A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

HISTORIA DA MÚSICA "Sem música, a vida seria um erro" Friedrich Nietzsche.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "HISTORIA DA MÚSICA "Sem música, a vida seria um erro" Friedrich Nietzsche."— Transcrição da apresentação:

1 HISTORIA DA MÚSICA "Sem música, a vida seria um erro" Friedrich Nietzsche

2

3 - A disciplina musical, normalmente é uma divisão da musicologia e da teoria musical. musicologiateoria musical - Foi apenas gradualmente que o escopo da música foi estendido para incluir a fundação indispensável da música não européia e finalmente da música pré-histórica.

4

5 Pequenas Diferenças - Historicamente, música popular era qualquer forma não folclórica muito difundida. - As formas cultas da música ocidental pertencem a uma linhagem européia cuja origem remonta aos primórdios da civilização cristã. - Elementos folclóricos se infiltram na tradição culta, também o oposto é verdadeiro.

6

7

8 A idade Média foi dominada pelo Cristianismo, os monges eram quase as únicas pessoas que sabiam ler, as artes estavam sempre subordinadas à religião, inclusive a música, por esta razão os cantos gregorianos são as principais manifestações musicais que chegaram até os nossos dias. As notas dó, ré, mi, fá, sol, lá e si, foram criadas pelo músico italiano e monge beneditino Guido D'Arezzo que viveu na idade média entre os anos de 995 à 1050 d.c. O nascimento das notas musicais

9

10

11

12 Ut queant laxis Resonare fibris Mira gestorum Famuli tuorum Solve polluti Labii reatum Sancte Ioannes "Para que nós, teus servos, possamos elogiar claramente o milagre e a força dos teus atos, absolve nossos lábios impuros, São João"

13

14 PRÉ-HISTÓRIA A música nasceu com a natureza, ao considerarmos que seus elementos formais, o som e ritmo, fazem parte do universo e, particularmente da estrutura humana.

15

16

17

18 MÚSICA NAS ANTIGAS CIVILIZAÇÕES O mistério continua a envolver a música da antigüidade, pela ausência do próprio elemento sonoro, que se desfez no tempo e, ainda, pela inexistência de uma notação musical clara e documentação suficiente.

19 Grécia Os modos foram os predecessores das escalas diatônicas maiores e menores. Tocavam de forma improvisada, mas perfeita. A música unia-se fortemente às outras artes, possuindo um ritmo e uma melodia poética. Estava fortemente presente em cultos religiosos, bem como em teatros e em concursos públicos.

20 Instrumentos usados por músicos da antiga Grécia 1 e 2 - monocórdios; 3 e 4 - guitarras; 5 - cítara heptacorda; 6 - lira; 7 - cítara pentacorda; 8 e 9 – flautas

21

22

23 Egito No antigo Egito utilizavam-se paus e bastões, como também discos e acompanhavam com canto. Posteriormente desenvolveram diversos ritmos, que se uniram a grandes coros. Os militares utilizavam trompetes e tambores.

24

25

26

27 Hebreus Os Hebreus usaram a música para fins guerreiros e religiosos, em festas e lamentações. A primeira menção de instrumentos musicais encontrá-se na Gênesis (Capítulo 4, versículo 21): "Jubal, pai de todos os tocadores de harpa e flauta".

28

29

30 China Os chineses possuíam uma vasta diversidade de instrumentos que influenciaram todo o Oriente. Possuíam um grande estilo e originalidade, destacando-se pela grande perfeição musical. Tinham oitenta e quatro escalas diferentes, enquanto que o sistema tradicional da música ocidental possuía apenas vinte e quatro. Criaram também uma escala pentatônica. Acreditavam fortemente que música e mágica estavam relacionadas. Utilizavam flautas, cítaras e alguns instrumentos de percussão.

31

32

33

34

35

36 Índia As tradições musicais da Índia remontam ao século XIII a.C.. O povo acreditava que a música estava diretamente ligada ao processo fundamental da vida humana. Na Antigüidade, criaram música religiosa, e por volta do século IV a.C. elaboraram teorias musicais. Os músicos tocavam instrumentos de sopro, cordas e percussão. A música indiana era baseada num sistema de tons e semitons; em vez de empregar notas, os compositores seguiam uma complicada série de fórmulas chamadas ragas. As ragas permitiam a escolha entre certas notas, mas exigiam a omissão de outras.

