A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Tipos de pesquisa Professora: Adriana Barros. Projeto pedagógico do Serviço Social: Estabelece as dimensões investigativa e interventiva como princípio.

Cópias: 1
Tipos de pesquisa Professora: Adriana Barros. Projeto pedagógico do Serviço Social: Estabelece as dimensões investigativa e interventiva como princípio.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Tipos de pesquisa Professora: Adriana Barros. Projeto pedagógico do Serviço Social: Estabelece as dimensões investigativa e interventiva como princípio."— Transcrição da apresentação:

1 Tipos de pesquisa Professora: Adriana Barros

2 Projeto pedagógico do Serviço Social: Estabelece as dimensões investigativa e interventiva como princípio formativo e condição central da formação profissional e da relação teoria e realidade (ABESS, 1997, p.61) O perfil profissional: Netto(1996, p ) intelectual que habilitado para operar numa área particular, compreende o sentido social da operação e a significância da área conjunto da problemática social. Daí a necessidade de formar profissionais capazes de desvendar as dimensões constitutivas da chamada questão social, do padrão de intervenção social do Estado nas expressões da questão social, do significado e funcionalidade das ações instrumentais a este padrão através da pesquisa, a fim de identificar e construir estratégias que venham a orientar e instrumentalizar a ação profissional, permitindo não apenas o atendimento das demandas imediatas e/ou consolidadas, mas sua reconstrução crítica. (Guerra, 2009, p. 702)

3 Pesquisa Formação com capacitação Intervenção profissional qualificada Produção de conhecimento (patrimônio intelectual e bibliográfico)

4 8. A pesquisa científica é o produto de uma investigação, cujo objetivo é resolver problemas e solucionar: a) dúvidas mediante a utilização de procedimentos científicos. b) impasses através da utilização da observação. c) dúvidas de ordem corporativa. d) controvérsias de ordem numérica e absoluta. e) questionamentos surgidos no âmbito social. LETRA A

5 3. A utilização da pesquisa, na prática profissional do assistente social, tem como objetivo geral: A) promover a participação do usuário e ampliar a demanda do mercado de trabalho. B) legitimar a profissão e a sua inclusão na divisão social e técnica do trabalho. C) generalizar, para o conjunto da população, os resultados obtidos, através dos estudos de caso. D) conferir efetividade aos procedimentos de intervenção que não foram aprovados institucionalmente. E) elaborar diagnósticos e análises críticas com vistas à introdução de mudanças na situação investigada. LETRA E

6 A pesquisa garante o estatuto de maioridade intelectual para o serviço social; Guerra(2009) afirma que a atitude investigativa e a pesquisa são parte constituintes do exercício do assistente social; Lei 8662 exige do Assistente Social tornar a pesquisa um elemento constitutivo do seu trabalho profissional (art. 4° inciso VII e art. 5° incisos I e VIII);

7 Guerra(2009, 703) assistente social no cumprimento de suas atribuições socioprofissionais, há que realizar permanentemente a pesquisa das condições e relações sob as quais o exercício profissional se realiza, dos objetos de intervenção, das condições e relações de vida, trabalho e resistência dos sujeitos sociais que recebem os serviços. Faz-se necessário não apenas coordenar e executar políticas sociais, projetos e programas, mas também avaliá-los, coordenar pesquisas, realizar vistorias, pericias e laudos, emitir parecer técnico, formar assistentes sociais. Aqui se reconhece e se enfatiza a natureza investigativa das competências profissionais. Mais do que uma postura, o caráter investigativo é conctitutivo de grande parte das competências/atribuições profissionais

8 6. Ao considerar como ponto de partida que qualquer investigação configura um estudo sistemático em busca de conhecimentos e respostas em relação a determinado objeto, com o fim de incorporá-lo, de maneira comunicável e comprovável, a um corpo de conhecimentos de que se dispõe nessa modalidade de pesquisa o profissional/pesquisador procura dar à questão particular que lhe é posta uma: a) Análise singular; b) Determinação totalizante; c) Dimensão universalizante; d) Projeção particular. LETRA C

