A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Úlcera Péptica Saúde do Adulto Saúde do Adulto Enfº Acácio Guimarães.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Úlcera Péptica Saúde do Adulto Saúde do Adulto Enfº Acácio Guimarães."— Transcrição da apresentação:

1 Úlcera Péptica Saúde do Adulto Saúde do Adulto Enfº Acácio Guimarães

2 Saúde do Adulto Saúde do Adulto 1.Anatomia 2.Úlcera Péptica 2.1 Conceito 2.2 Avaliações diagnósticas 2.3 Complicações 2.3 Fatores de risco 2.3 Fisiopatologia 2.4 Manifestações clinicas 2.5 Tratamento 3.Processo de enfermagem 3.1 Histórico problemas de enfermagem 3.2 Diagnósticos de enfermagem 3.3 Plano de cuidados 3.4 Prescrição de enfermagem prescrição geral 3.5 Evolução e avaliação de enfermagem

3 Saúde do Adulto Saúde do Adulto AnatomiaAnatomia

4 EstômagoDiafragma Esôfago Corpo do estômago EsfíncterEsofágico inferior inferior Antro pilórico Fundo do estômago Digestão de alimentos protéicos Acomodação + 200ml até 2 L Acomodação + 200ml até 2 L Ondulatório Ondulatório Duodeno Saúde do Adulto Saúde do Adulto Piloro

5 1 1 – Incisura cárdica 2 – Fundo gástrico 3 – Corpo gástrico 4 – Parte pilórica do estômago 5 – Antro pilórico 6 – Omento maior 7 – Omento menor 8 - Duodeno Saúde do Adulto Saúde do Adulto

6 A Úlcera é uma lesão aberta, com perda de tecido, que ocorre na pela ou nas mucosas, ou seja é uma ferida A Úlcera é uma lesão aberta, com perda de tecido, que ocorre na pela ou nas mucosas, ou seja é uma ferida úlcera péptica é uma lesão (ferida) na mucosa do aparelho gastrintestinal, que ocorre principalmente no estomago e no duodeno A úlcera péptica é uma lesão (ferida) na mucosa do aparelho gastrintestinal, que ocorre principalmente no estomago e no duodeno

7 Saúde do Adulto Saúde do Adulto Úlcera gástrica Úlcera duodenal Úlcera esofágica

8 Saúde do Adulto Saúde do Adulto Endoscopia alta (com possível biopsia) Endoscopia alta (com possível biopsia) Exame radiográfico (bário) Exame radiográfico (bário) Amostras fecais seriadas (para detectar sangue oculto) Amostras fecais seriadas (para detectar sangue oculto) Estudo de secreção gástrica Estudo de secreção gástrica Teste de sorologia (para anticorpos contra H.pylori) Teste de sorologia (para anticorpos contra H.pylori)

9 Saúde do Adulto Saúde do Adulto Infecção bacteriana por H pylori ( 70% a 80%) Infecção bacteriana por H pylori ( 70% a 80%) Uso de AINEs (antiinflamatórios não esteróides) Uso de AINEs (antiinflamatórios não esteróides) Síndrome de Zollinger-Ellison (hiper secreção ) Síndrome de Zollinger-Ellison (hiper secreção ) Exposição a irritantes (Álcool, fumo) Exposição a irritantes (Álcool, fumo) Traumatismo (estresse físico) Traumatismo (estresse físico) Estresse e ansiedade Estresse e ansiedade Envelhecimento normal Envelhecimento normal

10 Saúde do Adulto Saúde do Adulto Hemorragia GI Hemorragia GI Perfuração da úlcera Perfuração da úlcera Obstrução pilórica (distensão e estase gástrica) Obstrução pilórica (distensão e estase gástrica)

