A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

8 o Encontro Anual de Usuários RETROSPECTIVA PERSPECTIVAS SOLUÇÕES.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "8 o Encontro Anual de Usuários RETROSPECTIVA PERSPECTIVAS SOLUÇÕES."— Transcrição da apresentação:

1

2 8 o Encontro Anual de Usuários RETROSPECTIVA PERSPECTIVAS SOLUÇÕES

3 RETROSPECTIVA Cargas de graneis sólidos - Porto de Aratu Movimentação anual em toneladas Fonte: Codeba *Projeção com base de dados até Setembro - 0,5% a.a.

4 RETROSPECTIVA Cargas graneis líquidos / produtos gasosos – Porto de Aratu Movimentação anual em toneladas Fonte: Codeba *Projeção com base de dados até Setembro - 1 % a.a.

5 RETROSPECTIVA Carga geral – Porto de Salvador Movimentação anual em toneladas Fonte: Codeba *Projeção com base de dados até Setembro + 4,3% a.a.

6 RETROSPECTIVA Contêineres cheios – Porto de Salvador Movimentação anual em unidades de cabotagem e longo curso Fonte: Codeba *Projeção com base de dados até Setembro

7 RETROSPECTIVA Cargas baianas do comércio internacional Movimentação anual - portos da Bahia e de outros estados Unidade:10 ⁶ tonelada Fonte: Secex/MDIC *Projeção com base de dados até Outubro 22% Crescimento no período: Brasil + 66% e Bahia +51%

8 RETROSPECTIVA Cargas baianas conteinerizadas do comércio internacional Movimentação anual - portos da Bahia e de outros estados Unidade:10 ⁶ tonelada Fonte: Secex/MDIC *Projeção com base de dados até Outubro 32% 68%

9 RETROSPECTIVA Espera anual para atracação de navios Por tipo de carga nos portos públicos Bahia Unidade em dias Fonte: Codeba *Projeção com base de dados até Setembro TOTAL

10 RETROSPECTIVA – indicador de ranking Movimentação de contêiner – 10 3 unidades Fonte: Antaq ºSP1.247SP1.478SP1.604SP1.655SP1.745SP1.474SP1.757SP ºSC508SC550SC564SC585SC559SC480SC573SC765 3ºRS351RS405RJ420RJ437RJ485RJ383RS394RJ406 4ºRJ345RJ364RS368RS365RS370RS377PR315PR397 5ºPR225PR246PR291PR341PR341PR359RJ303RS383 6ºES146ES168ES192ES204AM203PE162AM232AM283 7ºBA122BA132BA142PE158PE201ES153PE217PE279 8ºPE88PE109PE116BA144ES198BA150ES180ES201 9ºAM64AM47AM97CE126BA163AM147BA150CE155 10ºCE59CE46CE94AM75CE132CE121CE144BA155

11 RETROSPECTIVA – indicador comparativo Movimentação de contêiner Taxa anual de crescimento - % a.a Brasil4,8% Nordeste10,6% Pernambuco19,1% Ceará10,4% Bahia1,7% Fonte: Antaq

12 RETROSPECTIVA - A FALTA DE REGULAÇÃO PORTUÁRIA O custo da “taxa” de devolução de contêineres importados Exemplo - simulação com dados de 2011 Fonte: Datamar e armadores

13 RETROSPECTIVA Exemplos da falta de regulação em tarifas do Porto de Salvador Tarifas da carga conteinerizada Março/2000Março/2012Variação % THC/capatazia por contêinerR$94,23R$649,00589% Fornecimento de energia /dia (ctn reefer)R$2,26R$200, % IGP-M163% Fontes: Codeba, armadores e IBGE

14 RETROSPECTIVA “Custo Bahia” portuário Estimativa de custos adicionais pagos pelos setores produtivos Relativo ao Comércio Exterior projetado em Em R$ 10 6 Custos adicionais portuáriosTipo de Carga TipoConteinerizadaSolta e Granel Transferência portos outros estados Tarifas excessivas sem regulação498 Espera para atracação de naviosn/d114 TOTAIS “CUSTO BAHIA” ADICIONAL EM 2012 R$549 MILHÕES Fontes: armadores, Codeba, transportadores rodoviários, Secex/Mdic e usuários.