9 9. Segundo normas hoje consensuais e vigentes, para a execução de uma pesquisa são exigidos alguns procedimentos que a legitimem. Leia com atenção as duas afirmativas abaixo: I) Todo projeto de pesquisa deve ser submetido, antes da sua implementação, a uma Comissão de Ética; II) Os pesquisadores devem ser informados sobre o objetivo da pesquisa e ter a garantia do sigilo sobre a fonte da informação; Em relação ao conteúdo das afirmativas, deve-se concluir que: a) Só o conteúdo da primeira afirmação atende às exigências para a realização da pesquisa; b) Só o conteúdo da segunda afirmativa atende exigências para a realização da pesquisa; c) O conteúdo de nenhuma delas atende exigências para realização da pesquisa; d) O conteúdo de ambas atende exigências para a realização da pesquisa; e) O conteúdo de ambas as afirmativas atende exigências para a realização da pesquisa e há relação de causalidade entre elas; LETRA D

10 15. De acordo com a análise de Minayo (org) a pesquisa é entendida como um (a): a) Atividade essencial de transformação da realidade; b) Fonte de conhecimentos epistemológicos do saber; c) Método e paradigma de conhecimento do real; d) Atividade básica da ciência na sua indagação e construção da realidade; e) Teoria de compreensão de fenômenos individuais ou coletivos; LETRA D

11 Fases da pesquisa Fase exploratória: Delimita o estudo Busca referencial teórico Construção do projeto de pesquisa Trabalho de Campo: O pesquisador vai ao local do estudo Análise: Visa a compreensão dos dados Busca a confirmação ou não dos pressupostos Procura responder às questões do estudo

12 10. A fase exploratória da pesquisa se alicerça em muitos esforços. Dentre estes esforços, destaca-se a: a)A dimensão científica na análise dos problemas sociais, buscando alternativas aos problemas da realidades social; b)Articulação criativa, seja na delimitação do objeto de pesquisa, seja na aplicação dos conceitos; c)Pesquisa qualitativa, objetivando analisar os elementos empíricos da realidades; d)Definição do tema e a escolha do problema a ser investigado pelo pesquisador; e)Definição da base teórica e conceitual, criando um diálogo entre a teoria e o problema a ser investigado; LETRA B

13 Definição do Objeto de Estudo / formulação do problema Revisão de literatura Seleção da documentação necessária Construção dos Objetivos Geral: amplo Específicos: partes ou etapas para atingir o geral Formulação do Pressuposto Construção dos Instrumentos de Pesquisa Exploração do Campo Definição da população Planejamento da coleta Construção do Projeto de Pesquisa

14 4. A escolha do caminho metodológico a ser obedecido na pesquisa científica depende: 1) dos interesses imediatos do pesquisador e do material coletado no trabalho de campo. 2) dos estudos censitários disponíveis sobre a população investigada. 3) da confiabilidade dos instrumentos de mensuração e das expectativas de validade dos resultados. 4) do tipo de objetivos que se pretende atingir e da experiência acadêmica do pesquisador. 5) da complexidade do objeto de conhecimento. Está(ão) correta(s) apenas: A) 1 e 3 B) 2 e 4 C) 5 D) 4 e 5 E) 1, 3 e 4 LETRA D

15 Metodologia Tipo de Pesquisa Coleta de Dados

16 Tipos de pesquisa Objetivo(metas, finalidades,resultado esperado) Coleta(modelo operativo) Fontes (Onde encontrar) Natureza (estatística ou interpretativa)

17 Tipos de pesquisas segundo os objetivos Exploratória Descritiva Experimental Explicativa

18 Exploratória Usado para os problemas pouco explorados Ter uma visão panorâmica Trazer o problema mais próximo Chamado de pesquisa de base

19 Descritiva Descreve as características de uma população ou fenômeno Estabelece relações entre variáveis Não esta interessada nos porquês

20 Aplicação: Qualquer área do conhecimento. Objetivo: Trabalhar com dados relativos a atualidade, observando uma determinada realidade para explicar um determinado objeto e o(s) fenômeno(s) relacionados à problemática da pesquisa.

21 Procedimentos Metodológicos: Elaborar inicialmente uma busca na literatura, visando compreender melhor o tema e o problema de pesquisa a ser investigado, bem como munir-se de subsídios para a reflexão e discussão do tema de pesquisa proposto; Levantar informações coletadas na realidade observada; Utilizar diferentes instrumentos para coletar essas informações na realidade observada (questionário, entrevista, observação etc.); A amostra selecionada na realidade observada para a pesquisa deve ser relevante; O pesquisador deverá analisar os dados coletados na realidade observada e compará-los com a literatura existente, de forma a refletir sobre e trazer avanços para a problemática da pesquisa.