11 Saúde do Adulto Saúde do Adulto Acomete a mucosa gástrica e duodenal Não suporta a ação ácida (Hcl e pepsina) Erosão é causada pelo ↑ HCL e Pep Ou por resistência ↓ O uso de AINEs inibe a secreção de muco Ulcera duodenal Hcl (↑) Ulcera gástrica Hcl normal ZES (síndrome de ZollingerÉllison) H.pylori Libera uma toxina que destrói a cobertura gástrica Reduzindo a resistência do epitélio Provocando gastrite e úlcera Podendo causar obstrução pilórica, distensão e estase gástrica (bloqueio de SG e lesão tissular) Manifestações clinicas Erosão – provoca hemorragia e choque A cratera estende para pâncreas e fígado

12 Saúde do Adulto Saúde do Adulto Dor epigástrica em queimação ou constritiva que ocorre uma a três horas após uma refeição; Dor epigástrica em queimação ou constritiva que ocorre uma a três horas após uma refeição; Queimação ou dor abdominal noturna (menos freqüente) Queimação ou dor abdominal noturna (menos freqüente) Saciedade precoce, anorexia, perda de peso; Saciedade precoce, anorexia, perda de peso; Tonteira, síncope, hematêmese ou melena (podem revelar hemorragia); Tonteira, síncope, hematêmese ou melena (podem revelar hemorragia); Anemia, vômito e pirose (azia) acompanhada por eructação (arroto) Anemia, vômito e pirose (azia) acompanhada por eructação (arroto)

13 Saúde do Adulto Saúde do Adulto Úlcera duodenal Úlcera gástrica

14 Saúde do Adulto Saúde do Adulto Médico Antibioticoterapia para erradicar o H pylori Antibioticoterapia para erradicar o H pylori Tratar a acidez gástrica Tratar a acidez gástrica Alterações do estilo de vida Alterações do estilo de vida Muitas vezes cirúrgico Muitas vezes cirúrgico

15 SAESAE Saúde do Adulto Saúde do Adulto

16 EnfermagemEnfermagem

17 “Histórico de enfermagem” Senhora JHM 50 anos, fumante a 40 anos, etilista com hábitos alimentares irregulares dando preferência a alimentos condimentados, internada na clinica médica referindo cólica seguida de dor abdominal principalmente posterior as refeições (2h), reporta ainda vômitos com presença de alimentos não digeridos da última refeição, náuseas constante, e um a dois episódios de diarréia/dia de coloração semelhante a borra de café. Faz uso constante de antiinflamatórios não prescritos, apresenta problemas familiares constantes elevando o seu nível de estresse dizendo ser uma pessoas muito inquieta e nervosa, referindo que não consegue comer nada pois a dor é insuportável no momento que deglute, não conseguindo dormir devido as dores, sente-se fraca. Ao exame físico apresenta-se consciente, orientada, inquieta, gemente, com comportamento de proteção frente a dor, apreensivo com tensão facial, pupilas isocóricas e foto reagente, mucosas descoradas, tórax simétrico, som claro pulmonar, com MVFD s/ RA, 2BRNF, abdome doloroso e rígido, com RHA hiperativo, timpânico, dor na palpação superficial em região epigástrica, com ramificação para o ombro direito, com boa perfusão periférica.

18 “HE” Identificação de problemas Senhora JHM 50 anos, fumante a 40 anos, etilista com hábitos alimentares irregulares dando preferência a alimentos condimentados, internada na clinica médica referindo cólica seguida de dor abdominal principalmente posterior as refeições (2h), reporta ainda vômitos com presença de alimentos não digeridos da última refeição, náuseas constante, e um a dois episódios de diarréia/dia de coloração semelhante a borra de café. Faz uso constante de antiinflamatórios não prescritos, apresenta problemas familiares constantes elevando o seu nível de estresse dizendo ser uma pessoas muito inquieta e nervosa, referindo que não consegue comer nada pois a dor é insuportável no momento que deglute, não conseguindo dormir devido as dores, sente-se fraca. Ao exame físico apresenta-se consciente, orientada, inquieta, gemente, com comportamento de proteção frente a dor, apreensivo com tensão facial, pupilas isocóricas e foto reagente, mucosas descoradas, tórax simétrico, som claro pulmonar, com MVFD s/ RA, 2BRNF, abdome doloroso e rígido, com RHA hiperativo, timpânico, dor na palpação superficial em região epigástrica, com ramificação para o ombro direito, com boa perfusão periférica.

