A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

PARASITOLOGIA BÁSICA Aula 04: Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "PARASITOLOGIA BÁSICA Aula 04: Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase."— Transcrição da apresentação:

1 PARASITOLOGIA BÁSICA Aula 04: Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase

2 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA Na aula de hoje veremos três parasitos importantes sob diferentes pontos de vista. O Toxoplasma gondii que é muito importante quando infecta mulheres grávidas. A toxoplasmose é uma zoonose de distribuição mundial. Ocorre em animais de estimação e produção incluindo suínos, caprinos, aves, animais silvestres, cães, gatos e a maioria dos vertebrados terrestres homeotérmicos (bovinos, suínos, cabras, etc.). Acarreta abortos e nascimento de fetos mal formados.

3 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA Já a Giardia lamblia que causa a giardíase, uma das infecções parasitárias intestinais mais comuns em países em desenvolvimento. A Giardia está distribuída mundialmente. No Brasil sua prevalência varia de 4 a 30%, dependendo das condições socioeconômicas e de saneamento da população. É considerada como a principal causa de surtos de diarreia com origem na contaminação de água dos reservatórios.

4 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA E, falaremos também do Trichomonas vaginalis que causa uma doença infectocontagiosa do sistema geniturinário do homem e da mulher, sendo considerada uma doença sexualmente transmissível. A tricomonose é a doença sexualmente transmissível (DST) não viral mais comum do mundo. Na mulher, a infecção tem sido associada a sérias sequelas, como doença inflamatória pélvica, câncer cervical, parto prematuro e baixo peso de bebês nascidos de mães infectadas. A infecção pelo T. vaginalis aumenta a transmissão e aquisição do HIV.

5 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA Conteúdo Programático desta aula: Formas de transmissão da: toxoplasmose, giardíase e tricomoníase; Formas infectantes do Toxoplasma gondii para o homem e para o animal; Ciclo biológico do Toxoplasma gondii; Formas de prevenção da toxoplasmose, giardíase e tricomoníase; Agente etiológico da giardíase; Ciclo biológico da tricomoníase.

6 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA TOXOPLASMOSE

7 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA TOXOPLASMOSE A toxoplasmose é uma zoonose de felídeos de larga distribuição geográfica que infectando principalmente aves e mamíferos e, em especial, os seres humanos, com níveis elevados de prevalência. Vários levantamentos epidemiológicos no Brasil mostraram positividade que em adultos, vão até 50%, chegando mesmo a 80%.

8 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA No imunocompetente a toxoplasmose assume caráter benigno, pois o rápido desenvolvimento de imunidade humoral e celular restringe eficientemente a ação patogênica do parasito. No imunocomprometido, porém, libertando-se da ação imunológica que o cerca, o toxoplasma invade órgãos e tecidos, onde se reproduz como taquizoítas, causando as formas graves da toxoplasmose.

9 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA Essas formas graves são observadas na AIDS, nas imunodepressões medicamentosas, nos transplantes, especialmente de coração, fígado e medula óssea, nas doenças debilitantes e ainda, nos imunologicamente imaturos, como o feto e o recém-nascido. O Toxoplasma gondii é um esporozoário que infecta grande número de vertebrados de sangue quente, inclusive o homem. O parasito invade as células do hospedeiro onde se multiplica.

10 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA MORFOLOGIA E HABITAT O T. gondii apresenta em seu ciclo biológico várias formas, dependendo da fase e do hospedeiro. Podem ser encontrados em vários tecidos e células (exceto hemácias) e líquidos orgânicos (saliva, leite, esperma, líquido peritoneal, entre outros). Nos felídeos podem ser encontradas as formas do ciclo sexuado no epitélio intestinal e também no meio exterior junto com as fezes desses animais após completar a fase intestinal.