15 RETROSPECTIVA Os impactos do monopólio de movimentação de cargas conteinerizadas para a competitividade da Bahia Experiência de mais de uma década Condutas do Monopólio THC preço acima do contrato Preço adicional de segurança ISPS Code Cobrança de armazenagem compulsória Preço adicional de hora extra Preço adicional da THC2 Venda casada de serviços Redução prazo de franquia de 10 p/ 7 dias embarque

16 RETROSPECTIVA Cargas do comércio exterior da Bahia por blocos econômicos Valores em 10 ⁶ toneladas 2005 PosiçãoBlocoToneladas 1ºU.E ºÁFRICA ºNAFTA ºÁSIA ºMERCOSUL ºAMÉRICA DO SUL676 7ºOUTROS3.927 TOTAL * PosiçãoBlocoToneladas 1ºU.E ºÁSIA ºNAFTA ºÁFRICA ºMERCOSUL ºAMÉRICA DO SUL ºOUTROS2.506 TOTAL % 8% 162% 28% -18% 19% 28% -36% 13% Fonte: Secex/Mdic *Projetado com base de dados até Outubro Δ

17 RETROSPECTIVA Movimentação de cargas nos portos públicos Comparativo da participação da Bahia na Região Nordeste e no Brasil Fonte: Antaq

18 RETROSPECTIVA – indicador comparativo Movimentação carga (ton) dos portos públicos BA x SP Fonte: Antaq

19 RETROSPECTIVA Perda de renda do Estado da Bahia devido ao déficit de infraestrutura e serviços portuários Produto gerado em serviços* de outros estados Tipo de cargaValor em R$10 6 Conteinerizada180 Geral e graneis703 TOTAL883 Estudo: Usuport com dados da Secex/Mdic, transportadores rodoviários e usuários * Transporte rodoviário, armazenagem, despachantes, serviços portuários etc.

20 RETROSPECTIVA Dragagem dos portos de Salvador e Aratu Investimento público Antiga reivindicação de usuários, para reduzir os custos de frete e da movimentação de cargas, através do uso de navios maiores e mais modernos; Em instituído o Programa Nacional de Dragagem, com a Lei n o ; Em realizadas as licitações com recursos do PAC 1; Em dez/ SEP apresenta como OBRA CONCLUÍDA, profundidade de – 15 metros, e investimentos realizados de R$54,6 milhões no Porto de Aratu e R$58,7 milhões no Porto de Salvador; Em nov/ homologação da profundidade de – 13,9 metros para apenas um dos berços do terminal de contêiner arrendado do Porto de Salvador; o Porto de Aratu continua sem o resultado da obra.

21 Fonte: Panorama ILOS - Portos no Brasil: Análise de Desempenho e Avaliação dos Usuários 2011

22

23 RETROSPECTIVA PIB – participação no Brasil - ranking dos principais estados 2002 PosiçãoEstados% 1ºSP34,6 2ºRJ11,6 3ºMG8,6 4ºRS7,1 5ºPR6,0 6ºBA4,1 7ºDF3,8 8ºSC3, PosiçãoEstados% 1ºSP33,1 2ºRJ10,8 3ºMG9,3 4ºRS6,7 5ºPR5,8 6ºBA4,1 7ºSC4,0 8ºDF4,0 Fonte: IBGE, Contas Regionais do Brasil 2010

24 RETROSPECTIVA – indicador de investimentos Potencial de Crescimento nos próximo anos Base: valores, quantidades e produtividade dos ativos PORTOÍNDICE* Sepetiba/Itaguaí – RJ10,00 Santos – SP3,76 Suape – PE2,32 Pecém - CE1,98 Rio Grande – RS1,52 Paranaguá – PR1,16 Rio de Janeiro - RJ0,23 Manaus – AM0,21 Itajaí – SC0,21 São Francisco do Sul – SC0,18 Salvador – BA0,08 Vitória – ES0,03 Fonte: Estudo da AECOM, 2012 *Valores representam gradação entre 0 e 10

