A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Literatura Brasileira Professora: Pollyanna Mattos.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Literatura Brasileira Professora: Pollyanna Mattos."— Transcrição da apresentação:

1 Literatura Brasileira Professora: Pollyanna Mattos

2 ANTES DO BAILE VERDE Lygia Fagundes Telles

3 Sobre a Autora Lygia de Azevedo Fagundes nasceu na capital paulista em 19 de abril de Na infância, morou em diversas cidades do interior paulista por causa do trabalho do pai. Cursou faculdade de Educação Física e depois, em 1941, iniciou seu curso de Direito na USP. A autora frequentava as rodas literárias que se reuniam em restaurantes, cafés e livrarias próximas à faculdade. Naquela época, conheceu Mário e Oswald de Andrade e passou a integrar a Academia de Letras da Faculdade. Atenta aos acontecimentos políticos, Lygia participou de uma passeata contra o Estado Novo, ou seja, era de certa forma engajada politicamente. Em 1949, depois de ter publicado duas obras, publicou seu terceiro livro de contos, O cacto vermelho, que recebeu o Prêmio Afonso Arinos, da Academia Brasileira de Letras. Na mesma época, Lygia se casou com o jurista Goffredo da Silva Telles Jr., o qual na ocasião era deputado federal. Em 1982, Lygia foi eleita para a cadeira 28 da Academia Paulista de Letras e, em 1985, em 24 de outubro, para ocupar a cadeira 16 da Academia Brasileira de Letras, cujo patrono é Gregório de Mattos.

4 O que é Antes do Baile Verde ? Antes do Baile Verde é uma coletânea de contos que invadem a intimidade humana e tratam de temas que evidenciam o desequilíbrio, a tensão e a insatisfação do homem em suas relações com o outro, principalmente as relações afetivas e familiares. A solidão, o egoísmo, a infidelidade, a insatisfação no casamento, ou seja, problemas que atingem o homem na sua escala mais íntima, são abordados nos contos de Lygia Fagundes Telles, em situações extremamente comuns. Além da abordagem intimista, a verossimilhança é outra forte característica dos contos. Os eventos narrados e os sentimentos descritos são tão conhecidos, a linguagem empregada é tão clara, que a verossimilhança, ou seja, a semelhança com a vida real atinge grau máximo nesses contos.

5 Estilo de Época a que a obra pertence: MODERNISMO (Terceira Geração) Juntamente com Clarice Lispector, Lygia Fagundes Telles insere-se na geração modernista de 1945, fase em que a prosa intimista e a abordagem quase psicanalítica do ser humano e da sociedade são a principal característica.

6 O estilo e a temática de Lygia Fagundes Telles

7 Lygia Fagundes Telles parece apresentar uma preferência por escrever contos, gênero que, além do romance, cultiva com primor. A sondagem psicológica marca sua obra: frequentemente usa o fluxo de consciência e o monólogo interior para falar do que se passa dentro dos pensamentos de seus personagens. A autora aborda principalmente o drama de personagens que se debatem entre o desejo de afirmar a própria autenticidade e a impossibilidade de fazê-lo. Tematiza a vida urbana das grandes cidades e seus problemas mais comuns: conflitos familiares, amor, morte, adultério, drogas etc. Detém-se principalmente na decadência da família e sua descendência sem rumo. Aborda a decadência moral burguesa de maneira trágica, mórbida, mostrando a falta de sucesso e frustração do ser humano. Expõe também um painel da psicologia da mulher moderna a partir da liberação sexual e da emancipação feminina, que foi forte característica dos anos 1960.

8 Dica Na Literatura, chamamos de fluxo de consciência a técnica em que o autor reproduz um monólogo interior do personagem, ou seja, uma transcrição do que se passa na mente de um ou mais personagens. Nessa técnica, a narrativa apresenta-se como uma leitura de pensamentos que intercalam presente e passado, quebrando os limites espaço-temporais. Quebrada a narrativa linear, já não é tão claro distinguir entre as lembranças do personagem e a situação presentemente narrada. Na literatura brasileira, o fluxo de consciência tem destaque na obra de Clarice Lispector e Lygia Fagundes Telles.

