A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Miriam Aço Lusis/Sistef

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Miriam Aço Lusis/Sistef"— Transcrição da apresentação:

1 Miriam Aço Lusis/Sistef CONTEXTOS E MATRIZES IDENTITÁRIAS MULTICULTURAIS EM AMBIENTES DE ENSINO E APRENDIZAGEM Conferência Internacional “Ao Encontro da Educação Intercultural” Lagos 2012

2 Desconstruir Conceitos e Construir Paradigmas
O desafio de futuro na sala de aula intercultural

3 I – A Escola e a Gestão da Diversidade – o Futuro passa por aqui

4 A Escola é hoje diversidade porque:
“Na alvorada do terceiro milénio, não podemos ignorar que estamos perante uma visão plural do mundo, onde aceitamos as diferenças como parte integrante e desejável dos contextos em que nos movimentamos” Declaração do Milénio (adaptado) Miriam Aço

5 As matrizes identitárias que nela encontramos são:
“Evolutivas, Mutáveis, Contextuais e Complexas face aos novos mapas culturais e aos fenómenos de globalização e mundialização” Míriam Aço (adaptado) Miriam Aço

6 A Gestão da Diversidade é pois um imperativo da escola porque:
“Gerir a diversidade é hoje um imperativo de consciência, um imperativo moral , um imperativo kantiano absoluto porque implica a sobrevivência do Homem como essência” Hans Jonas (adaptado) Miriam Aço

7 II – A Sala de Aula Intercultural

8 Na Escola Intercultural:
“ É desejável que as práticas sejam definidas face à diversidade, que sejam promotoras de coesão social e de igualdade de oportunidades, que promovam uma activa consciência ecológica e garantam os desafios da educação para o milénio” Ouellet (adaptado) Miriam Aço

9 Na Sala de Aula Intercultural:
“Identificam-se as culturas em presença, e as representações simbólicas do espaço relacional, e os diferentes modos de exprimir conhecimento em diferentes ritmos de aprendizagem” Míriam Aço Miriam Aço

10 Na Pedagogia Intercultural
“ Procura-se uma dinâmica de gestão não discriminatória de tempos, espaços e tarefas para que oportunidades iguais sejam a realidade da aprendizagem” Banks e Ouellet (adaptado) Miriam Aço

11 III- Desconstruir Conceitos para Construir Paradigmas

12 Desconstruir Conceitos porque:
“Só podemos trazer a interculturalidade para o contexto real da escola e da sala de aula se usarmos uma hermenêutica que procure desvendar todos os mecanismos conscientes ou ocultos das representações culturais” Marinucci, 2006 Miriam Aço

13 Utilizar uma Hermenêutica Intercultural porque:
Descodificar: facultando “chaves de acesso” às representações do outro Comunicar: através das experiências de reconhecimento e identificação com o outro pelas “chaves de acesso” Compreender: quando acolhemos a verdade natural da diversidade Miriam Aço

14 Construir Novos Paradigmas centrados em:
Gestão de Estratégias de aprendizagem como abertura ao outro e itinerário de transformações Construção de códigos de comunicação partilhada e identificadora de pertença Gestão da proximidade relacional e do espaço físico com espaço identitário Miriam Aço

15 Construir Novos Paradigmas centrados em:
Construção de sentidos, significados e compromissos que valorizam a diferença e a identidade no Grupo de Pertença Valorizar a partilha, a colaboração, a atribuição distribuída de poder Promover uma permanente Arqueologia do Saber Miriam Aço

16 Construir Novos Paradigmas centrados numa:
“Arqueologia do Saber” FIM Miriam Aço


Carregar ppt "Miriam Aço Lusis/Sistef"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google