A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida."— Transcrição da apresentação:

1 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida CONTEÚDO 04LACTENTES Planejamento Alimentar e Orientações

2 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Introdução Definição do tipo de aleitamento materno e possibilidade de reverter o quadro de introdução de alimentos ou líquidos antes dos 6 meses de vida da criança; Até os 6 meses, deve-se verificar se o processo de amamentação ocorre de maneira adequada, favorecendo o número correto de mamadas e a quantidade correta de ingestão do leite materno; Em situações de aleitamento predominante antes dos 6 meses, é fácil reverter o quadro, pois ele está associado a desconhecimento ou insegurança dos pais; Já em situações de aleitamento complementado antes dos 6 meses, a reversão é mais delicada e os motivos da introdução de alimentos devem ser bem identificadas;

3 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Introdução Se a criança tiver menos de 6 meses e em aleitamento materno exclusivo, qual o planejamento dietético e orientação alimentar? Se a criança tiver menos de 6 meses e em aleitamento materno predominante, qual o planejamento dietético e orientação alimentar? Se a criança tiver menor de 6 meses e em aleitamento matenro complementado, qual o planejamento dietético e orientação alimentar? Se a criança tiver mais de 6 meses e em aleitamento materno exclusivo, qual o planejamento dietético e orientação alimentar? Se a criança tiver mais de 6 meses e em aleitamento materno predominante, qual o planejamento dietético e orientação alimentar? Se a criança tiver mais de 6 meses e em aleitamento materno complementado, qual o planejamento dietético e orientação alimentar?

4 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Avaliar a necessidade da complementariedade: Motivos da alimentação complementar Suficiência energética do aleitamento materno Avaliação do estado nutricional Determinar o número de mamadas e estimar o volume de LH ingerido, definindo a ingestão energética proveniente do LH; Verificar o estado nutricional e ganho de peso e estatura da criança; Determinar o valor energético necessário através dos alimentos complementados; Definir quais os alimentos e formas de preparo (comidas) que irão compor o cardápio da criança;

5 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Faixa Etária (dias) Nº de mamadasVol. ingerido/dia (g) 0 – 15 dias12, – 45 dias11, – 75 dias12, – 105 dias12, – 135 dias11, – 165 dias9, – 195 dias7, – 225 dias7, – 255 dias6,78488 > 255 dias6,28452 Número médio esperado de mamadas por faixa etária

6 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Composição do Leite Materno: Energia: 65,0 Kcal Proteína: 1,1g Lipídio: 3,8g Carboidrato: 7,0g Vitamina A: 60mg Vitamina D: 2,2mcg Vitamina C: 4,3mg Folato: 5,2mcg Vitamina B12: 0,03mcg Cálcio: 34mg Fósforo: 14mg Ferro: 0,05mg Água: 87ml

7 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Energia proveniente do Leite Materno Energia necessária dos alimentos complementares Ingestão de Leite Materno Faixa EtáriaBaixaMédiaAltaBaixaMédiaAlta 0 – 2 meses – 5 meses – 8 meses – 11 meses – 23 meses Cálculo da energia necessária de alimentos complementares a partir do volume de ingestão de leite materno – Países em desenvolvimento

8 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida A escolha dos alimentos e comidas deve considerar a densidade energética. Quanto maior a densidade energética, menor o volume e número de refeições. Considerar a capacidade gástrica da criança. Considerar também a maturidade fisiológica para a alimentação complementar e a prontidão neuromuscular e sensório motor oral; Em geral, orienta-se que até os 4 meses, o LH deve ser substituído apenas por outros leites (animais ou fórmulas); Crianças em uso de Fórmulas Infantis não precisam de outros alimentos até os 6 meses, mas crianças que se alimentam mais de Fórmulas Lácteas Caseiras que do próprio LH, talvez precisarão de complementariedade antes dos 6 meses;

9 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Antes dos 4 meses: Reflexos de procura e sucção Reflexos de protusão / mordida reflexa Mandíbula pouco desenvolvida Movimentos limitados da língua Pequena cavidade oral Deficiência de enzimas digestivas Incapacidade de sustentar tronco e cabeça Imaturidade renal e hepática Antes dos 4 meses: Os reflexos orais guiam a criança na busca pelo aleitamento natural (LH) O estágio de desenvolvimento sensório motor oral e neuromuscular dificultam a alimentação de consistência não líquida Fisiologicamente, o RN está preparado para a alimentação líquida, onde a consistência semi-sólida e sólida implicam em risco de aspiração e asfixia Risco de sobrecarga metabólica e renal

