A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Teoria de Relações Humanas Curso EFA - Nível Secundário CLC.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Teoria de Relações Humanas Curso EFA - Nível Secundário CLC."— Transcrição da apresentação:

1 Teoria de Relações Humanas Curso EFA - Nível Secundário CLC

2 As variáveis sobre o estudo da Teoria Geral das Organizações Tarefa PessoasEstrutura TecnologiaAmbiente Organização

3 Teoria das Relações Humanas Elton Mayo Elton Mayo O homem e o seu grupo social, aspectos psicológicos e sociológicos

4 Necessidade de humanizar e democratizar a administração, inadequação de vários princípios da abordagem clássica; Desenvolvimento das Ciências Sociais: Psicologia e Sociologia, Psicologia Industrial; Crise de 1929: questionamento dos princípios administrativos e luta pela produtividade, democracia americana; Começa nos Estados Unidos em 1930 e é divulgada mundialmente depois da segunda guerra mundial.

5 Cenário: Wester Electric Company (fábrica de equipamentos e componentes telefônicos), bairro de Hawthorne, Chicago; Finalidade inicial: determinar a relação entre a intensidade da iluminação e a eficiência dos operários, medida através da produção; Experiência sob a direção de Elton Mayo.

6 O nível de produção é resultante da integração social; Comportamento social dos empregados; Recompensas e sanções sociais; Grupos informais; A importância das relações humanas; A importância do conteúdo do cargo; Ênfase nos aspectos emocionais.

7 O trabalho é uma atividade tipicamente grupal: a produção sofre a influência do grupo de trabalho mais do que incentivos financeiros; O operário não reage como indivíduo isolado, mas como membro de um grupo social: As mudanças tecnológicas e a abordagem mecanicista cortam o relacionamento das relações sociais; A tarefa básica da Administração é formar uma elite capaz de compreender e de comunicar: chefes democráticos, persuasivos e simpáticos com todos. Chefes que entendam a lógica dos trabalhadores. O ser humano é motivado essencialmente pela necessidade de estar junto, ser reconhecido: Só alcança a eficiência considerando as necessidades sociais e psicológicas dos trabalhadores.

8 Para Elton Mayo, há um conflito social entre os interesses das empresas e os interesses dos trabalhadores; O conflito social é a destruição da própria sociedade, devendo ser evitado a qualquer custo. A empresa deve surgir como uma nova unidade social onde será estimulada a cooperação entre indivíduos. O trabalhador encontrará na empresa uma administração compreensiva e paternal, capaz de satisfazer as suas necessidades psicológicas e sociais.

9 A ORGANIZAÇÃO É COMPOSTA DE: 1. Organização técnica = produtos, prédios, máquinas 2. Organização humana = organização social que tem como base as relações entre as mesmas. A colaboração humana é alcançada mais pela estrutura informal do que formal: é um fenômeno social. A concepção de homo economicus não explica o comportamento humano. A fadiga não tem só causas orgânicas, mas subjetivas e psicológicas.

10 MotivaçãoLiderançaComunicação Dinâmica de grupo....

11 Necessidades ou motivos: são forças conscientes ou inconscientes que levam o indivíduo a determinado comportamento. Motivação: refere-se ao comportamento que é causado por necessidade, dentro do indivíduo, e que é dirigido aos objetivos que podem satisfazer as suas necessidades. Satisfeita uma necessidade, surge outra em seu lugar, e assim por diante, contínua e infinitamente. As necessidades motivam o comportamento humano dando-lhe direção e conteúdo...

12 1. Necessidades fisiológicas - ligadas à sobrevivência do indivíduo: alimentação, sono, segurança, satisfação sexual. Uma vez satisfeitas essas necessidades, são necessárias outras formas de estímulo à motivação do operário. 2. Necessidades psicológicas - ajustamento e tranqüilidade social, necessidade de participação, calor humano, autoconfiança, afeição, amor, carinho. 3. Necessidades de auto-realização - necessidades mais elevadas, que se referem ao fato de cada pessoa realizar o seu potencial e estar em constante auto-desenvolvimento. Necessidades humanas básicas:

