A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

OFICINA DE COMUNICAÇÃO UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA -> Curso de Comunicação Social Prof. Érica Ribeiro Contato: Semestre 2009.2.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "OFICINA DE COMUNICAÇÃO UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA -> Curso de Comunicação Social Prof. Érica Ribeiro Contato: Semestre 2009.2."— Transcrição da apresentação:

1 OFICINA DE COMUNICAÇÃO UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA -> Curso de Comunicação Social Prof. Érica Ribeiro Contato: Semestre Aula 11 Planejamento, Orçamento Adaptações Exercício para aula

2 4º TEMPO ª aula / 4º tempo 11 de novembro: apresentação do Premiere (quarta) 4ª aula / 4º tempo 27 de novembro: acompanhamento do projeto (sexta) Calendário 3/11 Exibição de filme (sala de vídeo C221) 10/11 Básico edição não-liner / Movie Maker (Lab. Inf.) 17/11 Convergçências – novos meios 24/11 Revisão 1/12 Entrega de trabalhos e P2

3 DIVISÕES, ORÇAMENTO E FINANÇAS Para fazer o orçamento, é necessário que você preveja o futuro, exigindo uma análise de cada etapa do projeto para dar-lhe forma, determinar as tarefas necessárias e o seu aspecto (KELLINSON, 2007, p. 81) Atenção: Avaliar a íntegra do projeto, considerando-o em termos de tempo e dinheiro Realizar pesquisas de preços Comparar de custos Análisar de orçamentos em outras produções similares Consultar outros profissionais Praticar

4 DIVISÕES, ORÇAMENTO E FINANÇAS Caderno de produção Início do trabalho do produtor Essencial no processo de organização da produção Bem organizado, é o primeiro passo para se cumprir o orçamento Considerar no orçamento valores relativos a desenvolvimento de roteiro e/ ou cessão de direitos (KELLINSON, 2007): Dar ao roteirista tempo para não precisar refazer muitas vezes o texto. A maioria dos roteiros exige revisões e ajustes. Destinar verba para isso. Se houver necessidade de aprovação por gerentes ou clientes, incluir no orçamento possíveis alterações no roteiro ou estrutura do projeto.

5 DIVISÕES, ORÇAMENTO E FINANÇAS Em grandes projetos, o ideal é que haja um divisões para melhor manipulação do orçamento disponível. Organização e cumprimento do cronograma são componentes-chave para criar o orçamento. Exemplo: Programa com o custo de R$ / dia Cronograma de 10 dias Orçamento necessário: R$ Cronograma não cumprido -> + R$ a cada dia de atraso

6 DIVISÕES, ORÇAMENTO E FINANÇAS Para cumprir o cronograma, há o que chamamos de filmagem cruzada Filmagem consecutiva de diversas cenas que compões dois ou três episódios (capítulos) em que a locação é a mesma Economiza tempo e dinheiro

7 DIVISÕES, ORÇAMENTO E FINANÇAS Alguns produtores de televisão dividem seu orçamento em três categorias principais: pré-produção, produção e pós-produção. Pré-produção Constam orçamento para reuniões, contratação de equipe, seleção de elenco, cronograma de filmagens, reserva de hotéis, alimentação, viagens, produção do roteiro, desenho de storyboards, consultoria de conteúdo, espaço para ensaios Produção Se o produtos mapeou e explorou detalhadamente tudo o que é necessário para o início das filmagens, a fase de produção poderá ser a mais rápida e menos problemática (KELLINSON, 2007, p. 88) Há verba destinada para o caso de eventualidades -> depende do custo total

8 DIVISÕES, ORÇAMENTO E FINANÇAS Pós-produção Momento mais difícil para fechar o orçamento por conta dos fatores que envolvem todo o processo de pós-produção (edição, escolha de cenas, habilidades, mixagens, cópias, lançamentos) No orçamento, alguns custos são fixos, mais previsíveis, como pagamento de diárias e locação de equipamentos. Já outros, são apenas estimados. Assim, temos previsão de custos e custos reais dentro do fechamento do orçamento.

9 DIVISÕES, ORÇAMENTO E FINANÇAS Assim, categorias que podem entrar no seu orçamento de produção: Produtores, direitos de roteiro ou história, roteirista, diretor, atores, requisitos dos artistas, equipe técnica, equipe administrativa, locações, construção de cenários, cabelo e maquiagem, música e efeitos sonoros, transporte, refeições, segurança, edição, serviços de buffet, animação, despesas de escritório, encargos financeiros (juros), seguros, honorários de contador e advogado, licencimento de imagens, pesquisas, propaganda, assessoria de imprensa e eventualidades (hospitais).

10 ADAPTAÇÕES Na história do teatro e do cinema, a adaptação talvez seja mais regra do que exceção (H. Porter Abbott em CAMPOS, 2007, p. 293) A adaptação consiste transpor uma obra para outro gênero ou veículo. É conseguir adequar uma obra original, que pode ser um livro (texto escrito) para uma outra linguagem, com características de outro meio, como televisão (texto audiovisual).

11 ADAPTAÇÕES Primeiro momento: ler e assinalar tudo que atraia a atenção Após, perceber os pontos chave da história: Quando a história ocorre Período de tempo que cobre Lugares Incidentes que narra Tramas que descreve Personagens, perfis e motivações Se houver a ausência de elementos para completar a história, o roteirista poderá criar.

12 ADAPTAÇÕES Mesmo com modificações, o importante é que a adaptação mantenha a essência da obra original Adaptar implica recompor uma narrativa a partir da sua trama principal, manter as tramas secundárias mais importantes, manter tema e premissa, bem como a essência dos perfis dos personagens centrais (CAMPOS, 2007, p. 299) Brasil, as obras se torna de domínio público após 70 anos da morte do seu autor, sendo necessário cessão de direitos autorais antes disso.

13 Exercício Ditados 1.Quem não tem cão, caça com gato 2.Casa de ferreiro, espeto de pau 3.Champanha de pobre é sonrisal 4.De grão em grão a galinha enche o papo 5.De pequenino é que se torce o pepino 6.Palavra demais só custa dinheiro em telegrama 7.Pé de galinha não mata pinto 8.Macaco velho não mete a mão na cumbuca


Carregar ppt "OFICINA DE COMUNICAÇÃO UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA -> Curso de Comunicação Social Prof. Érica Ribeiro Contato: Semestre 2009.2."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google