A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

TEORIAS ÉTICAS CAP 20 TEORIAS ÉTICAS CAP 20 NÃO EXISTE “A ÉTICA”, MAS “ÉTICAS”

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "TEORIAS ÉTICAS CAP 20 TEORIAS ÉTICAS CAP 20 NÃO EXISTE “A ÉTICA”, MAS “ÉTICAS”"— Transcrição da apresentação:

1 TEORIAS ÉTICAS CAP 20 TEORIAS ÉTICAS CAP 20 NÃO EXISTE “A ÉTICA”, MAS “ÉTICAS”

2 A ÉTICA NA ANTIGUIDADE GREGA (SÉCULO V a.C.) O SUJEITO MORAL (A PESSOA) NÃO ERA COMPREENDIDO NAQUELA ÉPOCA EM SUA COMPLETA INDIVIDUALIDADE COMO HOJE. A ÉTICA ESTAVA ASSOCIADA À POLÍTICA, POIS OS GREGOS ERAM CIDADÃOS E PERTENCIAM A UMA COMUNIDADE, ISTO É, ERA NA POLÍTICA QUE OS GREGOS EXERCIAM A SUA LIBERDADE, EM VIRTUDE DE SER O ESPAÇO DOS “IGUAIS’.

3 PLATÃO: ÉTICA E SABEDORIA -OBRA: A REPÚBLICA MITO DA CAVERNA  SOL = IDEIA DO BEM CIDADE CALÍPOLI -VIRTUDE = IDENTIFICA-SE COM A SABEDORIA -VÍCIO = IDENTIFICA-SE COM IGNORÂNCIA PORTANTO, A VIRTUDE PODE SER APRENDIDA (VER PAG 248) ALCANÇAR O BEM  ESTÁ NA CAPACIDADE DE COMPREENDER O BEM. PLATÃO

4 Platão desenvolveu o racionalismo ético, aprofundando a diferença entre corpo e alma. Argumentava que o corpo, por ser a sede de desejos e paixões, muitas vezes desvia o indivíduo de seu caminho para o bem. Dessa forma, defendeu a necessidade de uma depuração do mundo material para alcançar a ideia do bem, pois o homem, para o filósofo não consegue caminhar em busca da perfeição agindo sozinho, necessitando da sociedade, da pólis. No plano ético, o indivíduo bom é também o bom cidadão. PLATÃO

5 EM CADA UMA DAS 3 CLASSES PREVALECE UM ASPECTO DA ALMA: ALMA  3 PARTES : (1) RACIONAL – PARA OS GOVERNANTES (FILÓSOFOS) (2) IRASCÍVEL – GUARDAS (3) CONCUPISCÍVEL – PRODUTORES. OUTRAS VIRTUDES OUTRAS VIRTUDES  CORAGEM – SOLDADOS  TEMPERANÇA OU MODERAÇÃO – TRABALHADORES COMUNS, ARTESÃOS E COMERCIANTES. SOCIEDADE  3 CLASSES SOCIAIS: - GOVERNANTES - SOLDADOS (GUARDIÃES) - PRODUTORES (CAMPONESES, ARTESÃOS, COMERCIANTES)

6 PLATÃO CIDADE PERFEITA (CALÍPOLI) PREDOMINA EM CADA CLASSE AS VIRTUDES CITADAS. JUSTIÇA É A HARMONIA ENTRE AS 3 VIRTUDES.

