A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

LINGUÍSTICA TEXTUAL Anna Christina Bentes Disciplina: Teoria da Linguagem Juliana Regina Dias.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "LINGUÍSTICA TEXTUAL Anna Christina Bentes Disciplina: Teoria da Linguagem Juliana Regina Dias."— Transcrição da apresentação:

1 LINGUÍSTICA TEXTUAL Anna Christina Bentes Disciplina: Teoria da Linguagem Juliana Regina Dias

2 Estruturação do texto: Percurso histórico; Conceito de texto; A construção dos sentidos no texto: Coerência textual Coesão textual

3 Um breve percurso histórico O termo Linguística de Texto foi empregado pela primeira vez por Harald Weinrich. Surgimento dos estudos sobre o texto – constituição de um campo que procura ir além dos limites da frase, que procura reintroduzir o sujeito e a situação de comunicação.

4 Década de 60: esforço teórico de construir uma Linguística para além dos limites da frase, a chamada Linguística do Discurso Segundo Marcuschi (1998a) seu surgimento deu-se de forma independente, em vários países de dentro e de fora da Europa Continental, simultaneamente, e com propostas teóricas diversas. Houve não só uma gradual ampliação do objeto de análise da Linguística Textual, mas também um progressivo afastamento da influência teórico- metodológica da Linguística Estrutural saussureana.

5 Análise transfrástica: o interesse voltava-se para fenômenos que não conseguiam ser explicados pelas teorias sintáticas e/ou pelas teorias semânticas que ficassem limitadas no nível da frase; Construção de gramáticas textuais: descrição da competência textual do falante; Teoria do texto: o texto passa a ser estudado dentro de seu contexto de produção e a ser compreendido não como um produto acabado, mas como um processo.

6 Análise transfrástica Parte-se da frase para o texto Texto: uma sequência pronominal ininterrupta (Harweg,1968) sequência coerente de enunciados (Isenberg, 1970) Pedro foi ao cinema. Ele não gostou do filme Não há uma simples substituição do nome pelo pronome. Uso do pronome – instruções de conexão Outros fenômenos transfrásticos: a pronominalização, a seleção dos artigos (definido e indefinido), a concordância dos tempos verbais, a relação tópico-comentário e outros.

7 Relação entre uma sequência e outra sem a presença de um conector (1) Não fui à festa de seu aniversário: passei-lhe um telegrama. (2) Não fui à festa de seu aniversário: estive doente. (3) Não fui à festa de seu aniversário: não posso dizer quem estava lá. Elaboração de gramáticas textuais: não considerar o texto apenas como uma simples soma ou lista dos significados das frases que o constituem.

8 Gramáticas textuais Representaram um projeto de reconstrução do texto como um sistema uniforme, estável e abstrato. Postulava-se o texto como unidade teórica formalmente construída, em oposição ao discurso, unidade funcional, comunicativa e intersubjetivamente construída. As propostas de elaboração de gramáticas textuais de diferentes autores, tais como Lang, Dressler, Dijk e Petöfi surgiram com a finalidade de refletir sobre fenômenos linguísticos inexplicáveis por meio de uma gramática do enunciado. Esses autores consideram que: não há uma continuidade entre frase e texto porque há, entre eles, uma diferença de ordem qualitativa e não quantitativa, já que a significação de um texto constitui um todo que é diferente da soma das partes. O texto é a unidade linguística mais elevada, a partir da qual seria possível chegar, por meio da segmentação, a unidades menores a serem classificadas. Todo falante nativo possui um conhecimento acerca do que seja um texto.

9 Segundo Charolles (1989), todo falante possuiria três capacidades textuais básicas: capacidade formativa; capacidade transformativa; capacidade qualificativa Segundo Fávero & Koch (1983), se todos os usuários da língua possuem essas habilidades, que podem ser nomeadas genericamente como competência textual, poderia justificar-se, então, a elaboração de uma gramática textual. Verificação do que faz com que um texto seja um texto; Levantamento de critérios para a delimitação de textos; Diferenciação de várias espécies de textos.

10 Projeto de elaboração de gramáticas textuais – influenciado pela perspectiva gerativista. Essa gramática seria, semelhante à gramática de frases proposta por Chomsky, um sistema finito de regras, comum a todos os usuários da língua, que lhes permitiria dizer se uma sequência linguística é ou não um texto bem formado. Esse conjunto de regras internalizadas pelo falante constitui, então, a sua competência textual.

11 Teoria do Texto Ao contrário das gramáticas textuais, preocupadas em descrever a competência textual de falantes/ouvintes idealizados, propõe-se a investigar a constituição, o funcionamento, a produção e a compreensão dos textos em uso. Tratamento dos textos no seu contexto pragmático No final da década de 70, a palavra de ordem não era mais, segundo Marcuschi (1998), a gramática de texto, mas a noção de textualidade. LT (atualmente): uma disciplina de caráter multidisciplinar, dinâmica, funcional e processual, considerando a língua como não-autônoma nem sob seu aspecto formal (Marcuschi, 1998)

12 Conceito de texto Período da análise transfrástica e da elaboração de gramáticas textuais: acreditava-se que as propriedades definidoras de um texto estariam expressas na forma de organização do material linguístico(textos/não-textos) Segundo Koch (1997), os conceitos de texto variaram desde unidade linguística superior à frase até complexo de proposições semânticas. Período da elaboração de uma teoria do texto: São consideradas as condições de produção e de recepção de textos A definição de texto deve levar em conta que: a produção textual é uma atividade verbal (atos de fala), é uma atividade verbal consciente e é uma atividade interacional.

