A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Resumo Sistema de Gestão de Inventariado Municipal Câmara Municipal de Évora Joaquim Pedro Raposo Gomes, ei4349 Escola Superior de Tecnologia e Gestão,

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Resumo Sistema de Gestão de Inventariado Municipal Câmara Municipal de Évora Joaquim Pedro Raposo Gomes, ei4349 Escola Superior de Tecnologia e Gestão,"— Transcrição da apresentação:

1 Resumo Sistema de Gestão de Inventariado Municipal Câmara Municipal de Évora Joaquim Pedro Raposo Gomes, ei4349 Escola Superior de Tecnologia e Gestão, Instituto Politécnico de Beja, Portugal Introdução FASE DE DESENHO No presente capítulo trata da especificação dos requisitos obtidos, quer funcionais, quer não funcionais, durante a fase que representa (fase de análise). Trata ainda da identificação dos utilizadores e especificação das suas funcionalidades, representadas pelos Diagramas de Casos de Uso. Requisitos Funcionais O acesso ao sistema deve ser limitado, aos utilizadores registados no sistema, mediante apresentação da palavra-chave e nome de utilizador; A visualização dos dados, consoante os privilégios do utilizador; A gestão (inserção/remoção/edição) de dados relativos ao Edificado Municipal, Espaço Público ou Privado, Espaço Livre e Quarteirões, tudo relativo ao Centro Histórico de Évora; A inserção dos dados deverá seguir os trâmites protocolares: Campos de inserção pré definidos, com a possibilidade de alguma edição; Os valores serão inseridos, após a selecção dos campos, e separados por “;”; A gestão de privilégios dos utilizadores, por parte do administrador; Inserir/relacionar fotografias relativas ao equipamento, cujos dados estão a ser inseridos; A gestão de pastas e ficheiros de fotografia, cujo nome da pasta deverá seguir os trâmites protocolares; Visualizar as fotografias através de uma galeria de fotos; Requisitos Não Funcionais Browser a utilizar, pela maioria dos utilizadores, “Internet Explorer 7”, da Microsoft; O sistema realizado recorrendo a páginas estáticas em HTML, com o recurso ao Java Script, ASPX.NET, SQL; Portabilidade; a flexibilidade e a adaptabilidade, em plataformas Windows; Segurança, de acesso ao sistema, é imprescindível que, os utilizadores, apenas acedam às suas áreas, mediante os seus privilégios, mantendo assim a integridade e a confidencialidade dos dados, no sistema; Sistema fácil utilização e aprendizagem, por parte dos utilizadores, através da simplicidade do sistema. Identificação de Actores Os técnicos da Divisão de Organização e Gestão Informática: Responsáveis pela manutenção e gestão do sistema; Responsáveis pela criação, alteração e remoção das contas dos utilizadores; Gestão dos privilégios de utilização de dados, dos próprios utilizadores; Os técnicos do Departamento do Centro Histórico: Como os utilizadores responsáveis pela gestão (inserção, edição e/ou eliminação) dos dados relativos ao Edificado Municipal; Espaço Público; Espaço Livre-Privado e Quarteirões; Os Munícipes e os restantes funcionários da CME, como leitores da informação, neste caso essa informação é apenas a não confidencial. Diagramas de casos de Uso - Administradores Fig.1 – Funcionários do Centro Histórico Fig.2 – Administradores Fig. 3 – Munícipes A Câmara Municipal de Évora, atenta ao impacto das novas tecnologias da informação na sociedade da era digital, sentiu necessidade de dispor de uma aplicação informática que efectuasse de modo eficaz, a gestão do imobiliário do Centro Histórico de Évora (Freguesia de Santo Antão, S. Mamede e Sé e S. Pedro). Devido à escassez de recursos humanos, a Divisão de Organização e Gestão Informática da autarquia, manifestou o interesse e necessidade de realização de uma aplicação que poderia ser desenvolvida em contexto de projecto final de curso, possibilitando assim a minha colaboração, não só como estudante da Licenciatura de Engenharia Informática, mas simultaneamente como funcionário desta edilidade. Este projecto tem como objectivo o desenvolvimento de um sistema Web para a intranet da Câmara Municipal de Évora que, unifique a interface de produção de informação do inventário com o sistema de consulta. A componente de consulta do sistema compreenderá, no essencial, as seguintes funcionalidades:  Visualização das fichas de inventário já