9 Resumo comentado dos contos

10 OS OBJETOS Resumo: Trata-se de uma cena do cotidiano de um casal em desarmonia. Lorena e Miguel tiveram um passado feliz, mas agora enfrentam problemas, principalmente pelo desequilíbrio mental de Miguel. São abordados temas como a solidão, a loucura e o fim do amor. Enquanto a mulher confecciona um colar, o marido faz perguntas a respeito de alguns objetos presentes na sala do apartamento onde moram. Ao longo da narrativa, o casal vai tecendo comentários sobre cada um dos objetos que Miguel menciona. Lorena responde às perguntas de Miguel sem parar a tarefa que está fazendo e sem dedicar-lhe muita atenção. A mulher emprega um tom maternal nas falas que dirige ao marido: – Cuidado, querido, você vai quebrar os dentes! Enquanto a mulher fala dos objetos sem nenhum entusiasmo, Miguel dá a eles muita importância e os aborda filosoficamente. Essa diferença de comportamento mostra a falta de sintonia entre os dois. Narrador: 3ª pessoa Estrutura: texto construído principalmente através de discurso direto Personagens: Lorena (esposa) e Miguel (esposo com problemas e com algum transtorno mental)

11 VERDE LAGARTO AMARELO Resumo: Trata-se da visita de Eduardo a seu irmão Rodolfo, que ainda mora na antiga casa dos pais. Aborda essencialmente os pensamentos sórdidos e invejosos de Rodolfo diante do sucesso do irmão e de uma suposta predileção da mãe pelo caçula. Fala-se do ambiente do convívio familiar marcado pelo desconforto e corroído pela inabilidade de entendimento entre os parentes. Rodolfo não gosta do irmão. O final fica em aberto: o envelope trazido por Eduardo teria o esboço de um romance escrito por ele? Agora Rodolfo não teria nada que o diferenciasse do irmão? Narrador: 1ª pessoa (Rodolfo) Estrutura: discurso direto e vários trechos de fluxo de consciência Personagens: Rodolfo (escritor que vive solitário e acha que o irmão mais novo sempre fora o preferido da mãe) e Eduardo (o irmão mais novo que admira Rodolfo).

12 APENAS UM SAXOFONE Resumo: O conto parece criticar a decadência moral burguesa e a liberdade sexual feminina. A narradora teve uma vida promíscua: mora em uma mansão dada por um velho amante e sente prazer sexual com jovens. Mostra-se a solidão da personagem em meio ao luxo. Dentro de sua consciência, descobrimos que o amante saxofonista fora seu grande amor, mas era um homem sem ambições. O conto mergulha no intimo da personagem, a qual mistura sentimentos de arrependimento, resignação e nostalgia. Por fim, a narradora, velha e infeliz, pergunta-se onde estaria o saxofonista. Narrador: 1ª pessoa (uma mulher) Estrutura: predomínio do fluxo de consciência Personagens: a narradora (chamada de Luisiana pelo antigo amante saxofonista), o saxofonista, Renê (o decorador)

13 HELGA Resumo: Um jovem brasileiro, filho de mãe alemã, chamado de Paulo Silva ou Paul Karsten, vai para a Alemanha durante a 2º Guerra mundial e se relaciona com Helga. Essa bela jovem tinha sofrido um acidente e perdeu uma das pernas. Por isso, usava uma perna ortopédica-mecânica. Paul acaba se casando com Helga, mas na noite de núpcias foge levando a perna mecânica de Helga para vendê-la e conseguir o capital inicial para abrir um comércio ilegal de penicilina que o tornará um homem rico. Narrador: 1ª pessoa (Paulo) Estrutura: predomínio do fluxo de consciência Personagens: Paulo/Paul (filho de mãe alemã de Santa Catarina e pai brasileiro), Wolf (alemão dono de uma farmácia, pai de Helga), Helga (balconista da farmácia, o que dificultava perceber a perna ortopédica que tinha).

