A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Neste estudo, usaremos um diagrama básico e, a partir dele desenvolveremos todo o raciocínio que foi exposto na epístola do apóstolo Paulo aos Romanos,

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Neste estudo, usaremos um diagrama básico e, a partir dele desenvolveremos todo o raciocínio que foi exposto na epístola do apóstolo Paulo aos Romanos,"— Transcrição da apresentação:

1

2 Neste estudo, usaremos um diagrama básico e, a partir dele desenvolveremos todo o raciocínio que foi exposto na epístola do apóstolo Paulo aos Romanos, passo a passo.

3 Em primeiro lugar dividiremos todos os homens em três grupos. Representaremos cada grupo por um quadro. Cada quadro representará uma parte de todas as pessoas vivas ou que já viveram, como vemos na figura 1 abaixo.

4

5 Afirmamos ser impossível ter alguém vivido neste mundo sem que tenha feito nada de bom, ainda que em proveito próprio. Não existe a pessoa que não tenha praticado o bem pelo menos uma vez na vida, assim, cremos que o primeiro caso está eliminado. Não há, não houve e nem haverá alguém TOTALMENTE MAU.

6 Da mesma forma, afirmamos ser impossível que alguma pessoa tenha vivido neste mundo sem ter praticado o mal pelo menos uma vez, com exceção do Senhor Jesus que foi tentado em todas as coisas, mas sem pecado.

7 Porque não temos um sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas; porém, um que como nós, em tudo foi tentado, mas sem pecado (Heb 4:15).

8 Sendo assim, eliminamos também o terceiro caso. Ninguém pode ser considerado TOALMENTE BOM em suas atitudes. Por analogia, concluímos que todos os homens são em parte bons e, em parte maus em suas atitudes pertencendo ao segundo caso, ou seja, todos são BONS E MAUS.

9 Primeira parte: PECADORES BONS E MAUS Os primeiros dois e meio capítulos da carta de Paulo aos Romanos terminam no capítulo 3:23 com as palavras todos pecaram e carecem da Glória de Deus.

10 Existem todos os tipos de pecadores; alguns bons e alguns maus. Mas, o fato importante que a bíblia ensina é que todos pecaram e carecem da Glória de Deus. Todos estão sob condenação e necessitam ser salvos!

11

12

13 No capítulo 1, Paulo fala sobre a condenação dos gentios. Como demonstramos, não existe ninguém totalmente mau, nem totalmente bom. Desta forma todos os gentios podem ser CONTADOS no quadro do meio, ou seja, dos bons e maus. Antes de estudarmos o que o apóstolo diz dos gentios, vejamos os primeiros versículos deste capítulo, que incluem a introdução (vers. 1,15) e o assunto (vers. 16).

14 Paulo apresentou-se aos romanos como servo e apóstolo separado para o evangelho, que declarou ser o poder de Deus para a salvação do mundo perverso e condenado. Sua mensagem era a respeito do Senhor Jesus, o Filho de Deus que se fez homem, realizou milagres maravilhosos, foi crucificado, sepultado e provou ser o Filho de Deus por meio de sua ressurreição dentre os mortos(vers. 3-4).

15

16 Porque recebeu perdão e salvação. Sabia que Deus havia proporcionado o mesmo perdão e salvação para todos os homens, inclusive os gentios, mas estava ciente de que não tinham conhecimento disso. Por isso, ele tinha uma dívida a pagar. Tinha de anunciar-lhes as boas novas de salvação e, estava, portanto pronto para ir à Roma (vers. 15), mesmo sabendo que ali o aguardavam prisão e morte. Por quê?

17 Porque ele tinha uma mensagem da qual não se envergonhava (vers.16) e que tinha de ser anunciada.

18 O EVANGELHO REVELA TRÊS FATOS A RESPEITO DE DEUS: 1)O Poder de Deus, isto é, a capacidade de Deus levar até o fim o Seu plano de salvação. O Poder de Deus não somente salva; ele rompe o poder do diabo. Este poder é para todo aquele que crê, não importa sua raça ou posição social (vers. 16).

19 2)A justiça de Deus, isto é, a oferta divina da salvação pela fé, a todos os que crêem, sem acepção de pessoas. Essa justiça declara que todos pecaram, e depois prepara um caminho através do qual todos possam ser salvos. Esse caminho não depende de riquezas, conhecimento, cultura ou cor; É oferecido a todo aquele que crer em Jesus como seu salvador. O justo viverá por fé! Onde quer que se encontre a fé, aí a justiça de Deus é imputada, de fé em fé (vers. 17).

20 3)A ira de Deus, isto é, o castigo de Deus àqueles que se recusarem a crer e aceitar seu plano. Como a justiça de Deus não faz acepção de pessoas, da mesma forma a ira de Deus também não faz. Ela é contra toda impiedade e perversão, ou seja, é contra todos os que não recebem a Deus e sua justiça.

21 Já afirmamos que os gentios se encontram sob condenação. Paulo diz que a ira de Deus se revela dos céus aos que detêm a verdade pela injustiça (vers. 18). As pessoas sempre perguntam o que será dos gentios (pagãos) que nunca ouviram a verdade. No versículo 19, Paulo afirma que todos os homens conhecem a verdade, porque Deus a manifestou a eles. Como?

22 O versículo 20 diz: Porque os atributos invisíveis de Deus... claramente.... Isto é, O Deus invisível é conhecido por meio de sua criação visível, portanto, são indesculpáveis ! Os gentios sabem duas coisas a respeito de Deus: 1.Sabem que há Deus (v. 20), e conhecem a sentença de Deus (v. 32). 2.Mas o que faz o gentio com o seu conhecimento de Deus ? Não glorifica a Deus e não Lhe dá graças (v. 21).

23 Paulo chama os gentios de loucos e dá três motivos para isso: 1)Mudaram o incorruptível em corruptível (vers. 23). 2)Mudaram a verdade de Deus em mentira (vers. 25). 3)Mudaram o relacionamento natural por outro contrário à natureza (vers. 26).

24 Alguém pode dizer que nem todos os gentios são maus assim. Alguns são gente boa, pagam suas dívidas, trabalham e são bons vizinhos. Têm alguns vícios, é verdade, mas por que deveriam ser condenados com os que são realmente maus ? Chegamos, assim ao problema de Deus. Veja a figura 2:

25

26 Agora coloquemos o gentio mau à esquerda porque ele é mais mau do que bom. Assim:

27 Agora coloquemos o gentio bom à direita porque ele é mais bom do que mau. Assim:

28 Entende o problema de Deus? Os dois são uma mistura de mau e bom. Nenhum deles é totalmente mau ou totalmente bom, mas um deles tem mais bom do que o outro. Qual deles salvaríamos ou condenaríamos se fossemos Deus?

