A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS NÚCLEO DE GEOPROCESSAMENTO SISTEMAS DE REFERÊNCIA e CARTOGRAFIA Ngeo.

Cópias: 1
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS NÚCLEO DE GEOPROCESSAMENTO MÓDULO 2 CARTOGRAFIA Ngeo.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS NÚCLEO DE GEOPROCESSAMENTO SISTEMAS DE REFERÊNCIA e CARTOGRAFIA Ngeo."— Transcrição da apresentação:

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS NÚCLEO DE GEOPROCESSAMENTO SISTEMAS DE REFERÊNCIA e CARTOGRAFIA Ngeo

2 SISTEMAS DE REFERÊNCIA

3 SISTEMAS DE REFERÊNCIA: Utilizados para definir a posição de entes na superfície da Terra ou no espaço. Na superfície da Terra são utilizados os Sistemas de Referência Terrestres ou Geodésicos, associados a superfícies que mais se aproximam da forma da Terra. BRASIL: Sistema Geodésico Brasileiro – SGB mais de pontos distribuídos por todo o território brasileiro, incluindo rede ativa e rede passiva.

4 Geóide versus Elipsóide Geóide Geóide - Superfície de mesmo potencial gravitacional (equipotencial) melhor adaptada ao nível médio do mar. Elipsóide Elipsóide –Modelo matemático que define a superfície da Terra.

5 Geóide versus Elipsóide Elipsóide Geóide

6 Elementos da elipse a = semi-eixo maior b = semi-eixo menor f = achatamento = (a-b)/a Parâmetros mais freqüentes: a e 1/fParâmetros mais freqüentes: a e 1/f Semi- eixo menor Semi- eixo maior a b

7 Elipse 3D: um Elipsóide Semi-eixo maior Semi-eixo menor Elipse rotacionada em torno do semi-eixo menor (polar) para obter um elipsóide 3DElipse rotacionada em torno do semi-eixo menor (polar) para obter um elipsóide 3D Semi-eixo maior: eixo equatorialSemi-eixo maior: eixo equatorial

8 SISTEMAS DE COORDENADAS UTILIZADOS EM GEODÉSIA CARTESIANAS: X, Y, Z GEODÉSICAS (OU ELIPSOIDAIS): Latitude = φ Longitude = λ Altitude Elipsoidal ou geométrica = h ou Altitude Ortométrica = H PLANAS (UTM) Norte = N Este = E

9 Sistema Earth-Centered, Earth Fixed ECEF Z = Eixo Polar médio X = Meridiano de origem Eixo X no plano do Equador Y = Longitude 90º E Eixo Y no plano do Equador Z X Y Centro de massa da Terra Centro de massa da Terra

10 Coordenadas Cartesianas e Geodésicas X Y Z Coord. Ponto P X, Y, Z ou Lat, Long, Alt Elips. Meridiano de Greenwich Meridiano em P Elipsóide de Referência y x z h Y X Z P

11 Um Datum é definido através de 8 elementos: Posição da rede (3 elementos)Posição da rede (3 elementos) Orientação da rede (3 elementos)Orientação da rede (3 elementos) Parâmetros do elipsóide (2 elementos)Parâmetros do elipsóide (2 elementos) Superfícies de trabalho Elipsóide Sulamericano Elipsóide Norteamericano Geóide Na definição de Datum(s) (Data) locais é mais desejável um ajustamento regional que um global América do Sul América do Norte

12 Datum Um ponto pode ter diferentes coordenadas, dependendo do Datum usado x

13 ELIPSÓIDES NO BRASIL ANODESIGNAÇÃOaf 1924Hayford / Ass. Geod. Internac. South American Datum-SAD /298, World Geodetic System WGS/84 – GRS /298, Sist. Ref. Geocêntrico para as Américas– SIRGAS - GRS /298,

14 O Elipsóide de Hayford foi adotado em: CÓRREGO ALEGRE (MG) LA CANOA (Venezuela) (PSAD/56) ASTRO CHUÁ (MG) ATUALMENTE (CONCOMITANTE COM O SIRGAS ATÉ 2015) Datum Horizontal = CHUÁ (MG) Elipsóide = SAD/69 – (SOUTH AMERICAN DATUM OF 1969)