14 O MOÇO DO SAXOFONE Resumo: O narrador nos fala de uma pensão onde vivem um saxofonista e sua esposa adúltera. Ela o trai abertamente, sem nenhuma consideração pelos seus sentimentos. O narrador marca um encontro com a adúltera e, acidentalmente, entra no quarto em que se encontra o marido, abraçado ao saxofone. Pergunta-lhe por que não se desfaz daquela mulher ordinária, por que não faz alguma coisa. O saxofonista responde que, toda vez que é traído, toca saxofone para expressar sua tristeza. Narrador: 1ª pessoa (um motorista de caminhão) Estrutura: Linguagem com marcas de coloquialidade típicas de sujeitos embrutecidos pela lida diária em estradas. Personagens: o motorista de caminhão, James (sujeito que engole giletes num parque de diversões), o moço que toca saxofone (marido que sabe da traição da mulher e fica calado. Usa a música como uma forma de grito da dor que sente), a esposa (mulher que se prostitui com vários homens na pensão onde o narrador almoça). Há ainda um grupo de anões.

15 ANTES DO BAILE VERDE Resumo: O conto fala de uma jovem que se prepara animada para o grande baile a fantasia de sua cidade, em que todos devem comparecer com roupas verdes. No quarto ao lado, seu pai doente agoniza em seus últimos minutos de vida. A crítica à decadência da família, com seus valores e sua moral, está bastante presente nesse conto. Vemos a tensão que Tatisa sente ao ter que decidir entre o dever (cuidar do pai) e o prazer (ir ao baile). Ao fim, ela decide ir ao baile. A fantasia sugere uma máscara vestida pela personagem para encobrir sua culpa. Narrador: 3ª pessoa Estrutura: texto construído principalmente através de discurso direto Personagens: Tatisa (moça que quer ir a um baile de carnaval, mas o pai está no quarto prestes a morrer); a empregada Lu (namorada de Raimundo. Ela não vê a hora de sair e encontrar o namorado para irem ao baile de carnaval).

16 A CAÇADA Resumo: O cenário é uma loja de antiguidades. Existem duas personagens, uma velha, provavelmente a dona da loja, ou então uma funcionária, há muito tempo no estabelecimento, e um homem, que vai ao estabelecimento atraído por uma tapeçaria antiga, com a representação de uma caçada. Observando o tapete, o homem começa a delirar com a imagem e nesse trecho se alternam as focalizações externa e interna, caracterizando a mistura do real e do fantástico, e retratando o possível delírio pelo qual passa o homem. Narrador: 3ª pessoa Estrutura: narração Personagem: um homem assombrado pela tapeçaria e uma velha

17 A CHAVE Resumo: Através de um monólogo interior, Tom discorre sobre as diferenças entre Magô e Francisca. Agora mais velho, não acompanha mais o pique da jovem esposa. A velhice é tratada propositalmente como algo pejorativo, porque o que está em jogo é a frustração de Tomás. É um conto bastante simbólico. Ao não ir com Magô à festa, Tomás lhe dá a chave da liberdade, como Francisca já havia lhe dado quando disse para ele passear na rua, e então conheceu Magô. Por fim, vendo-se velho, Tomás demonstra um desejo de abandonar a audácia da juventude e voltar à vida simples sem aventura junto da ex-esposa. Narrador: 3ª pessoa – uso frequente do discurso indireto livre. Estrutura: narração e discurso direto Personagens: Tomás (apelidado de Tom pela atual esposa Magô), Magô (bela, desejada, mais jovem que Tom), Francisca (ex-esposa sem ambições de beleza), Fernando (um conquistador barato e tocador de violão que rondava os salões).