preenchidas;  Pesquisa de fichas segundo um conjunto alargado de critérios; geração de relatórios. A componente de produção compreenderá, no essencial e em adição à componente de consulta, as seguintes funcionalidades:  Preenchimento de campos para a inserção  Publicação de fichas e remoção de fichas. A aplicação foi desenvolvida recorrendo à Linguagem de Programação ASPX.NET, linguagem orientada a objectos, integrada no Sistema de Gestão de Base de Dados (em SQL). Conceitos-chave: Centro Histórico, Espaço Público, Quarteirão e Edificação. Esta aplicação, projectada para a realidade da Câmara Municipal de Évora, cujo objectivo é a produção de informação do inventário de edificado municipal, espaços públicos e privados, espaços livres e quarteirões, no Centro Histórico da cidade de Évora, como sistema de consulta. Com a finalidade de apresentar uma resolução, para o sistema em causa, procedeu-se à utilização de uma metodologia adequada, a qual passa, como se pode comprovar, pela análise aprofundada de algumas fases. O presente relatório está organizado em 4 capítulos. Seguidamente, são apresentados sucintamente. O primeiro capítulo dedica-se a uma breve descrição da entidade acolhedora do presente projecto, bem como um breve levantamento de alguns dos sistemas semelhantes ao projectado. O segundo capítulo apresenta a fase de análise, onde são identificados os utilizadores do sistema, as suas funcionalidades, representadas em diagramas de casos de uso. No que respeita ao capítulo 3 está patente o Modelo de Entidade-Relação (ER), o Modelo Conceptual de Dados (MCD) e o respectivo Dicionário de Dados (DD), bem como a proposta de reengenharia, bem como o Diagrama de Classes, que permite visualizar, com mais pormenor, as funcionalidades dos stakeholders. Para além disso, estão presentes os Diagramas de Sequência mais relevantes para o sistema, para a realização das próprias tarefas dos utilizadores. Posteriormente, ainda no terceiro capítulo, desenvolveram-se os protótipos de baixa fidelidade, úteis para a exploração, de ideias e preconceitos, e testes com os utilizadores. Por fim, desenvolveu-se uma série de testes, com os próprios stakholders, recorrendo aos protótipos, onde se registaram algumas ideias. Por fim, no quarto capítulo, procedeu-se à implementação e codificação das fases anteriormente descritas, recorrendo a uma linguagem orientada a objectos. Por fim, realizaram-se os testes com os protótipos de alta fidelidade. Conclusão Este projecto foi desenvolvido para fornecer aos técnicos do Departamento do Centro Histórico da Câmara Municipal de Évora uma ferramenta que lhes permitisse gerir, de uma forma simples e acessível, a informação do inventariado municipal. Esta ferramenta, teria de permitir a criação e consulta tanto dos dados inerentes aos equipamentos, agrupados em quatro grandes grupos: o edificado; os espaços públicos; os espaços livres-privados e os quarteirões. Bem como, os respectivos relatórios. Por outro lado, persistia a necessidade de uma funcionalidade que permitisse disponibilizar as imagens, previamente associadas aos equipamentos, de forma instantânea, associação que se prendia apenas pelo nome do ficheiro e da directoria de reserva, com o número da ficha. Embora se tivesse proposto um relacionamento mais plausível e seguro, através do registo dessas imagens na própria base de dados. Foram sentidas algumas dificuldades, que se tentaram superar sob diversas formas. As principais, surgiram ainda nas duas primeiras fases de concepção do sistema. A principal, já foi, por várias vezes descrita neste documento, que se prendeu pela não aprovação da reestruturação da base de dados, dada a dificuldade de superar questões protocolares alheias à vontade dos intervenientes deste projecto, uma vez que a verdadeira questão está centralizada na autarquia. Outra dificuldade sentida foi na fase de especificação dos requisitos, com a disponibilização da informação, mesmo que involuntária, por parte dos utilizadores, originando uma reavaliação dos próprios requisitos, cada vez que surgiam dados novos, com o objectivo principal de minimizar as dificuldades na fase de implementação. Todos os objectivos propostos foram atingidos. No entanto, assume-se que alguns melhoramentos poderão ser feitos, criando assim novas funcionalidades ao sistema, para