25 PERSPECTIVA 2013 PORTOS SALVADOR – cargas conteinerizadas Aumento da capacidade (+50%) para longo curso; Déficit de serviços do comércio exterior – falta linhas de navegação regulares e de armadores; Aumento da capacidade da cabotagem, com instalação de equipamentos no cais de ligação; Dificuldades operacionais aumentam custos – depot não funciona 24h; Preços elevados e baixa oferta de serviços ; Aumento de carga importada com o fim guerra fiscal; Regulação e controles inexistentes; Processo licitatório de arrendamento de áreas para ampliar capacidade do porto não iniciado pela administração portuária. ARATU-CANDEIAS – cargas de graneis sólidos, líquidos e produtos gasosos Custos elevados e baixa produtividade; Regulação e controles inexistentes; Processos licitatórios de arrendamentos de áreas e instalações para ampliar capacidade do porto não iniciados pela administração portuária.

26 PERSPECTIVAS 2013 EXPECTATIVAS PARA O “PACOTE” PORTUÁRIO DO GOVERNO FEDERAL PORTOS DE SALVADOR E ARATU Inicio e conclusão dos processos licitatórios para arrendamentos de terminais de contêiner (1), graneis sólidos (2), líquidos(1) e produtos gasosos(1), ampliando as capacidades de movimentação de cargas. PORTO DE ILHEUS Inicio do processo licitatório da concessão para exploração do porto. TERMINAIS PRIVADOS Liberação da exigência de carga própria (alteração do Decreto 6.620); Inclusão de terminais na BTS como estratégicos para o desenvolvimento do estado. PORTO SUL Estudos do processo licitatório da concessão para exploração do porto. PORTOS DE SALVADOR E ARATU Inicio e conclusão dos processos licitatórios para arrendamentos de terminais de contêiner (1), graneis sólidos (2), líquidos(1) e produtos gasosos(1), ampliando as capacidades de movimentação de cargas. PORTO DE ILHEUS Inicio do processo licitatório da concessão para exploração do porto. TERMINAIS PRIVADOS Liberação da exigência de carga própria (alteração do Decreto 6.620); Inclusão de terminais na BTS como estratégicos para o desenvolvimento do estado. PORTO SUL Estudos do processo licitatório da concessão para exploração do porto.

27 PERSPECTIVA 2013 ACESSIBILIDADE TERRESTRE RODOVIAS BR 116 e 324 congestionadas; Sistema BA-093 com melhor qualidade; Via Expressa BTS previsão de estar concluída; Concessão da BR- 101/BA, para duplicação; Falta de planelamento com novas vias e soluções. FERROVIAS Limitada oferta de serviços; Manutenção dos mesmos problemas; Restauração e modernização das vias permanentes concessionadas à FCA ainda sem clareza; Falta de planejamento com novas vias e soluções.

28 AS SOLUÇÕES NECESSÁRIAS PARA A BAHIA Investimentos portuários mínimos Atendimento da demanda de cargas até 2020 PORTO/TERMINAL TOTAL Investimento Público – R$Investimento Privado – R$R$ milhões PORTO DE SALVADOR TECON II * + quebra-mar Passageiros400 PORTO DE ARATU-CANDEIAS TGS I *300 TGS II *250 TGL *450 TGS III * TGL II * TECON III * RO-RO * Acessibilidades mar e terra TOTAL Notas: 1) Em vermelho os investimentos emergenciais; 2) Valores atualizados em setembro de 2012; 3) Siglas: Tecon =terminal de contêiner; TGS = terminal de graneis sólidos; TGL = terminal de graneis líquidos; Ro-Ro = terminal de veículos roll-on roll-off. * LICITAÇÃO PARA ARRENDAMENTO

29 Fim Muito obrigado! ASSOCIAÇÃO DE USUÁRIOS DOS PORTOS DA BAHIA Paulo Roberto Batista Villa Diretor Executivo Camila Gedeon Coordenadora Administrativo-financeiro Aldina Ventin Assessoria de Comunicação Anderson Teixeira Estagiário de Economia Avenida da França, 164 – sala Salvador Bahia Telefax Visite nosso website: usuport.org.br


Carregar ppt "8 o Encontro Anual de Usuários RETROSPECTIVA PERSPECTIVAS SOLUÇÕES."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google