A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

2006 – Ano Jubilar na Companhia de Jesus 2006 – Ano Jubilar O Superior Geral da Companhia de Jesus, Peter-Hans Kolvenbach SJ, anunciou o ano jubilar.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "2006 – Ano Jubilar na Companhia de Jesus 2006 – Ano Jubilar O Superior Geral da Companhia de Jesus, Peter-Hans Kolvenbach SJ, anunciou o ano jubilar."— Transcrição da apresentação:

1

2 2006 – Ano Jubilar na Companhia de Jesus

3 2006 – Ano Jubilar O Superior Geral da Companhia de Jesus, Peter-Hans Kolvenbach SJ, anunciou o ano jubilar para celebrar três homens que marcaram a Igreja, três amigos no Senhor, três companheiros de Jesus, três modelos de santidade e evangelização. No ano jubilar (03 de dezembro 2005 a 03 de dezembro de 2006) os 20 mil jesuítas do mundo inteiro lembram os 450 anos da morte de seu fundador, Santo Inácio de Loyola (31 de julho 1556), e os 500 anos de nascimento de São Francisco Xavier (07 de abril 1506) e do Beato Pedro Fabro (13 de abril 1506). A Celebração oficial destes jubileus por parte da Companhia acontece no dia 22 de abril 2006, festa de Nossa Senhora Mãe da Companhia de Jesus (jesuítas).

4 São Francisco Xavier Consagrado como o “Apóstolo do Oriente”, proclamado “Padroeiro das Missões” (Pio X, em 1904), São Francisco Xavier foi reconhecido por João Paulo II como “o apóstolo mundial dos tempos modernos” e apontado como exemplo para os missionários e para a acção evangelizadora da Igreja. Este navarro, que se considera “português de coração”, partiu para o Oriente, a pedido do Rei de Portugal, D. João III. Mais tarde, confirmará ao mesmo Rei que, sem as naus e a ajuda dos portugueses, jamais poderia realizar a missão evangelizadora, para a qual se sentia tão motivado pela graça de Deus.

5 Celebrar o V Centenário de Francisco Xavier renovará nas comunidades cristãs a busca confiante da vontade do Pai, o zelo apaixonado pelo Reino inaugurado por Cristo e a responsabilidade de todos na actual largueza da missão impulsionada pelo Espírito Santo. 1.A vontade de Deus motiva a fé e a confiança O grau de fé e confiança em Deus, demonstrado por Francisco Xavier, foi crescendo continuamente, a par do espírito de oração, num esforço diário por conhecer a vontade de Deus e por cumpri-la da forma mais perfeita possível. Desde a conversão, ocorrida enquanto estudante e professor em Paris (1526 ‑ 1536), criou disponibilidade para cumprir o plano de Deus. A decisão da sua missão para a Índia foi-lhe dada a conhecer apenas vinte e quatro horas antes da partida: tinha que substituir um companheiro cuja doença se prolongava. Tratava-se de uma viagem de alto risco de vida, com a duração de mais de um ano. Francisco obedeceu prontamente pois estava seguro que aquele caminho da obediência era a perfeitíssima vontade de Deus.

6 Vindo para Portugal, a 7 de Abril de 1541, dia do seu 35.º aniversário, recebeu, com a maior simplicidade, as cartas em que era nomeado Embaixador do Rei de Portugal, Representante do Papa e Administrador Apostólico para todo o mundo cristão no Oriente (descoberto ou a descobrir), à excepção do Bispado de Goa, já existente naquela altura. Orientava-o apenas a correspondência ao desígnio de Deus, para o cumprir, com um espírito de fé que afronta os perigos dos mares. Mais tarde, após cerca de um ano de experiência na Índia, sentirá a ansiedade das grandes incertezas do futuro. O contraste de civilizações tão diferentes que ia encontrando, e, numa expressão sua, “o medo de ter medo”, orientaram-no, como reacção e vencimento próprio, para o valor da confiança absoluta em Deus. Será a dimensão mística da sua missão, como experiência de alegria, sentida no meio das tormentas e perigos mortais, que o lançará nos braços de uma confiança total no Deus que o chamou àquele serviço.

