressão de muitas horas. – Atividades de curta duração no fundo, sendo pouco econômica, uma vez que é grande a desproporção entre o tempo de trabalho útil e aquele gasto na preparação e depois na descompressão dos mergulhadores.

27 AGENTES FÍSICOS VARIAÇÃO DA PRESSÃO ATMOSFÉRICA Mergulho profundo de saturação. – Equipe de quatro a seis mergulhadores comprimidos em uma câmara (câmara de vida) por duas ou três semanas. – Trabalho na água é feito por duplas que descem no sino de mergulho, ficando um dos mergulhadores no sino para apoio, e o outro realiza a tarefa na água. – O sino funciona como um elevador servindo de meio de transporte entre a câmara de vida e o local de trabalho permanecendo pressurizado durante essas operações de transporte. – A descompressão ao final do período dura alguns dias.

28 AGENTES FÍSICOS VARIAÇÃO DA PRESSÃO ATMOSFÉRICA Construção civil. – Em diversas obras de engenharia, como a construção de fundações em prédios, pontes e viadutos e em túneis, em terrenos alagadiços, pode ser necessário o emprego de técnica de trabalho sob ar comprimido a fim de manter o ambiente a seco, permitindo tarefas normais de construção civil.

29 AGENTES FÍSICOS VARIAÇÃO DA PRESSÃO ATMOSFÉRICA Construção civil. – Trabalho em Tubulão ou Caixão Pneumático. » A escavação das fundações dos cais de porto, de pontes de rios, de edifícios e de certos túneis se realiza em câmaras subaquáticas chamadas câmaras de compressão ou caixões. » As pressões são bem menores do que as utilizadas para o mergulho » Jornadas de trabalho de quatro a oito horas.

30 AGENTES FÍSICOS VARIAÇÃO DA PRESSÃO ATMOSFÉRICA Construção civil. – Túnel pressurizado. » Na construção de um túnel, pode ser necessária a pressurização do ambiente, com a finalidade de se contrabalançar a pressão externa oferecida pelos lençóis freáticos do terreno evitando-se a formação de recalques bem como impedindo desmoronamentos.

31 AGENTES FÍSICOS VARIAÇÃO DA PRESSÃO ATMOSFÉRICA Pressões anormais na aviação. – A aviação militar mostrou ser necessário o suprimento de oxigênio para que pilotos de aviões militares possam sobreviver aos vôos em altitudes normais de cruzeiro tais como pés ou metros. – A aviação civil, a fim de resolver o problema e evitar incômodos aos passageiros, dotou todas as aeronaves de uma pressurização interna constante.

32 AGENTES FÍSICOS VARIAÇÃO DA PRESSÃO ATMOSFÉRICA Atividades hiperbáricas na medicina. – Recompressão terapêutica. » Tratamento dos problemas de saúde relacionados a descompressão. – Oxigenioterapia hiperbárica » Em pacientes portadores de infecções sistêmicas causadas por germens anaeróbios, nas quais a ação da antibioticoterapia não teve os resultados que dela se esperavam.

33 AGENTES FÍSICOS VARIAÇÃO DA PRESSÃO ATMOSFÉRICA – Doenças Profissionais causadas pela variação da pressão atmosférica Durante a fase de compressão. – Barotraumas. – Narcose ou embriaguez das profundidades. – Intoxicação por oxigênio, Durante ou após o processo de descompressão: – Embolia traumática – Doença Descompressiva – Osteonecrose asséptica.

34 AGENTES FÍSICOS VARIAÇÃO DA PRESSÃO ATMOSFÉRICA – Medidas de prevenção. A idade ideal dos trabalhadores em ar comprimido está compreendida entre 20 e 40 anos. Ninguém que sofra de doenças cardíacas, pulmonares, renais ou da circulação periférica deve desempenhar este tipo de trabalho. As pessoas obesas correm um grande risco, porque os depósitos de gordura atuam como reservatório gasoso que contribui para a formação de bolhas. As infecções agudas das vias respiratórias supõem um impedimento temporal para este tipo de trabalho.

35 AGENTES FÍSICOS RADIAÇÕES IONIZANTES – São consideradas ionizantes qualquer radiação que possa separar elétrons de átomos e moléculas. – Do ponto de vista biológico, quando a radiação tem energia suficiente para ionizar a água, é considerada ionizante.

36 AGENTES FÍSICOS Tipos de radiações ionizantes – As radiações podem ser partículas ou radiações eletromagnéticas (fótons). As radiações eletromagnéticas (fótons) são as radiações Gama ( ) e X. As partículas podem ser a Beta ( ), a Alfa ( ), os nêutrons, os mesons carregados, os múons, os prótons, e os íons pesados. – As mais freqüentemente encontradas no trabalho são as radiações e X e as partículas e.

37 AGENTES FÍSICOS Exposição a radiações ionizantes – atividades de radiologia e radioterapia médica – Gamagrafia industrial (uso de raios gama para fazer radiografias de estruturas de concreto ou metal na Construção Civil ou Ind. Metalúrgica) – Produção e uso de radioisótopos em reatores de pesquisas ou comerciais

38 AGENTES FÍSICOS Características gerais dos efeitos biológicos da radiações – Especificidade - não são específicos. – Tempo de latência – existe sempre um tempo de latência entre o recebimento da radiação e o aparecimento de dano detectável clinicamente (varia inversamente com a dose de radiação recebida). – Reversibilidade – podem ser reversíveis ou não, dependem da dose e do tipo de dano.