18 MEIA-NOITE EM PONTO EM XANGAI Resumo: Uma cantora lírica famosa e arrogante se apresentara em Xangai e, enquanto toma um banho de banheira, recebe a visita de um amigo. Esse amigo, Stevenson, conversa com a cantora sobre a incompetência e alienação dos chineses, empregados do hotel. Apesar da fama, ela se sente solitária. Maltratar o serviçal chinês pode ser uma forma de saber que há alguém ao seu lado. A atmosfera é silenciosa e perturbadora. Não se ouve nem os barulhos das ruas de Xangai. Quando o amigo se vai, a cantora fica sozinha, senta-se, mas percebe que Wang, seu criado, não foi embora, estava escondido no escuro do apartamento. O final fica em aberto. Narrador: 3ª pessoa Estrutura: narração e discurso direto Personagens: uma cantora lírica famosa (solitária e arrogante), o serviçal Wang ( que é tratado pela cantora como um nada), Stevenson (empresário da cantora), e o cachorro Ming

19 A JANELA Resumo: Uma prostituta está em um quarto com um homem. No inicio parece que são amantes, ou que o homem seja um cliente, mas depois se descobre que se trata de um desequilibrado que invadiu aquela casa e ficou horas a observar uma janela dizendo:Meu filho morreu nesse quarto, olhando por essa janela uma roseira que havia no quintal ao lado. A mulher consegue distraí-lo e sai, chama a polícia que vem buscá-lo com enfermeiros e uma camisa de força. Depois disso, a mulher fica parada, irritada com as amigas que zombaram da loucura do homem. Ela fica pensativa, olhando a janela. Narrador: 3ª pessoa Estrutura: narração e discurso direto Personagens: um homem (o louco), uma mulher (uma prostituta que está no quarto que o louco invade para ver o lugar onde seu filho supostamente morrera)

20 UM CHÁ BEM FORTE E TRÊS XÍCARAS Resumo: Novamente temos o tema da traição, dos desencontros no casamento, da velhice versus a juventude. O conto é bastante simbólico. Maria Camila observa uma borboleta que pousa em uma rosa. Os dois símbolos empregados são representativos da efemeridade – a borboleta tem uma vida média de dois meses e a rosa, a duração de apenas alguns dias. A beleza é efêmera, assim como a vida e o amor. Maria Camila convidou a jovem rival para um chá e acredita que o marido também apareça de surpresa. A esposa não sabe o que fazer, como deve agir, mas, de qualquer maneira, resolveu enfrentar o problema. Assim como Tom, do conto A Chave, Maria Camila lamanta por não ser mais tão jovem. O fato de haverem três xícaras insinua duas interpretações: a aceitação resignada da esposa pelo triângulo amoroso ou um gesto provocativo para pegar o marido no flagra. Narrador: 3ª pessoa Estrutura: narração e discurso direto Personagens: Maria Camila (mulher mais velha, aflita porque acha que o marido, Augusto, tem um caso com uma estagiária de aproximadamente 18 anos, que trabalha no laboratório dele) e Matilde (empregada de Maria Camila)

21 O JARDIM SELVAGEM Resumo: A narradora é uma criança, e é sob o seu ponto de vista que o leitor verá os temas adultos – a relação matrimonial, o preconceito, a morte. Na primeira linha da narrativa, Ed refere-se à misteriosa esposa Daniela comparando-a a um jardim selvagem. Ed se casa com Daniela sem convidar a família. Os dois vão morar na casa de campo da família e levam consigo uma cozinheira amiga de Conceição. Um dia, Daniela matou com um tiro o cachorro Kléber, por ele estar muito doente, sofrendo muito. Essa atitude de frieza da patroa causa pavor na cozinheira. Dois meses depois, Daniela telefona para avisar que Ed está muito doente. A seguir, ocorre o desfecho do conto. Conceição dá a notícia a Ducha que Ed tinha se matado com um tiro. Suspeita-se que Daniela o tenha assassinado. Narrador: 1ª pessoa (Ducha) Estrutura: semelhança com um conto policial Personagens: Ducha (uma menina que mora com sua tia Pombinha), Tio Ed, Daniela ( esposa de Ed, uma mulher misteriosa que tinha o hábito exótico de usar sempre luvas na mão direita), Tia Pombinha (irmã de Ed), Conceição (empregada de Pombinha) e a Cozinheira (trabalha para tio Ed, diz ter pena dela e medo de Daniela, principalmente depois que esta matou o cachorro Kleber com um tiro na cabeça.)

