A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

PERCEPÇÃO DE ESTUDANTES QUANTO AOS FATORES DIFERENCIADORES DO DESEMPENHO ESCOLAR EM CURSOS DE LICENCIATURA A DISTÂNCIA. Ronei Martins & Luciana Serafim.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "PERCEPÇÃO DE ESTUDANTES QUANTO AOS FATORES DIFERENCIADORES DO DESEMPENHO ESCOLAR EM CURSOS DE LICENCIATURA A DISTÂNCIA. Ronei Martins & Luciana Serafim."— Transcrição da apresentação:

1 PERCEPÇÃO DE ESTUDANTES QUANTO AOS FATORES DIFERENCIADORES DO DESEMPENHO ESCOLAR EM CURSOS DE LICENCIATURA A DISTÂNCIA. Ronei Martins & Luciana Serafim Sala 16 (das 16h30 às 16h55) bd 154

2 CONTEXTO A UFLA oferece 4 cursos de licenciatura a distância pelo sistema UAB, com cerca de 1300 alunos matriculados. A investigação apresentada é parte de uma pesquisa realizada entre 2010 e 2014, que buscou explorar a relação entre características pessoais, uso das tecnologias empregadas nos cursos e o desempenho escolar.

3 OBJETIVOS DA PESQUISA Caracterizar o perfil inicial quanto ao desempenho com tecnologias dos estudantes ao ingressarem em curso de EaD; Caracterizar o perfil sociodemográfico dos alunos ingressantes; Verificar o efeito do desempenho em tecnologias e das variáveis sociodemográficas sob o desempenho escolar dos alunos.

4 DELINEAMENTO Previu duas fases, uma de abordagem quantitativa e outra, qualitativa, esta apresentada no artigo enviado para o CIAED. O foco foi a percepção dos estudantes quanto aos fatores motivadores do desempenho escolar nos cursos investigados. Participaram 27 estudantes organizados em dois grupos contrastantes de baixo (N=12) e alto desempenho escolar (N=15). [Baixo (M≤40), Médio (70 40) e Alto (M≥70)] Os dados obtidos em entrevistas semiestruturadas foram tratados pela técnica de análise de conteúdo de Bardin.

5 Perfil característico: Idade superior a 30 anos; trabalhador, com renda mensal de até 3 salários- mínimos; a maioria busca no ensino superior uma chance de melhorar sua condição social; Estudou em escola pública (e no período noturno), trabalham em jornada de 40 horas semanais, moram em um local onde não seria possível a inserção de cursos presenciais seus pais estudaram menos que eles (a maioria não concluiu o ensino médio).

6 Resultados e discussão Conforme estabelece Bardin (2009), desenvolveu-se a identificação de categorias e subcategorias que emergiram das respostas e representam, na visão dos estudantes, os aspectos mais relevantes relacionados com o desempenho escolar.

7

8 Subcategoria ( a1 ) Capacidade de Autodirigir a rotina de estudo e tarefas: Citações nos grupos de alto e de baixo desempenho escolar: presente em 33,3% dos relatos. E04 - “Então, a dificuldade é a questão do tempo porque a gente assume muitas funções e aí fica complicado. É a questão do tempo mesmo”. 8

9 Relatos de estudantes do grupo de alto desempenho retratam “facilidade" na modalidade em decorrência da possibilidade de organizar o próprio tempo de estudo. [perfil de autonomia com capacidade de auto-regulação] [ E07 - “Semanalmente tento utilizar o tempo que tenho livre, mas quando faço tiro umas duas horas por dia” ]. Foi possível observar, em vários relatos, as dificuldades de organização do tempo para a realização das atividades, sendo este um fator com possibilidade de interferência no desempenho escolar. 9

10 Subcategoria (a 2 ) Capacidade de gerir ações determinadas pela estruturação do curso: -Agrupou relatos de cursistas tanto de alto desempenho quanto de baixo desempenho, sem predominância. -Nesses relatos, os participantes se posicionam em relação à estrutura do curso, apontando problemas que podem influenciar o desempenho escolar. - Quanto à estrutura, se destacam: o número excessivo de leituras (11,1 %) e problemas com a tutoria (22,2%). 10