7 ARISTÓTELES ARISTÓTELES: O JUSTO MEIO ÉTICA A NICÔMACO O SUMO BEM A FELICIDADE (EUDAMONIA), OBRA : ÉTICA A NICÔMACO  A FINALIDADE DA EXISTÊNCIA HUMANA É ALCANÇAR UM BEM, O SUMO BEM – A FELICIDADE (EUDAMONIA), QUE É UM FIM EM SI MESMO, E NÃO UM MEIO PARA O QUE SE DESEJA. A FELICIDADE CONTEMPLAÇÃO, ISTO É, A INTELIGÊNCIA TEÓRICA. A FELICIDADE - RIQUEZA, HONRA, FAMA ETC NÃO NOS CONDUZEM À FELICIDADE, MAS SIM A CONTEMPLAÇÃO, ISTO É, A INTELIGÊNCIA TEÓRICA. FELICIDADE = FUNÇÃO DO INTELECTO

8 Para introduzir sua resposta, Aristóteles vai usar um argumento que passou a ser conhecido como “argumento da função do ser humano”. Sua ideia básica é a de que devemos olhar para a própria natureza humana para determinar qual é, para um ser assim constituído, o seu bem próprio. O QUE É FELICIDADE ? Ora, o que é típico dos seres humanos é a racionalidade. Logo, a função do ser humano deve estar ligada à atividade, ao exercício ativo do elemento racional. Se é assim, o bem para o ser humano reside no bom exercício dessas faculdades racionais. Como diz Aristóteles, “o bem para o ser humano vem a ser o exercício ativo das faculdades da alma de conformidade com a excelência”. É nisso que reside a felicidade ou eudaimonia. Aristóteles, como Platão, desenvolveu uma ética racionalista, mas procurou desenvolver uma ética mais realista, voltada para o indivíduo concreto. Para essa finalidade, buscou o fim último do ser humano

9 Note-se que, contrariamente ao nosso entendimento comum de felicidade (que tem, para nós, o caráter de um estado especial – um estado mais ou menos permanente e prolongado de contentamento), a eudaimonia para Aristóteles tem um sentido de atividade: é um modo de vida, implica o exercício e a atualização de nossas potências ou faculdades. A eudaimonia implica claramente a ideia de florescimento ou de auto-realização (da própria natureza humana): a pessoa feliz é aquela que realiza, em sua vida, e de forma excelente, as potencialidades da natureza humana. Para Aristóteles – nunca é demais insistir – a eudaimonia consiste na realização de determinadas atividades, na atualização das potências humanas: é atividade e não passividade; é ação e não sentimento ou afecção.

10 RESUMINDO : A VIDA NÃO SE RESUME SÓ AO INTELECTO PARA O FILÓSOFO  ELA É AÇÃO. ASSIM, A VIDA CONSISTE EM COMBINAR UM PRINCIPAL RACIONAL COM UM CERTO MODO DE VIDA. DESSA FORMA, O BEM É A ATIVIDADE EXERCIDA DE ACORDO COM A SUA EXCELÊNCIA OU VIRTUDE. ARISTÓTELES

11 VIRTUDE É A PERMANENTE DISPOSIÇÃO DE CARÁTER PARA QUERER O BEM, O QUE SUPÕE A CORAGEM DE ASSUMIR OS VALORES ESCOLHIDOS E ENFRENTAR OS OBSTÁCULOS QUE DIFICULTAM A AÇÃO.

12 VIRTUDE Aristóteles define, assim, o fim a que devemos visar. A questão seguinte é como alcançá-lo. Em certo sentido, podemos caracterizar as virtudes como sendo os meios necessários para atingir a felicidade. Na verdade, “virtude” (arete em grego) significa “excelência”. Como “excelência”, as virtudes, naturalmente, têm também um valor intrínseco: elas valem como fins em si mesmas e não apenas como meios para a felicidade; buscar as virtudes, ou seja, buscar a excelência, é bom em si mesmo e não apenas como uma maneira de atingir a felicidade.

13 ARISTÓTELES VIRTUDE É A FORÇA DE VONTADE DE NOS APLICARMOS À REALIZAÇÃO DO DEVER. PORÉM, A VIDA MORAL, NÃO SE RESUME A UM SÓ ATO MORAL, MAS NA REPETIÇÃO DO AGIR MORAL. OU SEJA, O AGIR VIRTUOSO NÃO É OCASIONAL, MAS UM HÁBITO, BASEADO NO DESEJO E NA CAPACIDADE DE PERSEVERAR NO BEM. CONCLUSÃO A VIRTUDE INTELECTUAL É OBTIDA PELA APRENDIZAGEM, A VIRTUDE MORAL RESULTA DA PRÁTICA, DO HÁBITO. CONCLUSÃO A VIRTUDE INTELECTUAL É OBTIDA PELA APRENDIZAGEM, A VIRTUDE MORAL RESULTA DA PRÁTICA, DO HÁBITO.

