A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Paulo Fernando Trugilho Luana Elis de Ramos e Paula Claudinéia Olímpia de Assis

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Paulo Fernando Trugilho Luana Elis de Ramos e Paula Claudinéia Olímpia de Assis"— Transcrição da apresentação:

1 Paulo Fernando Trugilho Luana Elis de Ramos e Paula Claudinéia Olímpia de Assis Allan Motta Couto EFEITO DA IDADE E ESPÉCIE NA DENSIDADE BÁSICA DA MADEIRA, NA PRODUÇÃO E QUALIDADE DO CARVÃO VEGETAL DE EUCALIPTO

2 1. Introdução Carvão vegetal é um produto que depende da madeira e do processo de produção. A matéria-prima tem grande participação da qualidade e quantidade produzida. A variabilidade da madeira interfere na qualidade do carvão vegetal. A espécie e idade são fatores importantes na seleção de material superior para esta atividade.

3 2. Objetivo O objetivo do presente trabalho foi avaliar o efeito da idade e da espécie na produção e qualidade do carvão vegetal de eucaliptos normalmente cultivados no Brasil.

4 3. Material e Método Espécies de eucaliptos cultivados no Brasil em diferentes idades. Plantio comercial: COPENER (Alagoinhas/BA) e PAINS FLORESTAL (Três Marias/MG). Amostragem na árvore: toretes na base, 25, 50, 75 e 100% de hc. Carbonização em escala de laboratório: Taxa de aquecimento = 1,67 oC/min até 450 oC.

5 Característica avaliada na madeira: densidade básica - Vital (1984). Características avaliadas no carvão vegetal: 1. Quantitativas - Rendimentos gravimétricos; 2. Qualitativas - análise química imediata (teores de materiais voláteis, cinzas e carbono fixo) - NBR 8112 da ABNT; poder calorífico superior - NBR 8633 da ABNT; densidade relativa aparente – método de imersão.

6 C ó digoEsp é cie Idade (Anos) Local de ColetaProcedênciaSubgênero EM E. maculata7COPENER Gympie Corymbia EP E. pellita5COPENERHelenvaleSymphyomyrtus E. pellita6COPENERMorada Nova*Symphyomyrtus E. pellita7COPENERMorada Nova*Symphyomyrtus ETE. tereticornis7COPENERMareebaSymphyomyrtus EU E. urophylla4 PAINS FLORESTAL Itamarandiba**Symphyomyrtus E. urophylla5COPENER Guaruj á Symphyomyrtus E. urophylla6COPENER Avar é Symphyomyrtus E. urophylla7COPENER Len çó is Paulista Symphyomyrtus EGE. grandis4COPENERPalumaSymphyomyrtus EC E. cloeziana4 PAINS FLORESTAL Capelinha ***Idiogenes E. cloeziana6COPENERMtao ForestIdiogenes E. cloeziana7COPENERMtao ForestIdiogenes E. cloeziana8COPENERMtao ForestIdiogenes E. cloeziana9COPENERMtao ForestIdiogenes HB H Í BRIDO 5COPENERAracruzSymphyomyrtus H Í BRIDO 6COPENERAracruzSymphyomyrtus H Í BRIDO 7COPENERAracruzSymphyomyrtus ECAME. camaldulensis4 PAINS FLORESTAL Bom Despacho****Symphyomyrtus ERE. resinifera4 PAINS FLORESTAL Lewis Track QDSymphyomyrtus Tabela 1 – Relação das espécies do gênero Eucalyptus utilizadas na pesquisa * Origem Helenvale, ** Origem Timor, *** Origem Gympie, **** Origem Petford. HÍBRIDO = Cruzamento entre o Eucalyptus grandis e o Eucalyptus urophylla.

7 4. Resultados e Discussão 1. Densidade Básica da Madeira – Efeito da idade Eucalyptus pellita Eucalyptus urophylla

8 Eucalyptus cloeziana Híbrido

9 1. Densidade Básica da Madeira – Efeito da espécie Quatro Anos Cinco Anos Seis Anos Sete Anos

10 Eucalyptus pellita 2. Rendimentos - Efeito da idade Eucalyptus cloeziana Híbrido Eucalyptus urophylla

11 3. Rendimentos - Efeito da Espécie Quatro AnosCinco Anos Seis Anos Sete Anos

12 4. Análise química imediata - Efeito da Espécie e Idade A - Teor de Carbono Fixo e Materiais Voláteis A B C D A = EP; B = EU; C = EC; D = HB

13 B - Teor de Cinzas A B C D A = EP; B = EU; C = EC; D = HB

14 C - Teor de Cinzas – Efeito da Espécie Quatro Anos Cinco Anos Seis Anos Sete Anos

15 5. Poder Calorífico Superior - Efeito da Espécie e Idade A = EP; B = EU; C = EC; D = HB A B C D A – Efeito da idade

16 A – Efeito da Espécie Quatro Anos Cinco Anos Seis AnosSete Anos

17 5. Conclusões A densidade básica da madeira tendeu a aumentar com a idade do material genético; E. maculata foi a espécie que apresentou o menor rendimento gravimétrico da carbonização e o maior teor de cinzas no carvão vegetal, não se apresentando com potencial para esta utilização; E. tereticornis (ET) e o E. pellita (EP), aos sete anos de idade, apresentaram os maiores valores de rendimento gravimétrico da carbonização e elevado rendimento em carbono fixo, sendo as espécies mais potenciais para a produção de carvão vegetal.

18 OBRIGADO


Carregar ppt "Paulo Fernando Trugilho Luana Elis de Ramos e Paula Claudinéia Olímpia de Assis"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google