A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

MÉTODO DE DISPOSIÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DISCIPLINA: TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS. PROF. REGINALDO MILANI.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "MÉTODO DE DISPOSIÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DISCIPLINA: TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS. PROF. REGINALDO MILANI."— Transcrição da apresentação:

1 MÉTODO DE DISPOSIÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DISCIPLINA: TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS. PROF. REGINALDO MILANI

2 O LANÇAMENTO A CÉU ABERTO É A DISPOSIÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS SIMPLESMENTE DESCARREGADOS SOBRE O SOLO SEM MEDIDA DE PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE E À SAUDE PÚBLICA. FACILITA A PROLIFERAÇÃO DE VETORES (MOSCAS,RATOS,MOSQUITOS, BARATAS,ETC.) GERAÇÃO DE MAUS ODORES. POLUIÇÃO DAS ÁGUAS SUPERF. E SUBTERRÂNEAS PELO LIXIVIADO. NÃO CONTROLA OS RESÍDUOS ENCAMINHADOS AO LOCAL PARA DEPOSIÇÃO (VENTOS, ENCHURRADAS, ETC.) PIOR FORMA DE DEPOSIÇÃO DOS RESÍDUOS, SOB TODOS OS ASPECTOS. REALIZADO POR MAIS DE 70% DAS COMUNID. BRASILEIRAS.

3 LIXÃO

4

5 VETORES POR CONTER ALTO TEOR ENERGÉTICO E FORNECER DISPONIBILIDADE SIMULTÂNEA DE ÁGUA, ALIMENTO E ABRIGO, LIXO É PREFERIDO POR INUMEROS ORGANISMOS: MACROVETORES – RATOS, BARATAS, MOSCAS E ANIMAIS DE PORTE MAIOR, COMO CÃES, AVES, SUINOS, EQUINOS E ATÉ O SER HUMANO ENQUADRA-SE NESSE GRUPO. MICROVETORES – SÃO OS VERMES, BACTÉRIAS, FUNGOS, ACTINOMICETES, VIRUS, ESSES ULTIMOS PATOGÊNICOS E PORTANTO NOCIVOS AO SER HUMANO.

6 MACROVETORES NA DISPUTA DE RESTOS DE LIXO, DENTRE ELES O SER HUMANO.

7 TABELA DE TEMPO DE SOBREVIVÊNCIA DOS MICROVETORES. ORGANISMOTEMPO (DIAS) Salmonella Typhi Endamoeba Histolytica Ascaris lombricóides Leptospira Interrogans Polio Virus Bacilo Tuberculose Larvas de vermes25 – 40

8 LIXÃO A CÉU ABERTO TÃO DESASTROSO COMO MACRO E MICROVETORES, POLUIÇÃO DO SOLO ALTERANDO AS CARACTERÍST. FISICAS, QUIMICAS E BIOLÓGICAS. -ÁGUA – LANÇAMENTO DE LIXO NOS CURSOS DE ÁGUA (TURBIDEZ, BANCAS DE LODO, TEMPERATURA, O2, ALÉM DOS ASPECTOS ESTÉTICOS DO RIO) ÁGUAS SUBTERRÂNEAS – PERCOLAÇÃO DO LIXIVIADO. NO AR – PELA FORMAÇÃO DE GASES, ORIUNDOS DA DECOMPOSIÇÃO ORGÂNICA (CO2, H2S E CH4). POLUIÇÃO VISUAL DOS LIXÕES.

9 ATERROS CONTROLADOS É UMA FORMA DE DISPOSIÇÃO FINAL NO SOLO, COM ALGUMAS PRECAUÇÕES TECNOLÓGICAS, COMO, POR EX., RECOBRIMENTO COM ARGILA, SEM CONTUDO EXECUTAR UMA COMPACTAÇÃO MAIS CONTROLADA. MINIMIZAM OS RISCOS DE IMPACTO AO MEIO AMBIENTE E À SAUDE PÚBLICA. EMBORA SEJA UMA TÉCNICA PREFERÍVEL AO LANÇAMENTO A CÉU ABERTO, NÃO SUBSTITUI O ATERRO SANITÁRIO. SOLUÇÃO COMPATÍVEL (NÃO COMPLETAMENTE ADEQUADA) PARA MUNICIPIOS PEQUENOS. É ADOTADA COMO SOLUÇÃO EM APROX. 13% DOS MUNICIPIOS BRASILEIROS.