13 A construção dos sentidos no texto Texto: resultado de uma atividade verbal, que revela determinadas operações linguísticas e cognitivas, efetuadas tanto no campo de sua produção, como no de sua recepção. Segundo Koch (1997): Coerência: diz respeito ao modo como os elementos subjacentes à superfície textual vêm a constituir, na mente dos interlocutores, uma configuração veiculadora de sentidos Coesão: O fenômeno que diz respeito ao modo como os elementos linguísticos presentes na superfície textual encontram-se interligados, por meio de recursos também linguísticos, formando sequências veiculadoras de sentido

14 A coerência textual A discussão sobre as relações entre texto e coerência começa a ocorrer a partir do momento em que se percebe que o(s) sentido(s) do texto não está/estão no texto em si, mas depende(m) de fatores de diversas ordens: linguísticos, cognitivos, socioculturais, interacionais. Os estudos sobre o texto centram-se na busca de critérios de textualidade. Para Koch e Travaglia (1989), a textualidade ou a textura é aquilo que faz de uma sequência lingüística um texto e não um amontoado aleatório de palavras. Existe o não-texto? Charolles (1989) afirma que não há textos incoerentes em si. Tudo vai depender muito dos usuários do texto e da situação. A partir da década de 80, Charolles defende que a coerência de um texto é um principio de interpretabilidade: todos os textos seriam, em princípio, aceitáveis. No entanto, admite-se que o texto será incoerente para determinada situação comunicativa.

15 Segundo Koch e Travaglia (1990), a situação comunicativa tanto pode ser entendida em seu sentido estrito – contexto imediato da interação-, como pode ser entendida em seu sentido mais amplo – o contexto sócio-político-cultural. O conhecimento da situação comunicativa mais ampla contribui para a focalização, que pode ser entendida como a(s) perspectiva(s) ou ponto(s) de vista pelo(s) qual(is) as entidades evocadas no texto passam a ser vistas, perspectivas estas que afetam não só aquilo que o produtor diz, mas também o que o leitor ou destinatário interpreta. A situação comunicativa pode contribuir fortemente para a construção de um ou mais de um sentido global para o texto.

16 O papel das inferências na compreensão global do texto: Segundo Koch & Travaglia, quase todos os textos que lemos ou ouvimos exigem que façamos uma série de inferências para podermos compreendê-lo integralmente. Se assim não fosse, nossos textos teriam que ser excessivamente longos para poderem explicitar tudo o que queremos comunicar. Intertextualidade: outro fator importante para a compreensão do sentido global de um texto. Intencionalidade: refere-se ao modo como os emissores usam textos para perseguir e realizar suas intenções, produzindo, para tanto, textos adequados à obtenção dos efeitos desejados (Koch &Travaglia, 1990) Fator informatividade: diz respeito ao grau de previsibilidade das informações que estarão presentes no texto, se essas são esperadas ou não, se são previsíveis ou não.

17 A coesão textual Quem são eles 1. Nas mãos deles, 169 milhões de vidas, o destino de um país gigante e uma crise brutal, com risco até de congestões capazes de ferimentos profundos no regime constitucional e na tranqüilidade relativa dos brasileiros. 2. Tudo foi dado a eles: o sacrifício de direitos, o sacrifício de milhões de empregos, o sacrifício de incontáveis empresas brasileiras, o sacrifício da legitimidade do Congresso, o sacrifício do patrimônio nacional, o sacrifício da Constituição. E eles quebraram o país. 3. Quem são eles? Um presidente abúlico, alheio a todas as realidades desprovidas de pompas e reverencias e que só reconhece um ser humano, por acaso ele próprio; avesso a administrar, por desconhecimento agravado pela indecisão, e que se ocupa tanto de bater papo quanto não se ocupa de trabalhar. [...] (Folha de S. Paulo, 17/02/98)

18 Considerações finais: Produção do texto falado: há uma vasta produção acadêmica que discute as principais estratégias de processamento textual nesta modalidade. Também têm sido publicados estudos voltados para as relações entre análises do texto/discurso e o desenvolvimento da competência textual e/ou discursiva na escola. Recentemente houve uma retomada do interesse pela questão da tipologia e dos gêneros textuais.

19 Referência bibliográfica: BENTES, A. C. Linguística textual. In: MUSSALIN, F.; BENTES, A.C. Introdução à linguística. Domínios e fronteiras. V.2. São Paulo: Cortez, 2001, p


Carregar ppt "LINGUÍSTICA TEXTUAL Anna Christina Bentes Disciplina: Teoria da Linguagem Juliana Regina Dias."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google