A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

COMO OS MUNICÍPIOS PODEM AJUDAR ? Da Prevenção à Recuperação Dra Fernanda M C Livani Médica do Trabalho/ EMSP Especialista em Dependência Química/ UNIFESP.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "COMO OS MUNICÍPIOS PODEM AJUDAR ? Da Prevenção à Recuperação Dra Fernanda M C Livani Médica do Trabalho/ EMSP Especialista em Dependência Química/ UNIFESP."— Transcrição da apresentação:

1 COMO OS MUNICÍPIOS PODEM AJUDAR ? Da Prevenção à Recuperação Dra Fernanda M C Livani Médica do Trabalho/ EMSP Especialista em Dependência Química/ UNIFESP Médica Perita MBA Gestão de Saúde/FGV

2

3 Níveis de Prevenção Universal - população em geral; Seletiva - grupos com fatores de risco; Indicada - indivíduos com padrões de risco acentuados ou comportamentos de risco.

4

5 PREVENÇÃO - Objetivos Início do consumo; Continuação do uso e do abuso; Passagem do uso ao uso nocivo ou abuso e à dependência.

6

7 Violência Doméstica sexual (31,6%); maus tratos físicos (27,7%); negligência (24%); abuso psicológico (15,8%).

8

9 Fatores de Risco Exposição em excesso a conteúdo violento influencia a infância, a adolescência e tem conseqüências inclusive na fase adulta.

10 DEDE...e de Proteção

11 Vamos Trabalhar JUNTOS Educação Saúde Promoção Social Segurança Pública Esportes e Cultura Conselho Tutelar Finanças Promotoria Pública

12 Quais os Núcleos mais Importantes para a Formação de um INDIVÍDUO?

13 FAMÍLIA: aprender formas de lidar com os filhos, transmitir bons exemplos, acolher e amparar. FAMÍLIA: aprender formas de lidar com os filhos, transmitir bons exemplos, acolher e amparar. Educadores: conhecer a realidade dos jovens, clareza de ensinamentos. Educadores: conhecer a realidade dos jovens, clareza de ensinamentos. Servir como exemplo, identificar sinais de risco. Servir como exemplo, identificar sinais de risco.

14 Educação Capacitação dos Professores; Instituir Professor Visitador; Escola Integral, ampliar opções de escolas; Escola Integral, ampliar opções de escolas; Utilização de processos lúdicos; Terapias alternativas, como música, teatro, dança e oficinas; Espaços de convivência extracurricular. Estímulo ao Curso Técnico, Bolsa Ensino técnico, Estimular o Empreendorismo. Estímulo ao Curso Técnico, Bolsa Ensino técnico, Estimular o Empreendorismo.

15 ESTÍMULO CARINHO DISCIPLINA

16 Saúde PSF: fazer prevenção primária, triagem precoce e orientação ou encaminhamento para tratamento. PSF: fazer prevenção primária, triagem precoce e orientação ou encaminhamento para tratamento. Centros especializados: formação de equipe em número adequado para atendimento; Centros especializados: formação de equipe em número adequado para atendimento; PARCERIAS: comunidades terapeuticas, outras municipalidades, fundação CASA, etc. PARCERIAS: comunidades terapeuticas, outras municipalidades, fundação CASA, etc. Atuar em parceria com as demais secretarias. Atuar em parceria com as demais secretarias.

17

18 Segurança Pública Capacitação da GM para lidar com DQ; Capacitação da GM para lidar com DQ; Atuar em parceria com Promoção Social no resgate de DQ; Atuar em parceria com Promoção Social no resgate de DQ; Medidas restritivas ao tráfico; Medidas restritivas ao tráfico; Controle de venda de bebida alcoolica; Controle de venda de bebida alcoolica; Restrição de menores nas ruas/ Fechamento dos bares em horário determinado; Restrição de menores nas ruas/ Fechamento dos bares em horário determinado; Vigilância de jovens em bares e boates. Vigilância de jovens em bares e boates.