10 ATERROS SANITÁRIOS É A FORMA DE DISPOSIÇÃO FINAL DE RESÍDUOS NO SOLO, DENTRO DE CRITÉRIOS DE ENGENHARIA E NORMAS OPERACIONAIS ESPECÍFICAS, EVITANDO DANOS À SAUDE PÚBLICA E MINIMIZANDO IMPACTOS AMBIENTAIS. CRITÉRIOS DE ENGENHARIA: - SISTEMA DE DRENAGEM PERIFÉRICA E SUPERFICIAL PARA AFASTAMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS. - SISTEMA DE DRENAGEM DE FUNDO PARA COLETA DE LIXIVIADO (CHORUME E ÁGUA). - DRENAGEM E QUEIMA DOS GASES GERADOS DURANTE O PROCESSO DE BIOESTABILIZAÇÃO MAT. ORGÂNICA. - SISTEMA TRATAMENTO PARA O LIXIVIADO DRENADO.

11 ATERRO SANITÁRIO

12 VISTA AÉREA DE ATERRO SANITÁRIO

13 O ECOSSISTEMA ATERRO SANITÁRIO AS CARACTERÍSTICAS MICROBIOLÓGICAS, FISICAS E QUIMICAS DOS RESÍDUOS VARIAM DE CIDADE PARA CIDADE. SÃO DIRETAMENTE INFLUENCIADAS PELAS COND. SÓCIO- ECONOMICAS E CULTURAIS DA CADA REGIÃO. O ATERRO OPERA COMO UM VERDADEIRO REATOR ESTABELECENDO UM MEIO AMBIENTE, NO SENTIDO ECOLÓGICO DA PALAVRA. APESAR DO CAMINHO DA BIOTRANSFORMAÇÃO SEJA O MESMO EM TODOS OS ATERROS, AS DIFERENÇAS ENTRE ELES SUGEREM QUE EM CADA UM CUNDUZ A UM ECOSSISTEMA PARTICULAR.

14 CONCEITOS E ASPECTOS GERAIS ASCE(AMERICAN SOCIETY CIVIL ENGINEERING) É UM MÉTODO DE DISPOSIÇÃO IDEAL. QUANDO SE EXECUTA UM ATERRO, EVITA-SE: PROBLEMAS COM PROLIFERAÇÃO DE VETORES. ESPALHAMENTO DE PAPÉIS, PLÁSTICOS E MAT. LEVES. POSSIBILIDADE DE ENGORDA DE ANIMAIS NA ÁREA. FIXAÇÃO DE FAMILIAS DE CATADORES DE LIXO. POLUIÇÃO DAS ÁGUAS SUPERF. OU SUBTERRÂNEAS. VANTAGENS: SIMPLICIDADE EXECUTIVA E OPERACIONAL. ATERRO SANIT. É SOLUÇÃO PARA QUALQUER VOLUME LIXO PRODUÇÃO DE FERTILIZANTES ORGÂNICOS (ONEROSAS) PRODUÇÃO DE GASES (EM ESTUDO DE VIABILIZAÇÃO)

15 CONCEITOS E ASPECTOS GERAIS. DESVANTAGENS: ÁREAS AFASTADAS DO PERÍMETRO URBANO (TRANSP.), CAUSANDO POLUIÇÃO SONORA E DO AR. DEGRADAÇÃO DOS RESÍDUOS É LENTA (ANAERÓBIA). REQUER TRATAMENTO DOS RESÍDUOS LIQUIDOS PRODUZIDOS (CHORUME). PODE HAVER NECESSIDADE DE EXPORTAÇÃO DE MAT. PARA COBERTURA, COM CUSTOS ONEROSOS DE TRANSPORTE. FALTA DE ÁREAS PRÓXIMAS ÀS CIDADES (PODE SER SUPERADA PELA CRIAÇÃO DE CONSÓRCIOS DE MUNICIPIOS).