22 Experimental Verificação dos fatos Fenômeno é produzido de forma controlada Repetir a experiência

23 Este tipo de pesquisa, geralmente realizados em laboratórios, os pesquisadores controlam as condições que irão prevalecer na investigação. Os valores de uma ou mais variáveis dependentes são manipuladas e, são observados, os efeitos dessa manipulação em um ou mais grupos de controle. A pesquisa experimental obrigatoriamente deve trabalhar com um ou mais sujeitos. Além do(s) sujeito(s), obrigatoriamente este tipo de pesquisa envolve outro(s) sujeito(s) de controle. O controle é o aspecto central e é uma característica própria da pesquisa experimental. A formulação de hipóteses explícitas e precisas devem ser pré-testadas, visando sua validação da pesquisa

24 Aplicação: Qualquer área do conhecimento ligada às ciências físicas e naturais. Objetivo: Trabalhar com situações/realidades recriadas em laboratório, submetidas a alguma espécie de controle, bem como à variáveis diversas. Tipos de Estudo: Um grupo submetido a variáveis diversas; Dois grupos, sendo que um de controle e o outro experimental; Três ou mais grupos submetidos a variáveis e controles diversos.

25 Elementos Básicos: Formulação do problema a ser pesquisado; Elaboração da(s) hipótese(s) a ser(em) submetida(s) a teste, bem como de diferentes modalidades de variáveis; Determinação do plano experimental, do ambiente, dos sujeitos e dos grupos; Criação do(s) grupo(s) experimental(is) e de controle. Os sujeitos que participaram dos grupos devem desconhecer a categoria que serão inseridos; O(s) sujeito(s) deve(m) ser designado(s) aleatoriamente para o(s) grupo(s) experimental(is) e de controle; O ambiente da pesquisa deve ser monitorado e deve estar absolutamente controlado do ponto de vista metodológico; Fatores externos ou internos não previstos na experimentação devem ser controlados, sob pena da não validação dos resultados da pesquisa; Os instrumentos de coleta de dados devem ser confiáveis do ponto de vista metodológico; Definir antecipadamente a forma de análise dos resultados.

26 Explicativa Buscar os fatos que contribuem para ocorrência do fenômeno Razões das coisas

27 Tipos de pesquisas segundo os procedimentos de coleta Experimento Levantamento Estudo de caso Documental Bibliográfica Participativa

28 Experimento Seleciona variáveis que influenciam o estudo Define forma de controle (grupo teste grupo controle)

29 Levantamento Fazer uma investigação direta com pessoas para conhecer-lhes algo Obter informações de um grupo significativo de pessoas e após análise dos dados projeta-se para o universo pesquisado

30 Estudo de caso Estudo em profundidade, exaustivo,radical de uns poucos objetos visando obter o máximo de informações que permitam o amplo conhecimento

31 Bibliográfica Cobrir uma ampla gama de fenômenos que o pesquisador não poderia contemplar diretamente Desenvolvida exclusivamente a partir de fontes já elaboradas

32 Aplicação: Qualquer área do conhecimento. Objetivo: Trabalhar com informações levantadas e selecionadas da literatura sobre uma determinada problemática, para explicar o objeto e o(s) fenômeno(s) da pesquisa.

33 ProcedimentosMetodológicos: Elaborar inicialmente uma busca na literatura, visando compreender melhor o tema e o problema de pesquisa a ser investigado; Optar por um assunto compatível com as qualificações pessoais, em termos de conhecimento; O objeto/fenômenos a ser pesquisados devem contribuir cientificamente para a área/campo científico; Delimitar claramente o escopo de pesquisa; Selecionar os materiais de acordo com as inclinações, as aptidões e as tendências do pesquisador, pode- se trazer materiais que não estejam de acordo, para defender as idéias do pesquisador e contestar (com propriedade) as idéias do outro autor;

34 Procedimentos Metodológicos: Possuir disponibilidade de tempo para realizar a pesquisa de forma aprofundada, visto que a pesquisa bibliográfica exige esse aprofundamento; Que de fato exista material suficiente publicado, visto ser este o tipo da pesquisa; Consultar especialistas na área, visando obter dicas para o levantamento, bem como obter orientação para a análise e interpretação da literatura utilizada; Partir do que já foi pesquisado e publicado, uma vez que outros estudos já foram realizados sobre o mesmo tema/problema; As fontes escolhidas devem ter credibilidade e ser aceita pela comunidade científica da área.

35 Elementos Básicos: Escolha do tema e problema de pesquisa; Definição do escopo/limitação da pesquisa; Levantamento bibliográfico sobre o tema/problema; Seleção do material relevante; Leitura, análise e fichamento do material selecionado; Construção de texto, a partir da reflexão e inferências.