29 Talvez pensássemos em traçar uma linha no meio. Assim:

30 Mas se Deus fizesse assim, no mínimo duas coisas estariam erradas: 1)Ele não seria santo, porque estaria aceitando homens com pecados que não foram julgados nem castigados. 2)Seria injusto porque os que estivessem mais perto do meio no lado dos salvos, seriam piores do que os que estivessem na extremidade direita. Seria o mesmo que usar uma balança.

31 Qual é então, o plano de Deus para a salvação? 1)Deus não conta a justiça do homem como meio de salvação. A salvação não se baseia nas obras para que ninguém se glorie (efésios 2:9); Nossas obras são como trapos de imundícia (Isaías 64:6).

32 2.Deus conta todos os homens como totalmente maus e depravados, como na figura 6. Escreve seus nomes no quadro totalmente mau. Deus imputa um registro de totalmente mau a todo homem, e tem um motivo para proceder assim.

33 Mt 5: 45 Para que vos torneis filhos do vosso Pai que está nos céus; porque ele faz nascer o seu sol sobre maus e bons, e faz chover sobre justos e injustos.

34 Reparemos bem a figura 6.

35 São importantes as palavras ESTADO e POSIÇÃO. No plano de Deus, os homens são CONTADOS ou são IMPUTADOS a estar nos lugares que ninguém, por seus atos jamais esteve. Ao homem é imputada a posição de totalmente mau diante de Deus.

36 O estado do homem, porém, é o que realmente ele é em seus atos e seu caráter. Todos os homens são uma mistura de bons e maus em seu estado. Vimos, porém que Deus rejeitou suas boas obras como meio de salvação. Vejamos então a figura 7:

37

38

39 Paulo começa o capítulo dois dizendo que os judeus também são indesculpáveis (vers. 1), por quê? Porque estavam praticando as mesmas coisas que os gentios. Estavam mesmo ? Eram religiosos; Oravam regularmente à Deus, e jejuavam; Dizimavam; Obedeciam à lei. Quantos membros de igreja são considerados bons pelos mesmos motivos?

40 Porque, então, os judeus foram condenados? Mt 5:20 Pois eu vos digo que, se a vossa justiça não exceder a dos escribas e fariseus, de modo nenhum entrareis no reino dos céus. O que Jesus queria dizer com estas palavras? A resposta está em Mt 5:21-48.

41 O que Jesus ensinou nestas palavras? Ensinou que o pecado está no coração. Se as intenções forem más, o homem será mau ainda que não cometa o ato do pecado. Os judeus não matavam, mas estavam cheios de ódio. Não cometiam adultério, mas estavam cheios de desejos lascivos, não juravam no tribunal, mas mentiam sem vacilar.Exigiam justiça (olho por olho), mas não perdoavam uns aos outros. Amavam aos que os amavam, e odiavam seus inimigos.

42 Paulo estava ensinando aos judeus que suas boas obras não podiam salvá-los. Seus corações estavam cheios de ira, lascívia, mentira, vingança e preconceito. Eram iguais aos gentios, isto é, em parte bons e em parte maus como na figura 8.

43

44 Ele adverte aos judeus que não esperem escapar da ira de Deus, por causa do seu coração duro e impenitente.

45 Rm 2: 3-6 E tu, ó homem, que julgas os que praticam tais coisas, cuidas que, fazendo-as tu, escaparás ao juízo de Deus? Ou desprezas tu as riquezas da sua benignidade, e paciência e longanimidade, ignorando que a benignidade de Deus te conduz ao arrependimento? Mas, segundo a tua dureza e teu coração impenitente, entesouras ira para ti no dia da ira e da revelação do justo juízo de Deus, que retribuirá a cada um segundo as suas obras.

46 Vejamos os versículos 6 a 8. Visto que a salvação não é pelas obras. Ef 2: 9 Não vem das obras, para que ninguém se glorie. A que se referia Paulo ao falar em fazer o bem, pratica o bem?

47 O versículo 11 é a chave: o fato de que a salvação não é de obras não significa que Deus não julgue o pecado, nem que Ele não recompensará as boas obras. Os pecadores estão perdidos por causa da sua descrença, mas serão castigados segundo suas obras. Os crentes não serão salvos por suas obras, mas serão recompensados de acordo com elas.

48 Isto significa que Deus não faz acepção de pessoas. (Rm 2: 11 - pois para com Deus não há acepção de pessoas.) A boa obra só será recompensada se o pecador aceitar Jesus como seu Salvador pessoal. Então, o que Deus faz? Ele conta todos os judeus como totalmente maus, assim como fez com os gentios. Vejamos a figura 9:

49

50 Os últimos versículos do capítulo dois destinam-se aos judeus, mas como eles eram muito parecidos com os religiosos atuais, imaginemos Paulo falando hoje (Rm 2: 17-29). Paulo tinha uma visão profunda do coração dos judeus. As suas palavras se tornam oportunas hoje aos cristãos que depositam sua confiança num cristianismo de obras.

51

52 Rm 3: Mas agora, sem lei, se manifestou a justiça de Deus testemunhada pela lei e pelos profetas; justiça de Deus mediante a fé em Jesus Cristo, para todos e sobre todos os que crêem; porque não há distinção, pois todos pecaram e carecem da glória de Deus, sendo justificados gratuitamente, por sua graça, mediante a redenção que há em Cristo Jesus.

53 Os gentios rejeitaram a luz das obras de Deus. Rm 1:20 Pois os seus atributos invisíveis, o seu eterno poder e divindade, são claramente vistos desde a criação do mundo, sendo percebidos mediante as coisas criadas, de modo que eles são inescusáveis.

54 Os judeus rejeitaram a luz da Palavra de Deus. Nos doze primeiros versículos, Paulo faz quatro perguntas e ele mesmo responde: Versículo 1: Que vantagem tem o judeu na circuncisão? Muita, aos judeus foi confiada a Palavra de Deus com suas promessas. (vers.2) Versículo 3: Será Deus infiel porque o homem é infiel? Não, os que acusam Deus de infiel serão comprovados como mentirosos. Deus é fiel às suas promessas. (vers.4)

55 Versículo 5: Se o pecado do homem recomenda a justiça de Deus, Deus é injusto ao punir o homem por este pecar? De forma nenhuma. Um Deus justo deve julgar o pecado. Aqueles que dizem pratiquemos o mal para que venha o bem merecem a condenação. (vers.6) Versículo 9: Os judeus são melhores do que os gentios? Não. Pois foi demonstrado que tanto um como o outro pecou. (vers.9)

56 Portanto, O Senhor não faz acepção de pessoas e deseja ser justo e o justificador de todos os que crêem. (vers.26 –...para demonstração da sua justiça neste tempo presente, para que ele seja justo e também justificador daquele que tem fé em Jesus).

57 Imputa aos judeus e gentios uma posição de totalmente maus. Vejamos a figura 10.

58 Posição (Imputada) Não há um justo, nem sequer um!

59 Nos versículos 10 a 18, O apóstolo mostra a verdadeira situação de todos os homens. Não é atribuído nenhum crédito ao homem pela sua bondade. Pelo contrário, o Senhor rejeitou a pseudo-bondade humana como meio de salvação.