15 PARÂMETROS DO SAD/69 (Datum CHUÁ) Elipsóide Internacional de 1967 – UGGI 67 = 19 o 4541,6527 S = 48 o 0604,0639 W N = 0 A G = 271 o 3004,05 (Chuá – Uberaba) a = ,00 f = 1/298,25 H = 763,28 m

16 VÉRTICE CHUÁ – SAD/69

17

18 SAD-69 vs. WGS-84 X (SAD) Z (SAD) Y (WGS) X (WGS) Z (WGS) SAD-69 --> WGS-84 (IBGE): TX= -66,87 m TY= 4,37 m TZ= -38,52 m Y (SAD)

19 WORLD GEODETIC SYSTEM 1984 WGS/84 Utilizado pelo Sistema de Posicionamento Global - GPS Elipsóide: GRS-80 Modelo gravitacional EGM96 (G873) Achatamento f = 1/298, Semi-eixo maior a = m Origem: Centro de massa da Terra

20 SISTEMA DE REFERÊNCIA GEOCÊNTRICO PARA AS AMÉRICAS SIRGAS Sistema Geodésico de Referência: Sistema de Referência Internacional – ITRS Fig. Geométrica p/ Terra: Elipsóide do Sistema Geodésico de Referência de 1980 – GRS80 Semi-eixo maior a = m Achatamento f = 1/298, Origem: Centro de massa da Terra Orientação: Pólos e meridiano de referência consistentes em ± 0,005 com as direções definidas pelo BIH em 1984,0

21 SISTEMA DE REFERÊNCIA GEOCÊNTRICO PARA AS AMÉRICAS - SIRGAS Estações de Referência: 21 estações da rede continental SIRGAS 2000 estabelecidas no Brasil (v. IBGE) Época de referência das coordenadas: 2000,4 Velocidade das estações: para altas precisões considerar variações provocadas pelos deslocamentos da placa tectônica da América do Sul (v.

22 PRINCIPAIS PARÂMETROS DO GRS80 GEODETIC REFERENCE SYSTEM 1980, adotado pela Associação Geodésica Internacional (IAG) em 1979 Raio equatorial da Terra a = m Constante gravitacional geocêntrica (incluindo a atmosfera) GM = m 3 s -2 Fator de forma dinâmico (excluindo marés permanentes) J 2 = Velocidade angular da Terra w = rad s -1

23 PRINCIPAIS PARÂMETROS DO GRS80 Parâmetros Geométricos derivados: Semi-eixo menor (raio polar) b = ,3141m Primeira excentricidade e 2 = 0, Achatamento f = 1:298, Raio médio R 1 = ,7714 m Raio da esfera com mesma superfície R 2 = ,1810 m Raio da esfera com mesmo volume R 3 = ,7900 m

24 PRINCIPAIS PARÂMETROS DO GRS80 Parâmetros físicos derivados: Potencial normal ao elipsóide U 0 = ,850 m 2 s -2 Gravidade normal no Equador g e = 9, m s -2 Gravidade normal nos Polos g P = 9, m s -2

25 EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE REFERÊNCIA UTILIZADOS NO BRASIL Sistema Clássico: Datum astro-geodésico horizontal (DGH) Escolha de um elipsóide e ajustamento (topocêntico) Densificação da rede: triangulação poligonação trilateração Rede altimétrica independente

26 EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE ….. ERA ESPACIAL: (semelhante ao clássico: definição e materialização) Sistemas geocêntricos que consideram: - campo gravitacional da Terra - constantes físicas: raio equatorial, constante gravitacional geocêntrica (com ou sem atmosfera), achatamento terrestre e velocidade de rotação da Terra - uso de satélites artificiais para definição de coordenadas na superfície da Terra. - materialização através de redes geodésicas - Uso de técnicas do VLBI, SLR, LLR,GPS, DORIS - Coordenadas espaciais e temporais

