A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

A PESQUISA E A REDAÇÃO CIENTÍFICA Capítulo 1. O que é pesquisa? A fim de buscar respostas a essa questão, você poderá recorrer ao dicionário ou aos livros.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "A PESQUISA E A REDAÇÃO CIENTÍFICA Capítulo 1. O que é pesquisa? A fim de buscar respostas a essa questão, você poderá recorrer ao dicionário ou aos livros."— Transcrição da apresentação:

1 A PESQUISA E A REDAÇÃO CIENTÍFICA Capítulo 1

2 O que é pesquisa? A fim de buscar respostas a essa questão, você poderá recorrer ao dicionário ou aos livros de metodologia científica. No entanto, existem algumas noções preliminares que facilitam o entendimento a respeito dessa palavra e, principalmente, sobre a ação de pesquisar.

3 Vejamos: a) Curiosidade e pesquisa mantém entre si uma relação intrínseca pois ela pode conduzir à reflexão, ao estudo de algum assunto de interesse além de suscitar o desejo de descobrir e/ou aprofundar o que desconhecemos sobre ele, b) A pesquisa oferece a possibilidade de construção do conhecimento a partir do estudo de um determinado assunto assim como a modificação do pesquisador, ainda que, as hipóteses estabelecidas sejam negadas ao seu final,

4 c) Permite também, um olhar diferente em relação ao tema investigado, d) Pesquisar implica em manter o foco e para que isso ocorra, é necessário concentração e disciplina. Não raras vezes, o pesquisador precisa de um certo isolamento a fim de analisar e assimilar os resultados de sua pesquisa.

5 Quando a pesquisa é iniciada? No caso brasileiro, via de regra, é iniciada no Ensino Superior (como exigência para o trabalho de conclusão do curso - TCC).

6 Algumas Instituições de Ensino Superior (IES) tem investido nos Programas de Iniciação Científica (desde o primeiro ano da graduação) visando minimizar as dificuldades enfrentadas por parcela significativa dos alunos, no momento da elaboração do TCC.

7 Sobre a Metodologia de estudo Você escolheu um curso de especialização que exige a elaboração de um artigo científico para sua conclusão. Então, é importante que você seja introduzido no mundo da pesquisa e consiga descobrir e atribuir novos significados a cada trabalho realizado. Nas primeiras páginas do livro Temas de Filosofia, as autoras Maria Lúcia de Arruda Aranha e Maria Helena Pires Martins comentam sobre a importância de aprender ou reaprender a ler o mundo e os textos escritos.

8 Segundo as autoras, ler é a atividade de atribuir significados. Elas usam um pequeno trecho a fim de ilustrar tal afirmação.

9 Hoje é o primeiro dia em que me sinto realmente em férias. E já é janeiro. Passou a correria da entrega de notas, reuniões de conselhos de classe, recuperação, fechamento dos diários de classe, seguida de outra correria, a preparação das festas de fim de ano. As compras, as visitas, a comida, o trânsito, o calor, a árvore a ser arrumada... Mas, hoje, finalmente em férias, posso começar a escrever outra vez.

10 Hmmm, estou sentindo um cheiro estranho. O que pode ser? Nossa! Esqueci o feijão no fogo! Queimou. Lá se foi o meu almoço.

11 Tudo bem, faço um sanduíche, mas começo a escrever este novo livro. Ó ilusão! Agora ouço um barulho. Será a campainha? Sempre posso fingir que não há ninguém em casa. Mas não é a campainha. O barulho continua, sempre igual e nos mesmos intervalos de tempo. Ah! É o telefone. Já tocou umas dez vezes. Talvez seja algo importante. Será que aconteceu alguma coisa com as crianças e estão querendo me avisar? É melhor atender logo.

12 Alô! Bom dia, mãe... O quê? Tenho de ir aí para ver o que está acontecendo? (suspiro) Tá bom mãe. Já estou indo... Pois é, acho que vou deixar para escrever amanhã (ARANHA; MARTINS, 1994, p. 10).

13 Lendo o texto, é possível observar que foram atribuídos significados a vários acontecimentos nele mencionados e que impediram, temporariamente, a pessoa de levar a cabo o projeto de escrever. Vamos entender melhor tais significados. Por exemplo:

14 1)cheiro – feijão queimado 2) feijão queimado – associado à perda do almoço 3) som – inicialmente associado à campainha. Depois, pela repetição e pelos intervalos regulares, associado ao telefone.

15 Observe que atribuímos significados às coisas o tempo todo, mesmo sem percebermos tal ação. A essa atividade de atribuir significados podemos dar o nome de leitura (idem, p.10). Precisamos estar atentos a tudo o que acontece ao nosso redor e saber que todos os nossos sentidos (olfato, visão, paladar, audição, tato e cinestesia, isto é, a capacidade de sentir o espaço através dos nossos movimentos) nos fornecem muitas informações a respeito do mundo. Basta, é claro, que prestemos atenção!

16 Cabe lembrar também que a vivência de cada um, as experiências acumuladas, a idade, o sexo, a classe social a que pertencemos entre outros, são fatores que interferem na atribuição de significados, ou seja, na nossa leitura de mundo. Finalizando, é necessário aprender a indagar sobre o significado das coisas pois este é o momento que estamos aprendendo a ler.

17 É necessário (re)aprender a ler: O mundo – leitura de um significado em algum acontecimento, atitude, comportamento, mapa, fotos... Um texto escrito – em latim, texto significa tecido (qualquer significado articulado por meio de uma linguagem). Pode ser um filme, uma pintura, um livro,...). A atribuição de significados depende da vivência de cada um. Daí, os diferentes modos de ver o mundo. Podem ser verbais (uso da palavra) e não verbais (uso de uma variedade de linguagens).