22 NATAL NA BARCA Resumo: O conto é uma narrativa linear que tem como tema a força da fé, a existência de milagres. A história se passa no Natal durante uma viagem de barca. Existem quatro passageiros na barca: o narrador, um velho bêbado e uma mulher com um bebê doente. A mulher atrai a atenção do narrador. O motivo que leva a mulher a estar na barca é a urgência de levar o filho doente ao médico. Ela fala das tragédias pelas quais passou: a morte do primeiro filho e o abandono do marido. Ao olhar o bebê com os olhos fechados, o narrador tem a impressão de que criança já esteja morta e tenta se distanciar da mulher para não ter que participar de mais um tragédia na vida daquela pobre criatura. No final, uma surpresa que alegra até mesmo o indiferente narrador: a criança abre os olhos e se mexe, parece estar bem e sem febre. Vemos, no fim, a esperança e a alegria trazidas pela presença da criança e, portanto, uma alusão ao espírito do Natal e ao nascimento do menino Jesus. Narrador: 1ª pessoa Estrutura: discurso direto e fluxo de consciência Personagens: a narradora (uma mulher que não quer intimidade com ninguém na barca); um velho bêbado que fala com um amigo imaginário e Lucena (uma mulher com uma criança no colo. Era paraibana, professora, perdera o filho que pulara de um muro e fora abandonada pelo marido).

23 A CEIA Resumo: Eduardo e Alice, antigos amantes, encontram-se para um jantar. É a última vez que saem juntos, pois estão se separando. Eduardo já tem até outra mulher, mais jovem e mais bonita, Olívia. O encontro é tenso, dramático. Alice implora que ele a visite como amigo. Ele revela que vai se casar com Olívia e vai embora, deixando Alice sozinha antes que o jantar chegue. O mesmo tema da troca, abordado em A chave e Um chá bem forte e três xícaras, volta em A ceia, mas agora aborda o fim trágico de muitas mulheres que aceitam o papel de amante e depois são trocadas ao invés de finalmente se casarem com o amado. Temos aí o tema da hipocrisia da sociedade burguesa. Depois de anos traindo a esposa com Alice, Eduardo decide se separar, mas não escolhe a amante para ser sua nova companheira e, sim, uma outra mulher, mais jovem e mais refinada. Narrador: 3ª pessoa Estrutura: narração e discurso direto Personagens: Alice e Eduardo (amantes há 15 anos; Eduardo decide abandonar a mulher para se casar com Olívia, Lili, uma mulher bem mais jovem)

24 VENHA VER O PÔR-DO-SOL Resumo: Uma prostituta está em um quarto com um homem. No inicio parece que são amantes, ou que o homem seja um cliente, mas depois se descobre que se trata de um desequilibrado que invadiu aquela casa e ficou horas a observar uma janela dizendo:Meu filho morreu nesse quarto, olhando por essa janela uma roseira que havia no quintal ao lado. A mulher consegue distraí-lo e sai, chama a polícia que vem buscá-lo com enfermeiros e uma camisa de força. Depois disso, a mulher fica parada, irritada com as amigas que zombaram da loucura do homem. Ela fica pensativa, olhando a janela. Narrador: 3ª pessoa Estrutura: narração e discurso direto Personagens: um homem (o louco), uma mulher (uma prostituta que está no quarto que o louco invade para ver o lugar onde seu filho supostamente morrera)