11 Categoria A [autogestão dos estudos] >> corroborada pelo que Pallof e Pratt (2004) afirmam: Necessidade de que o aluno virtual se dê conta de quanto tempo é necessário para participar de um curso online. A falta de gerenciamento de tempo pode ter como consequência também o abandono e desistência do curso, segundo apresentado na pesquisa de Martins et al. (2013). A capacidade de se autodirigir organizando seu tempo e objetivos de estudo é importante para um aluno de curso a distância e pode contribuir para seu sucesso escolar. 11

12 Subcategoria (b 1 ) Uso de tecnologias para estudar: A temática da entrevista, neste momento, fosse a relação entre as habilidades com tecnologias e o desempenho escolar. Apenas 7,4% (N=2) dos cursistas relataram dificuldade com as tecnologias e uso das ferramentas do AVA no início do curso. No decorrer do curso essas dificuldades foram sanadas. 12

13 Subcategoria (b 2 ) Percepções quanto ao uso das tecnologias na prática pedagógica futura: Além da facilidade no uso das ferramentas tecnológicas (b1), foi perceptível, em 88% dos cursistas entrevistados (grupos de alto e baixo desempenho), a compreensão de que tais recursos serão aplicados na prática pedagógica futura, ou seja, percebem que a modalidade permite o aprendizado e aprimoramento do conhecimento tecnológico. 13

14 Observamos que o uso das tecnologias disponíveis em um curso a distância influencia a forma de aprender, o que, no caso da formação de professores, impactará nas atuações futuras como docentes. Isso está de acordo com o modelo TPaCK (MISHRA; KOEHLER, 2006). Não identificamos elementos que apontem o uso da tecnologia como fator interveniente no desempenho escolar [fenômeno já observado em outros estudos de abordagem quantitativa].

15 Categoria (C) [Problemas vivenciados em relação ao estudo online] Percebeu-se que os recursos utilizados em algumas das dinâmicas da modalidade EaD despertaram inquietações e críticas. Os relatos apresentam descontentamento e críticas sobre o uso de videoconferência nos encontros presenciais. Vale ressaltar que, para alguns entrevistados, ainda há confusão no uso de termos, como pelo entrevistado 02 (“As aulas presenciais a diferença é muito grande. A vídeo aula é negativa, prefiro a presença do tutor.”) que ao relatar sua insatisfação cita a vídeoaula, na verdade estava se referindo à videoconferência. 15

16 Subcategoria ( c2 ), Interatividade na wiki: Revela a dificuldade do cursista em estabelecer a colaboração de forma virtual. [26% dos relatos dos entrevistados] E02 - “Sim, consigo. As atividades em grupo, a wiki, as pessoas não fazem como devem ser feitas, cada um coloca a sua parte e pronto, as pessoas não se comunicam, fica tudo muito distante mesmo o pessoal não aprofunda nos fóruns, é raro quando um aluno ou outro faz alguma crítica de verdade, nos wikis o envolvimento é muito pouco. Não há trabalho em equipe, a distância é muito grande”. 16

17 17 Considerações Finais Fatores que mais afetaram, de forma negativa, o desempenho escolar [na perspectiva dos participantes]: -a falta de organização de tempo de estudo; -a dificuldade de interação com colegas para realização de atividades colaborativas; -a estruturação do curso. Observou-se, em vários relatos, a presença da concepção de ensino presencial tradicional, em que o tempo de estudo é determinado por horários de aulas.

18 Os fatores apontados indicam possíveis dificuldades de adaptação à educação a distância. As formas de ser e agir na EaD devem considerar a especificidade metodológica e tecnológica. A vivência dessa transição entre paradigmas educacionais, sobretudo nos processos interativos de aprendizagem online, deve ser acompanhada de investigação constante para aprofundamento de sua compreensão. 18 Considerações Finais

19 Obrigado. Ronei Martins


Carregar ppt "PERCEPÇÃO DE ESTUDANTES QUANTO AOS FATORES DIFERENCIADORES DO DESEMPENHO ESCOLAR EM CURSOS DE LICENCIATURA A DISTÂNCIA. Ronei Martins & Luciana Serafim."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google