18 Tipos de leitura Os textos escritos, que são os mais freqüentes na vida acadêmica podem ser entendidos como aqueles que utilizam a palavra. Incluem desde os livros, apostilas, artigos de jornal e revista, letras de música, romances....até a parte falada de um filme ou uma propaganda. Abrangem tanto os textos de ficção quanto os de não-ficção. Os textos de não-ficção são chamados de textos referenciais, pois fazem referência ao contexto, ao mundo. Há, portanto, diferentes tipos de textos e diferentes tipos de leitura. No caso de um texto verbal escrito, podemos fazer a leitura emocional e racional.

19 Leitura emocional é a leitura subjetiva, que nos empolga, liberando emoções e dando asas à nossa fantasia. Entregamo- nos de corpo e alma ao universo criado pelo autor, seja ele imaginário ou real, viajando no tempo e no espaço, experimentando prazer ou angústia. Nós nos colocamos no lugar do narrador ou de algum personagem (...) Nesse tipo de leitura, o único critério de avaliação usado é o do gosto (p.12).

20 Leitura racional exige uma compreensão mais abrangente do texto e mobiliza, além do sentimento, as capacidades racionais do leitor, como, por exemplo, a capacidade de analisar o texto, separar suas partes, estabelecer relações entre elas e outros textos, sintetizar as idéias do autor, etc (p.12). É o momento de estabelecer um diálogo com o texto a fim de entender seus significados mais profundos.

21 Vamos conhecer agora, as etapas da leitura racional que são: a) Denotação: visa a compreensão do sentido literal, direto e superficial do texto.É necessário: Levantamento de diversos aspectos, como: vocabulário; dados sobre o autor; situação histórica; finalidade para a qual o texto foi escrito; autores, teorias, obras e eventos comentados ou citados no texto. procura da idéia central do texto (do que trata o texto? Qual é o assunto discutido?)

22 análise do desenvolvimento do raciocínio do autor (como o autor trata a idéia central; qual a argumentação utilizada para sustentar o raciocínio? Apresenta conclusão? qual?). Em suma, o texto possui uma estrutura lógica (introdução/ desenvolvimento/conclusão)? b) Interpretação: é a procura dos significados não explícitos, ou seja, os significados conotativos ou figurados. É a busca das entrelinhas do texto.

23 Perguntas: o que o autor quer mostrar ou demonstrar com o texto? Quais os valores, idéias, pontos de vista assumidos pelo autor? Qual a relação entre o texto e o contexto? c) Crítica: momento da critica objetiva (não baseada no gosto), que surge do entendimento da proposta do próprio texto. Pode-se verificar se o autor: atinge os objetivos a que se propõe, se é claro, coerente, se a abordagem é original, quais as contribuições que traz em relação ao assunto tratado. Nesse nível, se completa a análise do texto. É possível formular uma opinião sobre o mesmo, independente das preferências/ gostos pessoais. Pode haver divergência em relação às críticas.

24 d) Problematização: momento de pensar em assuntos ou problemas que, embora levantados a partir de sua leitura cuidadosa, vão além dela. Ao problematizar, são indagadas outras possibilidades, exercitando a imaginação, a coerência, o raciocínio. É a possibilidade de atribuição de novos significados, para novas leituras do mundo.

25 A necessidade de (re) aprender a ler é a prática de dar significados ao mundo e a própria vida. É a tarefa que pode ser conseguida por meio dos sentimentos e da razão. Em se tratando da redação de um texto, de um trabalho acadêmico, não é possível esperar a inspiração chegar! O tempo passa e nem sempre (ou quase nunca) as pessoas delegam muito tempo a uma única atividade. Sendo assim, é necessário atentar-se para alguns aspectos, visando a otimização do tempo e dos resultados:

26 a) a dimensão ética da pesquisa – a falta de compromisso e de profissionalismo expressa-se das formas mais sutis como as invenções de dados, de informações às cópias de trabalhos prontos (plágio). Tal situação tem levado algumas universidades a requererem um selo de autenticidade do trabalho. Há ainda a relação de compra e venda de trabalhos. Busque agir com honestidade. Basta dar os créditos aos autores legítimos. Para isso existem as citações literais (cópia de trechos) e os Segundo Fulano (ano),....

27 b) a exatidão dos dados – é de extrema importância. Evite expressões com vários sentidos, linguagem coloquial, informações vagas ou imprecisas. O texto deve ter uma elaboração de fácil entendimento (simples) porém deve-se utilizar uma abordagem formal, c) a concisão no raciocínio e na escrita – evite ser prolixo ou sintético ao extremo. O leitor deve entender a mensagem!

28 d) a clareza - o texto deve ser visto como um todo e não como um amontoado de pedaços. Portanto, o conteúdo deve ser claro e objetivo. e) a coerência e coesão – o texto deve ter introdução, desenvolvimento e conclusão. O autor deve abordar o mesmo assunto do início ao final da redação. Caso haja alguma informação importante mas que interrompa a harmonia da leitura, lance mão das notas de rodapé (recursos breves e explicativos sobre termos, situações, autores,...),

29


Carregar ppt "A PESQUISA E A REDAÇÃO CIENTÍFICA Capítulo 1. O que é pesquisa? A fim de buscar respostas a essa questão, você poderá recorrer ao dicionário ou aos livros."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google