19 Saúde do Adulto Saúde do Adulto Levantamento de Problemas Comportamento de proteção; Comportamento de proteção; Gemente, dor observada e relatada em região abdominal com ramificação para ombro direito; Gemente, dor observada e relatada em região abdominal com ramificação para ombro direito; Mudança do apetite, anoréxico, fraqueza; Mudança do apetite, anoréxico, fraqueza; Tensão facial, preocupação e apreensão; Tensão facial, preocupação e apreensão; Perturbação do sono; Perturbação do sono; Diarréia melena; Diarréia melena; Náuseas e vômitos. Náuseas e vômitos.

20 EnfermagemEnfermagem Saúde do Adulto Saúde do Adulto

21 DOR aguda DOR aguda Ansiedade Ansiedade NUTRIÇÃO desequilibrada NUTRIÇÃO desequilibrada NÁUSEAS NÁUSEAS de enfermagem

22 Diagnósticos de enfermagem relacionados: 1- Úlcera péptica DOR aguda Titulo do diagnóstico: DOR aguda Definição: Definição: Experiência sensorial e emocional desagradável que surge de lesão tissular real ou potencial ou descrita em termos de tal lesão ( Associação Internacional para Estudo da Dor); inicio súbito ou lento, de intensidade leve a intensa, com termino antecipado ou previsível e duração de menos de seis meses. Dor aguda relacionado a agentes lesivos biológicos e químico caracterizado por Comportamento de proteção, gemido, evidencia observada de dor, relato verbal de dor, gestos protetores, mudanças no apetite Fator relacionado Agentes lesivos (biológicos e químico) Características definidoras: Comportamento de proteção, gemido, evidencia observada de dor, relato verbal de dor, gestos protetores, mudanças no apetite DX: 1

23 Diagnósticos de enfermagem relacionados: 1- Úlcera péptica ANSIEDADE Titulo do diagnóstico: ANSIEDADE Definição: Vago e incômodo sentimento de desconforto ou temor, acompanhado por resposta autonômica (a fonte é freqüentemente não especifica ou desconhecida para o individuo) sentimento de apreensão causado pela antecipação de perigo. É um sinal de alerta que chama a atenção para o perigo iminente e permite ao individuo tomar medidas para lidar com a ameaça preocupação, apreensão, tensão facial, perturbação do sono, anorexia, náuseas, diarréia, fraqueza, tontura, dor abdominal. Ansiedade relacionado ao estado de saúde caracterizado preocupação, apreensão, tensão facial, perturbação do sono, anorexia, náuseas, diarréia, fraqueza, tontura, dor abdominal. Fator relacionado Estado de saúde Características definidoras: Preocupação, apreensão, tensão facial, perturbação do sono, anorexia, náuseas, diarréia, fraqueza, tontura, dor abdominal. DX: 2

24 Diagnósticos de enfermagem relacionados: 1- Úlcera péptica NUTRIÇÃO desequilibrada: menos do que as necessidades corporais Titulo do diagnóstico: NUTRIÇÃO desequilibrada: menos do que as necessidades corporais Definição: Ingestão insuficiente de nutrientes para satisfazer as necessidades metabólicas Nutrição desequilibrada menos do que as necessidades corporais relacionado a Capacidade prejudicada de ingerir alimentos caracterizado por cólicas abdominais, diarréia, dor abdominal, relato de ingestão inadequada de alimentos, menor que PDR (porção diária recomendada) Fator relacionado Capacidade prejudicada de ingerir alimentos Características definidoras: Cólicas abdominais, diarréia, dor abdominal, relato de ingestão inadequada de alimentos, menor que PDR (porção diária recomendada) DX: 3

25 Diagnósticos de enfermagem relacionados: 1- Úlcera péptica NÁUSEAS Titulo do diagnóstico: NÁUSEAS Definição: Uma sensação subjetiva desagradável, semelhante a uma onda, na parte de traz da garganta, no epigástrico ou no abdome,que pode levar ao impulso ou necessidade de vomitar Dor e irritação gástricarelato de náuseas, e sensação de vômito. Náuseas relacionado a Dor e irritação gástrica caracterizado por relato de náuseas, e sensação de vômito. Fator relacionado Dor e irritação gástrica Características definidoras: Relato de náuseas, e sensação de vômito. DX:4