13 Fanatismo Euforia Atitudes positivas Satisfação Otimismo Cooperação Coesão Colaboração Aceitação dos objetivos Boa vontade Identificação Atitudes negativas Insatisfação Pessimismo Oposição Negação Má vontade Resistência Dispersão Diaforia (mal estar) Agressão Moral Elevado Moral Baixo MORAL: decorrência do estado motivacional provocado pela satisfação ou não satisfação das necessidades individuaisMORAL:

14 Equilíbrio Estímulo ou Incentivo Necessidade Tensão Comportamento ou Ação Satisfação A motivação no sentido psicológico, é a tensão persistente que leva o indivíduo a alguma forma de comportamento visando a satisfação de uma ou mais determinadas necessidades

15 Equilíbrio Estímulo ou Incentivo Necessidade Tensão Comportamento ou Ação BARREIRA Frustração leva à desorganização do comportamento, agressividade, ansiedade, aflição, doenças, alienação, apatia.

16 Motivação DesejoReceio Meta Apesar de variarem as necessidades e os valores sociais de indivíduo para indivíduo, produzindo diferentes padrões de comportamento, o processo que dinamiza o comportamento é semelhante.

17 IMPULSO Componentes da motivação OBJETIVO Processo interno que incita à ação. Influenciado pelo ambiente externo. Efeito redutor ou saciante. Após ser suficientemente atingido, o motivo deixa de orientar o comportamento.

18 Motivação humana é cíclica Satisfação de algumas necessidades é temporal e passageira. É um processo contínuo de resolução de problemas e satisfação de necessidades a medida que surgem. Necessidade/tensão FrustraçãoCompensação Resolução

19 É um fenómeno de influência interpessoal exercida em determinada situação através do processo de comunicação humana, com vista à comunicação de determinados objectivos(Fachada, 1998). O processo de influenciar as actividades de um individuo ou de um grupo para a consecução de um objectivo numa dada situação(Herseye e Blanchhard).

20 Definição e Conceitos de Liderança -Liderança é um processo que compreende diversas actividades e competências, tais como; direcção, coordenação, comunicação motivação e participação. -Liderança é a capacidade para promover a acção coordenada, com vista ao alcance dos objectivos organizacionais.

21 Definição e Conceitos de Liderança -A liderança deverá ser entendida a partir do momento em que um grupo executa as suas actividades voluntariamente no apoio e prática às orientações vindas do líder. -A liderança é a qualidade de líder, (inata ou adquirida através do estudo) de quem tem habilidades peculiares, como coordenar, liderar, dirigir e apoiar.

22 A Influência na Liderança -Líder e liderados encontram-se numa relação de influência recíproca. Os liderados são colaboradores de quem exerce a liderança. Sem liderados não há liderança, nem missão. O que liga o líder aos seguidores é a tarefa ou missão. Sem esse componente, não há liderança, apenas influência ou popularidade. -Liderar, é, assim, conduzir um grupo de pessoas, influenciando os seus comportamentos e acções, para atingir objectivos e metas de interesse comum deste grupo, de acordo com a visão do futuro baseado num conjunto coerente de ideais e princípios.

23 Estudo da Liderança White e Lippitt (1939), foram os pioneiros no estudo de liderança; verificaram a influência que estes tipos de liderança causam nas organizações (no desempenho dos resultados) e no comportamento das pessoas. Foi feita a experiência em meninos de dez anos divididos em quatro grupos, de seis semanas, a direcção de cada grupo era desenvolvida por líderes que utilizavam três estilos diferentes: a liderança autocrática, a liderança liberal (laissez-faire) e a liderança democrática.

24 Na Liderança Democrática; houve formação de grupos de amizade e de relacionamentos cordiais entre os meninos. Líder e subordinados desenvolveram comunicações espontâneas, francas e cordiais. O trabalho desenvolveu-se mesmo quando o líder se ausentava. Houve sentido de responsabilidade e comprometimento pessoal. Estudo da Liderança

25 Liderança Democrática As actividades são planeadas e distribuídas de acordo com a decisão do grupo. Os passos na direcção dos objectivos são esquematizados com o grupo. O líder é objectivo ou realista nos seus elogios e críticas e procura ser um membro regular do grupo, sendo que para isso, tenha de cumprir uma parte do trabalho. O líder tem comportamentos de orientação e apoio.