7 Qualquer ação evangelizadora deverá partir da descoberta de um apelo de Deus, ao qual o cristão se sente atraído e lhe surge como determinante forma de realizar a sua missão no mundo. As dificuldades e condições adversas não justificarão uma indecisão, mas constituem terreno onde semear, com fortaleza, as convicções nascidas do encontro com a vontade de Deus. 2. Paixão pelo reino e pela glória de Deus A certeza interior da vontade de Deus confrontava-se com o ambiente de conquista que rodeava São Francisco Xavier, por vezes em contraste com a perspectiva evangélica que o movia. Apaixonado por Jesus Cristo, vivendo numa contínua presença de Deus, foi apostolicamente missionário do Mundo. Partindo da Europa, tocou a América (Brasil), a África (Moçambique), a Ásia e a Oceania (Molucas). Xavier conhece uma cidade de Goa, de origem cultural indiana, mas agora habitada também por marinheiros, soldados e comerciantes portugueses, ali chegados há quatro décadas, e, por isso, já caldeada com alguns princípios cristãos e determinados costumes europeus. A promiscuidade, já existente nas relações comerciais, políticas, sociais e familiares, não estava a ser enfrentada eficazmente pelos missionários, que se sentiam mais capelães dos portugueses do que missionários dedicados aos chamados gentios.

8 Castelo de Xavier Espanha- 2005

9 É este ambiente que Francisco Xavier pretende purificar: rectificando costumes e comportamentos e criticando o oportunismo e a falta de elevação moral. Lança uma outra iniciativa de grande alcance pedagógico, que julga prioritária em relação ao futuro: reúne as crianças, todas as tardes, e ensina-lhes o Evangelho, colocando os textos da fé em melodias de canções infantis, que cada criança depois cantava aos pais em casa. Depois de vários meses passados em Goa, tendo já alguns conhecimentos da língua local, deixa os seus trabalhos entregues a outros e parte para o Sul. Com esta mesma energia interior, fruto da Graça de Deus, dirigir-se-á a Malaca e às Molucas, no Extremo Oriente, pois lhe indicaram aqueles locais como pontos de referência para maior divulgação do Evangelho. E foi nesses caminhos que tomou conhecimento da excelência da cultura e da prática religiosa do povo japonês, ideia que o fascinou a ponto de voltar a Goa e preparar o que entendia ser a grande missão da sua vida, a evangelização do Japão. São fruto da experiência destas viagens de evangelização alguns apelos que se tornaram célebres, em cartas aos seus companheiros de vida religiosa, aos alunos da Universidade de Paris e ao Rei D. João III. Escrevia aos seus Irmãos que, algumas vezes, tinha os braços tão cansados de celebrar o baptismo, que mal os podia mexer, terminando por desabafar: “Se houvesse mais missionários que me ajudassem!”...

10 Dirigindo-se ao Japão, encontra ali o gosto pelo diálogo filosófico e teológico mais profundo, que ele tanto apreciava. São também os japoneses que o convencem de que, se queria dar a conhecer a filosofia do cristianismo ao mundo inteiro, teria que se revelar à cultura chinesa, de onde provinha a sua própria cultura japonesa. E foi então que Xavier, para quem não havia obstáculos intransponíveis quando se tratava da difusão do Evangelho, toma a decisão de partir ele próprio para a aventura do grande diálogo com o “Império Celeste”. Depois de voltar a Goa para reorganizar a missionação dos jesuítas, entretanto chegados de Lisboa, dirige-se à China, onde o seu ideal o levava, mas onde não chegou a entrar, morto pelo cansaço até à exaustão, aos 46 anos de idade. A duríssima aventura do Japão, prova bem um amor mais forte que a morte: desprovido e abandonado, mas com total confiança em Deus, convertido em chama pura, abrasado no amor de Deus. Fogo de amor que ultrapassa o gelo e a neve do Japão. Fogo que anseia depois pela chegada ao Grande Imperador da China, para dali irradiar a Boa Nova a todo o Oriente e ao mundo inteiro.