60 Assim, versículos 19-23, o Senhor se volta para os judeus que tinham conhecimento do pecado mediante a lei, e para os gentios que tinham conhecimento de Deus por meio da criação, e pronuncia o veredicto:

61 O mundo inteiro é culpado diante de Deus....todos são indesculpáveis. Não há distinção. Todos pecaram e carecem da glória de Deus.

62 Segunda Parte: SALVAÇÃO PELA GRAÇA MEDIANTE A FÉ Capítulo 3: JUSTIFICAÇÃO - O MODO Capítulo 4: JUSTIFICAÇÃO - A TESTEMUNHA Capítulo 5: JUSTIFICAÇÃO - A OBRA

63 Capítulo 3: JUSTIFICAÇÃO – O MODO TOTALMENTE MAUS O Verbo se fez carne... Posição Estado Posição EstadoImputada

64 O terceiro passo é o que chamamos encarnação. (Jo 3:16a; Jo 1:14a; Jo 3: 17; 2ª Pe 3:9). Deus enviou seu filho para tornar-se o meio de justificação.

65 Jesus viveu num mundo perverso e mau. Hb 4:15 Porque não temos um sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas; porém um que, como nós, em tudo foi tentado, mas sem pecado.

66 TOTALMENTE TOTALMENTE MAUS BONS Posição Estado Posição (Imputada) (Real) TENTADO EM TODAS AS COISAS, MAS SEM PECADO Hb 4:15

67 Chegamos agora à verdade da Substituição. Ela tornou possível a justificação do homem e a restauração de sua comunhão com o Senhor. Jo 1: 29 No dia seguinte João viu a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo. Is 53:6 Todos nós andávamos desgarrados como ovelhas, cada um se desviava pelo seu caminho; mas o Senhor fez cair sobre ele a iniqüidade de todos nós.

68 Em que consiste a Substituição? Consiste em que ao morrer na cruz, Jesus não morreu por seu próprio pecado. Isaias 53:5 Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e esmagado por causa das nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados.

69 Jesus provou a morte por todos os homens. 2ªCo 5:21 àquele que não conheceu pecado, ele o fez pecado por nós. Ele foi contado no quadro de totalmente maus. Vejamos a ilustração:

70

71 Mas Jesus ressuscitou dos mortos. A morte não pode detê-lo, porque a morte é a conseqüência do pecado e Jesus não pecou. O centro do evangelho é a ressurreição.

72 Portanto, visto como os filhos são participantes comuns de carne e sangue, também ele semelhantemente participou das mesmas coisas, para que pela morte derrotasse aquele que tinha o poder da morte, isto é, o Diabo e livrasse todos aqueles que, com medo da morte, estavam por toda a vida sujeitos à escravidão. Vejamos a figura 14:

73 O qual foi entregue por causa das nossas transgressões, e ressuscitou por causa da nossa justificação.

74 Chegamos assim, à conclusão do plano de Deus para a justificação do homem. 2ªCo 5:21 Àquele que não conheceu pecado, Deus o fez pecado por nós; para que nele fôssemos feitos justiça de Deus.

75 Nele, a justiça de Deus! É isto que a justificação faz por nós, não temos que depender da nossa justiça própria, somos feitos justiça de Deus, ou seja, Deus nos credita Sua própria justiça por causa do que Jesus fez por nós.

76 TOTAL MENTE MAUS JUSTIFICAÇÃO PELA FÉ 2ª Co 5:21 Ele o fez pecado por nós para que Nele fossemos feitos justiça de Deus

77

78 O testemunho de Abraão: a) vers. 2 – Não foi justificado pelas obras. b) vers. 3 – Creu em Deus, e isso lhe foi imputado para justiça. c) vers.4 – Se as obras justificam o homem, então a salvação é o pagamento de Deus ou o salário do homem por fazer o bem. Mas se é a fé que justifica o ímpio, então a salvação é um dom, pois o homem não fez nada para merecê-la.

79 Ao fazer o bem não fazemos mais que a nossa obrigação. Não fazemos jus a nenhuma recompensa, pelo contrário, o Senhor Jesus disse que devemos nos considerar como servos inúteis. (Lc 17:7-10 )

80 O testemunho de Davi: a) vers. 6 – Davi diz que bem aventurado é o homem a quem Deus atribui justiça, independente de obras. b) vers. 7 e 8- Também diz que bem aventurado é o homem cujos pecados são cobertos, e a quem o Senhor jamais imputará pecado.

81 Outros testemunhos de Abraão a)Circuncisão e fé(vers. 9-12) - A justificação é só para os judeus ? Abraão foi justificado pela fé antes de ser circuncidado, por isso, é pai dos gentios e judeus que têm a mesma fé que ele teve.

82 b)A lei e a promessa (vers ) A promessa veio antes de ser dada a lei, portanto a promessa não poderia ter vindo por meio da lei, provando duas coisas: Os que são da lei não podem receber a promessa de herdar o mundo. A promessa é para todos os que têm fé, ou seja, todos os que crêem são descendência de Abraão.

83 c)A lição de Abraão (vers ) – O que Deus fez por Abraão fará também por nós. Ele nos imputará justiça, a nós que cremos naquele que ressuscitou dentre os mortos, Jesus Cristo Nosso Senhor.

84

85 O capítulo 5 começa assim: _justificados, pois, mediante a fé.... Vamos falar sobre a fé, sobre crer, porque esta é a parte do homem no plano de salvação de Deus. A única coisa que podemos fazer em prol da nossa salvação é crer no que Deus já fez por nós, isto é, aceitar a Jesus como o sacrifício pelos nossos pecados. Vejamos a figura 16:

86 Totalmente maus Posição Imputada Estado Céu Inferno Estrada em declive

87 Que significa ter fé? Não faz diferença onde o homem se encontra na estrada em declive. Não se trata de quanto mau ou quanto bem ele tenha feito, a diferença entre o salvo e o não salvo é a direção que eles tomam. Vejamos a figura 17 abaixo. O homem nº1 está tão perdido quanto o nº3 porque tem o rosto voltado para a mesma direção.

88 De frente para o inferno... Todos estão perdidos! Estado Posição Imputada TOTALMENTE MAUS CÉU INFERNO

89 O que acontece quando o pecador crê? 1.Sua face (interesses) agora se volta para Deus e o céu. 2.Agora ele está na estrada ascendente. 3.Não é contado como totalmente mau, mas como totalmente bom.(2ª Co 5:17) 4.Seus pecados são perdoados (Is 1:18; Hb 10:15- 17); 5.Torna-se Filho de Deus.(Jo 1:12)

90 No momento em que ele crê, Deus lhe imputa a justiça divina de posição, sem se importar onde ele se encontrava em seu estado de vida. Não importa quão pecador seja o homem ele somente tem que crer, converter, ser justificado, isto é, salvo.