27 EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE ….. CÓRREGO ALEGRE: - baseado em determinações astronômicas - iniciado na triangulação em Santa Catarina e levado para o planalto devido à tendência de desvio da vertical para leste na região. - Datum horizontal: vértice Córrego Alegre - Superfície de referência: Elipsóide Hayford semi-eixo maior a = m - achatamento f = 1/297

28 EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE ….. CÓRREGO ALEGRE: - Latitude φ = 19 o 5014,91 S - Longitude λ = 48 o 5741,98 W - Altitude ortométrica H = 683,81 m - Ondulação geoidal N = 0 - Desvio da vertical = 0 Obs. A maior parte da cartografia disponível até o presente é referenciada a este Datum

29 EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE ….. Estudo do geóide na região do datum Córrego Alegre com determinação de 2113 estações gravimétricas para definição de um novo datum ASTRO DATUM CHUÁ (provisório): -Origem: vértice Chuá - elipsóide de referência : HAYFORD - Ondulação geoidal N = 0 -Não considerou o desvio da vertical - Coordenadas ajustadas para o novo datum - Sistema topocêntrico

30 EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE ….. SOUTH AMERICAN DATUM 1969 – SAD69 - Sistema topocêntrico -Adotado oficialmente em Estabelecimento de novas redes usando a técnica de triangulação ligando a rede da Venezuela à rede brasileira - Ajuste e processamento em 10 blocos separados (técnica piece-meal). Conseqüência: graves distorções geométricas em escala e orientação da rede. - Diversidade de instrumentos e métodos. - Primeiro ajuste na década de 1960 com 1285 estações.

31 EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE ….. -Parâmetros: Datum horizontal: Vértice CHUÁ Elipsóide de referência: Internacional de 1967 (UGGI 67) Coordenadas geodésicas: - Latitude φ = 19 o 4541,6527 S - Longitude λ = 48 o 0604,0639 W - Altitude ortométrica H = 763,28 m - Ondulação geoidal N = 0 - Azimute (Chuá-Uberaba) = 271 o 3004,05

32 EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE ….. SOUTH AMERICAN DATUM 1969 – SAD69 – Realização Ajustamento da RGB simultâneamente utilizando a técnica Helmert Blocking – Sistema GHOST (usado no Canadá para ajustamento do NAD-83) – 4759 estações - Ajustamento utilizando pontos da rede clássica revisitados com a técnica GPS e Doppler -Análise estatística completa usando o erro absoluto das coordenadas mapeados através dos desvios padrão e elipse de erros. - Fornecimento pelo IBGE (após ajustamento) do desvio padrão das coordenadas

33 EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE ….. SOUTH AMERICAN DATUM 1969 – SAD69 – Realização O reajustamento da rede geodésica causou mudança nas coordenadas das estações devido ao impacto da inclusão de novas observações e metodologia de ajustamento mais rigorosa. -Devido às distorções as diferenças não têm comportamento sistemático nem homogêneo. - Diferenças de até 15 metros entre as coordenadas referenciadas ao SAD/69 original e o SAD/69 realização 96

34 EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE ….. SOUTH AMERICAN DATUM 1969 – SAD69 – Realização 1996 Obs. Padrão de Exatidão Cartográfica PEC = 0,2mm

35 WORLD GEODETIC SYSTEM WGS84 -Necessidade de elipsóide geocêntrico - 4 versões do Sistema de Referência WGS84 estabelecidos pelo DoD desde Referência para as efemérides operacionais do GPS -Inicialmente fornecia precisão métrica (Transit – NSWC 9Z-2) - Rede de referência para o WGS84 implantada em Primeiro refinamento WGS84 G730 (época de ref. = 1994,0) - Segundo refinamento WGS84 G873 (época de ref. = 1997,0)

36 SISTEMA DE REFERÊNCIA GEOCÊNTRICO PARA A AMÉRICA DO SUL - SIRGAS -Necessidade de um sistema geocêntrico para utilizar as precisões fornecidas pelo GPS - Novo componente das coordenadas: o tempo - Coordenadas definidas em associação com velocidades e referidas a uma determinada época. - O SIRGAS utiliza parâmentros idênticos ao utilizado pelo GPS (GRS80) com pequena diferença apenas no achatamento desprezível para fins práticos.