a simplificação das tarefas dos utilizadores. O primeiro melhoramento poderia prender-se com a reestruturação da Base de Dados, tal como aqui foi referido, permitindo não só um melhor acesso aos dados, mas também que esse acesso se tornasse mais seguro, para além disso existe também a questão de redundância de dados, que com a reestruturação, seria facilmente superada. A outra melhoria passará pela localização geográfica dos equipamentos, permitindo visualizar o respectivo equipamento através de imagens em tempo real, quer geograficamente, quer fisicamente, evitando assim a caducidade das fotografias associadas aos próprios equipamentos. Modelo Conceptoal de Dados Fig. 6 – MCD Aprovado Fig. 7 – MCD Proposto Fig. 8 – Diagrama de Classes Importa referir, que o diagrama de classes sofreu algumas alterações durante o processo de desenho da aplicação, bem como na fase de implementação. Modelação da Base de Dados Neste capítulo torna-se importante referir, uma vez mais, a dificuldade encontrada, no que respeita à modelação da Base de Dados, visto que um dos requisitos funcionais reporta a que «(...) a introdução deverá seguir o tramite protocolar, nomeadamente, o sistema deverá disponibilizar campos de pré-selecção para o respectivo preenchimento dos dados. Quando o utilizador pretender introduzir mais do que um campo relativo ao equipamento, o sistema deverá separá-los por “;”, para uma melhor percepção da informação.» (alínea do capítulo 2, pp. 11). Factor que seria decisivo relativamente às relações entre entidades. Em paralelo com a elaboração do ER foi elaborado o modelo conceptual de dados (MCD), com o objectivo de esmiuçar todas as relações e atributos possíveis para a concepção do mesmo. No entanto, parte dessa informação foi condicionada, tal como já foi referido anteriormente. Modelo Entidade-Relação Fig.4 – Diagrama Entidade-Relação – aprovado. Fig.5 – Diagrama Entidade-Relação – proposto. FASE DE ANÁLISE Câmara Municipal de Évora Tecnologia Utilizada O sistema foi desenvolvido com o recurso ao Java Script, ao ASPX.NET, em implementação do HTML, ao SQL, entre outros, permitindo assim a portabilidade; a flexibilidade e a adaptabilidade da aplicação desejada em plataforma Windows. Protótipo Funcional (Exemplos) TESTES - UTILIZADORES FASE DE IMPLEMENTAÇÃO Foram feitos vários testes, com a aplicação a quatro dos utilizadores futuros intervenientes no sistema. Foram identificados alguns erros, dos quais resultaram algumas melhorias, para os superar. 1. Constatou-se que todos os utilizadores, que realizaram os testes, disponham do browser “Internet Explorer 8”, da Microsoft, por uma recente melhoria de software, embora tivesse sido previsto a versão anterior, na fase de análise, e tivesse sido levado em conta em toda a fase de implementação. Justificada pela resolução, de ecrã que ambos tinham, algumas das box não estavam alinhadas com as respectivas lables. Como solução, procedeu-se à subdivisão dos painéis, como demonstra a Fig. 18, que exemplifica a resolução. Foi ainda alvo de sugestão, relativamente aos botões descritos no problema 2, de encontrar solução para a questão do próprio botão, após ser premido, pelo utilizador, fazia uma actualização à página, que provocava, em muitas vezes um transtorno ao utilizador, da página não fixar no ponto do próprio botão. Assim, como solução ao problema, e visto se tratar de um documento em Javascript, que previa minorar o tempo de espera de acesso aos dados, foi então ponderada a funcionalidade “focus”, demonstrada na Fig. 18, para permitir que a página, após a selecção das opções por parte dos utilizadores, voltasse ao ponto onde estava situado o botão. Fig. 9 – Página inicial (Utilizador não logado) Fig. 10 – Página inicial (Utilizador logado) Fig. 17 – Galeria de fotos (Utilizador logado) Fig. 11 – Inserir Utilizador Fig. 14 – Janela popup, do botão “inserir” Fig. 12 – Inserção de dados Fig. 13 – Confirmação de inserção dados Fig. 15 – Relatório de dados Fig. 16 – Galeria de fotos (Utilizador não logado) Fig. 18 – solução para 1º problema Fig. 19 – Solução para 2º problema


Carregar ppt "Resumo Sistema de Gestão de Inventariado Municipal Câmara Municipal de Évora Joaquim Pedro Raposo Gomes, ei4349 Escola Superior de Tecnologia e Gestão,"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google