91 Quando justificados pela fé: 1.vers.1 - Temos paz com Deus. 2.vers.2 – Temos acesso à graça. 3.vers.2 – Gloriamo-nos na esperança da Glória de Deus. 4.vers.3 – Gloriamo-nos nas tribulações também, sabendo que a tribulação produz perseverança que produz experiência, a qual produz esperança (vers. 4), e a esperança 5.não confunde, porque o amor de Deus é derramado em nossos corações pelo Espírito Santo (vers.5).

92 A morte entrou no mundo por causa pecado. Assim, como todos pecaram, todos morrem (vers.12). mas o pecado não é levado em conta quando não há lei (vers 13). A maldição veio sobre toda a descendência de Adão, e estava presente antes de vir a lei. Reinou a morte... (vers. 14)..

93 Como o pecado estava no mundo, mas não era imputado porque não havia lei, assim a morte está no mundo e vem a todo homem, mas não vem como castigo pelo pecado, pois até mesmo as criancinhas morrem. Morrem, porém, porque estão sob a maldição que veio por intermédio de Adão.

94 A OFENSA DE ADÃO E O DOM GRATUITO DE JESUS (VERS.15-21): Um só homem (Adão) abriu a porta para que reinasse o pecado pela morte. Um só homem (Jesus) abriu a porta para que a graça reinasse pela justiça para a vida eterna (vers.21).

95 Pela ofensa de um homem: Veio o juízo sobre todos os homens. Pela justiça de um homem: Veio o dom gratuito a todos os homens. Veja que nos dois casos o resultado veio sobre todos os homens (vers.18).

96 Paulo demonstrou nos capítulos 1 e 2 que todos pecaram. Assim, os que rejeitam ao Senhor Jesus são feitos pecadores e, os que O aceitam são feitos justos. Mas, nessa mesma epístola escrita aos crentes que estavam em Roma, ele prova que todos escolheram o pecado e são culpados diante de Deus.

97 O homem é pecador por escolha e não tem outra escolha senão a morte. Aos homens está ordenado morrer uma só vez (Hb 9:27), mas quanto ao juízo o homem pode escolher, se ele for salvo será por sua escolha, se for condenado não terá ninguém a quem culpar.

98 Terceira Parte: PECADOR COM AURÉOLA

99 Nesta parte falaremos sobre o ESTADO do homem, ou seja, o que ele realmente é em sua vida e caminhar como resultado de sua fé, ou de sua falta de fé. Deus capacita o crente a tornar-se, em estado, aquilo que já lhe é atribuído ou CREDITADO estando em posição.

100 No capítulo anterior vimos que a salvação não é de obras, mas um dom gratuito de Deus mediante a fé. Falamos sobre o que é CONTADO ou IMPUTADO ao homem ser, dependendo de ele aceitar ou rejeitar ao Senhor Jesus. Nesta parte falaremos sobre o ESTADO do homem, ou seja, o que ele realmente é em sua vida e caminhar como resultado de sua fé, ou de sua falta de fé.

101

102 O capítulo seis começa com uma pergunta: Que diremos, pois? Permaneceremos no pecado, para que abunde a graça? (Rm 6:1) O homem procura uma desculpa para justificar o seu pecado, mas isso não torna o plano de Deus menos glorioso. A resposta de Paulo: De modo nenhum... (vers. 2). Vejamos a figura 19:

103

104 Isto nos introduz no assunto desta parte, a questão de viver uma vida santa, isto é, santificação no dia a dia. Foram os nossos pecados que o Senhor suportou na cruz, o nosso castigo ele recebeu. Portanto quando ele morreu, nós morremos.

105 A fé verdadeira nos converte por completo, e começamos uma nova vida. Pelo que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo (2ª Co 5:17 ). Vejamos o que ocorre na figura 20 abaixo:

106

107 Se todas estas coisas acontecem ao crente, ele jamais poderá ser o mesmo de antes. Uma batalha entre a antiga e a nova natureza é travada em seu coração. Estamos falando a respeito de santificação.

108 Qual é o alvo ou destino que o Senhor tem para nós? Porque os que dantes conheceu, também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho, a fim de que ele seja o primogênito entre muitos irmãos; (Rm 8:29 ).

109 O destino não é um lugar, é um estado de ser, um modo de viver, um tipo de caráter e personalidade a que Paulo chamou de Soberana vocação de Deus em Cristo Jesus. Deus nos considera santos e quer nos fazer santos.

110 Aqui está algo para saber e lembrar: Assim também vós considerai-vos como mortos para o pecado, mas vivos para Deus, em Cristo Jesus (Rm 6: 11 ). Por quê? Vejamos a ilustração abaixo.

111 A velha natureza juntamente com todos os seus desejos, está em nós ainda. Se, porém, cremos e obedecemos, ela estará mortificada.

112 Romanos 6:19, diz que o pecado nos conduzia na estrada descendente da maldade para a maldade, mas agora devemos render-nos à justiça para a santificação, porque estamos na estrada ascendente. De um lado Satanás e o pecado nos chamam, de outro Deus e a justiça.

113 O vers. 12, diz: Não reine, portanto, o pecado em vosso corpo mortal, para obedecerdes às suas concupiscências; O vers. 13 acrescenta: nem tampouco apresenteis os vossos membros ao pecado como instrumentos de iniqüidade, mas apresentai-vos a Deus, como redivivos dentre os mortos, e os vossos membros a Deus, como instrumentos de justiça.

114 A quem Paulo está falando? O que ele diz? Diz que temos livre arbítrio. Ainda temos que escolher, dia após dia, o senhor a quem obedeceremos. Assim voltamos à condição do homem. Mesmo em um lugar perfeito e comunhão, o homem foi incapaz de vencer a tentação de Satanás. Hoje o homem é diferente? Será que basta ao crente considerar morta sua velha natureza?

115 Será que hoje ele é capaz de rejeitar o mal e viver em santidade por si mesmo? A resposta é não! O livre arbítrio não é suficiente, nem a força de vontade. Isto nos leva ao assunto de SENHORES e AJUDA DE FORA. Vejamos a figura 22.

116

117 Todo homem tem um Senhor. Não sabeis que daquele a quem vos apresentais como servos para lhe obedecer, sois servos desse mesmo a quem obedeceis, seja do pecado para a morte, ou da obediência para a justiça? (Rm 6: 16)

118 Não existe homem neutro, os que dizem não ter senhor provam por suas próprias palavras que são servos do pecado. Deus não é contra a bondade, as boas obras, Ele é contra o pecado da autojustificação que rejeita a justiça divina. É contra as obras como meio de salvação. Somos servos da justiça porque somos gente de fé. O homem que serve ao pecado prova que não tem fé (ef 2:8-10). Agora observemos a figura 23.