36 Documental Semelhante a bibliográfica porém utiliza-se fontes que não receberam tratamento analítico(documentos em arquivo)

37 Participativa Ação ou problema coletivo sendo que o pesquisador e os representantes da pesquisa estão envolvidos de modo participativo Supõe uma investigação planejada em caráter educacional ou social (investigação-ação)

38 Tipos de pesquisa segundo as fontes de informação Campo Laboratório Bibliográfica Documental

39 Tipos de pesquisa segundo a natureza dos dados Quantitativa Qualitativa

40 Quando utilizar a abordagem quantitativa Para avaliar resultados que podem ser contados e expressos em números, taxas e proporções; Para conhecer a eficiência de uma ação, programa ou serviço Para responder a questões relativas à quantidade Quando o objeto a ser investigado possui diferenças de grau, exigindo uma lógica de mais ou de menos. Quando se busca estabelecer relações significativas entre variáveis

41 Quando utilizar a abordagem qualitativa Quando se busca estabelecer relações significativas entre variáveis. Para avaliar resultados individuais dos participantes de um programa, serviço ou atividade. Para responder a questões sobre como, o que e por que Para avaliar a dinâmica interna de processos e atividades Para avaliar atividades cujos objetivos são gerais e pouco específicos Quando a coleta de dados quantitativos é tão rotineira que não se presta mais atenção ao significado expresso por eles.

42 Quantitativa Fenômeno captado em toda sua extensão Levantamento de variáveis Coleta de informações Cada caso analisado separadamente Construção de um quadro teórico geral Método indutivo

43 Qualitativo Estabelece relações entre causa e efeito Partindo de parâmetros mensuráveis É metrificante (tratamento estatístico)

44 Questões 1. A pesquisa no âmbito do Serviço Social tem se desenvolvido utilizando variadas técnicas e procedimentos. As pesquisas na área social como um todo tendem a utilizar uma associação dos métodos qualitativo e quantitativo. Com relação ao método qualitativo, é CORRETO afirmar que: A) é o que conduz o pesquisador a resultados mais fidedignos, por aprofundar-se na realidade estudada. B) sustenta-se em uma análise analítica e positivista. C) baseia-se em uma perspectiva holística. D) utiliza-se, fundamentalmente, de cálculos estatísticos para fundamentar sua análise. E) proporciona uma aproximação mais forte do campo de pesquisa, pelo enfoque baseado em cálculos e deduções. LETRA D

45 19. É uma das etapas do processo de trabalho científico em pesquisa qualitativa: a) a análise quantitativa dos resultados obtidos, confirmando ou não as hipóteses definidas e os resultados com os conceitos teóricos. b) o processo de conhecimento com o uso de técnicas que buscam a objetividade por meio de uma lógica formal e neutralidade no processo de investigação. c) a metodologia da experimentação, buscando a veracidade ou a falsidade de hipóteses, validadas por processos dedutivos matemáticos, do tipo causa e efeito. d) o conjunto de procedimentos que valoriza, compreende e interpreta os dados empíricos, relacionando-os com a teoria. e) o aprofundamento dos dados para transcendência da realidade investigada, ao submetê-la a referências analíticas LETRA D

46 20. Na prática profissional do assistente social, um projeto de pesquisa é importante para mapear um caminho a ser seguido durante a investigação. Nesse sentido, o profissional busca, entre outros objetivos a) evitar muitos imprevistos no decorrer da pesquisa que poderiam até mesmo inviabilizar sua realização. b) identificar o marco teórico do saber profissional envolvido na pesquisa-ação. c) dar uma dimensão técnica ao saber profissional e na intervenção em relação às políticas sociais. d) possibilitar ao profissional de serviço social identificar as demandas da população, atendendo às necessidades institucionais. e) delimitar o objeto de pesquisa e os objetivos que se quer alcançar. LETRA A

47 21. Há uma particularidade histórica na concepção e no modo de pesquisar no âmbito do exercício profissional do Assistente Social. Concebe-se a pesquisa como a) interlocução da teoria, desconsiderando a interação com os sujeitos. b) trajetória de um método a ser seguido, com fins a serem alcançados e, posteriormente, avaliados. c) processo investigativo, onde o documento final a ser produzido desconsidera o lugar social em que foi realizada. d) constitutiva da objetividade da ação profissional, desqualificando a subjetividade e o social. e) mediação constitutiva da identidade e do exercício profissional, inerente, portanto, ao projeto ético-político da profissão. LETRA E