11 3. Missão e Nova Evangelização Francisco Xavier empregou em viagens, de barco ou a pé, praticamente metade dos cerca de onze anos da sua missionação. Postos em linha recta, os passos deste homem desassombrado e insaciável, dariam duas voltas e meia ao nosso planeta. A missão na Igreja, segundo a encíclica “Redemptoris Missio” (nº 30), está hoje ainda no seu início. As mudanças sociais e a permanência de povos não evangelizados responsabilizam a acção da Igreja, se quer ser fiel a Cristo seu fundador. O crescimento demográfico no Sul e no Oriente, em Países não cristãos, faz aumentar continuamente o número das pessoas que ignoram a redenção de Cristo (cf. R.M. nº 40). O processo de enraizamento do Evangelho nas culturas concretas de cada sociedade é ainda hoje uma exigência a cumprir. Envolve não só a mensagem, mas também a reflexão sobre ela e a acção prática consequente. Sem este processo, não há verdadeira evangelização. O testemunho de vida do missionário e do cristão, de cada família e da comunidade eclesial são as formas primárias e essenciais da evangelização. A participação e a cooperação na actividade missionária são, por força do seu baptismo, uma responsabilidade de cada um dos membros da Igreja. Hoje, pelas facilidades que propõe o turismo ou outros géneros de mobilidade humana, tornou-se mais fácil a informação sobre os diferentes povos e sobre as próprias circunstâncias em que se procede à evangelização. Fomentam-se até geminações entre comunidades ou instituições do mundo ocidental e outras congéneres do Sul ou do Oriente, que estão a produzir frutos muito positivos.

12 É necessário que amadureça em todos a consciência de que “cooperar para a missão” não significa apenas dar, mas também saber receber. Todas as igrejas particulares, jovens e antigas, são chamadas a dar e a receber da missão universal, e nenhuma se deve fechar em si própria. Ao serviço da missão e da nova evangelização, a exemplo e segundo o carisma de S. Francisco Xavier, continuam hoje a surgir vocações generosas para a vida sacerdotal, religiosa e missionária. Este centenário oferece-nos uma oportunidade de darmos graças a Deus por tantas vidas entregues à missão e de interpelarmos os nossos contemporâneos para esta entrega radical a Cristo e à Igreja, abrindo horizontes e alargando fronteiras, cumprindo o mandato de Jesus: «Ide por todo o mundo e anunciai o Evangelho» (Mc 16,15).

13 Conclusão Ao longo da história, Francisco Xavier tem sido grande modelo de apóstolo e missionário para tantas pessoas, movimentos e institutos religiosos. Que também hoje seja nossa inspiração e nosso apoio na constituição de uma comunidade cristã, cheia de zelo apostólico, fiel à força dinamizadora do Espírito Santo. Que o seu apelo aos jovens estudantes da Universidade tenha voz renovada no zelo interpelante dos animadores cristãos e encontre idêntica resposta generosa, sinal real de que faz parte da natureza da Igreja ser missionária. Fátima, 17 de Novembro de 2005 Nota Pastoral da Conferência Episcopal Portuguesa nos 500 anos do nascimento de São Francisco Xavier Montagem: Renato,SJ – Salamanca Espanha – Dezembro, 2005


Carregar ppt "2006 – Ano Jubilar na Companhia de Jesus 2006 – Ano Jubilar O Superior Geral da Companhia de Jesus, Peter-Hans Kolvenbach SJ, anunciou o ano jubilar."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google