26 EsperadosEsperados Saúde do Adulto Saúde do Adulto

27 Minimizar ou eliminar dor Minimizar ou eliminar dor Tranqüilizar o paciente Tranqüilizar o paciente Melhorar padrão nutricional Melhorar padrão nutricional Eliminar náuseas Eliminar náuseas Dor aguda Dor aguda Ansiedade Ansiedade Nutrição desequilibrada Nutrição desequilibrada Náuseas Náuseas

28 EnfermagemEnfermagem Saúde do Adulto Saúde do Adulto

29 DX 1 - Dor aguda 1.Auxiliar e administrar analgésicos conforme prescrição médica; 2.Prestar e/ou auxiliar em higiene oral; 3.Auxiliar e/ou realizar higiene intima sempre que necessário 4.Estimular o auto cuidado banho de aspersão em chuveiro; 5.Monitorar SSVV; 6.Avaliar características e volume das eliminações fisiológicas; 7.Avaliar e registrar a dor e suas características: localização, qualidade, freqüência e duração; 8.Tranqüilizar o paciente dizendo que você sabe que a dor é real e o auxiliará a lidar com ela; 9.Fornecer medidas de conforto, reposicionamento e instrução sobre respiração profunda e técnica de relaxamento. Sparks e Taylor (2007); Smetzer e Bare (2005); Doenges, Moorthouse e Geissler (2003); Johnson,M. et al (2005);Nettina (2003)

30 Saúde do Adulto Saúde do Adulto DX 2 – Ansiedade 1.Usar uma abordagem clara e segura; 2.Esclarecer expectativas com relação ao estado de saúde do paciente; 3.Oferecer informações factuais sobre o diagnostico, tratamento e prognostico; 4.Criar uma atmosfera que facilite a confiança; 5.Orientar o paciente quanto ao uso de técnicas de relaxamento; Sparks e Taylor (2007); Smetzer e Bare (2005); Doenges, Moorthouse e Geissler (2003); Johnson, M. et al (2005); Nettina (2003)

31 Saúde do Adulto Saúde do Adulto DX 3 – Nutrição desequilibrada 1.Monitorar sinais vitais; 2.Realizar balanço hídrico; 3.Avaliar características das eliminações intestinais quanto ao aspectos; 4.Fornecer refeições pequenas e freqüentes, para evitar a distensão gástrica; 5.Evitar alimentos ácidos; 6.Realizar controle de peso; 7.Evitar alimentos quentes o gelados; Sparks e Taylor (2007); Smetzer e Bare (2005); Doenges, Moorthouse e Geissler (2003); Johnson,M. et al (2005);Nettina (2003)

32 Saúde do Adulto Saúde do Adulto DX 4 – Náuseas 1.Auxiliar e administrar anti-emético e analgésico conforme prescrição médica; 2.Auxiliar e manter o paciente em Fawler durante a alimentação; 3.Oferecer ingesta alimenta em pequenas porções; 4.Incentivar o paciente a ingerir alimentos secos e suaves (como torradas secas e/ou biscoitos) durante o período de náuseas. 5.Fornecer refeições pequenas e freqüentes, para evitar a distensão gástrica. 6.Orientar o paciente sobre os efeitos irritativos de certos medicamentos e alimentos. Sparks e Taylor (2007); Smetzer e Bare (2005); Doenges, Moorthouse e Geissler (2003); Johnson,M. et al (2005);Nettina (2003)

