A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1 Comunidade e comunicação comunitária Prof. Dr. Bruno Fuser Facom - UFJF 2013.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1 Comunidade e comunicação comunitária Prof. Dr. Bruno Fuser Facom - UFJF 2013."— Transcrição da apresentação:

1 1 Comunidade e comunicação comunitária Prof. Dr. Bruno Fuser Facom - UFJF 2013

2 2 Conceitos Comunicação comunitária: não há um conceito consolidado. Conceito associado a meios comunitários, de comunicação de expressão e abrangência limitada. Cicilia Peruzzo discorda: múltiplas formas e linguagens, convivência entre formatos artesanais, modos grupais, de canais massivos de radiodifusão e de meios digitais de comunicação. Características: é uma comunicação que se compromete, acima de tudo, com os interesses das comunidades onde se localiza e visa contribuir na ampliação dos direitos e deveres de cidadania (PERUZZO, 2004).

3 3 Conceitos Comunicação comunitária é expressão que nos remete à necessidade de discussão do conceito de comunidade. Raquel Paiva (2009) destaca a existência de três possibilidades de vida comunitária: baseada em laços de parentesco (consanguinidade) interesses, sentimentos, afinidades relações de vizinhança (proximidade)

4 4 Conceitos Filósofo Roberto Esposito (2009) apresenta outras considerações: Comunidade não é sujeito coletivo (como defendem neocomunitaristas) É uma relação, o limiar em que se encontram os sujeitos individuais O ser-em-comum definido pela palavra communitas seria a partilha de uma realização Não é o mero estar-junto em um lugar, um bairro, um gueto, uma aldeia, mas um compartilhamento (uma troca), implícita na relação que se tem com o Outro.

5 5 Na prática Na prática a palavra se refere, no uso que se faz dela, a dimensões muito diversas. Comunidades geográficas, por vizinhança: bairro, pequena cidade Comunidades por afinidade, heterogêneas: ciclistas, ambientalistas Participantes de um espaço virtual: comunidades nas mídias sociais

6 6 Na prática Grupos e pessoas que têm pouco acesso aos meios de comunicação hegemônicos: pessoas pobres em geral trabalhadores grupos que sofrem preconceito ou têm seus direitos desrespeitados (chamados minorias): negros, mulheres, homossexuais, pessoas com deficiências

7 7 Na prática Pessoas que defendem pontos de vista contrários àqueles reconhecidos pelo poder estabelecido como corretos: que defendem a autogestão contrários ao uso de agrotóxicos que defendem a reforma agrária que defendem os interesses das populações indígenas as populações quilombolas

8 8 Na prática As pessoas atingidas pelas grandes obras Contrárias à especulação imobiliária Que defendem o direito à moradia para todos Que defendem transporte gratuito A favor da distribuição de renda A favor da taxação das grandes fortunas A favor da liberdade dos povos Contra a opressão de algumas nações e povos por outros

9 9 Contra-hegemonia Meios comunitários são vistos como aqueles que de alguma forma se contrapõem, ou se diferenciam, dos meios hegemônicos. Hegemonia: exercício de poder de segmentos sociais, grupos, partidos, classes sociais, etc., sobre outros, considerados, assim, subalternos Exerce-se pelo convencimento (consenso) e pela força (coerção) MCM: hegemônicos em relação a outros, que não têm mesmo alcance, amplitude, recursos financeiros, apoio de empresas, do governo, etc.

10 10 Democratização da palavra Sentido de comunicação comunitária está intensamente associado ao de democratização da comunicação Trata-se de democratizar a palavra, que deixaria de pertencer, socialmente, a poucos - como ocorre com a concentração dos MCM - para pertencer a todos, ou a muitos, ou àqueles que não detêm o controle daqueles meios hegemônicos.

11 11 Outros conceitos Comunicação comunitária - também associada a outras expressões: popular - do povo alternativa - em relação aos grandes meios dialógica horizontal

12 12 Outros conceitos Popular: interesse do povo, ou seja, da maioria da população brasileira. Difícil estabelecer consensualmente tais interesses Alternativa: expressão que possui estreita ligação com a luta contra a censura da ditadura dos militares no Brasil Dialógica: outro processo - deve possuir ou prevê a participação dos leitores, ouvintes, receptores, enfim, das pessoas que se relacionam com essa comunicação. Horizontal: outro processo - contrário ao processo vertical, hierarquizado, autoritário.

13 13 Outros conceitos Comunicação dialógica: importante referência em Paulo Freire, em especial na obra Extensão ou comunicação? Extensão - produção de conhecimento sem levar em conta os interesses, a realidade, a cultura do povo Ações extensionistas na agricultura, tecnologia produzida sem relação com a vida das pessoas - projeto Rondon - ações da Embrapa - ações de alfabetização importadas Comunicação - conhecimento obtido através de diálogo, de troca de ideias, de percepção da realidade entre educador e educando

14 14 Níveis de participação Peruzzo (1998) aponta diferentes níveis de participação na comunicação comunitária: superficial e ocasional, apenas no nível das mensagens, em entrevistas, avisos, depoimentos na elaboração da produção de notícias, fotos na produção geral do jornal ou programa na definição do conteúdo, da linha editorial, do planejamento, da edição e controle dos equipamentos no processo de gestão da comunicação como um todo

15 15 Perspectivas da comunicação comunitária Para Raquel Paiva, a comunicação comunitária: constitui força contra-hegemônica; atua na direção de uma estrutura polifônica produz novas formas de linguagem atua com o propósito primeiro da educação pode engendrar novas pesquisas tecnológicas propicia de novas formas de reflexão sobre a comunicação

16 16 Perspectivas da comunicação comunitária Para Marta Maia, é importante a ruptura que os meios comunitários podem propiciar: As emissoras comunitárias, como instrumento de contra-informação, podem contribuir para romper com o padrão comunicativo em vigor, que estabelece uma relação monológica entre receptor e emissor. Cicilia Peruzzo adverte: É muito comum meios populares serem produzidos por poucos e estes fazerem suas próprias interpretações das necessidades de informações e de outras mensagens dos receptores

17 17 Referências bibliográficas Peruzzo, Cicilia. Comunicação nos movimentos sociais. A participação na construção da cidadania. Petrópolis : Vozes, Paiva, Raquel. O retorno da comunidade : os novos caminhos do social. Rio de Janeiro : Mauad X, Esposito, Roberto. Niilismo e Comunidade. Em: Paiva, op.cit.


Carregar ppt "1 Comunidade e comunicação comunitária Prof. Dr. Bruno Fuser Facom - UFJF 2013."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google