A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Racismo Ambiental e Demanda por Justiça Ambiental JA Juventude em Ação: construindo a Agenda 21 na Escola.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Racismo Ambiental e Demanda por Justiça Ambiental JA Juventude em Ação: construindo a Agenda 21 na Escola."— Transcrição da apresentação:

1 Racismo Ambiental e Demanda por Justiça Ambiental JA Juventude em Ação: construindo a Agenda 21 na Escola

2 JÁ Juventude em Ação: construindo a Agenda 21 na Escola Curso de Formação em Educação Ambiental

3 O sistema legal brasileiro explicita o direito de todos ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum e essencial à sadia qualidade de vida, consoante art. 225 da Constituição Federal. A noção de proteção ambiental agrega a compreensão dos direitos fundamentais da pessoa humana.

4 Racismo Ambiental Injustiças sociais e ambientais que recaem de forma implacável sobre etnias e populações mais vulneráveis. O Racismo Ambiental não se configura apenas através de ações que tenham uma intenção racista, mas, igualmente, através de ações que tenham impacto racial, não obstante a intenção que lhes tenha dado origem. (Pacheco, 2007)

5 Lata d´água na cabeça Lá vai Maria Sobe o morro e não se cansa Pela mão leva a Criança Lá vai Maria. Conceito de racismo ambiental: aplicável em situações de conflito socioambiental, de exposição desproporcional a agentes poluentes e de limitação ao acesso a bens ambientais Maria, lava roupa lá no alto Lutando pelo pão de cada dia Sonhando com a vida do asfalto Que acaba onde o morro principia.

6 Racismo Ambiental Ganância e preconceito levam à expropriação do território de povos indígenas, remanescentes de quilombos, agricultores familiares, ribeirinhos, pescadores artesanais, caiçaras, marisqueiras e outros representantes de populações tradicionais, restando-lhes alguma forma de exílio. Mapa da Injustiça Ambiental e Saúde no Brasil

7 ILHÉUS projetos relacionados ao Complexo Porto Sul, envolvendo Complexo Minerário Pedra de Ferro, Ferrovia de Integração Leste-Oeste e Terminal Portuário da Ponta da Tulha, com uma série de impactos sócio-ambientais. ILHÉUS projetos relacionados ao Complexo Porto Sul, envolvendo Complexo Minerário Pedra de Ferro, Ferrovia de Integração Leste-Oeste e Terminal Portuário da Ponta da Tulha, com uma série de impactos sócio-ambientais. ILHÉUS IBOTIRAMA: As regiões baianas do Oeste e do Médio São Francisco são hoje palco de diversos conflitos socioambientais envolvendo a produção de carvão vegetal, o uso de trabalho escravo e a destruição de áreas de preservação ambiental do cerrado e da caatinga. Há centenas de fornos ilegais de produção de carvão, muitos operados por trabalhadores rurais submetidos a condições de trabalho análogas à escravidão e, não raro, abastecidos por madeira protegida por lei – inclusive, oriunda de unidades de proteção ambiental. IBOTIRAMA: As regiões baianas do Oeste e do Médio São Francisco são hoje palco de diversos conflitos socioambientais envolvendo a produção de carvão vegetal, o uso de trabalho escravo e a destruição de áreas de preservação ambiental do cerrado e da caatinga. Há centenas de fornos ilegais de produção de carvão, muitos operados por trabalhadores rurais submetidos a condições de trabalho análogas à escravidão e, não raro, abastecidos por madeira protegida por lei – inclusive, oriunda de unidades de proteção ambiental. IBOTIRAMA

8 ITABERABA: município localizado em área de Risco de Seca na Bahia – tipologia climática: semi-árido (CEI, 1991). Pluviosidade extremamente irregular com precipitações mal distribuídas durante o ano. Período de longa estiagem caracterizando a área com risco de seca elevada. Baixa diversificação econômica, com produção basicamente agrícola, estando susceptível às condições climáticas e ambientais. Fatores de ordem socioeconômica e política, como a concentração fundiária ITABERABA: município localizado em área de Risco de Seca na Bahia – tipologia climática: semi-árido (CEI, 1991). Pluviosidade extremamente irregular com precipitações mal distribuídas durante o ano. Período de longa estiagem caracterizando a área com risco de seca elevada. Baixa diversificação econômica, com produção basicamente agrícola, estando susceptível às condições climáticas e ambientais. Fatores de ordem socioeconômica e política, como a concentração fundiária ITABERABA PAULO AFONSO: a presença dos lagos originados a partir do barramento do rio São Francisco para a construção da usina de Paulo Afonso propiciou a captura de água para irrigação das áreas adjacentes, com impactos da irrigação intensiva nos solos agrícolas (compactação, aumento da erosão superficial e diminuição da fertilidade natural). Impactos da construção de barragens e hidrelétricas, sendo as populações ribeirinhas, as colônias de pescadores, as comunidades indígenas e de quilombolas isoladas nas barrancas e nas ilhas do rio São Francisco as mais afetadas. PAULO AFONSO: a presença dos lagos originados a partir do barramento do rio São Francisco para a construção da usina de Paulo Afonso propiciou a captura de água para irrigação das áreas adjacentes, com impactos da irrigação intensiva nos solos agrícolas (compactação, aumento da erosão superficial e diminuição da fertilidade natural). Impactos da construção de barragens e hidrelétricas, sendo as populações ribeirinhas, as colônias de pescadores, as comunidades indígenas e de quilombolas isoladas nas barrancas e nas ilhas do rio São Francisco as mais afetadas. PAULO AFONSO PAULO AFONSO