119

120 É vontade do Senhor que todo cristão receba o Batismo no Espírito Santo para vencer o pecado e a carne (velho homem) e, receber poder para o trabalho cristão. É assim que a justiça de Deus se cumpre em nós. Para que a justa exigência da lei se cumprisse em nós, que não andamos segundo a carne, mas segundo o Espírito (Rm 8:4)

121 Precisamos de Ajuda de Fora, precisamos do Batismo no Espírito Santo. Nos quatro últimos versos, Paulo compara o escravo do pecado e o servo de Deus:

122

123 Deus é justo e quer que todos os que crêem sirvam à justiça, embora não possam ser salvos por sua própria justiça. Quando o apóstolo Paulo diz que não somos salvos por obras de justiça e não estamos debaixo da lei, não significa que o Senhor considera obras de justiça e obedecer a lei coisas más. Absolutamente!

124 Todavia, quando dependemos de obras de justiça ou de obediência à lei para nos salvar cometemos um engano fatal. As obras não podem salvar-nos nem o pode a lei. Por isso, Paulo escreveu o capítulo sete. Para que entendamos porque a lei foi instituída e o que ela produz.

125 A LEI COMO UM MARIDO (vers. 1-6) Nesses versos, Paulo compara a lei a um marido, e aos que confiam na lei para salvá-los a uma esposa. Enquanto confiarem na lei para salvação, não podem ser salvos pela fé, porque estarão ligados à seu marido vivo, a lei. Porém, se deixam de confiar na lei para salvá-los, então a lei estará morta para eles, e poderão casar (crer) com outro marido, isto é, aceitar a Jesus como seu Salvador. Não podem confiar na lei e em Cristo. (Leia Hb 8)

126 O PROPÓSITO DA LEI (vers. 7-13) A lei não é má, embora não possa salvar. De modo que a lei se tornou nosso aio, para nos conduzir a Cristo, a fim de que pela fé fôssemos justificados (Gl 3: 24).

127 A FRAQUEZA DA LEI (vers ) A lei condena, mas não pode converter o coração do homem. Pode castigar, mas não pode prevenir. Estes versículos pintam um quadro do cristão carnal que ama a lei de Deus e deseja obedecer à justiça, mas fracassa. O versículo 23 apresenta o seu problema: A.A lei do pecado em meus membros (lei da carne). B. A lei da minha mente (lei da consciência).

128

129 Espírito e a lei (vers. 1-4), Liberdade mediante o Espírito. Jesus deu uma resposta para o conflito do capítulo sete. No verso dois, Paulo descobriu uma terceira lei que o livrou da lei do pecado e da morte. 1. A lei da consciência não estava à altura. 2. A lei do Sinai deixava a desejar.

130 Mas o que a lei não podia fazer, Jesus fez. (vers. 3-4) Porquanto o que era impossível à lei, visto que se achava fraca pela carne, Deus enviando o seu próprio Filho em semelhança da carne do pecado, e por causa do pecado, na carne condenou o pecado para que a justa exigência da lei se cumprisse em nós, que não andamos segundo a carne, mas segundo o Espírito.

131 1.O Espírito ajudou-nos quando éramos pecadores. (Jo 16:8-11) 2.Ajudou-nos quando da nossa conversão. (Jo 3:3-5) 3. Ajuda-nos a ser testemunhas. (At 1:8) 4. Crescimento mediante o Espírito. a.No capítulo 7 lemos sobre duas leis conflitantes. a.Lei da carne b.Lei da consciência

132 Neste capítulo uma terceira lei, a Lei do Espírito da Vida em Jesus Cristo. Com o auxilio dessa lei podemos nos dirigir para o alvo a que fomos predestinados.

133 TOTAL MENTE MAUS NENHUMA LEI Lei da Carne (membros) LEI Lei da Mente consciência AMOR Lei do Espírito (vida em Cristo) Posição(Imputada)Estado Quando cheguei a ser homem, desisti das coisas próprias de menino (1ªCo 13:11) inferno TOTALMENTEBONSCéu CRESCIMENTO ESPÍRITUALCRESCIMENTO ESPÍRITUAL CRIANÇA ADOLESCENTE ADULTO

134 Falaremos agora de Crescimento Espiritual. Repare a figura 24 acima. O período da infância é aquele em que não há lei,quando agimos segundo nossos sentimentos e emoções. O período da juventude é o da lei. O objetivo do crente é alcançar a maturidade espiritual. Ele se torna adulto quando o amor de Deus o motiva e o Espírito de Deus o capacita a produzir o fruto do Espírito em sua vida.

135 Gl 5: Mas o fruto do Espírito é: o amor, o gozo, a paz, a longanimidade, a benignidade, a bondade, a fidelidade, a mansidão, o domínio próprio; contra estas coisas não há lei...

136 O ESPÍRITO E A CARNE (vers. 5-13) Entristecendo o Espírito Santo Isso nos leva a um outro assunto muito importante. Que dizer dos cristãos que pecam? Estarão salvos? Gálatas 5:23, diz:...contra estas coisas não há lei. Não é preciso mandar os crentes maduros fazer o que é certo. Às crianças e adolescentes é preciso mandar fazer o que é certo, portanto necessitam de lei. Quando o crente cede à tentação ou para de crescer, entristece o Espírito Santo.

137 Outra pergunta. Quando o cristão já não é mais cristão? Está perdido toda vez que peca? Está perdido quando briga com a esposa? Isto é pecado também. Está numa borboleta de forma que em um momento é cristão e noutro é pecador? Existe algum cristão perfeito? Pense agora! O que deve fazer o santo que pecou?

138 1ªJoão 1:8-9 Se dissermos que não temos pecado nenhum, enganamo-nos a nós mesmos, e a verdade não está em nós. Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça.

139 1ª João 2:1 Filhinhos, estas coisas vos escrevo, para que não pequeis; todavia, se alguém pecar, temos um Advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o justo.

140 1ª Pe 4:1-2 Ora pois, já que Cristo padeceu na carne, armai-vos também vós deste mesmo pensamento; porque aquele que padeceu na carne já cessou do pecado, para que, no tempo que ainda vos resta na carne não continueis a viver para as concupiscências dos homens, mas para a vontade de Deus.

141 O ESPÍRITO DE ADOÇÃO (vers ) Todos os que são guiados pelo Espírito de Deus são filhos de Deus (vers. 14). Mediante a fé o pecador torna-se filho de Deus. Ele recebe o Espírito de Adoção.

142 Podemos aprender diversas coisas da palavra adoção. 1.Um filho adotado não é um filho legítimo, mas recebe todos os privilégios de um filho legítimo. 2.Recebemos o Espírito de Adoção, isto é, toda provisão e iniciativa é da parte do pai. 3.Tornamo-nos filhos de Deus pela fé, ou seja, ao aceitar o que o Pai fez por nós. 4.Nem todos são filhos de Deus.

143 O ESPÍRITO DE ESPERANÇA (vers ) Paulo diz que não podemos comparar as nossas aflições com a glória a ser revelada em nós na volta do Senhor. Toda a criação espera ansiosamente esse dia, posto que a própria criação também está sujeita ao cativeiro imposto pelo pecado e sofre com isso.