11 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA As principais formas que o parasito apresenta durante o ciclo evolutivo são: taquizoítos, bradizoítos e oocistos (contendo os esporozoítos). Essas três formas infectantes apresentam organelas citoplasmáticas características do filo Apicomplexa, que só podem ser observadas em microscopia de eletrônica de transmissão.

12 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA Observa as figuras para conhecer melhor as características desse protozoário.

13 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA Esquema do Toxoplasma gondii representante do filo Apicomplexa, caracterizado por: anel polar; conóide, microtúbulo, micronema, roptrias e outras estruturas.

14 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA Trofozoíta e Taquizoíta Forma de meia-lua, um dos polos apresenta-se mais grosso e o outro mais afilado. Medem cerca de 4 – 8 micra de comprimento por 2 – 4 de largura. São formados pela multiplicação por endodiogenia dos esporozoítas, que consiste em um processo de brotamento interno do parasito dando origem a 2 indivíduos dentro da membrana do protozoário original. Essa multiplicação ocorre durante a fase aguda ou proliferativa da infecção, e é tanto mais rápida quanto maior a virulência da cepa.

15 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA Os Taquizoítas são encontrados nas células do sistema fagocítico mononuclear de hospedeiros definitivos e intermediários. Taquizoítos em tecido muscular T. gondii taquizoitos

16 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA Os Trofozoítas são encontrados nas células epiteliais do intestino delgado ou do cólon do felino infectado. Os Taquizoítas se localizam no citoplasma celular, nunca tendo sido observados no interior dos núcleos. Pode também ocorrer taquizoítas extracelulares nos líquidos orgânicos, como por exemplo, no líquido peritoneal.

17 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA Oocistos São encontrados nos tecidos, sendo esféricos no cérebro e na retina (medindo 20 – 200 micra de diâmetro), mas são alongados no músculo estriado onde medem até 200 micra de comprimento. Contêm vários bradizoítas originados da multiplicação dos taquizoitas que penetram nos tecidos. Recebem esse nome porque a multiplicação é lenta, ao contrário do que acontece com os taquizoítas, que é rápida.

18 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA Essa forma ocorre durante a fase crônica da infecção. São semelhantes aos taquizoítas, exceto por conter um maior conteúdo de substância semelhante ao glicogênio e encontrarem-se dentro de cistos. T. gondii oocistos esporulados

19 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA CICLO BIOLÓGICO O ciclo biológico do T. gondii desenvolve-se em duas fases distintas: 1. Fase assexuada 2. Fase sexuada Hospedeiros reservatórios Taquizoítos infectam as células do fígado via corrente sanguínea Infecção congênita Ciclo sexual Macrófagos infectados distribuem taquizoítos pelo organismo Ciclo assexuado Linfadenites Hepatites Corioretinite Lesões cerebrais Taquizoítos Oocistos eliminados pelas fezes Pseudocistos são ingeridos com carnes mal cozidas ou cruas Pseudocistos em tecidos de camundogos Pseudocistos são produzidos em resposta a imunidade adaptativa

20 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA 1.Fase assexuada: nos tecidos de vários hospedeiros (inclusive gatos e outros felídeos); 2.Fase sexuada: nas células do epitélio intestinal de gatos jovens (e outros felídeos) não imunes. Assim, podemos observar que o T. gondii apresenta um ciclo heteróxeno, onde os gatos são considerados hospedeiros definitivos, pois possuem o ciclo sexuado (epitélio intestinal) e ciclo assexuado (outros tecidos) e, o homem, outros mamíferos e aves são considerados hospedeiros intermediários, pois possuem apenas o ciclo assexuado.

21 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA FASE ASSEXUADA Um hospedeiro suscetível (homem, por exemplo), ingerindo oocistos maduros contendo esporozoítos ou entrando em contato com taquizoítos eliminados na urina, leite, esperma, perdigotos etc., ou ainda, taquizoítos ou cistos contendo bradizoítos encontrados na carne crua, poderá adquirir o parasito e desenvolver a fase assexuada. As formas de taquizoítos que chegam ao estômago serão destruídas, mas as que penetrarem na mucosa oral ou forem inaladas poderão evoluir, do mesmo modo que os oocistos e cistos.