37 INTERNATIONAL TERRESTRIAL REFERENCE FRAME - ITRFyy -Criação em 1988 do IERS (International Earth Rotation Service ITRS (International Terrestrial Reference System) com propósito de estudo dos: - movimento de rotação terrestre, - movimento de placas tectônicas continentais e - monitoramento do nível médio dos mares A materialização do ITRS é dada pelo ITRFyy (IERS Terrestrial Reference Frame referido ao ano yy). A cada ano uma nova solução composta por coordenadas e velocidades para as estações que compõem a rede

38 PARÂMETROS DE TRANSFORMAÇÃO ENTRE SISTEMAS SAD 69 (1) PARA SIRGAS 2000 (2): a 1 = f 1 = 1/298,25 a 2 = f 2 = 1/298, X = -67,35 m Y = +3,88 m Z = -38,32 m

39 SIRGAS 2000 (1) PARA SAD 69 (2) a 1 = f 1 = 1/298, a 2 = m f 2 = 1/298,25 Δ X = +67,35 m Δ Y = -3,88 m Δ Z = +38,32 m PARÂMETROS DE TRANSFORMAÇÃO ENTRE SISTEMAS

40 WGS84 (1) PARA SAD69 (2) a 1 = f 1 = 1/298, a 2 = m f 2 = 1/298,25 Δ X = +66,87 m ± 0,43 m Δ Y = -4,37 m ± 0,44 m Δ Z = +38,52 m ± 0,40 m

41 a 1 = f 1 = 1/297 a 2 = m f 2 = 1/298,25 Δ X = -138,70 m Δ Y = +164,40 m Δ Z = -34,40 m PARÂMETROS DE TRANSFORMAÇÃO ENTRE SISTEMAS CÓRREGO ALEGRE (1) PARA SAD69 (2)

42 REDES DE REFERÊNCIA Rede Fundamental de Triangulação Redes GPS do Estado de São Paulo 24 estações ligadas ao vértice Chuá (SAD/69) integração ao Sistema Geodésico Brasileiro

43 REDE GPS DO ESTADO DE SÃO PAULO

44

45

46 VÉRTICE CHUA – SAD/69

47 REDE BRASILEIRA DE MONITORAMENTO CONTÍNUO – RBMC Referenciadas ao SGB 12 estações em operação contínua (Sistema Ativo) possibilidade de usar a rede mundial precisão do modo relativo com 1 receptor receptor de 2 freqüências até 500 km dados do IBGE on-line internet

48 REDE BRASILEIRA DE MONITORAMENTO CONTÍNUO

49 REDE ALTIMÉTRICA - Iniciada em 13 de Outubro de 1945 (RN 1-A localizada no Distrito de Cocal, Município de Urussanga, Santa Catarina) - Conexão com a Estação Maregráfica de Torres, RS, em dezembro de (rede c/ + de km em 1958) - Substituição do Datum Vertical de Torres pelo Datum Vertical de Imbituba em Rede de nivelamento atinge o Acre e o Amazonas em 1970

50 DIFERENÇAS ENTRE IMBITUBA E OS DEMAIS MARÉGRAFOS DO BRASIL TORRES (1919) – IMBITUBA (1958) 0,058m RIO DE JANEIRO = – 0,12 m SALVADOR = + 0,01 m RECIFE = + 0,14 m FORTALEZA = + 0,24m

51 Superfície de nível: superfície curva, de forma aproximadamente esferoidal, que em todos os seus pontos é perpendicular à direção vertical definida pela força da gravidade. Geóide: superfície equipotencial do campo de gravidade da Terra. Altitude: distância vertical compreendida entre o ponto e o plano de referência. ALTIMETRIA

52 Plano de Referência: superfície de nível adotada para referenciar as altitudes de pontos em um nivelamento. Referência de Nível (R.N.): ponto ou marco, que pode ser de natureza permanente, natural ou artificial, de altitude conhecida em relação a um plano de referência. ALTIMETRIA

53 Referência das Altitudes Geóide Elipsóide Altura Elipsoidal Altitude Ortométrica Superfície Terrestre Ondulação geoidal H h N

