A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

ENGENHARIA DE REQUISITOS Prof. Antonio Alberto P. Santana.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "ENGENHARIA DE REQUISITOS Prof. Antonio Alberto P. Santana."— Transcrição da apresentação:

1 ENGENHARIA DE REQUISITOS Prof. Antonio Alberto P. Santana

2 AGENDA 04 - Lista de eventos - Modelagem de eventos - Especificação de processos - Técnicas de especificação - Português estruturado - Pseudocódigo - Tabela de decisão - Árvore de decisão

3 LISTA DE EVENTOS Sistema: caixa preta que, a partir de certos estímulos externos predeterminados, produz respostas esperadas. Respostas: para cada função deve haver um estímulo responsável pela sua ativação. Ex.: relatórios, documentos, etc. Para se descobrir quais são as funções devemos descobrir quais são os estímulos que chegam ao sistema.

4 LISTA DE EVENTOS Sistema é uma reunião de funções que devem ser ativadas para produzir as respostas desejadas quando ativadas por estímulos causados pela ocorrência de determinados eventos. Análise Essencial

5 LISTA DE EVENTOS EVENTO: pode ser definido informalmente como um acontecimento do mundo exterior que requer do sistema uma resposta. Análise Essencial ESTÍMULO: é um ativador de uma função. RESPOSTA: é o resultado gerado pelo sistema devido à ocorrência de um evento.

6 MODELAGEM DE EVENTOS Analisar evento é basicamente identificar fatos que ocorrem no meio ambiente que interage com o sistema e que exige uma resposta do sistema. Esta resposta pode ser, por exemplo, o armazenamento de uma informação ou a produção de um resultado.

7 MODELAGEM DE EVENTOS ENTIDADE EXTERNA SISTEMA estímulo resposta - fluxo de controle - instante do tempo - fluxo de dados

8 ALGORITMO PARA MODELAGEM DE EVENTOS Analise o ambiente do sistema e ponha no papel todo fato que, a princípio pareça determinar uma ação do sistema; Cada evento deve ser escrito em uma frase; Lembre-se que a frase é uma construção gramatical que expressa uma idéia completa; Deve possuir um sujeito, um verbo e um objeto.

9 ALGORITMO PARA MODELAGEM DE EVENTOS Para cada evento identificado responda às seguintes perguntas: Existe algum evento que seja uma variação significativa do evento identificado? Normalmente esses eventos podem ser escritos com a as mesmas palavras do evento original, trocando-se apenas o verbo.

10 ALGORITMO PARA MODELAGEM DE EVENTOS Existe algum evento oposto ao evento identificado? Por exemplo: oposto a vender é comprar, oposto a pagar é receber (antônimos)

11 ALGORITMO PARA MODELAGEM DE EVENTOS Existe algum evento negativo do evento identificado? Consiste na negação do evento? Negativo de pagar é não pagar.

12 ALGORITMO PARA MODELAGEM DE EVENTOS Existe algum evento que deve preceder ao evento identificado? Normalmente esses eventos são pré- requisitos do evento em questão. Exemplo: para que seja feito um pagamento é necessário que tenha sido feita uma compra.

13 ALGORITMO PARA MODELAGEM DE EVENTOS Existe algum evento que seja conseqüência do evento identificado? Estes eventos, normalmente devem acontecer após o evento em questão, como conseqüência.

14 Evento orientado por fluxo de dados E aquele em que o estímulo é a chegada ao sistema de um fluxo de dados enviado por uma entidade externa e a chegada do fluxo vai ativar a função (nem todo fluxo de dados ativa a função) Sujeito + verbo transitivo na voz ativa + complemento verbal

15 Evento orientado por fluxo de dados Ex: Cliente paga prestação. Entidade externa: cliente; fluxo de dados: cheque; resposta (fluxo de saída): recibo de pagamento Ex: Cliente cancela pedido Entidade externa: cliente; fluxo de dados: solicitação de cancelamento de pedido; Resposta interna (não há fluxo de dados de saída): cancelamento