37

38

39

40 Roma Em Roma a música desempenhava um papel específico no teatro, na religião e na vida militar. Em cada qual ela possuía significados diferenciados. Alguns estudiosos dizem que as teorias e as técnicas musicais romanas foram copiadas dos gregos, pouco acrescentando naquilo que já havia sido desenvolvido. Porém, foram os romanos que inventaram alguns instrumentos como a tuba (precursora do trombone), a tíbia (precursora da gaita-de-foles) e um órgão hidráulico ou pneumático, chamado hydraulis, cujo fluxo de ar nos tubos era constante e mantido por meio de pressão de água.

41

42

43

44

45 As principais fases da história da música 01-ARTE CRISTÃ ANTIGA Fase Catacumbária Entoavam um tipo de oração cantada, a uma voz, em ritmo prosódico do texto em latim, sem acompanhamento musical. Era a salmodia, de origem hebraica, que São Pedro ha-via trazido da Antioquia, no ano 54. A música cristã, depois denominada cantochão ou cantus planus, pelo seu sentido horizontal, com suaves ondulações melódicas, era simbólica e de maravilhoso efeito místico.

46

47 02-Idade Média

48

49

50

51

52 03-Fase Gótica O enfraquecimento do espírito teocêntrico da Idade Média se revelou na música e, de modo especial, no chamado Moteto Gótico de século XIII. No Moteto Gótico, o cantus firmus apresentava-se no tenor, com texto religioso a ser cantado em latim ou executado instrumentalmente, e as outras vozes eram construídas acima dele, geralmente em francês, com letra profana e específica para cada uma. Ocorria, portanto, a síntese do religioso com o profano e a politextualidade em idiomas diversos.

53

54

55 05-Ars Nova No âmbito musical, o século XIV foi marcado pelo tratado Ars Nova Musicae, de Filipe de Vitry, Bispo de Meaux, cujo aparecimento é inserido entre 1320 e A obra deu nome a uma época em que o estilo polifônico adquiriu, por sua vez, grande desenvoltura e em que se delinearam amplas perspectivas de progresso estético nos campos rítmico, melódico e formal. Início da Pré-Renascença na arte em geral, quando ocorreu a transição do espírito teocêntrico da Idade Média para o humanista do Renascimento

56

57 06- Renascimento Esmero das Formas Vocais Um conceito já inteiramente abstrato de música orientava a invenção dos mestres franco-flamengos, que foram os pioneiros do estilo renascentista. Chegavam a compor para 36 vozes paralelas, num verdadeiro malabarismo contrapontístico. A virtuosidade era praticamente uma norma seguida por essa escola na qual se destacaram Guillaume Dufay ( ) e Johannes Ockeghem ( ). E a virtuosidade foi levada a um ponto muito alto por Josquin des Prés ( ), o mais brilhante de todos os flamengos. No clima da Renascença, a polifonia católica passava das igrejas para os salões da aristocracia. Os reformistas protestantes faziam o oposto, indo buscar entre o povo os seus temas musicais.

58

59 No clima da Renascença, a polifonia católica passava das igrejas para os salões da aristocracia

60 Giovanni da Palestrina ( ) Eliminou o acompanhamento instrumental, criando composi ç ões "a capela", isto é, dedicadas exclusivamente à voz humana.

61 No auge da expressividade renascentista, o desejo de atingir o grandioso exigiu de novo a participa ç ão do acompanhamento instrumental. Andrea Gabrieli ( )

62 Estilisticamente, podemos considerar que Lassus foi o grande representante da V Época da música renascentista ( ), onde se deu precisamente o apogeu da polifonia franco-flamenga, que começava a tender para um pré-estágio do movimento Barroco, de natureza muito mais dramática e trágica. Orlando de Lassus

63 Barroco A música barroca substituiu o estilo renascentista após o século XVII e dominou a música européia até cerca Era elaborada e emocional, ideal para integrar-se a enredos dramáticos. A ópera era a mais importante novidade em forma musical, seguida de perto pelo oratório. A música italiana barroca atingiu o auge com as obras de Antônio Vivaldi. Antônio Vivaldi O início do século XVIII foi marcado por dois grandes compositores: Bach e Haëndel.BachHaëndel

64

65

66 H á um grande desenvolvimento no fabrico e aperfei ç oamento dos instrumentos, o que proporciona enormes avan ç os t é cnicos ao n í vel da execu ç ão e permite aos compositores maior liberdade de escrita.