10 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Tipos de substitutos do LH: Leite ordenhado da própria mãe; Leite materno de bancos de leite; Fórmulas infantis comerciais; Fórmulas artesanais (leites não humanos – vaca e cabra); Ama-de-leite Considerar a condição sócio-econômica e possibilidade acesso às fórmulas infantis comerciais

11 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Leite de Vaca: Nos países desenvolvidos, é contra-indicado no primeiro ano de vida; Elevado teor protéico e maior proporção de caseína em relação à albumina. A gordura tem grande concentração de AG Saturados e deficiência de AG Essenciais. A concentração de eletrólitos e alguns minerais é muito elevada (Cálcio e Fósforo), enquanto diversos micronutrientes (Ferro, Zinco, Cobre, Vitamina C…) são encontrados em níveis insuficientes para a criança. A biodisponibilidade dos nutrientes é menor; Problemas relacionados ao armazenamento, preparo e higienização;

12 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Fórmulas Lácteas Artesanais a Partir do Leite de Vaca: Necessidade de manipulação do leite para atenuar os problemas referentes ao seu consumo; Redução da carga de soluto renal (Diluição) Aumento da densidade energética (Acréscimo de Carboidratos e Lipídios) Aumento da concentração de ácidos graxos essenciais (Acréscimo de Lipídios) Melhora da digestibilidade da proteína (Aquecimento)

13 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Diluição do Leite de Vaca: Do nascimento até 4 meses Leite integral (líquido) = Diluição a 2/3 Leite integral (pó) = Reconstituição a 10% A partir dos 4 meses Leite integral líquido Leite integral (em pó) = Reconstituição a 15% Para cada 100mL de água, 15g de leite em pó (1 colher de sopa rasa)

14 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Aumento da Densidade Energética (CHO e LIP) – Somente até 4 meses Leite integral (líquido) diluído a 2/3 2 partes de leite para 1 de água (para cada 100mL de leite, 50mL de água) Fórmula A: Acrescentar 8% de carboidrato, sendo: 5% de açúcar (1 colher de chá cheia) e 3% de farinha dextrinizada ou instantânea (1 colher de chá rasa) Fórmula B: Acrescentar 5% de açúcar (1 colher de chá cheia) e 1% de óleo vegetal (1/2 colher de café) Leite integral (pó) reconstituído a 10% Para cada 100ml de água, 10g de leite em pó (1 colher de sobremesa rasa) Acrescentar carboidrato (conforme a Fórmula A) ou carboidrato e óleo vegetal (conforme a Fórmula B)

15 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Composição (100ml)LHLVLV 2/3Fórmula AFórmula B Energia (Kcal)67,063,0 (58,0)42,0 (39,0)74,0 (71,0)71,0 (68,0) Proteína (g)1,03,22,1 Gordura (g)3,93,5 (3,0)2,3 (2,0) 3,3 (3,0) Linoelato (mg)*580,060,040,0 580,0 Carboidrato (g)7,24,63,111,18,1 Vitamina A (mcg)50,029,519,722,0 Vitamina C (mg)5,01,71,131,1 Vitamina E (mg)0,490,040,03 Niacina (mg)0,180,170,11 Ferro (mg)0,030,050,03 Zinco (mg)0,250,350,230,2 Cobre (mcg)25,07,55,0 * Calculado com base na adição de óleo de soja (ácido linoléico representa 54% do lipídio) Valores entre parênteses (leite tipo C)

16 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Aumento da Densidade Energética (CHO e LIP): O açúcar mais utilizado é a sacarose (açúcar de mesa) devido à aceitabilidade e facilidade de acesso. O uso de mel é contra-indicado até 1 ano de vida em função do risco de contaminação com Clostridium botulinum. Embora os amidos não sejam aconselháveis nos primeiros meses de vida em função da deficiência de amilase pancreática, a quantidade da fórmula é tolerada, principalmente se forem farinhas dextrinizadas ou pré-cozidas (milho e arroz); As farinhas que contém glúten não devem ser utilizadas antes dos 6 meses (aveia, trigo, centeio e cevada); Após os 4 meses a diluição do leite não deve conter açúcar ou óleo, pois já estará recebendo alimentação sólida;