19

20 Manter a Recuperação LarTrabalhoFormação RelacionamentosRecomeçarAcreditar NTA- National Treatment Agence for Substance Misuse), UK

21 Equipe Transdisciplinar Convênio com Clínicas e acompanhamento da metodologia utilizada na assistência; Consultas de abordagem bio-psico-social, enfermagem e médicos; Apoio psicoterapêutico com diferentes modelos; Grupos específicos, crianças e jovens, grávidas, doentes com patologia mental concomitante, famílias e filhos de pessoas toxicodependentes; Grupos de suporte terapêutico.

22 Promoção Social Proteção dos Jovens, programação para tempo ocioso, grupos vocacionais; Proteção dos Jovens, programação para tempo ocioso, grupos vocacionais; Participar no acolhimento em atendimento de rua, na Moradia Assistida, encaminhamento de Menores na Rua ao Conselho Tutelar; Participar no acolhimento em atendimento de rua, na Moradia Assistida, encaminhamento de Menores na Rua ao Conselho Tutelar; Na Recuperação: Na Recuperação:Reabilitação vocacional, Capacitação profissional, Espaços para desenvolvimento profissional, Criar parcerias para geração de trabalho; Acompanhar através de equipes trans-disciplinares Parcerias: Saúde, Educação, Segurança, Defesa Civil, Voluntários, Comunidade, Saúde Ocupacional,... Parcerias: Saúde, Educação, Segurança, Defesa Civil, Voluntários, Comunidade, Saúde Ocupacional,...

23 Esportes e Cultura Engajamento MOTIVACIONAL; Engajamento MOTIVACIONAL; Atividade Física; Atividade Física; Lazer e cultura para todos; Lazer e cultura para todos; Atividades lúdicas; Atividades lúdicas; Oficinas culturais; Oficinas culturais; Música, teatro, dança (extracurriculares); Música, teatro, dança (extracurriculares); Estímulo a Competição...corridas de rua, jogos intermunicipais, olímpiadas, gincanas Estímulo a Competição...corridas de rua, jogos intermunicipais, olímpiadas, gincanas

24

25 Finanças Atuar em Parceria com as demais Secretarias; Buscar parcerias empreendedoras; Isenção tributária para garantir parcerias; Instituir prêmios empresas parceiras; Ocupar espaços vazios.

26 Ações Conjuntas Políticas Públicas Previdência Social Carga tributária Parceiros Incentivos Sociedade Comunidades

27

28 CIESP – maio 2012 Nível de Emprego da Indústria _ SP Amostra indústrias, Franca – 1,53% Fonte:

29 CIESP – maio 2012 Nível de Emprego da Indústria Amostra com indústrias, empregos. Franca – 1,53% Fonte

30 CAPACITAR

31 Como o TRABALHO ajuda? Gerenciamento do tempo; Gerenciamento do tempo; Melhora da auto-estima; Melhora da auto-estima; Aumenta a auto-confiança; Aumenta a auto-confiança; Estratégias; Estratégias; Construção de uma vida normal; Construção de uma vida normal; Reconhecimento familiar; Reconhecimento familiar; Aceitação pela Sociedade; Aceitação pela Sociedade; Motivação e GRATIDÃO. Motivação e GRATIDÃO. Fonte: UKDPC 2008, NTA

32

33 Por que REABILITAR? Liderança pelo EXEMPLO ¼ da população é usuária de alguma SPA; A população jovem está desassistida; Existe deficit de mão de obra qualificada;

34 Como? Trabalhos de Prevenção; Estímulo a Educação; Qualificação Profissional (SESI, SENAI); Estímulo a Empresas (incentivos fiscais para absorção de mão de obra); Parceria com Países com Experiências bem sucedidas.

35 NTA- National Treatment Agence for Substance Misuse), UK

36 E o mais importante A reabilitação de dependentes químicos importa a eles e à Sociedade como um todo, REDUZ A CRIMINALIDADE E FORTALECE COMUNIDADES. Terry Kirby (NTA- National Treatment Agence for Substance Misuse), UK.

37 Obrigada Quantas vezes acordados temos dificuldade para enxergar.


Carregar ppt "COMO OS MUNICÍPIOS PODEM AJUDAR ? Da Prevenção à Recuperação Dra Fernanda M C Livani Médica do Trabalho/ EMSP Especialista em Dependência Química/ UNIFESP."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google