48 ObjetivoColeta de dados Fontes de Informação Nat dos Dados Exploratória Descritiva Experimento Levantamento Estudo de caso Campo Laboratório Quant/ Experimental Explicativa Bibliográfica Documental Participativa Bibliográfica Documental Qual/

49 Pesquisa - Ação A PESQUISA-AÇAO CRIADA NA METADE DO SÉCULO XX, REPRESENTA UMA REVOLUÇÃO EPISTEMOLÓGICA, UMA VEZ QUE CONCEDE PRIVILÉGIO À INTERAÇÃO, À SENSIBILIDADE E À IMPLICAÇÃO HUMANA NO PROCESSO DO CONHECIMENTO. A PESQUISA-AÇÃO É DE NATUREZA PRÁTICO- POÉTICA. REQUER UMA TEORIA DE ESCUTA SENSÍVEL (Barbier, 97) E REVELA SER UM MÉTODO APROPRIADO PARA COPRODUZIR CONHECIMENTO NUMA ABORDAGEM TRANSVERSAL.

50 ESTRATÉGIA METODOLÓGICA DE PESQUISA SOCIAL ONDE A PARTICIPAÇÃO DOS PESQUISADORES É EXPLICITADA DENTRO DA SITUAÇÃO DE INVESTIGAÇÃO E QUANDO OS PESQUISADORES NÃO QUEREM LIMITAR SUAS INVESTIGAÇÕES AOS ASPECTOS ACADÊMICOS E BUROCRÁTICOS DA MAIORIA DAS PESQUISAS CONVENCIONAIS.

51 Pesquisa Social Especificidade da Pesquisa Social São valores, crenças, representações, hábitos, atitudes e opiniões. Estuda a realidade social Realidade Social: É específica, condicionada pelo momento histórico, pelo lugar, pela organização econômica.

52 Historicidade O seu objeto de estudo tem que ser situado no tempo e no espaço. Não é genérica Seus resultados são provisórios. Há interação entre sujeito e objeto Pressupõe conflito, dissimetria, reprodução social

53 Instrumentos e técnicas de coleta de dados Questionário Também chamados de survey (pesquisa ampla), o questionário é um dos procedimentos mais utilizados para obter informações. É uma técnica de custo razoável, apresenta as mesmas questões para todas as pessoas, garante o anonimato e pode conter questões para atender a finalidades específicas de uma pesquisa. Aplicada criteriosamente, esta técnica apresenta elevada confiabilidade.

54 Podem ser desenvolvidos para medir atitudes, opiniões, comportamento, circunstâncias da vida do cidadão, e outras questões. Quanto à aplicação, os questionários fazem uso de materiais simples como lápis, papel, formulários, etc. Podem ser aplicados individualmente ou em grupos, por telefone, ou mesmo pelo correio. Pode incluir questões abertas, fechadas, de múltipla escolha, de resposta numérica, ou do tipo sim ou não As etapas necessárias para o desenvolvimento de um questionário são: (i) Justificativa; (ii) Definição dos objetivos; (iii) Redação das questões e afirmações; (iv) Revisão; (v) Definição do formato; (vi) Pré-teste e (vii) Revisão final

55 Pontos Fortes Garante o anonimato - Questões objetivas de fácil pontuação - Questões padronizadas garantem uniformidade - Deixa em aberto o tempo para as pessoas pensarem sobre as respostas - Facilidade de conversão dos dados para arquivos de computador - Custo razoável

56 Pontos fracos Baixa taxa de respostas para questionários enviados pelo correio - Inviabilidade de comprovar respostas ou escla- recê-las - Difícil pontuar questões abertas - Dá margem a respostas influenciadas pelo desejo de nivelamento social(*) - Restrito a pessoas aptas à leitura - Pode ter itens polarizados/ambíguos

57 Instrumentos e técnicas de coleta de dados Entrevista É um método flexível de obtenção de informações qualitativas sobre um projeto. Este método requer um bom planejamento prévio e habilidade do entrevistador para seguir um roteiro de questionário, com possibilidades de introduzir variações que se fizerem necessárias durante sua aplicação. Em geral, a aplicação de uma entrevista requer um tempo maior do que o de respostas a questionários.