33 EnfermagemEnfermagem Saúde do Adulto Saúde do Adulto

34 Prescrição de enfermagem GERAL Prescrição de enfermagem GERAL 1.Auxiliar e administrar MEDICAMENTOS conforme prescrição médica; 2.Monitorar SSVV 6/6h; 3.Avaliar nível de consciência (sepse); 4.Avaliar e registrar a dor e suas características: localização, qualidade, freqüência e duração e avaliar o efeito das medicações 5.Remover estimulo ambiental nocivo; 6.Prestar e/ou auxiliar em higiene oral; 7.Estimular a realização de higiene intima; 8.Estimular o auto cuidado banho de aspersão; 10.Realizar balanço hídrico; 11.Avaliar características e volume das eliminações fisiológicas quanto ao aspecto; Sparks e Taylor (2007); Smetzer e Bare (2005); Doenges, Moorthouse e Geissler (2003); Johnson,M. et al (2005);Nettina (2003)

35 Saúde do Adulto Saúde do Adulto Prescrição de enfermagem GERAL Prescrição de enfermagem GERAL 11.Tranqüilizar e encorajar o paciente a expressar sentimentos relacionados ao seu problema gástrico, dizendo que você sabe que a dor é real e o auxiliará a lidar com ela; 12.Fornecer medidas de conforto, reposicionamento e instrução sobre respiração profunda e técnica de relaxamento. 13.Usar uma abordagem clara e segura ao lidar com as INSEGURANÇAS do paciente; 14.Auxiliar e manter o paciente em Fawler durante a alimentação; 15.Oferecer ingesta alimenta em pequenas porções; 16.Evitar alimentos ácidos quentes/gelados 17.Incentivar o paciente a ingerir alimentos secos e suaves (como torradas secas e/ou biscoitos) durante o período de náuseas. Sparks e Taylor (2007); Smetzer e Bare (2005); Doenges, Moorthouse e Geissler (2003); Johnson,M. et al (2005);Nettina (2003)

36 EnfermagemEnfermagem Saúde do Adulto Saúde do Adulto

37 Avaliação enfermagem: A avaliação ou evolução e a 5º etapa do processo de enfermagem. A avaliação de enfermagem consiste na ação de acompanhar as respostas do cliente aos cuidados prescritos, por meio de anotações no prontuário ou nos locais próprios, da observação direta da resposta do cliente á terapia proosta bem como o do relato do cliente. A avaliação cuidadosa, deliberada e detalhada de vários aspectos do atendimento ao cliente é a chave para a excelencia no fornecimento do atendimento de saúde O enfermeiro avalia o progresso, do cliente institui medidas corretivas e se necessário, revê o plano de cuidados (prescrição).

38 BibliográficasBibliográficas Saúde do Adulto Saúde do Adulto

39 Referências bibliográficas Referências bibliográficas 1.SMELTZER, Suzanner C. Et al. Considerações Individuais e familiares relacionados com a doença. In: ___________. Tratado de Enfermagem Médico Cirúrgica. Rio de Janeiro. Guanabara. Koogan Cap. 7. p CARPENITO, Lynda Juall. Moyet. Manual de diagnóstico de Enfermagem. In: ___________. Diagnóstico de Enfermagem. Aplicação à prática de enfermagem. Ed. 10. São Paulo. Artmed, Seção 2. p North American Nursing Diagnosis Association. Diagnósticos de enfermagem da NANDA: Definições e classificações Porto Alegre: Artmed: JONHSON, M. at. al ligação NANDA NIC E NOC, in ______.Diagnosticos resultados e intervenções de enfermagem: ligações entre NANDA NIC E NOC.Porto Alegre: Artmed2003.parteII.p DOENGES, M. E. et al Planos de cuidados de enfermagem para o cuidado individualizado do paciente. 5. ed. Rio de Janeiro: Guanabara, p S PARKS, S.M.; TAYLOR, S.N.; DYER, J.G. Integridade da pele Prejudicada, In:______.Diagnóstico em Enfermagem. Rio de Janeiro: Reichmann & Affonso Editores, p Sparks e Taylor (2007); Smetzer e Bare (2005); Doenges, Moorthouse e Geissler (2003); Johnson,M. et al (2005);Nettina (2003)

40 OBRIGADO. Saúde do Adulto Saúde do Adulto


Carregar ppt "Úlcera Péptica Saúde do Adulto Saúde do Adulto Enfº Acácio Guimarães."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google