26 O grupo é receptivo à espontaneidade, à criatividade, desenvolvendo assim, a capacidade de tomar iniciativa. -Visa os Interesses da equipa e da empresa. Disciplina é produto da vontade da equipa. Utiliza a persuasão. Transfere confiança aos liderados. Orienta, educa e motiva. Liderança Democrática

27 Funções do Líder Planear - determinar objectivos, fazer previsões, analisar problemas, tomar decisões, formular pol í ticas e/ou apoiar pol í ticas. Organizar - determinar as actividades que são necess á rias para alcan ç ar objectivos, classificar e distribuir o trabalho dando alguma liberdade, pelos grupos e pelos indiv í duos. Influenciar - comunicar de maneira a que os indiv í duos atinjam os objectivos de acordo com as finalidades da organiza ç ão. Controlar - conferir o que foi realizado com o planeado e proposto. Corrigir os desvios verificados.

28 O líder enfatiza o estabelecimento de normas e regras. O líder deve animar os membros da equipa a: reunir, programar e combinar as actividades. O líder ajuda o grupo a valorizar a qualidade das suas sugestões ou soluções. O líder deve avaliar a qualidade do processo de envolvimento do grupo, suavizar a tensão e ajudar os membros a encontrar formas de equilibrar satisfações O Líder como motivador

29 Estabelecimento de objectivos e definição de tarefas: O l í der deve animar os membros da equipa a: Colocar o grupo em movimento; Clarificar factos e opiniões importantes; Regular as participa ç ões. Promover que cada um dos elementos da equipa clarifique opiniões; Criar um clima de união e cordialidade; O l í der actua como agente facilitador para orientar, ajuda nas solu ç ões de problemas, coordena actividades e sugere ideias.

30 Diferenças entre o chefe e o líder O chefe conduz as pessoas, o líder aconselha O chefe inspira medo, o líder, entusiasmo. O chefe diz "eu", o líder, "nós". O chefe preocupa-se com coisas, o líder com pessoas. O chefe colhe os lcros, o líder distribui. O chefe enxerga o hoje, o líder contempla o amanhã. Os líderes influenciam seguidores. Por este motivo, muitos acreditam que os líderes têm por obrigação considerar a ética das suas decisões. Apesar de a liderança ser importante para a gerência e estreitamente relacionada a ela, liderança e gerência não são os mesmos conceitos.

31 Passos esquematizados para atingir resultados O líder é realista e membro regular do grupo. As directrizes são debatidas pelo grupo, estimulado e assistido pelo líder. As tarefas ganham novas perspectivas com os debates. A divisão das tarefas fica a critério do próprio grupo e cada membro tem liberdade de escolher os seus companheiros de trabalho; O líder é "objectivo" e limita-se aos "factos" nas suas críticas e elogios.

32 Feedback/Retorno O líder deve estar atento às reacções do grupo e ao retorno de todas as atitudes, para acompanhar o desenvolvimento do grupo, orientando-os na eliminação dos seus erros, ressaltando e reforçando as suas vitórias. Na prática, líder poderá utilizar os três estilos de liderança, de acordo com a tarefa a ser executada, as pessoas e a situação. O líder tanto poderá mandar cumprir as ordens como sugerir aos colaboradores a realização de certas tarefas, ou ainda consultar antes de tomar decisão. O desafio está em saber como aplicar cada estilo, com quem e em que circunstância e tarefas a serem desenvolvidas.

33 Alguns Grandes Líderes JESUS CRISTO – L í der espiritual Cristão MARTIN LUTHER KING - Pastor americano e l í der do movimento negro. MAHATMA GANDHI - L í der espiritual e pol í tico da Í ndia NELSON MANDELA - Líder sul-africano e activista anti apartheid.

34 Bibliografia https://pedagogafernandar.wikispaces.com/.../Estilos_lideranca.ppt aula SemelhanteSemelhante Trabalho realizado por: Fátima Santos Anabela Casimiro Maria dos Anjos Zélia Ferreira


Carregar ppt "Teoria de Relações Humanas Curso EFA - Nível Secundário CLC."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google