14 ARISTÓTELES A MORAL NÃO É UMA CIÊNCIA EXATA E ENFRENTA A DIFICULDADE DAS IRRACIONALIDADES HUMANAS, COMO AS PAIXÕES, OS PRAZERES ETC, A FIM DE SUBMETÊ-LOS À RAZÃO. O JUSTO MEIO A VIRTUDE É BOA QUANDO CONTROLADA NO SEU EXCESSO E NA SUA FALTA. OU SEJA, SER VIRTUOSO É VIVER EM EQUILÍBRIO ENTRE OS EXTREMOS. EX: A CORAGEM : EXCESSO = AUDÁCIA EXCESSIVA / FALTA = COVARDIA. O FILÓSOFO ADVERTE QUE NÃO É FÁCIL DETERMINARA ESSE JUSTO MEIO.

15 A coragem, por exemplo, que é uma virtude, é o meio-termo entre a covardia e a temeridade. Uma pessoa virtuosa, então, é aquela que é capaz de discernir, em cada caso, o meio-termo. É preciso entender bem o que é esse meio-termo: não se trata de fazer uma acomodação de encontrar uma média satisfatória entre o que é pouco e o que é demais. A ideia de meio-termo remete antes para uma noção de equilíbrio. Note-se também que não há nada de absolutamente fixo nesse meio-termo: o que é coragem para um soldado pode ser temeridade para uma pessoa comum. O que é adequado para um jovem pode ser inadequado para um adulto, e vice-versa. Não há regras gerais, princípios gerais que, aplicados caso a caso (como o princípio utilitarista ou o imperativo categórico kantiano), geram sempre respostas adequadas. O meio-termo é sempre particular, e descobrir a resposta correta sobre o que fazer em uma dada situação exige sempre uma percepção das particularidades da situação (mas cuidado: esse particularismo da ética das virtudes não implica um relativismo; em cada situação particular, as pessoas virtuosas são capazes de encontrar e concordar sobre qual é a ação correta). O JUSTO MEIO

16 A ética Helenista – séculos III e II a. C.

17 A Grécia passou por turbulências políticas com a conquista macedônica realizada por Alexandre, o Grande. O interesse que se concentrava na pólis aos poucos se desviou para questões morais, destacando-se duas doutrinas: o Hedonismo e o Epicurismo.

18 EPICURISMO Para os hedonistas, o bem encontra-se no prazer. Costuma-se dizer que a civilização atual é hedonista, por identificar a felicidade com a satisfação imediata dos prazeres, principalmente ao consumismo; e também pela incapacidade de tolerar qualquer desconforto (dor de cabeça ou outras doenças).

19 EPICURISMO -Mas esse pensamento atual difere do hedonismo original, que surgiu com Epicuro de Samos ( a. C.). -Na ética Epicurista, os prazeres do corpo são causas de ansiedade e sofrimento, por isso, para que alma permaneça imperturbável, é preciso aprender a usufruir os prazeres com moderação e a desprezar os prazeres materiais, o que leva Epicuro a privilegiar os prazeres espirituais (amizade). -Assim, a ética epicurista defendia a atitude de desvio da dor e procura o prazer espiritual, do autodomínio e a paz de espírito (ataraxia).

20 EPICURISMO O prazer é o início e o fim de uma vida feliz. Com efeito, nós o identificamos com o bem primeiro e inerente ao ser humano, em razão dele praticamos toda a escolha e toda recusa, e a ele chegamos escolhendo todo bem de acordo com a distinção prazer e dor. Embora o prazer seja nosso bem primeiro e inato, nem por isso escolhemos qualquer prazer: há ocasiões em que evitamos muitos prazeres, quando deles nos advêm efeitos o mais das vezes desagradáveis; ao passo que consideramos muitos sofrimentos preferíveis aos prazeres, se um prazer maior advier depois de suportarmos essas dores por muito tempo. Epicuro – Carta sobre a felicidade.