54 Origem da Referência de Nível DATUM VERTICAL - IMBITUBA, S.C.

55 SISTEMAS DE PROJEÇÃO CARTOGRÁFICA A REPRESENTAÇÃO DE PONTOS DA SUPERFÍCIE TERRESTRE EM UM PLANO UTILIZA TÉCNICAS DE CORRELAÇÃO DOS SISTEMAS DE PROJEÇÃO. TODOS OS SISTEMAS DE PROJEÇÃO CARTOGRÁFICA INTRODUZEM ALGUM TIPO DE DEFORMAÇÃO A ESCOLHA DO SISTEMA DE PROJEÇÃO ESTÁ RELACIONADA AO USO QUE SE DESTINA O MAPA

56 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE PROJEÇÃO AS PROJEÇÕES CARTOGRÁFICAS PODEM SER CLASSIFICADAS POR DIVERSOS CRITÉRIOS: Situação do ponto de vista Método de construção Superfície de projeção Propriedades que conservam, etc.

57 QUANTO À PROPRIEDADE QUE CONSERVAM CONFORMIDADE: os ângulos não se deformam e, assim, mantém a forma dentro de alguns limites de extensão. Implica em variação de escala de um ponto para outro. EQUIVALÊNCIA: áreas conservadas dentro de alguns limites de extensão. EQÜIDISTÂNCIA: sem deformações lineares em uma ou algumas direções ao redor de um centro.

58 TIPOS DE PROJEÇÕES

59 SEQÜÊNCIA PARA DENOMINAÇÃO: 1 – A NATUREZA DA SUPERFÍCIE DE PROJEÇÃO: Cilíndrica, Plana, Cônica. 2 – A POSIÇÃO DO EIXO EM RELAÇÃO À LINHA DOS POLOS: Polar, Transversa, Normal 3 – a) Se analíticas, as propriedades que conservam: Conforme, Eqüiárea, Eqüidistante. b) Se geométricas, a posição do ponto de vista: ortográfica, estereográfica, gnomônica

60 NOMENCLATURA DE FOLHAS TOPOGRÁFICAS A CARTA DO BRASIL AO MILIONÉSIMO FAZ PARTE DA CARTA INTERNACIONAL DO MUNDO (CIM), NA ESCALA 1: A CARTA DO BRASIL AO MILIONÉSIMO É COMPOSTA DE 46 FOLHAS, CADA UMA ABRANGENDO ÁREA DE 4 o DE LATITUDE POR 6 o DE LONGITUDE FUSOS: INTERVALO DE 6 o LIMITADO PELOS MERIDIANOS ZONAS: FAIXAS DE 4 o LIMITADAS POR PARALELOS

61 DESDOBRAMENTO DAS FOLHAS: 1 – A folha 1: (4 o x 6 o ) divide-se em quatro folhas (2 o x 3 o ) de escala 1: : V, X, Y,Z. 2 – A folha 1: divide-se em quatro folhas (1 o x 1 o 30) de escala 1: : A, B, C, D. 3 – A folha 1: divide-se em seis folhas (30x 30) de escala 1: : I, II, III, IV, V, VI. 4 – A folha 1: divide-se em quatro folhas (15x 15) de escala 1:50.000: 1, 2, 3, 4. 5 – A folha 1: divide-se em quatro folhas (730x730) de escala 1: : NO, NE, S0, SE. 6 – A folha 1:25:000 divide-se em seis folhas (345x 230) de escala 1:10.000: A, B, C, D, E, F

62 ARTICULAÇÃO DE FOLHAS – CARTA AO MILIONÉSIMO

63 DESDOBRAMENTO DE FOLHAS

64 DESDOBRAMENTO DE FOLHAS – Cont.

65 SISTEMA DE PROJEÇÃO UNIVERSAL TRANSVERSO DE MERCATOR - U.T.M. Princípios concebidos pelo cartógrafo belga Gerhard Kremer ( ), mais conhecido pelo seu nome latinizado: Mercator. Utilizado pela primeira vez em Importantes avanços por Lambert (1772), Gauss (1825) e Krüger (1912)

66 ESFERA E CILINDRO SECANTE

67 ESPECIFICAÇÕES DO SISTEMA UTM Projeção cilíndrica transversa conforme, de acordo com os princípios de Mercator, Lambert e Gauss-Krüger Pode ser adotado um único elipsóide para todo o globo, como o WGS-84 No Brasil adotou-se o SAD-69, datum: Chuá Divisão do globo terrestre em 60 fusos, de 6 o cada, numerados, a partir do antimeridiano de Greenwich.