58 Por isso seu custo pode ser elevado, se o número de pessoas a serem entrevistadas for muito grande. Em contrapartida, a entrevista pode fornecer uma quantidade de informações muito maior do que o questionário. Um dos requisitos para aplicação desta técnica é que o entrevistador possua as habilidades para conduzir o processo. Boas questões e um entrevistador sem habilidades, não fazem uma boa entrevista;

59 O desenvolvimento de questões para entrevista deve considerar alguns aspectos, para que seja efetiva, tais como: (i) adaptar a linguagem ao nível do entrevistado; (ii) evitar questões longas; (iii) manter um referencial básico (objetivo) para a entrevista; (iv) sugerir todas as respostas possíveis para uma pergunta, ou não sugerir nenhuma (para evitar direcionar a resposta). Algumas habilidades desejáveis no entrevistador são: (i) conhecimento do asssunto objeto da entrevista; (ii) capacidade de síntese e decisão; (ii) boa comunicação oral; (iii) colocação imparcial perante o entrevistado e (iv) auto-controle emocional.

60 Pontos fortes Flexibilidade na aplicação - Facilidade de adaptação de protocolo - Viabiliza a comprovação e esclareci mento de respostas - Taxa de resposta elevada - Pode ser aplicada a pessoas não aptas à leitura

61 Pontos fracos Custo elevado - Consome tempo na aplicação - Sujeita à polarização do entrevistador - Não garante o anonimato - Sensível aos efeitos no entrevistado - Características do entrevistador e do entrevistado - Requer treinamento especializado - Questões que direcionam a resposta

62 Tipos Entrevista Individual e em grupo Entrevista individual: Estruturada Semi-estruturada Aberta Entrevista de grupo: Espontânea (campo): informal Grupo focal

63 Entrevista estruturada: realizada através de questionários aplicados direta ou indiretamente Entrevista semi-estruturada: combina perguntas fechadas e abertas, onde o entrevistado tem a possibilidade de discorrer sobre o tema proposto, sem respostas ou condições prefixadas pelo pesquisador Entrevista não estruturada ou aberta: História oral História de vida Narrativas

64 2. Diversos são os motivos pelos quais uma das técnicas mais utilizadas no Serviço Social é a da entrevista, dentre eles, o fato de que a entrevista pode ser entendida como uma relação humana que tem como objetivo refletir e encaminhar as questões tratadas ao longo desta interação. Sendo assim, a entrevista pode ser considerada: A) uma técnica que leva a coleta de dados essencialmente quantitativos com relação a uma determinada questão investigada. B) uma técnica que objetiva estabelecer uma relação empática entre entrevistado e entrevistador. C) uma técnica que envolve aspectos interativos e relacionais. D) uma forma de coleta subjetiva de dados. E) uma técnica que resulta em dados sempre fidedignos que privilegiam a verdade relatada pelo entrevistado. LETRA D

65 História Oral Estudo de memória biográfica ou social. Focaliza acontecimentos específicos tal como foram vivenciados por uma pessoa ou grupo social.

66 História de Vida Entrevista prolongada que apresenta as experiências e as definições vividas por uma pessoa, um grupo, uma organização. Como interpretam sua experiência. (Denzin) Não é autobiografia convencional e não é ficção (Becker) Está preocupada com a fidelidade das experiências e interpretações do autor sobre o seu mundo. Completa: Busca compreender o desenvolvimento da vida do sujeito investigadoe traçar com ele uma biografia que descreva sua trajetória até o momento atual. Tópica: Enfatiza determinada etapa ou setor da vida pessoal ou de uma organização

67 Narrativas Entrevista curta Componentes e Estrutura: Resumo – sumário da estória Orientação – narrador fornece indicações de tempo, lugar, pessoas envolvidas, situação. Ação complicadora – (elemento obrigatório) seqüência de enunciados, temporalmente ordenados que se remetem a ações no passado. Resultado ou resolução – conclusão da ação; conseqüência que derivou do acontecimento narrado. Coda – assinala que a narrativa terminou (então foi isso)

68 Grupo Focal Técnica de entrevista direcionada a um grupo organizado a partir de certas características identitárias visando obter informações qualitativas. Características Principais: Entrevista em profundidade O grupo pode se conhecer previamente ou não A escolha é qualitativa – não mais de 8 participantes Roteiro enxuto 5 perguntas no máximo Não busca consenso – mapeia as falas Regras claras: não falar ao mesmo tempo, nenhuma opinião é mais importante...