25 VENHA VER O PÔR-DO-SOL Resumo: O conto narra um encontro entre um casal de ex-namorados. A proposta do encontro foi feita pelo rapaz (Ricardo), quis levar a ex-namorada (Raquel) para ver o pôr do sol mais lindo do mundo, em um cemitério abandonado. Raquel estava em um relacionamento com um homem rico e ciumento. Depois de algum tempo, Raquel fica impaciente e quer ir embora. Então, Ricardo fala sobre um amor de infância, uma prima que morreu aos quinze anos de idade e que tinha os olhos parecidos com os de Raquel. Chegam, então, à capelinha onde a suposta prima estaria enterrada e Ricardo convence a Raquel a descer até a catacumba Chegando ao tumulo, Raquel percebe pela data que a moça não era prima de Ricardo. Mas aí era tarde demais. Ricardo tranca Raquel no jazigo e depois vai embora, deixando-a gritando desesperadamente. Narrador: 3ª pessoa Estrutura: narração e discurso direto Personagens: Raquel (ex-namorada de Ricardo) e Ricardo (rapaz que não aceita o término do namoro e propõe a Raquel que assista ao poente em um cemitério abandonado)

26 EU ERA MUDO E SÓ Resumo: Utilizando o recurso do monólogo interior, o narrador apresenta a vida familiar de Manuel. Não há nenhum fato mais relevante. O traço mais marcante do conto é a utilização extrema do monólogo interior. É através dessa conversa consigo mesmo que Manuel nos conta sobre a tia que o subestimava quando era criança, sobre o gênio dominador da mulher e do sogro e sobre o possível futuro da filha, repetindo a história da mãe. Narrador: 1ª pessoa (Manuel) Estrutura: monólogo interior Personagens: Manuel (marido que se sente oprimido com o casamento) Fernanda (esposa de Manuel. Mulher sofisticada, dominadora) Gisele (filha do casal, cópia da mãe) Jacó (amigo de Manuel)

27 AS PÉROLAS Resumo: Com As Pérolas, repetem-se os temas do adultério e do contraste entre a velhice e a juventude dentro do casamento. O marido (Tomás) está muito doente e sente que vai morrer em breve. A esposa (Lavínia) se prepara para ir a uma festa na qual estará presente um antigo admirador. Toda a história então se baseia no ciúme imaginário de Tomás e no seu medo de ser traído depois de morto. Ele então esconde as pérolas que a mulher usou na última vez em que viu o admirador. Sem o colar, ela não ficaria tão linda como estivera daquela última vez. No fim, Tomás entrega resignado o colar, como se estivesse se acostumando com a ideia de que, depois de sua morte, a esposa ficaria livre. Narrador: 3ª pessoa Estrutura: narração e discurso indireto livre Personagens: Tomás ( marido mais velho e adoentado) e Lavínia (esposa muito bonita)

28 O MENINO Resumo: O conto narra como uma criança (o menino) descobriu a traição da mãe que ele tanto admirava. Mãe e filho vão ao cinema. Lá, um homem aparentemente desconhecido senta ao lado da mãe e pega-lhe nas mãos, no escuro. Era possivelmente amante da mãe, o homem se levanta e sai. Ao voltarem para casa, encontram o pai, lendo seu jornal. O menino então olha tristemente para o pai, profundamente magoado pela traição que a mãe faz com o pobre velho. Ao dirigir-se para seu quarto, o menino abraça forte o pai, tentando segurar o choro. Narrador: 3ª pessoa Estrutura: narração e discurso indireto livre Personagens: o menino (uma criança que admira intensamente a mãe), a mãe (mulher muito bonita) o pai e um suposto amante da mãe

29 Bons estudos e boa prova! Professora Pollyanna Mattos


Carregar ppt "Literatura Brasileira Professora: Pollyanna Mattos."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google