39 AGENTES FÍSICOS Características gerais dos efeitos biológicos da radiações – Transmissibilidade – os efeitos da radiação nas células somáticas não são transmissíveis. Somente os danos ao DNA das células gaméticas podem ser transmitidos à descendência.

40 AGENTES FÍSICOS Características gerais dos efeitos biológicos da radiações – Radiosensibilidade –a radiosensibilidade das células é diretamente proporcional a sua capacidade de reprodução e inversamente proporcional ao seu grau de especialização. – Limiar – Existem tipos de efeitos que necessitam de um mínimo de dose para se manifestar, enquanto outros não necessitam de uma dose limiar.

41 AGENTES FÍSICOS Classificação dos efeitos biológicos das radiações ionizantes – Efeitos determinísticos ou não estocásticos: São os efeitos que possuem dose limiar, e que existe uma proporcionalidade entre a dose recebida pelo organismo e o dano causado. Estes efeitos são todos de células somáticas e só se manifestam no indivíduo irradiado. Como exemplo pode-se citar efeitos na medula óssea (hipoplasia, aplasia), na pele (eritema, descamação), etc.

42 AGENTES FÍSICOS Classificação dos efeitos biológicos das radiações ionizantes – Efeitos estocásticos ou probabilísticos: São os efeitos que não necessitam de uma dose limiar para se manifestar e quanto maior a dose maior é a probabilidade de ocorrer um efeito Só não existe probabilidade alguma de ocorrer efeito quando a dose é zero. Nas células somáticas os efeitos estocásticos são representados pelos diversos tipos de cânceres.

43 AGENTES FÍSICOS Efeitos somáticos conseqüentes à exposição a radiação – Exposição a doses elevadas em tempo curto (exposição aguda) – Exposição a pequenas doses por tempo prolongado. (exposição crônica).

44 AGENTES FÍSICOS Exposição aguda – Após uma exposição a doses elevadas de radiação surgirá um quadro clínico denominado Síndrome Aguda da Radiação. – Manifestações múltiplas, especialmente na mucosa gastrintestinal, medula óssea, sistema nervoso central e cardiovascular.

45 AGENTES FÍSICOS Efeitos tardios – Os efeitos tardios decorrentes de uma exposição aguda podem aparecer muitos anos após o episódio de irradiação. – Podem ser efeitos estocásticos como o câncer, ou determinísticos como a catarata.

46 AGENTES FÍSICOS Efeitos tardios – A leucemia parece ser um dos principais, mas existem vários outros tipos de tumores com risco relativa muito aumentado em populações estudadas, como câncer de pele, pulmão, ósseo, hepático, entre outros. – Como efeitos tardios também deve-se lembrar das mutações que aparecerão somente nas gerações filhas dos irradiados, e não necessariamente na primeira geração.

47 AGENTES FÍSICOS Radiocontaminado e irradiado – Indivíduo sofre uma irradiação por proximidade de uma fonte emissora (um radioisótopo emissor gama, por exemplo), sem ter contato com a fonte, e neste caso será um irradiado

48 AGENTES FÍSICOS Radiocontaminado e irradiado – Por outro lado, além de ser irradiado, um indivíduo poderá ter contato com a fonte, ficando com ela em seu corpo (radiocontaminado), e neste caso, além de continuar sendo irradiado, irradia outras pessoas e ainda pode contamina-las também.

49 AGENTES FÍSICOS RADIOCONTAMINADO – A radiocontaminação pode ser superficial (na pele) ou interna (órgãos internos) ou em ambos. – Mesmo em uma contaminação exclusivamente interna pode haver contaminação por urina, fezes, descamação cutânea, saliva, etc. – É possível detectar um radiocontaminado usando um contador Geiger.

50 AGENTES FÍSICOS RADIOCONTAMINADO – O irradiado pode ser tratado em um serviço médico convencional. – O radiocontaminado só pode ser tratado em um serviço especializado, além de ser um grande risco de irradiação e contaminação à equipe médica, a sua descontaminação faz parte do tratamento.

51 AGENTES FÍSICOS RADIOPROTEÇÃO – Disciplina de caráter preventivo com conteúdo médico, físico, técnico e normativo que objetiva evitar os efeitos determinísticos, estabelecendo limites de doses máximas admissíveis abaixo do limiar, e diminuir os efeitos estocásticos para valores aceitáveis. – Existem tabelas que definem a quantidades máximas de radiação que o trabalhador pode receber por determinados períodos (mensal, trimestral, anual, etc.).

52 AGENTES FÍSICOS RADIOPROTEÇÃO – Para determinar as doses recebidas é obrigatório que os trabalhadores utilizem dosímetros que são periodicamente avaliados. – As medidas técnicas existentes para minimizar as doses recebidas vão de barreiras físicas (chumbo, concreto, etc.), a distância da fonte, até o controle do tempo que o trabalhador permanece nas áreas sujeitas a radiação.

53 AGENTES FÍSICOS RADIAÇÕES NÃO IONIZANTES Infravermelho – Soldagem – Manufatura do vidro – Fornos Ultravioleta – Radiação solar Microondas Radiofreqüência

54 AGENTES FÍSICOS VIBRAÇÕES LOCALIZADAS – Síndrome dos dedos brancos (leão vascular, osteoarticular, tendinea e neurológica) DE CORPO INTEIRO


Carregar ppt "Capa O ambiente e as doenças do trabalho Curso de Especialização em Engenharia e Segurança do Trabalho Jefferson Benedito Pires de Freitas."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google