69 11. A pesquisa ação da intervenção profissional distingui-se dos demais tipos de pesquisa por constituir uma forma de investigação que mais imediatamente responde às questões da prática profissional, possibilitando a renovação da ação; CERTO 12. O uso da pesquisa em ação da intervenção profissional é reconhecido por sua importante contribuição no fortalecimento do senso comum, pragmatismo, normativismo, e formalismo, que possibilitam apreender o movimento da sociedade; ERRADO 13. Na pesquisa qualitativa, o objetivo de estudo é tratado de forma distante separada do pesquisador, de modo a não comprometer os resultados e garantir à sua isenção no processo; ERRADO 14. Os grupos focais podem ser empregados em processos de pesquisa social ou em processos de avaliação, especialmente nas avaliações de impacto, sendo o procedimento mais usual utilizar vários grupos focais para uma mesma indicação, para dar maior cobertura a variados fatores que podem ser intervenientes na pesquisa a ser examinada. CERTO

70 Observação Direta Baseia-se na atuação de observadores treinados para obter determinados tipos de informações sobre resultados, processos, impactos, etc. Requer um sistema de pontuação muito bem preparado e definido, treinamento adequado dos observadores, supervisão durante aplicação e procedimentos de verificação periódica para determinar a qualidade das medidas realizadas. Observações realizadas em fases iniciais de um projeto ou mesmo antes de seu início podem ser de caráter não estruturada, ou seja, realizadas de maneira informal.

71 A observação direta depende mais da habilidade do pesquisador em captar informação através dos 5 sentidos, julgá-las sem interferências e registrá- las com fidelidade do que da capacidade das pessoas de responder a perguntas ou se posicionar diante de afirmações. Em geral, este método é aplicado com o pesquisador completamente fora das situações, fatos ou pessoas que está observando.

72 Uma das vantagens desta técnica é que o pesquisador não precisa se preocupar com as limitações das pessoas em responder às questões. Entretanto, é um procedimento de custo elevado e difícil de ser conduzido de forma confiável, principalmente quando se trata da obtenção de dados sobre comportamentos que envolvem alguma complexidade. Outro ponto a considerar é o problema da interferência do pesquisador (observador) no comportamento do observado. Além disto, requer um intenso treinamento do observador;

73 Pontos fortes Capaz de captar o comportamento natural das pessoas - Minimiza influência do desejo de nivelamento social - Nível de intromissão relativamente baixo - Confiável para observações com baixo nivel de inferência

74 Pontos fracos Polarizada pelo observador - Requer treinamento especializado - Efeitos do observador nas pessoas - Pouco confiável para observações com inferências complexas - Não garante anonimato - Observações de interpretação difícil - Não comprova/esclarece o observado - Número restrito de variáveis

75 5. Na prática investigativa do Serviço Social, a técnica de observação pode ser empregada para: 1) obter informação sobre o comportamento dos indivíduos ou dos grupos sociais, tal qual eles acontecem. 2) pesquisar os itens ou indicadores das hipóteses que serão submetidas à prova. 3) anular a subjetividade do assistente social na caracterização das pessoas observadas. 4) controlar a qualidade da informação e a análise dos dados. Estão corretas: A) 2 e 4 apenas B) 3 e 4 apenas C) 1, 2 e 4 apenas D) 1 e 3 apenas E) 1, 2, 3 e 4 LETRA C

76 7.Segundo Neide Lehfeld, o pesquisador, através do estabelecimento de uma conversa amigável com o entrevistado, busca levantar dados que podem ser utilizados em análises quantitativas e qualitativas selecionando-se os aspectos mais relevantes de um problema de pesquisa. A autora fala sobre: a) Entrevista não estruturada b) Observação em campo c) Questionário fechado d) Entrevista não diretiva LETRA A

77 Registro Institucional ou Análise Documental Uma das primeiras fontes de informação a serem consideradas é a existência de registros na própria organização, sob a forma de documentos, fichas, relatórios ou arquivos em computador. O uso de registros e documentos já disponíveis reduz tempo e custo de pesquisas para avaliação..

78 Além disto, esta informação é estável e não depende de uma forma específica para ser coletada. Deve ser observado que, na maioria das vezes, já existe uma grande quantidade de informação nas organizações e cujo uso para fins de avaliação tem sido muito pouco efetivo

79 Dependendo do desenvolvimento da cultura organizacional, da estrutura e funcionamento dos sistemas de informação existentes na instituição, pode haver alguma dificuldade com esta técnica, pois: (i) nem todos os dados estão completos (por exemplo: registros de 2 anos atrás não estão completos); (ii) os dados disponíveis estão excessivamente agregados, dificultando seu uso; (iii) mudanças de padrões com o tempo inviabilizam a comparação entre dados obtidos em épocas diferentes e (iv) Dados só são disponíveis para uso confidencial.