144 Pois tenho para mim que as aflições deste tempo presente não se podem comparar com a glória que em nós há de ser revelada. Porque a criação aguarda com ardente expectativa a revelação dos filhos de Deus. (vers )

145 O Espírito dessa esperança que habita em nós é que faz com que esperemos com paciência. Por isso devemos estar sempre apercebidos e vigilantes pela volta do Senhor e o arrebatamento da igreja, pois esta sempre foi a expectativa dos cristãos. Precisamos voltar a estes rudimentos. A Palavra de Deus nos diz que devemos viver cada dia como se fosse o último.

146 O ESPÍRITO DE AJUDA (vers ) O mesmo Espírito que nos dá esperança também nos ajuda na oração intercedendo por nós diante de Deus segundo as nossas necessidades. O Espírito Santo habita em nós e nos conhece profundamente, sabendo, assim, as nossas reais necessidades pelas quais intercede com gemidos inexprimíveis.

147 A SEGURANÇA DO CRENTE (vers ) Paulo faz cinco perguntas e as respostas que dá a todas elas provam uma coisa: Somos mais que vencedores por meio daquele que nos amou(vers. 37).

148 Romanos 8:38-39 x Efésios 6:13-17 Rm 8: Porque estou certo de que, nem a morte, nem a vida, nem anjos, nem principados, nem coisas presentes, nem futuras, nem potestades, nem a altura, nem a profundidade, nem qualquer outra criatura nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor.

149 Ef 6:13-17 Portanto tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau e, havendo feito tudo, permanecer firmes. Estai, pois, firmes, tendo cingidos os vossos lombos com a verdade, e vestida a couraça da justiça, e calçando os pés com a preparação do evangelho da paz, tomando, sobretudo, o escudo da fé, com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados do Maligno. Tomai também o capacete da salvação, e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus.

150

151 Quarta parte: O POVO ESCOLHIDO DE DEUS Consideramos agora um problema especial. Os judeus se opunham ao ensino de Paulo porque sua mensagem anulava as promessas de Deus à eles.

152 Então o apóstolo escreve três capítulos (9, 10 e 11) para explicar a posição dos judeus em relação ao plano de salvação. EXPLICAÇÃO DA ELEIÇÃO – Capítulo 9 EXPLICAÇÃO DA REJEIÇÃO - Capítulo 10 EXPLICAÇÃO DA RESTAURAÇÃO – Capítulo 11

153

154 Como povo escolhido de Deus, os judeus não se consideravam necessitados de salvação. Criam que a sua salvação estava pré-ordenada por Deus, e que a justificação era direito exclusivo dos judeus. Acreditavam, também, que por causa da aliança Deus estava obrigado a excluir os gentios.

155 Paulo inicia o capítulo falando de sua tristeza pelos seus irmãos segundo a carne. Estava disposto até mesmo a abrir mão de sua salvação se com isso fossem eles salvos. Versículos 1-3 Digo a verdade em Cristo, não minto, dando testemunho comigo a minha consciência no Espírito Santo, que tenho grande tristeza e incessante dor no meu coração. Porque eu mesmo desejaria ser separado de Cristo, por amor de meus irmãos, que são meus parentes segundo a carne.

156 A seguir Paulo mostra a posição privilegiada dos judeus (vers. 4-5): 1)Pertence-lhes a adoção, e também a glória, as alianças, o culto e as promessas. 2)Deles são os patriarcas, Abraão, Isaque e Jacó. 3)Deles descende o Cristo, segundo a carne.

157 Paulo escreve para esclarecer o mal-entendido com relação às promessas. Os judeus pensavam que todos eles eram eleitos, porém ele mostra que todos os crentes são eleitos. (vers. 6 - Não que a palavra de Deus haja falhado. Porque nem todos os que são de Israel são israelitas).

158 O apóstolo diz que os judeus não podiam reivindicar a eleição com base no seu parentesco com Abraão porque são considerados filhos de Deus aqueles que são filhos da promessa feita ao Patriarca. Compare Isaque e Ismael. Rm 4:13 Porque não foi pela lei que veio a Abraão, ou à sua descendência, a promessa de que havia de ser herdeiro do mundo, mas pela justiça da fé.

159 a)O propósito de Deus: O propósito de Deus é possuir uma família de filhos, todos eles parecendo com Jesus. O plano total de Deus se resume nisso. O por quê da criação, do homem, da redenção e da esperança está relacionada a este propósito de Deus. Esse propósito é pré-determinado. Ele será realizado, pois os propósitos de Deus são eternos.

160 b)Ele prevalece, não por obras, mas por aquele que chama. Versículo 11 Pois não tendo os gêmeos ainda nascido, nem tendo praticado bem ou mal, para que o propósito de Deus segundo a eleição permanecesse firme, não por causa das obras, mas por aquele que chama.

161 Seu cumprimento final está retratado em Apocalipse 21:1-4: Versículo 3 Eis que o tabernáculo de Deus está com os homens, pois com eles habitará, e eles serão o seu povo, e Deus mesmo estará com eles.

162 c)Eleição. A base da eleição está declarada no versículo 11, o propósito de Deus quanto à eleição, prevalece por aquele que chama. Isto é, a escolha de quem será salvo não vai ser feita pelo homem. O plano é de Deus, a escolha é de Deus. Não pode o que se julga justo dizer: Visto que sou bom e caridoso, o Senhor deve me receber. Não compete ao legalista dizer: Por que guardo a lei, devo ser contado como um dos eleitos de Deus.

163 Ninguém, que vive, viveu ou viverá pode interferir nessa questão. Deus, por sua soberana vontade, propõe eleger a todos os que crêem em seu Filho. Somente a fé será o requisito para a salvação ( vers. 11). Versículo 16 Não depende de quem quer, nem daquele que corre, mas de Deus mostrar a sua misericórdia.

164

165 No capítulo 9 Paulo escandaliza os judeus com a notícia de que nem a raça nem as obras são bases para a eleição, e que Deus, em seu propósito, decretou que todo aquele que crê em Jesus será salvo, sendo judeu ou gentio. Agora afirma aos judeus que seu desejo e oração é para que sejam salvos.

166 Ele diz que o conceito que os judeus tem de justiça não é o mesmo que Deus aceita como justiça, e por isso, eles rejeitaram a justiça de Deus. A seguir ele mostra o que é a justiça de Deus. É Cristo. Aceitar a Cristo é aceitar a justiça de Deus, rejeitar a Cristo é rejeitar a justiça de Deus.

167 versículos 1-4 Irmãos, o bom desejo do meu coração e a minha súplica a Deus por Israel é para sua salvação. Porque lhes dou testemunho de que têm zelo por Deus, mas não com entendimento. Porquanto, não conhecendo a justiça de Deus, e procurando estabelecer a sua própria, não se sujeitaram à justiça de Deus. Pois Cristo é o fim da lei para justificar a todo aquele que crê.