21 ESTOICISMO Zeno ou Zenão de Cítio -Se opunha ao Epicurismo, por considerar os prazeres como fonte de muitos males. -As paixões devem ser eliminadas por provocarem sofrimento e, por isso a virtude do sábio, que vive de acordo com a natureza e a razão, consiste em aceitar com impassibilidade o destino e a dor. -Assim, o estoicismo afirma uma ética baseada na procura da paz interior e no autocontrole individual, fora da vida política. Dessa forma, o princípio da ética estóica é a apatia (apatheia), atitude de entendimento de tudo o que acontece, e o amor ao destino, porque tudo faria parte de um plano superior guiado por uma razão universal, que a tudo abrange. Desse modo atingiria-se a ataraxia (paz de espírito).

22 ESTOICISMO -Como nada pode ser feito contra essas forças externas, a felicidade consiste na liberdade interior de exercitar a insensibilidade diante da dor e do sofrimento. -Como é próprio da natureza humana viver racionalmente, cabe à razão substituir o instinto pela vontade, a fim de alcançar a harmonia de vida e, portanto, a sabedoria.

23 Moral grega - Conclusão A virtude resulta do trabalho reflexivo, da sabedoria e do controle racional dos desejos e paixões.

24 ÉTICA MEDIEVAL

25 A visão religiosa impregnou as visões éticas, de modo que os critérios do bem e do mal vincularam-se a fé e dependiam da esperança de vida após a morte. Assim os valores são transcendentes, pois resultam de doação divina, o que determina a identificação do sujeito moral ao ser temente a Deus. As teorias estóicas foram bem aceitas pelo cristianismo, pois o controle das paixões tinha em vista a vida futura, quando realmente os seres humanos poderiam ser felizes.

26 ÉTICA MEDIEVAL A diferença da ética cristã da ética grega consiste: a)Abandono da visão mundana - deixa de lado a ideia de que o fim último da vida humana está neste mundo. Com isto centrou a busca da perfeição moral no amor a Deus ; b)Surgimento da subjetividade - acentuando a tendência originada na filosofia estóica e epicurista, a ética cristã tratou a moral sob o ponto de vista pessoal, como uma relação de cada indivíduo e Deus, isolando-o da sua condição social e atribuindo à subjetividade uma função até então desconhecida. Os filósofos medievais herdaram alguns elementos da tradição grega. Santo Agostinho recuperou da ética aristotélica a ideia de felicidade como fim último do ser humano, mas cristianizou essa noção identificando Deus como a fonte da felicidade.

27 ÉTICA MEDIEVAL Santo Agostinho estabelece a ática do livre-arbítrio ao tentar explicar a origem do mal, associando-o à noção da liberdade de cada indivíduo escolher e agir por sua vontade, podendo optar entre aproximar-se ou afastar-se de Deus. O afastamento de Deus seria o mal. Com a ideia do livre-arbítrio humano, Agostinho acentuou o papel da subjetividade humana nas coisas do mundo.

28 Conclusão

29 Bibliografia -Filosofando, Introdução à Filosofia – de Maria Lúcia de Arruda e Maria Helena Pires Martins. Editora Moderna.

30 Orientações para estudo O estudo para as provas não pode abranger apenas este esquema de aula. O aluno deve associar as presentes informações ao seu próprio resumo do capítulo e, quando for o caso, frequentar as aulas do plantão de dúvidas do Colégio para uma melhor preparação para as avaliações.


Carregar ppt "TEORIAS ÉTICAS CAP 20 TEORIAS ÉTICAS CAP 20 NÃO EXISTE “A ÉTICA”, MAS “ÉTICAS”"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google