16 Evento dirigido por controle É aquele em que o estímulo é a chegada ao sistema de um fluxo de controle. Quando uma determinada variável binária está com um determinado valor. (Pode haver fluxos de dados complementares associados). O sistema pode ou não produzir resposta externa e o fluxo de controle pode ser enviado por uma entidade externa ou gerado por uma função interna ao sistema. Sujeito + verbo transitivo na voz ativa + complemento verbal Sujeito + verbo a voz passiva

17 Evento dirigido por controle Ex: A Diretoria autoriza o pagamento de uma fatura. Entidade externa envia um fluxo de controle : sim ou não; resposta (fluxo de dados): cheque Ex: 2º cheque sem fundo é emitido Estímulo: função interna; resposta: relatório para SPC

18 Evento orientado por tempo É aquele em que o estímulo é a chegada ao sistema da informação de haver passado um determinado intervalo de tempo. O sistema deve ser responsável por registrar a passagem de tempo. O sistema pode ou não prever resposta externa e o estímulo é a informação de que foi decorrido um certo tempo ou atingido uma determinada hora.

19 Evento orientado por tempo Ex: É hora de emitir relatório mensal de vendas Função verifica data/hora do computador; envia um fluxo de controle para outra função emitir o relatório; fluxo de dados de saída: relatório

20 LISTA DE EVENTOS dados cadastrais Solicitação alteração Solicitação cancelamento dados empréstimo empréstimo CLIENTE devolução Recibo pagro Fita Solicitação empréstimo REGISTRAR EMPRÉSTIMO

21 LISTA DE EVENTOS NºNº EventoOrigemEstímuloAçãoDestinoSaída Tipo 0101 Cliente solicita fitaClienteSolicitação empréstimo Registrar empréstimo Depto Adm Cliente Ficha Empréstimo Fita FD 0202 Cliente cancela empréstimo ClienteSolicitação Cancelamento Registrar cancelamento FD 0303 Cliente devolve fitaClienteDevolução FitaRegistrar devolução Depto Adm FitaFD 0404 Cliente paga aluguelClientePagamentoRegistrar pagamento Cliente Depto Adm Recibo $ /Cheque FD 0505 Cliente não devolve fita SistemaData devoluçãoEmitir relatório de atrasos Depto Adm Relatório atrasos T 0606 Cliente solicita cadastramento ClienteSolicitação cadastramento Cadastrar cliente Depto Adm Ficha Cadastro FD 0707 Cliente solicita alteração cadastral ClienteSolicitação alteração Registrar alteração FD

22 ESPECIFICAÇÃO DE PROCESSOS

23 Devemos definir: –O que deve ser descrito –Que tipo de técnica se deve usar para a descrição ESPECIFICAÇÃO DE PROCESSOS

24 O que deve ser descrito não é necessário repetir o que já foi descrito nos DFDs e no dicionário de dados definir a forma pela qual os fluxos de dados de entrada são transformados em fluxos de dados de saída

25 Principais técnicas português estruturado pseudocódigo tabela de decisão árvore de decisão

26 PORTUGUÊS ESTRUTURADO Consiste em: –verbos no modo imperativo –termos definidos no dicionário de dados –determinadas palavras reservadas para descrever a lógica da função

27 PORTUGUÊS ESTRUTURADO SINTAXE PORTUGUÊS ESTRUTURADO Seqüência de instruçõesObtenha...; Calcule...; Coloque...; Copie...; etc. Repetição de instruçõesPARA CADA... faça o que se segue: Seleção entre instruçõesSE... SE NÂO faça o que se segue: CASO 1:... faça o que se segue: CASO 2:... faça o que se segue:

28 PORTUGUÊS ESTRUTURADO 1.2 Cancelar Contrato Contratos Faturas Conveniadas

29 PORTUGUÊS ESTRUTURADO PROCESSO cancelar_contratos PARA_CADA faturas.DE Conveniadas. SE faturas.situação “quitada” Acrescente um item a relação Valor_total = Valor_total + faturas.valor_da_fatura Contratos.situação := “cancelada” F_SE F_PARA PRODUZA relação_de_clientes_inadimplentes

30 PSEUDOCÓDIGO Forma textual mais popular de se descrever miniespecificações. É próxima ao português estruturado, porém mais próxima das linguagens de programação.