16 CLASSIFICAÇÃO E MÉTODOS DE OPERAÇÃO MÉTODO DA TRINCHEIRA – É APLICADO EM TERRENO PLANO OU LEVEMENTE INCLINADO. PRODUÇÃO DIÁRIA PEQUENA, NÃO ULTRAPASSANDO 10 T. NÃO UTILIZA EQUIPAMENTOS DIFERENTES DOS UTILIZADOS POR PREFEITURAS. SE AS TRINCHEIRAS FOREM PEQUENAS, O CAMINHÃO NÃO ENTRA NA VALA. O MATERIAL DE RECOBRIMENTO É O DA ESCAVAÇÃO. PREENCHIDA A TRINCHEIRA, PARTE SUP. NIVELADA, CAMADA DE ARGILA DE 60 A 100 CM, COMPACTADA. SOBRA DE MATERIAS PARA MANUTENÇÃO DE VIAS DE ACESSO NO PARQUE.

17 MÉTODO DA TRINCHEIRA PARA GRANDES CIDADES. EM TRINCHEIRAS DE GRANDE PORTE, RESÍDUOS SÃO DESCARREGADOS NO INTERIOR DA MESMA. TRATOR DE ESTEIRA EMPURRA E FAZ A COMPACTAÇÃO PASSANDO DE 3 A 5 VEZES. SOBRE O LIXO COMPACTADO, NO FIM DO DIA, UMA CAMADA DE ARGILA DE 10 A 15 CM, FORMANDO AS CÉLULAS SANIT. ATINGINDO A ALTURA MÁXIMA DA CÉLULA, COBERTURA DE 60 A 100 CM DE ARGILA COMPACTADA.

18 CLASSIFICAÇÃO E MÉTODOS DE OPERAÇÃO MÉTODO DA ESCAVAÇÃO PROGRESSIVA OU MÉTODO DA MEIA ENCOSTA. UTILIZADO EM ÁREAS SECAS E DE ENCOSTAS UTILIZANDO O MATERIAL ESCAVADO COMO RECOBRIMENTO. MATERIAL É DEPOSITADO NO SOLO E COMPACTADO EM VÁRIAS CAMADAS, ATÉ 3 A 4 METROS DE ALTURA. EM SEGUIDA, O TRATOR ESCORA, NA PARTE OPOSTA DA OPERAÇÃO O MATERIAL DE COBERTURA, FORMANDO A CÉLULA. NO FINAL, FAZ-SE O SELAMENTO E RECONSTITUIÇÃO MORFOLÓGICA DO LOCAL. PLANTAÇÃO DE GRAMÍNEAS NA CAMADA SUPERFICIAL.

19 CLASSIFICAÇÃO E MÉTODOS DE OPERAÇÃO MÉTODO DA ÁREA OU ATERRO TIPO SUPERFICIAL- -UTILIZADO QUANDO A TOPOGRAFIA LOCAL PERMITE O RECEBIMENTO/CONFINAMENTO DOS RESÍDUOS, SEM ALTERAÇÃO DE SUA CONFIGURAÇÃO NATURAL. -OS RESÍDUOS SÃO DESCARREGADOS E COMPACTADOS FORMANDO UMA ELEVAÇÃO TRONCO-PIRAMIDADA. -RECEBE A COBERTURA NO FINAL DA CADA DIA FORMANDO A CÉLULA. - PRIMEIRA CÉLULA CONSTITUI NO PARAMENTO NECESSÁRIO AO PROSSEGUIMENTO EM TODOS OS SENTIDOS. - FALTA DE LOCAIS – UTILIZAÇÃO DE ÁREAS BAIXAS E UMIDAS (MANGUES, PÂNTANOS, ALAGADOS ETC.)

20 CLASSIFICAÇÃO E MÉTODOS DE OPERAÇÃO PROCEDIMENTO NÃO CORRETO E CAIU EM DESUSO. CUIDADOS ESPECIAIS, COMO REBAIXAMENTO DO LENÇOL FREÁTICO. CONSTRUÇÃO DE DIQUES NAS LINHAS COSTEIRAS E DOS RIOS. BOMBEAMENTO DE TODA ÁGUA LOCAL PARA CONSTRUÇÃO DO ATERRO. CAUSA NO LOCAL, DANOS AMBIENTAIS DE GRANDE MAGNITUDE, COMPROMETENDO A BIOTA QUE NELES SE ABRIGA E REPRODUZ. ESSAS ÁREAS VEM SENDO OBJETO DE PROTEÇÃO, CONTEMPLADAS COM PROJETOS DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL NO LOCAIS JÁ IMPACTADOS.


Carregar ppt "MÉTODO DE DISPOSIÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DISCIPLINA: TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS. PROF. REGINALDO MILANI."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google