68 FUSOS DO SISTEMA UTM

69 FUSOS UTM

70

71

72 A origem da coordenada (E) no sentido das longitudes é o meridiano central de cada fuso. Para evitar coordenadas negativas atribui-se o valor de ao meridiano central, aumentando positivamente para leste e negativamente para oeste A origem da coordenada (N) no sentido das latitudes é o Equador. Para o hemisfério sul atribui-se o valor à origem, decrescendo no sentido do pólo. Para o hemisfério norte atribui-se 0 (zero) à origem, crescendo no sentido do pólo.

73 Quadrículas: As quadrículas do sistema UTM são o conjunto de linhas retas, espaçadas uniformemente, que se interceptam em ângulos retos, formando um quadriculado. O intervalo entre as linhas verticais da quadrícula é função da escala adotada na folha, mas sempre relacionado a uma distância em número redondo de metros, geralmente quilômetro ou seus múltiplos.

74 As linhas verticais são paralelas ao meridiano central e as horizontais são paralelas ao Equador. Cada fuso da projeção UTM apresenta uma quadrícula particular, não havendo ligação nas bordas entre as quadrículas da folha de um fuso e outras da folha do fuso vizinho.

75 Coordenadas do Sistema UTM

76 A unidade de medida é o metro O fator de escala no meridiano central é= 0,9996. Duas linhas de deformação nula (K=1) com redução no interior (K 1) e ampliação no exterior (K 1). As latitudes do sistema variam de 80 o Norte a 80 o Sul.

77 Região de interesse no limite do fuso: admite-se que a folha topográfica avance até 30 sobre o fuso vizinho. A coordenadas terão origem no fuso onde está situada a maior parte da região a ser representada. Para reduzir os erros de escala podem ser adotados fusos com amplitude de 1 o (LTM) e 3 o (RTM). As expressões matemáticas e a metodologia são as mesmas: muda o coeficiente de escala Ko para o meridiano central e o valor das coordenadas na origem.

78 RTM: N = no equador. E = no meridiano central. LTM N = no equador E = no meridiano central

79 COORDENADAS DO SISTEMA LTM

80 sistema de projeção erro de escala no meridiano central erro de escala nas bordas UTM1:2.5001:1.000 RTM1: : LTM1: : ERRO DE ESCALA

81 Fator Escala Fator escala K, é o número usado para transformação da distância elipsóidica em plana e vice-versa. K0 = 0,9996 para fuso de 6 o de amplitude (UTM) K0 = 0,9999 para fuso de 3 o de amplitude (RTM) K0 = 0, para fusos de 1 o e 2 o de amplitude (LTM)

82 onde : K = fator escala no ponto considerado M = raio de curvatura na seção meridiana em m N = raio de curvatura na seção transversa em m E= distância ao meridiano central em m K 0 = fator escala no meridiano central, sendo

83 Para cálculos mais precisos do fator escala utiliza-se a expressão mais completa:

84 onde: K 0 = fator escala no meridiano central E= distância do ponto ao meridiano central Para UTM E m = média de E dos pontos extremos da linha. E = diferença entre as coordenadas E dos extremos da linha. M = raio de curvatura na seção meridiana N = raio de curvatura na seção transversa

85 Para pequenas distâncias e cálculos ordinários, pode- se tomar o fator escala para o centro da região. Para bases longas e cálculos mais rigorosos adota-se um valor ponderado dado para K pela expressão: A rigor, existe um fator escala para cada ponto

86 sendo K 1 = fator escala num dos extremos da base K 2 = fator escala no outro extremo da base K 3 = fator escala no ponto médio