168 Agora a solução para o problema da salvação do homem está perto de ti, acessível a todos pela fé que vem do coração, confessada diante dos homens. A justiça da fé que procede de Deus possibilita uma salvação simples, adquirida por preço elevado, mas ao alcance de todos os que quiserem.

169 versículos 9-10 Porque, se com a tua boca confessares a Jesus como Senhor, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo, pois é com o coração que se crê para a justiça, e com a boca se faz confissão para a salvação.

170

171 Foi um duro golpe para os judeus ter que aceitar que o gentio também estava incluído no plano de Deus. Paulo, sabendo o que iriam sentir, mostra- lhes que a mesma porta aberta aos gentios também estava aberta à eles. Terá Deus, porventura, rejeitado o seu povo? Pergunta.De modo nenhum. Então usa a sí mesmo como exemplo, pois como eles, era judeu, no entanto estava salvo (vers. 1-2).

172 Paulo diz que o Senhor não rejeitará àqueles que de antemão conheceu e que no devido tempo haveria um remanescente segundo a Eleição da Graça (vers. 5), e no versículo 6 mostra que esta eleição se baseia na graça de Deus independente das obras. Compare com Ef 2:8-9. Por que se é pela Graça, já não será pelas obras, senão a salvação seria o pagamento pelas boas obras do homem.

173 Porém, como a Bíblia afirma que as nossas obras são como trapos de imundícia, em nós não há mérito algum com respeito à Eleição, e nada podemos fazer para alcançarmos a salvação, além de aceitarmos o que Jesus já fez por nós na cruz. Compare Isaías 64:6 com Romanos 9:16.

174 Os judeus perderam o direito à misericórdia de Deus? De modo nenhum. A sua incredulidade foi uma das causas do evangelho ter sido pregado aos gentios. Se a incredulidade deles permitiu que muitos gentios fossem salvos, quão maior será essa benção quando o judeu também crer!

175 No versículo 17 Paulo diz que se a raiz é santa, santos serão os ramos. O ramo natural, o judeu, foi arrancado da oliveira, Jesus. Um ramo da oliveira brava, o gentio, foi enxertado na oliveira. No versículo 25 Paulo fala do mistério que veio endurecimento em parte a Israel, até que haja entrado a plenitude dos gentios. Isto é uma realidade hoje.

176

177 Capítulo 12: PARA COM OUTROS Capítulo 13: PARA COM A AUTORIDADE Capítulo 14: PARA COM OS FRACOS

178 Tendo delineado o plano de salvação nos capítulos 1 a 11, o apóstolo Paulo ocupa cinco capítulos para mostrar como o plano funciona na experiência prática. O evangelho não é somente o poder de Deus para a salvação, mas também providencia poder para o viver diário. O crente não só é salvo pela fé, mas é também capacitado pela fé a se tornar na prática aquilo que lhe é imputado ser em posição.

179

180 A mente do crente (vers. 1-2) 1. Que apresenteis os vossos corpos... (vers.1) Esta é a seção onde o apóstolo fala de vida cristã. Aqui ele fala de como viver e agradar a Deus, de como viver uma vida de santificação.

181 2. Não vos conformeis... (vers. 2) Paulo adverte que assim como o apresentarmos a Deus nos fará semelhantes à Cristo, o apresentarmos ao mundo nos fará mundanos. Também, é não nos conformarmos com a corrupção, a prostituição, a pornografia desregrada dos nossos dias. Enfim, não nos conformarmos e muito menos participarmos do pecado. A Palavra de Deus diz para fugirmos do pecado.

182 3. Mas transformai-vos... Ser transformado é algo que nos acontece sem que o tentemos. Apenas nos apresentamos às coisas certas, e acontece que nos tornamos Semelhantes à Cristo.

183 4. Para que experimenteis... Quando nos apresentamos, experimentamos algo. Experimentamos a boa, agradável e perfeita vontade de Deus. O Senhor diz que a sua vontade é a nossa santificação. 1ª Ts 4:3,7 Porque esta é a vontade de Deus, a saber, a vossa santificação; que vos abstenhais da prostituição,...porque Deus não nos chamou para a imundícia, mas para a santificação.

184 O ministério do crente (vers. 3-8) 1. Pense com moderação... (vers.3) Devemos nos colocar no lugar certo, ser servos mesmo. Reconhecer os outros superiores a nós, honrar a quem de direito, não nos considerar sábios aos nossos próprios olhos, mas ter o coração aberto para ouvir, e para aprender,ou seja, não pensar de nós mesmos além do que convém.

185 2. Num só corpo, muitos membros... (vers. 4) Compare 1ª Coríntios 12 com Romanos 12: 3-8. Observe: um corpo; Muitos membros; Muitos ministérios ou dons.

186 UM CORPO: O corpo de Cristo é espiritual. A unidade dos crentes é espiritual, produzida pela fé comum em Cristo como Salvador. MUITOS MEMBROS: O corpo tem muitos membros, porém é uma entidade integrada.

187 MUITOS MINISTÉRIOS OU DONS: Paulo arrola diferentes ministérios, e nos lembra de que eles não são feitura nossa, são antes, dons que diferem segundo a graça que nos foi dada.

188 As virtudes do crente (vers. 9-21) A prova do pudim está em comê-lo. O crente deve viver o que prega, deve declarar por seus atos a Justiça de Deus.

189

190 Nossa dívida com a autoridade – obediência (vers. 1-7) 1. Todo homem esteja sujeito...(vers. 1) Em uma época de desafio à autoridade civil, torna-se necessário enfatizar este versículo. 2. Aquele que se opõe à autoridade...(vers. 2) Quebrar a lei civil é quebrar a lei de Deus, pois o Senhor a reconhece, e do crente se espera que lhe preste obediência.

191 3.Os magistrados não são para temor quando se faz o bem...(vers.3) O uniforme da autoridade só causa temor aos culpados. O homem que nada tem a ocultar, quando de volta de uma viajem internacional, por exemplo, pode olhar de frente as autoridades alfandegárias, ou o motorista pode parar sem susto numa blitz de trânsito.

192 4. A autoridade é ministro de Deus... (vers. 4) As autoridades são Ministros de Deus para o bem, para os que fazem o bem, e vingadores, para os que praticam o mal. 5.Por dever de consciência...( vers. 5) 6. Pagais tributos... (vers. 6) Devemos pagar todos os nossos impostos ao estado, e ser fieis nisso como somos fieis nos dízimos ao Senhor.

193 7. A todos o que lhes é devido...(vers. 7)

194 A igreja e o estado são obra de Deus:

195 Nossa dívida à sociedade – amor (vers. 8-14) A ninguém fiqueis devendo coisa alguma... (vers. 8) Quem ama ao próximo tem cumprido a lei (vers 8) Fazer não conta, a menos que o amor o motive.