22 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA Cada taquizoíto, esporozoíto ou bradizoíto sofrerá intensa multiplicação, após rápida passagem pelo epitélio intestinal e penetrará em vários tipos de células do organismo formando um vacúolo citoplasmático (vacúolo parasitóforo), onde sofrerão divisões sucessivas por endodiogenia, formando novos taquizoítos (fase proliferativa) que irão romper a célula parasitada, liberando novos taquizoítos que invadirão novas células. Essa fase inicial da infecção – fase proliferativa – caracteriza a fase aguda da doença.

23 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA Neste ponto, a evolução poderá ir até a morte do hospedeiro, o que poderá ocorrer em fetos ou em indivíduos com comprometimento imunológico, ou diminuir e cessar pelo aparecimento de anticorpos específicos. Com o aparecimento da imunidade, os parasitos extracelulares desaparecem do sangue, da linfa e dos órgãos viscerais, e há uma diminuição intracelular. Os parasitos resistentes evoluem para a formação de cistos.

24 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA Esta fase cística, juntamente com a diminuição da sintomatologia, caracteriza a fase crônica. Essa fase pode permanecer por longo tempo ou, por mecanismos ainda não esclarecidos inteiramente (diminuição da imunidade ou da resistência, alteração hormonal etc.), poderá haver reagudização, com sintomatologia semelhante à primoinfecção.

25 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA Fase sexuada O ciclo sexuado ocorre somente nas células epiteliais, principalmente do intestino delgado de gato e de outros felídeos jovens. São, por isso, considerados hospedeiros definitivos. Assim, um gato jovem e não imune, infectando-se oralmente, por oocistos, cistos ou traquizoítos, desenvolverá o ciclo sexuado. O tempo decorrido dessa infecção até o aparecimento de novos oocistos em suas fezes (período pré- patente) dependerá da forma ingerida.

26 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA Este período será de três dias a dez dias, quando a infecção ocorrer por cistos; 19 dias ou mais, pôr taquizoítos e 20 ou mais dias, por oocistos. Os esporozoítos, bradizoítos ou tazuizoítos, ao penetrarem no epítélio intestinal do gato sofrerão um processo de multiplicação por endodiogenia e merogonia (esquizogonia), dando origem a vários merozoítos. O conjunto desses merozoítos formados dentro do vacúolo parasitóforo da célula é determinado meronte ou esquizonte maduro.

27 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA O rompimento da célula parasitada libera os merozoítos que penetrarão em novas células epiteliais e se transformarão nas formas sexuadas masculinas e femininas: os gametócito ou gamontes que, após um processo de maturação, formarão os gametas masculinos móveis – microgametas (com dois flagelos) e femininos imóveis – macrogametas. O macrogameta permanecerá dentro de uma célula epitelial, enquanto que os microgametas móveis sairão de sua célula e irão fecundar o macrogameta, formando o ovo ou zigoto.

28 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA Este evoluirá dentro do epitélio, formando uma parede externa dupla, dando origem ao oocisto; depois, a célula epitelial, em alguns dias sofrerá rompimento, liberando o oocisto imaturo. Essa forma, juntamente com as fezes, alcançará o meio externo e, após um período de cerca de quatro dias, ficará maduro e apresentará dois esporocistos contendo quatro esporozoítos, cada.

29 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA O gato jovem é capaz de eliminar oocistos durante um mês, aproximadamente. O oocisto, em condições de imunidade, temperatura e local sombreado favoráveis, é capaz de se manter infectante por cerca de 12 a 18 meses.