17 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Suplementação de Micronutrientes: Por 100Kcal de fórmula: Ferro = 1,5mg Zinco = 205mcg Cobre = 100mcg Iodo = 5,6mcg Manganês = 7,5mcg Vitamina A = 300UI Vitamina D = 50UI Vitamina E = 1UI Vitamina K = 5mcg Vitamina C = 10mg Tiamina = 50mcg Riboflavina = 80mcg Niacina = 300mcg Vitamina B6 = 40mcg Vitamina B12 = 0,2mcg Ácido Fólico = 5mcg Ácido Pantotênic = 400mcg Biotina = 2mcg

18 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Leite de Cabra: A composição é semelhante ao leite de vaca; Digestibildade é melhor em função da característica da cadeia de caseína; Maior quanitdade de lactoalbumina; Maior quantidade de AG Essenciais; Maior biodisponibilidade do ferro; Baixa concentração de ácido fólico; Deficiências de Vitaminas C, B12 e B6 Deve ser realizada a mesma diluição recomendada ao leite de vaca;

19 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Fórmulas Infantis: No Brasil as fórmulas foram regulamentadas em 1998 que aprovou o Regulamento Técnico referente às Fórmulas Infantis para Lactentes e às Fórmulas Infantis de Seguimento, tomando como base o Codex Alimentarius (FAO/OMS, 1984) e a Norma Brasileira para Comercialização de Alimentos para Lactentes (NBCAL); As fórmulas infantis destinadas ao lactente são encontradas na forma líquida e em pó. São processadas a partir do leite de vaca ou de outros animais ou, ainda, de outros constituintes animais (peixe) ou vegetal (soja), comprovadamente adequados à alimentação da criança;

20 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Fórmulas Infantis: As fórmulas infantis encontradas no Brasil são subdivididas em: Fórmulas infantis para lactentes: destinadas à alimentação de lactentes nos primeiros 6 meses de idade; Fórmulas infantis de seguimento para lactentes: destinadas aos lactentes a partir dos 6 meses de idade; Fórmulas infantis para necessidades dietoterápicas: alergia à proteína, intolerância à lactose; Fórmulas de nutrientes para recém-nascidos de alto-risco: prematuros ou de muito baixo peso ao nascer; Fórmulas infantis de seguimento para crianças de primeira infância: destinada a crianças de 12 meses a 3 anos de idade;

21 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Fórmulas Infantis: Também podemos classificar as fórmulas infantis: Fórmulas poliméricas: compostas de proteínas, carboidratos e lipídios intactos. São indicadas para crianças com o TGI funcionanete; Fórmulas oligoméricas: compostas por macronutrientes hidrolisados. As fontes de nutrientes são peptídeos ou aminoácidos livres; oligossacarídeos; TCM ou triglicerídeos incluindo AG essenciais. São indicados para crianças que não toleram as fórmulas poliméricas (alergias alimentares); Fórmulas monoméricas ou elementares: são compostas por nutrientes na sua forma simplificada, de fácil absorção.

22 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Fórmulas Infantis: Exemplos de fórmulas infantis para lactentes menores de 6 meses: NAN 1, Nestogeno 1, Similac 1, Aptamil 1, Bebelac 1, Enfamil 1; Exemplos de fórmulas infantis de seguimento para lactentes: NAN 2, Nestogone 2, Similac 2, Aptamil 2, Bebelac 2, Enfamil 2 Exemplos de fórmulas infantis para necessidades especiais ou dietoterápicas (isentas de lactose): NAN sem lactose, O Lac Exemplos de fórmulas infantis para necessidades especiais ou dietoterápicas (derivados de soja): NAN Soy, Aptamil Soja, Nursoy, Isomil, Pró-Sobee Exemplos de fórmulas infantis com proteína hidrolisada ou parcialmente hidrolisada: Alfaré, Pregestemil, Pregomin