87 Seqüência de cálculo para distâncias transporte da distância ao elipsóide ou ao geóide Distância topográfica para plana (UTM) projeção da distância elipsoidal (ou geoidal) sobre o plano

88 Distância plana (UTM) para topográfica transporte da distância plana para o elipsóide (ou geóide), obtido dividindo-se a distância plana (d p ) pelo fator escala (K). transporte da distância elipsoidal (S 0 ) para a superfície terrestre (S),

89 Transporte de distância da altitude H para o geóide onde: S 0 = distância reduzida ao geóide em m. S = distância na altitude H em m. H = altitude ortométrica em m. R M = raio médio em m.

90 Transporte de distância ao elipsóide onde: S 0 = distância reduzida ao elipsóide em m S = distância na altitude H em m H = altitude ortométrica em m R M = raio médio em m N = ondulação geoidal em m

91 Projeção da distância elipsoidal sobre o plano A projeção da distância elipsoidal ou da distância geoidal sobre o cilindro planificado (distância plana = d p ) é obtida multiplicando-as pelo fator escala K onde: S p = distância plana na projeção UTM S 0 = distancia geoidal ou elipsoidal K = fator escala

92 AZIMUTES Azimute topográfico: Azimute topográfico de uma linha é o ângulo medido em um de seus vértices, entre o meridiano que passa por esse ponto e a linha. O azimute é medido de 0 o a 360 o, no sentido horário, a partir da direção norte. Quando o meridiano é referido ao polo norte magnético o azimute é denominado Azimute Magnético.

93

94

95

96

97 FOLHAS TOPOGRÁFICAS

98 Quando o meridiano de referência é o meridiano geográfico, isto é, passa pelos polos norte e sul definidos pelo eixo de rotação da Terra, o azimute é denominado Azimute Geográfico ou Azimute Verdadeiro No campo da Topografia, considera-se que os meridianos são paralelos em todos os vértices de uma poligonal. Pode-se, então, calcular os azimutes das demais linhas, conhecido o de uma delas, por:

99 Azimute = Azimute anterior + Ângulo à Direita 180 o O sinal do último termo é dado por: se (azim. ant. + âng.dir) 180 o, o sinal é positivo se (azim. ant. + âng.dir) 180 o, o sinal é negativo se após subtrair 180 o o resto for maior que 360 o, subtrai-se mais 360 o.

100 Azimute plano = Azimute verdadeiro Azimute plano Azimute plano é o ângulo compreendido entre a linha vertical da quadrícula (norte da quadrícula) e a linha considerada. É medido de 0 o e 360 o, no sentido horário, a contar da quadrícula. onde: = convergência meridiana.

101 CONVERGÊNCIA MERIDIANA Convergência meridiana é o ângulo compreendido entre o norte geográfico e o norte da quadrícula A convergência meridiana é variável em cada ponto dentro do fuso. Para dois pontos simétricos de um lado e de outro do meridiano central, o valor angular da convergência é o mesmo, mudando o sinal

102 CONVERGÊNCIA MERIDIANA

103

104 O valor da convergência meridiana pode ser determinado a partir das coordenadas plano retangulares N e E do sistema UTM ou a partir das coordenadas geodésicas e. A partir das coordenadas geodésicas, a convergência é determinada por: sendo :

105

106 onde: = convergência meridiana. = longitude do ponto, em graus. MC = longitude do meridiano central em graus. = diferença entre longitudes, em segundos. = latitude do ponto, em graus. e 2 = segunda excentricidade ao quadrado (= 0, p/ o SAD-69).

107 FOLHAS TOPOGRÁFICAS

108

109 Referência das Altitudes Geóide Elipsóide Altura Elipsoidal Altitude Ortométrica Superfície Terrestre Ondulação geoidal H h N

110 CURVAS DE NÍVEL Curvas de nível: São linhas que unem pontos de mesma altitude Propriedades: Curvas de nível de cotas diferentes não se cruzam nem se tocam. Curvas de nível são linhas fechadas.