80 Pontos fortes Baixo custo - Tempo de obtenção é reduzido - Informação é estável

81 Pontos fracos Dados incompletos ou desatualizados - Excessivamente agregados - Mudanças de padrões no tempo - Uso restrito (confidencialidade) - Dados difíceis de recuperar

82 Avaliação Avaliação, enquanto estratégia investigativa, é um processo sistemático de fazer perguntas sobre o mérito e a relevância de determinado assunto, proposta ou programa.

83 Dimensões: Utilidade Viabilidade Ética Precisão da técnica

84 A avaliação é uma forma de pesquisa social aplicada(*), sistemática, planejada e dirigida; destinada a identificar, obter e proporcionar de maneira válida e confiável dados e informação suficiente e relevante para apoiar um juízo sobre o mérito e o valor dos diferentes componentes de um programa ou de um conjunto de atividades específicas que se realizam, foram realizadas ou se realizarão, (…)comprovando a extensão e o grau em que se deram essas conquistas, de forma tal que sirva de base ou guia para a tomada de decisões (Aguilar & Ander-Egg, 1994) (*) Há diferenças entre pesquisa e avaliação

85 Entendemos avaliação como a elaboração, a negociação, a aplicação de critérios explícitos de análise, em um exercício metodológico cuidadoso e preciso, com vistas a conhecer, medir, determinar e julgar o contexto, o mérito, o valor ou o estado de um determinado objeto, a fim de estimular e facilitar processos de aprendizagem e de desenvolvimento de pessoas e organizações(Silva e Brandão, 2003)

86 A avaliação: visa a reduzir incertezas, a melhorar a efetividade das ações e a propiciar a tomada de decisões relevantes, guia-se por quatro objetivos: oferecer respostas aos beneficiários, à sociedade e ao governo sobre o emprego dos recursos públicos; orientar os investidores sobre os frutos de sua aplicação; responder aos interesses das instituições, de seus gestores e de seus técnicos; buscar sempre uma melhor adequação de suas atividades.

87 Elementos importantes na avaliação: a adequação entre os objetivos e estratégias propostas e recursos utilizados ; a adequação da estrutura organizacional para realizar o trabalho proposto; o quanto e como os objetivos e metas foram atingidos; a qualidade dos serviços prestados e dos resultados; a sustentabilidade da ação ou projeto.

88 TIPOS DE AVALIAÇÃO Quanto à metodologia: Avaliação qualitativa Avaliação quantitativa – contribui para estabelecer as relações causais entre as variáveis independentes (intervenção, exposição) e dependentes (resposta ou de desfecho).

89 Quanto ao momento da realização avaliação em relação à existência da ação avaliada Ex-ante Ex-post

90 Etapas da avaliação: Formulação do objeto e do planejamento da avaliação Elaboração de indicadores Escolha das fontes de informação Construção dos instrumentos Trabalho de campo Análise Elaboração do informe – relatório Devolução e debate dos dados

91 ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO CAPA FOLHA DE ROSTO SUMÁRIO TEMA DELIMITAÇÃO DO TEMA PROBLEMATIZAÇÃO JUSTIFICATIVA REFERENCIAL TEÓRICO OBJETIVOS METODOLOGIA CRONOGRAMA BIBLIOGRAFIA ANEXOS

92 16. Na pesquisa social: a) Os dados sociais são resultantes, e são construídos nos processos de comunicação; b) Os dados qualitativos, na medida em que caracterizam a realidade social com fidedignidade; c) O questionário e o grupo focal estabelecem por si mesmos a confiabilidade e a validade do processo geral de investigação; d) A amostragem aleatória exige uma relação completa dos sujeitos que compõem o universo da pesquisa para que a amostra se torne significativa; e) A triangulação constitui uma estratégia de validação e medida de coeficiente de confiabilidade de dados qualitativos; LETRA C

93 17. Caso um projeto de pesquisa já tenha sido aprovado em comitê de ética, é permitido ao assistente social fazer registros, sem informar à população envolvida na pesquisa, de materiais visuais e audiovisuais do trabalho desenvolvido. ERRADO

94 18. A pesquisa em serviço social qualifica a prática profissional orientando a produção de conhecimento, o planejamento e o gerenciamento de programas de intervenção social. Portanto, a pesquisa a) estabelece hipóteses com mais propriedade. b) vincula pensamento e ação. c) propõe um discurso analista. d) trabalha somente com o universo social. e) propõe um discurso abstrato sobre a realidade LETRA B


Carregar ppt "Tipos de pesquisa Professora: Adriana Barros. Projeto pedagógico do Serviço Social: Estabelece as dimensões investigativa e interventiva como princípio."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google