23 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Planejamento da Alimentação do Lactente com Fórmulas Lácteas Determinar a necessidade energética do lactente; Verificar a densidade energética e a composição da fórmula a ser utilizada; Determinar o volume necessário de fórmula para suprir a necessidade energética; Dividir o volume necessário entre o dia, considerando a capacidade gástrica da criança e as possibilidades da família; 6-8 meses: 249g; 9-11 meses: 285g; meses: 345g Atentar para a higienização em todo processo; Atentar para os utensílios utilizados para o fornecimento das fórmulas;

24 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Alimentação Complementar Não deve ser iniciada antes dos seis meses se: Lactente está em aleitamento materno exclusivo suficiente; Lactente está em aleitamento materno complementado com Fórmulas Lácteas Comerciais suficientes; Lactente sem aleitamento materno, somente com Fórmulas Lácteas Comerciais suficientes; Lactente está em aleitamento materno complementado com Fórmulas Lácteas Caseiras, desde que o aleitamento materno seja predominante; Assim, a introdução de alimentação complementar após os 4 meses, só pode ser iniciada se: Lactente está em aleitamento materno complementado com Fórmulas Lácteas Caseiras, desde que a ingestão energética proveniente das Fórmulas seja predominante; Lactente sem aleitamento materno, comente com Fórmulas Lácteas Caseiras;

25 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Alimentação Complementar antes dos 6 meses Considerar a necessidade energética e de macronutrientes da criança; Considerar o consumo energético e de macronutrientes proveniente do LH; Considerar o consumo energético e de macronutrientes proveniente das fórmulas láctea; Complementar com outros alimentos a quantidade de calorias necessárias para antingir a necessidade energética ou de macronutrientes da criança; Determinar quais alimentos, formas de preparo, quantidades e horários; Preferência para Leite + Tubérculo ou Cereal Preferência para Papas de Frutas Preferência para Papas Salgadas

26 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Alimentação Complementar após os 6 meses Densidade Energética: Determinará o número de vezes que a criança irá ingerir a alimentação complementar. Quanto maior a densidade energética, menor o número de refeições. Densidade EnergéticaNúmero de Refeições N6-8 meses9-11 meses12-24 meses 0,63,74,15,0 0,82,83,13,7 1,02,22,53,0

27 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Alimentação Complementar após os 6 meses Lipídio: Essencial para garantir a densidade energética, o suprimento de ácidos graxos de cadeia longa e vitaminas lipossolúveis. Além de que suas propriedades organolépticas melhoram o sabor e favorecem a aceitação da alimentação. Recomenda-se que 30% da dieta seja proveniente dos lipídios, considerando a quantidade proveniente do LH. % de Energia como LipídioIngestão do LH6-8 meses9-11 meses12-24 meses 30%Baixa19%24%28% 30%Média0%5%17% 30%Alta0%

28 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Alimentação Complementar após os 6 meses Proteína: Se houver uma ingestão média de LM = 2,7g de PTN (6-12 meses); 5,0g (12-24 meses); A densidade de proteína na dieta deve ser igual a 0,7g/100Kcal, dos 6 aos 24 meses; Necessidades de outras fontes de proteína que não sejam somente vegetais; Carboidratos: Não existem recomendações específicas para a quantidade de carboidratos provenientes da alimentação complementar;

29 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Alimentação Complementar após os 6 meses A introdução de alimentos complementares de maneira saudável deve considerar 4 princípios básicos: Oportuna Adequada Apropriada Segura Oportuna: No momento adequado, quando o leite materno não atende mais as necessidades da criança

30 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Alimentação Complementar após os 6 meses Adequada: Deve ser suficiente em quantidade e qualidade, incluindo todos os grupos alimentares; Cereais: São principais fontes de carboidratos junto com os tubérculos, além de serem de fácil acesso e preparo. Proteínas são de baixo valor biológico. Na impossibilidade de utilização de alimentos de origem animal, deve-se combinar os cereais com as leguminosas. Não é indicado o uso de cereais integrais, em virtude da biodisponibilidade de minerais e do comprometimento da densidade energética; Tubérculos: Alimento básico na fase de transição (mandioca, batatas). Valor calórico elevado, mas proteína de baixa qualidade. As dietas a base de cereais e tubérculos absorvem grande quantidade de água, prejudicando a densidade energética;