30 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA PATOGENIA E SINTOMATOLOGIA O T. gondii, apesar de infectar frequentemente o homem, é um protozoário parasita de natureza benigna, pois raramente determina distúrbios no seu hospedeiro e, quando isso acontece, as perturbações são em geral de natureza leve e temporária. Raramente é responsável por lesões permanentes e mais raramente ainda é causa de morte.

31 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA Nos imunocompetentes os toxoplasmas são segregados em microcistos, assumindo a forma cística de resistência que caracteriza a latência do processo em sua forma crônica, habitualmente permanente por toda a vida. Assim, é comum que a fase aguda da infecção se mantenha em níveis subclínicos ou apenas com manifestações semelhantes às da mononucleose, de pouca expressão clínica, embora possam ocorrer formas meningoencefálicas, pulmonares, renais, de hepatite, miocardite etc.

32 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA A forma ocular na fase crônica, está relacionada com a presença das formas císticas na retina, assim como com fenômenos de natureza imunológica. Cistos de T. gondii encontrados em retinas estruturalmente normais

33 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA Toxoplasmose congênita (manifestações mais graves da doença) -Se a infecção ocorre nos primeiros meses de gravidez, o feto pode morrer e ser expulso, prematuramente ou a termo. -Se ocorre mais tarde, a criança pode nascer com vida, com todos os estigmas da toxoplasmose congênita Tétrade de Sabin: modificação do volume do crânio; calcificações cerebrais; coriorretinite e retardamento mental.

34 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA Se ocorrer nos últimos meses da gravidez, a criança pode nascer com vida e com aparência normal, desenvolvendo-se a doença, com toda a sua sintomatologia, algumas semanas após o nascimento. Os primeiros sinais da infecção são: hepatosplenomegalia, linfadenopatia generalizada, derrame nas cavidades do corpo, edema do tecido subcutâneo, edema dos músculos, miocardite, anemia e trombocitopenia (baixa de plaquetas). A encefalite pode ser acompanhada de convulsões. À medida que as lesões cerebrais cicatrizam, elas tendem a se calcificarem.

35 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA A transmissão da infecção ao feto não é obrigatória, mesmo quando a protozoose ocorre agudamente no decurso da gestação; prova disto é que metade dos filhos de mães com infecção toxoplasmótica nasce sem toxoplasmose, ficando totalmente incólumes e compondo panorama promissor, em contraposição à parcela não dominante dos intensa ou claramente lesados.

36 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA FORMA ADQUIRIDA Os aspectos clínicos são muito variáveis, indo desde casos inaparentes até os pneumônicos graves ou encefalites fulminantes. - Fase aguda: generalizada, independente da idade ou mecanismo de transmissão. Envolve todas as vísceras, incluindo o Sistema Nervoso Central. Frequentemente é assintomática; outras vezes, de acordo com os sintomas predominantes, manifesta-se com pneumonite, hepatite, meningoencefalite, erupção cutânea etc.

37 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA - Fase subaguda: ocorre devido à persistência e proliferação do toxoplasma no SN inclusive nos olhos. Também pode ser assintomática ou manifestar-se através de coriorretinite, calcificações cerebrais, micro-hidrocefalia. - Fase crônica: depende da persistência dos cistos de toxoplasma no Sistema Nervoso Central, nos olhos e no miocárdio. Frequentemente é assintomática. Qualquer uma dessas fases pode terminar na morte ou continuar assintomática, já que os cistos podem permanecer indefinidamente, mesmo após tratamento.

38 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA GIARDÍASE

39 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA GIARDÍASE Infecção intestinal causada por um protozoário (ser unicelular) flagelado limitada ao intestino delgado e ao trato biliar. As denominações Giardia lamblia, Giardia duodenalis e Giardia intestinalis têm sido empregadas como sinonímia, particularmente para isolados de origem humana.

40 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA Este parasita apresenta-se sob as formas de trofozoítos que são as formas ativas vivendo e se reproduzindo no hospedeiro e as formas de cistos que são as formas infectantes e de resistência do parasita. Os cistos ingeridos, em sua passagem pelo meio ácido do estômago, são ativados e se transformam em trofozoitos.