196

197 Este capítulo contém a chave para uma unidade harmoniosa. Regra para uma assembléia de crentes (vers. 1-2) Acolhei ao que é débil na fé... (vers. 1) A fé fraca conduz à fraqueza no andar. Regra para crentes discutidores (vers. 3-4) Que os fortes não desprezem os fracos, e os fracos não julguem os fortes.

198 Uma coisa é má quando: 1)Leva-nos a pecar. Não o que entra, mas o que sai do coração é que corrompe o homem. Se, porém, aquilo que ponho dentro de mim, é inveja, rancor, cobiça ou desonestidade, etc., assim como aquilo do que me alimento, seja o álcool, por exemplo, provoca a saída do mal, estarei corrompido pelo mesmo. É isso que faz da embriaguez uma coisa má.

199 2)Leva nosso irmão a tropeçar. Discordar não é tropeçar. Não deixo de comer e beber porque alguém discorda de mim. 3)Profana o templo de Deus. Meu corpo é Santuário de Deus, somente o que é limpo deveria entrar nele.

200 Quando esta regra se aplicar à questão de dias, chegamos à seguinte conclusão: a)Quando adoramos não é importante, na verdade deveríamos levar uma vida de adoração. a)Mas o que adoramos, como adoramos e porque adoramos, isto sim, é importantíssimo.

201 Regra para o crente individualmente (vers.5-12) Cada um tenha opinião bem definida em sua própria mente(vers. 5). Se o Senhor Jesus é o centro em tudo que o crente faz, isso é o que realmente importa. Devemos considerar que somos do Senhor (vers. 8), e que todos compareceremos perante o tribunal de Cristo (vers ).

202 Regra para os crentes fortes (vers ) Tomai o propósito de não pordes tropeço ou escândalo ao vosso irmão (vers. 13). Paulo diz que o Reino de Deus não é comida nem bebida. Sendo assim, porque insistir nessas coisas? O Reino de Deus é justiça, paz e alegria no Espírito Santo. Sigamos, pois, as coisas que promovem a paz e edificam os irmãos. O apóstolo encerra o capítulo como que perguntando: _Você tem fé? Você é um dos fortes?

203 Quinta Parte: EXEMPLIFICADA A JUSTIÇA DE DEUS Capítulo 15: POR CRISTO E POR PAULO Capítulo 16: PELA COMUNHÃO DOS CRENTES

204

205 O EXEMPLO DE JESUS (1-13) Rm 15:3 Porque também Cristo não se agradou a si mesmo, mas como está escrito: Sobre mim caíram as injúrias dos que te injuriavam.

206 Não agradar a nós mesmos... (vers. 1-2) Escrito afim de que...tenhamos esperança... (vers. 4) O cristão é bem aventurado por ter o exemplo de homens de fé que viveram antes e dos quais a escritura guarda registro para que ele tenha esperança!

207 A uma voz, glorifiqueis ao Deus e Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo... (vers. 5-6) Paulo sugere que os fortes e os fracos, que discordam no que se refere a coisas, falem a uma voz e sejam do mesmo sentir. Por acaso, Paulo está se contradizendo?

208 Como também Cristo nos acolheu... ( vers. 7) Jesus não exigiu que todos concordássemos quanto a comidas e dias que guardávamos antes, mas, pelo contrário, devemos acolher nossos irmãos como também Cristo nos acolheu. Cristo foi constituído ministro...para confirmar as promessas.(vers. 8) Todas as promessas de Deus aos judeus encontraram seu cumprimento em Cristo. Jesus é o fim da promessa tanto para o judeu como para o gentio.

209 Rm4:16 Porquanto procede da fé o ser herdeiro, para que seja segundo a graça, a fim de que a promessa seja firme a toda a descendência, não somente à que é da lei, mas também à que é da fé que teve Abraão, o qual é pai de todos nós.

210 O EXEMPLO DE PAULO – (vers ) Entretanto vos escrevi... (vers ) Paulo explica porque escreveu esta carta. Não porque não conhecessem essas coisas (vers. 4), mas para lembrar-lhes do que já sabiam. Para não edificar sobre fundamento alheio... (vers ) Paulo dava testemunho das coisas que o Senhor fazia por meio de seu ministério, e pregava nos lugares onde ainda ninguém havia pregado.

211 Não tendo já campo de atividade... (vers ) Agora já podia ir à Roma. Paulo há muito gostaria de ir a Roma, porém somente agora, tendo terminado seu trabalho evangelístico nesta região, tem a oportunidade de ir, ainda que de passagem para a Espanha para onde ele espera ser enviado pela igreja romana.

212 Uma coleta... (vers 25-28) O apóstolo volta a Jerusalém com o intuito de levar as ofertas que foram levantadas na Macedônia e Acaia para os pobres da igreja. Os gentios receberam dos judeus, coisas espirituais, agora pagavam com coisas materiais. Que luteis juntamente comigo nas orações... (vers ) Paulo pede as orações da igreja.

213

214 Recomendo-vos a nossa irmã Febe... (vers. 1-2) Diaconisa da igreja de Cencréia, foi encarregada de levar esta epístola à igreja de Roma. A igreja que se reúne na casa deles. (vers.4-16) Priscila, possivelmente da classe nobre romana, e Áquila, judeu do Ponto tinham uma igreja reunindo em sua casa em Roma, como tinham antes em Éfeso.

215 Aqueles que provocam divisões... (vers.17-18) Aqui no final, Paulo adverte contra os homens que provocam divisões e enganam o coração dos simples. Ele mostra, com isso, que no seio da igreja pode haver pessoas deste tipo, que não hesitam em promover o disse me disse, complicando a convivência entre os irmãos. Por isso, a sua exortação para que sejamos sábios sim, mas para o bem, e símplices para o mal. Porque o Senhor logo dará vitória à sua igreja ( vers. 20).

216 Eu, Tércio, que escrevi esta epístola... (vers.21-24) Paulo ditou as palavras, Tércio às escreveu. Paulo só escreveu de próprio punho mesmo, a carta aos Gálatas. Para a obediência por fé... (vers.25-27) O apóstolo termina com uma oração de benção. Todo louvor seja a Deus, pelo poder que concede para confirmar os cristãos (vers 25), pela provisão do evangelho através da pregação e revelação, pelo resultado na obediência que vem pela fé entre todos os povos (vers. 26), e pela finalidade suprema de dar Glória a Deus eternamente por meio de Jesus Cristo (vers. 27).

217 FONTES CONSULTADAS: Bíblia Sagrada A Justiça de Deus (Morris Williams Editora Vida) Palestras em Teologia Sistemática (Henry Clarence Thiessen Imprensa Batista Regular) As grandes doutrinas da Bíblia (Raimundo de Oliveira Cpad)

218


Carregar ppt "Neste estudo, usaremos um diagrama básico e, a partir dele desenvolveremos todo o raciocínio que foi exposto na epístola do apóstolo Paulo aos Romanos,"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google