9 SALVADOR: progressiva degradação ambiental do Rio Joanes; problemas fundiários e ambientais na Ilha de Maré; contaminação por hidrocarbonetos e metais pesados oriundos das indústrias na Baía de Todos os Santos; contaminação de ex-trabalhadores da fábrica da Eternit por amianto, desenvolvendo câncer de pulmão e outras doenças pulmonares graves (abestose) em Simões Filho. SALVADOR: progressiva degradação ambiental do Rio Joanes; problemas fundiários e ambientais na Ilha de Maré; contaminação por hidrocarbonetos e metais pesados oriundos das indústrias na Baía de Todos os Santos; contaminação de ex-trabalhadores da fábrica da Eternit por amianto, desenvolvendo câncer de pulmão e outras doenças pulmonares graves (abestose) em Simões Filho.Rio JoanesIlha de Maré Baía de Todos os SantosSimões FilhoRio JoanesIlha de Maré Baía de Todos os SantosSimões Filho

10 PROBLEMAS AMBIENTAIS Efeitos destruidores da ação de megaempreendimentos, que buscam manter invisíveis ou desacreditar através dos meios de comunicação as populações tradicionais que reagem à ocupação predatória do seu território.

11 O território é onde vivem, trabalham, sofrem e sonham todos os brasileiros. Ele é, também, o repositório final de todas as ações e de todas as relações, o lugar geográfico comum dos poucos que sempre lucram e dos muitos perdedores renitentes, para quem o dinheiro globalizado - aqui denominado real - já não é um sonho, mas um pesadelo. (Milton Santos, 1999) O Grito (Edvard Munch)

12 A DEGRADAÇÃO AMBIENTAL NÃO É DEMOCRÁTICA Distribuição desigual dos riscos ambientais

13 OS REFUGIADOS AMBIENTAIS ao derrubar virtualmente também as fronteiras e eleger o mercado como a única bússola a ser respeitada para sua intervenção, o capital age de forma totalmente selvagem, conscientemente ignorando a finitude não só de seres humanos como da própria natureza. Em todo o planeta, cada vez mais vemos como um fato a existência de uma nova categoria de pessoas: os refugiados ambientais. ONU: haverá cerca de 150 milhões de refugiados ambientais até o ano OS REFUGIADOS AMBIENTAIS ao derrubar virtualmente também as fronteiras e eleger o mercado como a única bússola a ser respeitada para sua intervenção, o capital age de forma totalmente selvagem, conscientemente ignorando a finitude não só de seres humanos como da própria natureza. Em todo o planeta, cada vez mais vemos como um fato a existência de uma nova categoria de pessoas: os refugiados ambientais. ONU: haverá cerca de 150 milhões de refugiados ambientais até o ano 2050.

14 Luta por um novo paradigma civilizatório, por uma sociedade igualitária e justa, na qual democracia plena e cidadania ativa não sejam direitos de poucos privilegiados, independentemente de cor, origem e etnia. (Pacheco, 2007). Luta por um novo paradigma civilizatório, por uma sociedade igualitária e justa, na qual democracia plena e cidadania ativa não sejam direitos de poucos privilegiados, independentemente de cor, origem e etnia. (Pacheco, 2007). JUSTIÇA AMBIENTAL REDE BRASILEIRA DE JUSTIÇA AMBIENTAL COMBATE AO RACISMO AMBIENTAL BRASILEIRA DE JUSTIÇA AMBIENTAL COMBATE AO RACISMO AMBIENTAL

15 Políticas ambientais efetivamente comprometidas com a justiça ambiental são aquelas que não ignoram os conflitos, mas os assume como o motor do processo de construção democrática de uma sociedade mais justa e sustentável. Políticas ambientais efetivamente comprometidas com a justiça ambiental são aquelas que não ignoram os conflitos, mas os assume como o motor do processo de construção democrática de uma sociedade mais justa e sustentável. Combater a concentração dos impactos nocivos das atividades agroindustriais sobre grupos sociais vulneráveis Combater a concentração dos impactos nocivos das atividades agroindustriais sobre grupos sociais vulneráveis Estimular o envolvimento dos grupos atingidos na defesa dos seus ambientes e modos de vida. Estimular o envolvimento dos grupos atingidos na defesa dos seus ambientes e modos de vida.


Carregar ppt "Racismo Ambiental e Demanda por Justiça Ambiental JA Juventude em Ação: construindo a Agenda 21 na Escola."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google