41 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA O nível socioeconômico parece não interferir muito na prevalência da G. lamblia, protozoário flagelado. É um parasito cosmopolita que atinge ambos os sexos, sendo mais comum em grupos etários inferiores a 10 anos, sendo uma das causas mais comuns de diarreia nessa faixa etária, que muitas vezes causa problemas de má nutrição e retardo no desenvolvimento. Nos países desenvolvidos, é o parasito intestinal mais comumente encontrado no homem.

42 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA MORFOLOGIA A Giardia lamblia apresenta duas formas: a.Trofozoíto e, b.cisto Trofozoito Corpo em forma de pera; arredondado anteriormente, delgado posteriormente, com simetria bilateral. Mede 10 a 20 micra de comprimento por 5 a 15 micra de largura. A superfície dorsal flexível pode ser levantada para cima na direção à superfície convexa.

43 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA Na superfície ventral encontra-se, de cada lado, um disco suctorial em forma de ventosa, quase circular, salvo o chanfrado posterior. É por meio dele que o flagelado se fixa à superfície das células epiteliais. Os quatro pares de flagelos que se acham dispostos simetricamente, originam-se em uma série de blefaroplastos. Os núcleos são ovais, tendo um grande cariossoma central, que pode apresentar-se como massa de grânulos ou como uma massa sólida oval.

44 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA Há dois axonemas que estão em contato com oito blefaroplastos, emergindo um filamento de cada, nas seguinte disposição: par anterior, par mediano e par caudal.

45 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA Cisto Oval ou elipsoide, medindo cerca de 12 micra de comprimento por 8 de largura. Possui membrana fina resistente (contendo quitina em sua composição), destacada do citoplasma. No interior encontram-se 2 a 4 núcleos, 4 faixas longitudinais (axonemas) e os corpos parabasais.

46 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA CICLO BIOLÓGICO Os cistos são as formas infectantes. A transmissão se dá pela ingestão de água ou alimentos contaminados, contato direto pessoa a pessoa (principalmente em creches, asilos, orfanatos e clínicas psiquiátricas); artrópodes (pois os cistos podem permanecer vivos durante 24 horas no intestino de moscas e sete dias na barata), sendo os artrópodes capazes de disseminar o parasito através de seus dejetos ou regurgitamento; sexo anal-oral; riachos e reservatórios contaminados.

47 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA Os cistos são muito resistentes, permanecendo viáveis durante dois meses no meio exterior. A cloração da água bem como o seu aquecimento até 60 O C, não é suficiente para sua destruição. A água fervida por cinco minutos é efetiva na inativação dos cistos, porém o congelamento não os destrói. O parasito pode ser encontrado em todo o intestino delgado e excepcionalmente no intestino grosso. Localiza-se com frequência nas porções mais altas do intestino, sendo o duodeno o seu habitat preferencial.

48 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA Os cistos chegam ao duodeno após ingestão, deixam sair de dentro da membrana o parasito, que por um processo complicado de divisão binária longitudinal, multiplica-se intensamente. Dias depois, alguns trofozoítas que estavam presos à mucosa duodenal pelas ventosas, soltam-se, iniciando- se o processo de encistamento, que ocorre principalmente no ceco.

49 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA Tem sido sugerido que a resposta imune local seja responsável pelo destacamento do trofozoíta da mucosa, dando início ao processo de encistamento. No entanto, outros fatores tais como estímulo dos sais biliares e influência do pH intestinal, também poderiam ter influência. Os cistos são eliminados nas fezes em grandes quantidades. Admite-se hoje que em infecções de média intensidade, o número de cistos eliminados por dia varia de 300 milhões a 14 bilhões. Ocorre interrupção dessa eliminação por 7 a 10 dias.