111 Num conjunto de curvas de nível em que umas envolvem as outras: a) quando as curvas de cotas maiores envolvem curvas de cotas menores indicam uma depressão.. b) quando as curvas de cotas menores envolvem curvas de cotas maiores indicam uma elevação. A máxima declividade do terreno está onde as curvas estão mais próximas e a mínima onde as curvas estão mais distantes.

112 MODELAGEM DIGITAL DO TERRENO - MDT Modelo do terreno é representado através de equações analíticas, redes ordenadas de pontos ou outros métodos de transmitir ao computador as características do terreno. A curva de nível é um instrumento útil mas não o principal. Modelo matemático permite calcular diretamente áreas, volumes, desenhos de perfís, seções transversais, otimização de traçado de estradas, desenho de plantas topográficas e perspectiva tridimensional.

113 POLIGONAL TOPOGRÁFICA (PLANIMÉTRIA)

114 POLIGONAL TOPOGRÁFICA (PLANIALTIMETRIA)

115 PLANIALTIMETRIA

116 LEVANTAM. TOPOGRÁFICO - IMAGEM EM 3 D

117 TRECHO DE RODOVIA – IMAGEM EM 3 D

118 Exercícios Dados: Ponto A N A = ,240, E A = ,120 Ponto B N B = ,882, E B = ,146 Fuso = 23, Meridiano Central = 45 o, Elipsóide = SAD-69 Latitude = A = 23 o 1413,083

119 Calcular a) distância plana b) distância elipsoidal c) distância topográfica 1) cálculo distância plana = Sp

120 Sp = 3.016,057 m 2) cálculo da distância elipsoidal = So 2.1) cálculo do fator escala = K Utilizando a fórmula simplificada

121 onde K = fator escala K 0 = fator escala no meridiano central = 0,9996 p/UTM E = distância do ponto ao meridiano central para E = coord. Plana UTM (abcissa) R M = raio médio no ponto O raio médio pode ser calculado pela expressão ou ainda, em casos sem rigor, adotado o valor de m.

122 K = 0, distância elipsoidal = 3.016,460 m

123 ou, utilizando a fórmula mais precisa sendo :

124

125 E = ,146 – ,120 = 1.094,096

126 K = 0,

127 2.3 – distância topográfica: S = 3.016,839

128 Azimute plano O azimute plano pode ser obtido a partir da seguinte equação:

129 N x- x+ y+ y+ W E x- x+ y- y- S GERAÇÃO DE SINAIS Rumo AB = 21 o 1605,5 NE Rumo AB = 21 o 1605,5 NE = Azimute plano AB = 21 o 1605,5

130 Azimute verdadeiro O azimute verdadeiro pode ser obtido a partir do azimute plano e da convergência meridiana : Azim. verdadeiro = Azimute plano onde = convergência meridiana para o ponto A = + 0 o 3409,79 (o sinal é positivo, pois o ponto A está no hemisfério Sul à direita do meridiano central) Azimute verd. = 21 o 1605,5 + 0 o 3409,79 = 21 o 5015,3

131 Redução Angular É o ângulo formado entre a corda e a tangente da transformada no ponto. Transformada (Se) = É a linha curvilínea que caracteriza a projeção de uma linha da superfície elipsoidal no cilindro de Mercator.

132 Azimutes e Redução Angular

133 NQ Redução Angular

134 Ângulo Geodésico e Ângulo Plano

135 onde: N AB = Coord. N no ponto A - Coord. N no ponto B e= segunda excentricidade do elipsóide = 0, (SAD-69) Redução Angular

136 Dados: Ponto A NA = ,169, EA = ,976 Ponto B NB = ,135, EB = ,335 ÂnguloAB direita = 178 o 0238,5 Azimute0A plano = 4 o 4321,86 DistânciaAB elipsóidica = ,161

137 Calcular o azimute AB plano: Azimute AB plano = Azimute OA + âng. dir. A0 180 o AB Azimute AB plano = 4 o 4321, o 0238,5 - 8, o - 8,72 Azimute AB plano = 2 o 4543,62


Carregar ppt "UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS NÚCLEO DE GEOPROCESSAMENTO SISTEMAS DE REFERÊNCIA e CARTOGRAFIA Ngeo."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google