A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Transição: Mundo feudal agrário, estamental, teocrático e fundiário. Mundo moderno urbano, burguês e comercial.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Transição: Mundo feudal agrário, estamental, teocrático e fundiário. Mundo moderno urbano, burguês e comercial."— Transcrição da apresentação:

1

2 Transição: Mundo feudal agrário, estamental, teocrático e fundiário. Mundo moderno urbano, burguês e comercial.

3 Base do mundo contemporâneo. Processo de abertura e expansão comercial e marítima. Nacionalismo e individualidade. Surgimento de uma mentalidade mais laica com preocupações materiais e o homem como centro de tudo.

4 Interesse por conhecimentos mais pragmáticos do que meramente especulativos. Transformações que puseram fim ao feudalismo, responsáveis pelo desenvolvimento do comércio, da navegação e do contato com outros povos.

5 Marcas: Falta de unidade política e religiosa. Conflitos entre nações que se formavam. Guerras, perseguições religiosas, processos eclesiásticos, busca de conservação de um mundo agonizante. Genocídios na América e a volta da escravidão como instituição legal.

6 O Renascimento representa uma nova postura do homem ocidental diante da natureza e do conhecimento. Surgimento de novas doutrinas e nova interpretação dos textos sagrados, redescobrimento da importância da dúvida e do pensamento especulativo.

7 O conhecimento deixa de ser encarado como uma revelação (FÉ-DOGMA), para ser o resultado de uma bem conduzida atividade do pensamento (RAZÃO). Importância da vida terrena e a história concebida sob o ponto de vista humano.

8 Em um mundo cada vez mais laico e independente da tutela da religião, o homem é levado a pensar e analisar a realidade que o cerca em toda sua objetividade, e não como resultado da vontade ou da justiça divina.

9 O aparecimento de novas instituições políticas e sociais – as nações, os Estados, as legislações e os exércitos – levam os estudiosos a repensar a vida social e a história, tornando evidente o papel da consciência, da vontade, do discernimento e da intervenção humana nos rumos dos acontecimentos.

10 Abandona-se a idéia de uma realidade social estática, de origem divina, em favor da concepção de uma vida social dinâmica e em permanente construção.

11 Como os gregos antigos, os filósofos renascentistas refletiam sobre a sociedade por meio dos textos nos quais desenvolviam o modelo do que seria, aos seus olhos, uma sociedade perfeita.

12 THOMAS MORUS: Concebeu a Utopia (lugar nenhum); Uma ilha na qual os habitantes haviam alcançado a paz, a concórdia e a justiça Único espaço onde parece ter um dia reinado a harmonia, o equilíbrio e a virtude.

13 Escreveu O Príncipe, obra em que se propõe a analisar o poder e as condições pela qual um monarca absoluto – o príncipe – é capaz de conquistar, reinar e manter seu poder.

14 Acredita que a paz social depende das virtudes do príncipe, das circunstâncias históricas e de fatos que ocorrem independentemente de sua vontade – as oportunidades No exercício da vida política o ideal é a conquista e a manutenção do poder.

15 Maquiavel tinha por objetivo conhecer a realidade como se apresentava, em vez de imaginar apenas como ela deveria ser. Para Thomas Morus e Maquiavel a paz social deixa de ser, como no passado, conseqüência do acaso, da vontade divina ou da obediência dos homens às escrituras.

16 Em suas obras a sociedade já aparece como resultado das condições econômicas e políticas e não da providência. Expressam os novos valores da época ao colocar os destinos da sociedade e de sua boa organização nas mãos de um governante que se distingue por características individuais.

17 A história como conhecimento objetivo dos fatos passa a ter um papel relevante no desenvolvimento dessa reflexão,como fonte de informação e experiência.


Carregar ppt "Transição: Mundo feudal agrário, estamental, teocrático e fundiário. Mundo moderno urbano, burguês e comercial."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google