50 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA CICLO BIOLÓGICO Giardia lamblia

51 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA PATOGENIA E SINTOMATOLOGIA Geralmente a sintomatologia ocorre em crianças e raramente em adultos, provavelmente porque o parasito estimula certo grau de resistência. Multiplicando-se intensamente, é capaz de em cerca de 30 dias. Após essa multiplicação intensa, o parasito coloniza (como um tapete) a mucosa duodenal e jejunal (presos à mesma com auxílio de sua ventosa).

52 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA Desta forma irá provocar irritação da mucosa, levando em consequência a enterite. Devido a esta ação mecânica e irritativa, as gorduras, as vitaminas lipossolúveis (A, D, E, K) e o ácido fólico, não são bem absorvidos. A presença destes nutrientes em grande quantidade na luz intestinal, juntamente com a enterite, provoca o aumento do peristaltismo e diarreia gordurosa. Em consequência, o paciente entra em emagrecimento e avitaminose.

53 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA Ao determinar a duodenite, caracteriza-se a sintomatologia pelo aparecimento de fenômenos dolorosos e epigástricos, simultaneamente à perturbações do tipo dispéptico. Os pacientes queixam-se de azia, náuseas e digestão difícil. As fezes diarreicas apresentam-se líquidas ou então moles, com consistência de mingau, muito fétidas, às vezes de coloração esverdeada. Outros fatores devem também influenciar na patogenia e sintomatologia da giardíase, entre eles, o processo inflamatório e as mudanças na arquitetura da mucosa.

54 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA TRICOMONÍASE

55 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA TRICOMONÍASE A Tricomoníase, tricomoniose ou tricomonose é uma doença sexualmente transmissível, causada pelo parasita protozoário unicelular Trichomonas vaginalis. Doença infectocontagiosa do sistema geniturinário do homem e da mulher. No homem causa uma uretrite de manifestações em geral discretas (ardor e/ou prurido uretral e secreção brancacenta, amarelada ou amarelo esverdeada), podendo, eventualmente ser ausentes em alguns e muito intensas em outros.

56 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA É uma das principais causas de vaginite, vulvovaginite e cervicite (infecção do colo do útero) da mulher adulta podendo porém, cursar com pouca ou nenhuma manifestação clínica. Quando presente manifesta-se na mulher como um corrimento vaginal amarelo esverdeado ou acinzentado, espumoso e com forte odor característico.

57 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA MORFOLOGIA O T. vaginalis é uma célula polimórfica (mais de uma forma), tanto no hospedeiro natural quanto em meios de cultura. Os espécimes vivos são elipsoides ou ovais e algumas vezes esféricos. Com ralação a forma, os tricomonanídeos só apresentam a forma de trofozoíto, não existindo, portanto, a forma cística.

58 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA T. vaginalis

59 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA Na forma de trofozoíto observa-se Flagelos: 3 a 6 flagelos, que além de servirem para locomoção, são importantes para captura de alimento, sendo que um dos flagelos se dirige para trás, formado uma típica membrana ondulante quando se locomove; Periplasto membrana delicada que recobre o parasito; Complexo cinético do flagelo: grânulo basal ou blefaroplasto (situado no citoplasma, do qual se origina o flagelo);

60 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA Citoplasma: rico em glicogênio, pode ter pequenos vacúolos, sendo capaz, em algumas espécies, de fagocitar bactérias e eritrócitos; Axóstilo: em forma de fita, constituído pela justaposição de macrotúbulos e que se origina no blefaroplasto (grânulo basal); Costa: estrutura em forma de bastonete, provavelmente de natureza esquelética;

61 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA Citóstoma: abertura situada na origem do flagelo; Núcleo: relativamente grande. Morfologia do T. vaginalis Trofozoita AF=Flagelos anteriores RF= Membrana ondulante CO= Costa AX= Axonema HY= Hidrogenossomas PB= Filamento parabasal PG= Corpo parabasal N = Núcleo

62 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA NUTRIÇÃO T. vaginalis adquire nutrientes através do transporte da membrana celular e fagocitose. A membrana ondulante auxilia neste processo. Bactérias, arqueas, e até mesmo partes da parede vaginal são consumidos. Enzimas quebram essas fontes de alimentos e convertê-nas em energia utilizável através da glicólise.