31 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Alimentação Complementar após os 6 meses Leguminosas: Fontes de proteínas e minerais. Feijão é importante fonte de ferro. Evitar a casca de feijão até 1 ano de idade, devido a baixa digestibilidade e presença de fatores antinutricionais; Carnes: Fonte de proteína e Ferro de alto valor biológico, além de zinco e vitaminas A e complexo B. Utilizar carnes menos gordas. Carnes de peixe e porco devem ser utilizadas com cautela, pois pode provocar alergias alimentares. Sugerem-se as carnes cozidas (moída, picada ou desfiada), com aproveitamento do caldo; Ovos: Gema é importante fonte de proteína, Vitamina A e Zinco. Evitar clara no primeiro ano de vida, em função de seu elevado poder alergênico (albumina);

32 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Alimentação Complementar após os 6 meses Hortaliças: Importantes fontes de vitaminas e minerais. Beterraba, rabanete e espinafre não devem ser oferecidos com frequencia por terem elevados níveis de nitratos e poderem ser prejudiciais à saúde da criança. Atentar para o tomate, cuja cultura usa grande quantidade de agrotóxicos; Frutas: Importantes fontes de vitaminas e minerais, além de aumentarem a absorção do ferro. Inicialmente na forma de papas e depois in natura. Devem complementar as refeições salgadas ou nos intervalos. Evitar acréscimo de açúcar, sucos industrializados e sucos artificiais; Gorduras: Gorduras saturadas são desaconselháveis, dando-se preferência aos óleos vegetais. Também evitar gorduras trans e frituras.

33 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Alimentação Complementar após os 6 meses Sal: Necessário na alimentação complementar, mas com moderação; Leite e derivados: A introdução de LV é desnecessária se a criança está amamentando sob livre demanda e a alimentação complementar fornece as proteínas e cálcio necessários. Alimentos controlados ou Contra-indicados: Alimentos crus, grãos, frutas com sementes, pipoca, batata frita, devem ser evitados nos 2 primeiros anos, pois são de difícil mastigação, deglutição e digestão. Leite de vaca, clara de ovo, amendoim, nozes, peixes e frutos do mar, mas também a soja, trigo, laranja e tomate devem ser evitados no primeiro ano de vida, por serem considerados alergênicos.

34 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Alimentação Complementar após os 6 meses Açúcares e doces: Apesar de aumentar a densidade energética, desaconselha-se o seu uso, por estar associado à cárie dental, não possuir valor nutricional e estimular hábitos alimentares indesejáveis. Mel é proibido até o primeiro ano de vida; Alimentos industrializados: Cuidado com os aditivos químicos. Alimentos entalados podem ser contaminados pelo chumbo. As papas industrializadas são desnecessárias, apesar de equibilibradas e seguras

35 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Alimentação Complementar após os 6 meses Consistência dos alimentos: Adequada ao desenvolvimento da criança. Inicialmente devem ser de consistência pastosa. Com a erupção dos dentes, introduz-se a alimentação com pedaços de alimentos, ajudando a desenvolver a musculatura o controle sobre a mastigação. As preparações liquidificadas devem ser evitadas. Aos 10 meses a criança já pode consumir alimentos de consistência mais sólida, podendo experimentar boa parte da comida caseira. Frequencia: Inicialmente começa-se oferecendo 1 vez ao dia, aumentando a frequencia com os passar do tempo. Considerar a densidade energética.

36 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Alimentação Complementar após os 6 meses Horário: Não deve haver rigidez, respeitando os mecanismos naturais da criança. Habituando aos poucos a rotina familiar. Cuidado para não prejudicar o Aleitamento Materno; Sequencia: Respeitar as necessidades da criança e as condições fisiológicas para a aceitação dos alimentos. Geralmente inicia-se com os alimentos ricos em Ferro, Zinco e vitaminas (A e B). Assim, a prioridade é o fornecimento de refeições salgadas. Idade (meses) Necessidade Energética (Kcal) Alimentação (Frequência / Quantidade) Total DiárioLeite Materno Alimentação Complementar Leite Materno Alimentação Complementar 0-6Aprox LD Aprox. 200LD2-3 ref/dia Aprox. 300LD3-4 ref/dia


Carregar ppt "Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google