31 PSEUDOCÓDIGO Contém: –Verbos (LER, OBTER, IMPRIMIR, GRAVAR, etc.) –Substantivos (elementos do dicionário de dados) –Estruturas de controle (SE, ENQUENTO, REPETIR, CASO, etc.) –Operadores de relação (IGUAL, MAIOR QUE, MENOR QUE, etc.)

32 PSEUDOCÓDIGO PORTUGUÊS ESTRUTURADOPSEUDOCÓDIGO Orientado para os procedimentosOrientado para a implementação Usa termos familiares ao usuário (linguagem do negócio) Lembra linguagem de programação O objetivo é um alto nível de comunicação O objetivo é facilitar a programação

33 PSEUDOCÓDIGO EXEMPLO Ler registro_de_cartão_de_crédito REPETIR_ENQUANTO existam registro_de_cartão_de_crédito REPETIR_ENQUANTO existam itens_de_compra_no_cartão_de_crédito Calcular total_de_item Somar total_e_item ao total_da_fatura_mensal FIM_REPETIR Calcular desconto Calcular fatura_líquida; total_a_pagar Imprimir fatura_mensal Gravar fatura no arquivo faturas Ler registro_de_cartão_de_crédito FIM_REPETIR Terminar programa

34 TABELA DE DECISÃO É uma maneira de se expressar, em forma de tabela, qual o conjunto de condições que é necessário ocorrer para que um determinado conjunto de ações deva ser executado.

35 TABELA DE DECISÃO Regra de decisão => conjunto de ações a ser tomado a partir de um conjunto de condições

36 TABELA DE DECISÃO Composta de: –Área de condições – onde são relacionadas as condições que devem ser verificadas para que seja executado um conjunto de ações; –Área de ações – exibe o conjunto de ações que deve ser executado caso um determinado conjunto de condições ocorra; –Regra de decisão – apresentam, através das colunas, a combinação das condições com as ações a serem executadas.

37 TABELA DE DECISÃO CONDIÇÕES Regra de decisão 01 Regra de decisão Regra de decisão N Condição 1: Condição 2: Condição N: AÇÕES Ação 1: Ação 2: Ação N:

38 TABELA DE DECISÃO CONDIÇÕES Regra de decisão 01 Regra de decisão 02 Regra de decisão 03 Regra de decisão 04 Condição 1: S S N N Condição 2: S N S N AÇÕES Ação 1: X Ação 2: X X Ação 3: X X X

39 TABELA DE DECISÃO Regra de decisão 01: caso as condições 1 e 2 ocorram, deverão ser executadas as ações 1 e 3; Regra de decisão 02: caso a condição 1 ocorra e a condição 2 não ocorra, somente deverá ser executada a ação 2; Regra de decisão 03: caso a condição 1 não ocorra e a condição 2 ocorra, deverão ser executada as ações 2 e 3; Regra de decisão 04: caso as condições 1 e 2 não ocorram, deverá ser executada somente a ação 3.

40 TABELA DE DECISÃO EXEMPLO Seja a descrição de um processo que determina qual o tipo de exame médico periódico a que um empregado de uma determinada empresa deve ser submetido:

41 TABELA DE DECISÃO CONDIÇÕES Regra 1 Regra 2 Regra 3 Regra 4 Regra 5 Regra 6 Regra 7 Regra 8 Ocupa cargo de chefia? S S S S N N N N Idade maior que 40 anos? S S N N S S N N Mais de 2 anos no cargo? S N S N S N S N AÇÕES Exame especial X X X X X Exame normal X X X Onde S = sim; N = não; X = ação a ser executada

42 ÁRVORE DE DECISÃO É uma representação de um tabela de decisão sob a forma de uma árvore.

43 ÁRVORE DE DECISÃO OCUPA CARGO DE CHEFIA? MAIS DE 40 ANOS DE IDADE? MAIS DE 2 ANOS DE MPRESA? TIPO DE EXAME ESPECIAL NORMAL ESPECIAL NORMAL S N S S N S N S N S N N S N

44 F I M!


Carregar ppt "ENGENHARIA DE REQUISITOS Prof. Antonio Alberto P. Santana."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google