63 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA HABITAT T. vaginalis não são organismos de vida livre. Eles precisam de um hospedeiro humano ou animal. T. vaginalis tem uma distribuição mundial. Nos homens, o organismo vive no trato urinário, mais comumente na uretra ou próstata, onde, como em mulheres, é encontrada no trato reprodutivo, normalmente na vagina, e pode sobreviver cerca de 24 horas na urina, sêmen ou água.

64 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA REPRODUÇÃO E CICLO DE VIDA O protozoário ao atingir o novo hospedeiro, encontrando condições favoráveis, passa a multiplicar-se por divisões binárias sucessivas, colonizando-se. Reproduz-se com mais intensidade na vagina com pH menos ácido (4,5 a 5) mas reproduz-se também na uretra masculina. Os mecanismos de transmissão ainda não estão inteiramente conhecidos. Em primeiro lugar está a possibilidade da infecção por via sexual, pois o homem alberga frequentemente o parasito.

65 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA A promiscuidade deve exercer papel importante na transmissão do flagelado de uma para outra mulher. O protozoário é resistente no meio externo em condições de umidade, conservando por algum tempo após sua expulsão do organismo, sua vitalidade e infecciosidade. Assim, roupas pessoais, roupas de cama, de clister ou artigos de toalete, assentos de privada, instrumentos ginecológicos, podem veicular o parasito. Admite-se ainda que as meninas se contaminem no momento do nascimento, de mães infectadas.

66 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA O flagelado pode viver muitos anos no canal genital das meninas, em estado de vida latente, determinando o aparecimento de sintomas quando variam as condições fisiológicas da vagina infantil, como por exemplo, modificação da flora, alterando o pH vaginal, na figura 10 você poderá observar o ciclo biológico.

67 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA

68 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA PATOGENIA E PREVENÇÃO A tricomoníase costuma atingir mulheres entre 16 e 35 anos de idade e se manifesta, no sexo feminino, por: corrimento esbranquiçado espumoso, edema, prurido, queimação, escoriações, ulcerações e sangramento após relações sexuais. Já nos homens, a parasitíase geralmente é assintomática ou subclínica, o que justifica o fato da parasitíase ser mais diagnosticada em mulheres.

69 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA A infecção por Trichomonas pode acarretar diversas doenças graves nas vias geniturinárias. As características clínicas do doente podem ser sugestivas da tricomoníase, sendo que na mulher esta parasitíase deve ser diferenciada das vaginoses bacteriana e fúngica. O uso de preservativos, o cuidado com os fômites (instrumentos ginecológicos, toalhas, roupas íntimas) e o tratamento do doente e de todos os seus parceiros são as formas de prevenção da tricomoníase.

70 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA Só o tratamento medicamentoso adequado não garante a eliminação da doença, visto que mesmo após ter obtido a cura o paciente deve tomar os mesmos cuidados de quem nunca foi infectado, porque os medicamentos não impedem a reinfecção.

71 Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase -Aula 04 PARASITOLOGIA BÁSICA RESUMINDO... Nesta aula vimos: A importância da Toxoplasmose durante a gravidez, Que a trichomoníase é uma parasitose considerada uma DST; Que o saneamento básico é de extrema importância para o controle das parasitoses. Os agentes etiológicos e as formas de transmissão da toxoplasmose, da giardíase e da trichomoníase.


Carregar ppt "PARASITOLOGIA BÁSICA Aula 04: Toxoplasmose, Giardíase e Tricomoníase."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google