67

68 Os grandes coros polifônicos foram gradualmente substituídos pelo canto individual (homofonia) com acompanhamento instrumental. Buscava-se centralizar na voz de um único cantor a comunicabilidade musical

69 O Refinado Rococó Em sua expansão, a ópera barroca invadiu os domínios da música sacra, absorvendo o caráter teatral dos Dramas Litúrgicos, que encenavam a Paixão de Cristo e outros episódios das Escrituras.

70 CLASSICISMO Os compositores clássicos acreditavam que a música deveria ter uma forma polida e galante, só desejavam expressar emoções de uma maneira refinada e educada. Suas obras são cheias de brilhantismo e vivacidade. Entre os compositores que dominaram a época estão: Joseph Haydn e Wolfgang Amadeus Mozart, ambos com uma obra vastíssima. Haydn compôs mais de 100 sinfonias, enquanto Mozart compôs mais de 600 peças. Ambos desempenharam um papel importante no desenvolvimento da sonata para piano, nos quartetos de cordas e em outras formas musicais. Joseph HaydnWolfgang Amadeus Mozart

71 Os classicistas não pretendiam que sua música fosse linguagem para cantar a religião, o amor, o trabalho, ou qualquer coisa. Buscavam dar-lhe pureza total, a fim de que o mero ato de ouvi-la bastasse para dar prazer. A perfeição da forma era o seu ideal estético. Joseph Haydn

72 Nasceu na Á ustria e foi um gênio precoce, que desde pequeno se revelou virtuose do piano. Seu poderoso talento criador dava-lhe uma expressão vers á til. Escreveu com a mesma desenvoltura gêneros instrumentais e vocais, criando uma obra que s ó não foi mais extensa devido à sua morte prematura. Wolfgang Amadeus Mozart

73 Beethoven Entre o fim do s é culo XVIII e o come ç o do s é culo XIX, o r í gido formalismo cl á ssico estava em decl í nio, sem que, no entanto, nenhum outro estilo se pusesse à vista. Mozart sugeria novas concep ç ões, mas morreu muito cedo, sem chegar a enquadr á -las numa tendência definida.

74 Romantismo A produção musical do Romantismo é muito vasta e variada. Abrange desde obras para instrumentos a solo, canções ou quartetos, até grandes obras orquestrais. Os compositores românticos achavam o estilo de música do Classicismo artificial. Sentiam que a música poderia ser fantasiosa e emocional, com a imaginação fornecendo os meios e o sentimento expressando o estado de espírito.

75 Paganini ( ) encarnava bem essa nova ideologia artística, colocando em destaque a sua figura estranhamente feia para enfatizar o seu virtuosismo "diabólico".

76 Schubert ( ) expunha a sua natureza terna e delicada.

77 Mendelssohn ( ) contava através da música as suas impressões de viagem, nas sinfonias Italianas e Escocesas.

78 IMPRESSIONISMO Na música predomina a harmonia sobre a melodia e a utilização de escalas diatónicas maiores e menores é substituída por escalas de tons inteiros. A conjugação destes factores e de muitos outros, dos quais se destaca ainda a exploração de timbres orquestrais, contribuem para a obtenção de sonoridades inconfundíveis. A música impressionista retrata a Natureza, as sensações, as cores, etc., ao contrário da música romântica que essencialmente exprime sentimentos.

79 Richard Strauss ( ) Idealizava uma m ú sica que "exalasse cheiro", "provocasse visões" e "sugerisse cores".

80 MODERNISMO As catástrofes sociais que abalaram o mundo na primeira metade do século XX mostraram o quanto era falso continuar fazendo música em termos de passado. Pesquisas rítmicas, o ressurgimento de formas musicais antigas para resultados modernos, o uso de várias tonalidades (politonalismo) ou de nenhuma (anatonalismo) não constituem mero exotismo. Simplesmente refletem, com a força do real, a verdade da nossa época.

81 Quando Igor Stravinsky (1882) estreou a sua Sagra ç ão da Primavera, a 29 de maio de 1913, foi um escândalo. Mas o escândalo passou e a influência do compositor cresceu sem cessar, a despeito de todos os ataques da cr í tica.

82 No Brasil, Heitor Villa-Lobos ( ) também buscou no folclore a inspiração para sua obra.

83 Como decorrência disto surge a Música Eletrônica, que emprega sons tratados em laboratórios. Ao lado da Música Aleatória, que é organizada à medida que se processa a execução, esses gêneros constituem o fenômeno mais recente e mais controvertido de toda a história da música. Guiados pela moderna teoria da comunicação de massas, e tendo como lema a "antimúsica para salvar a música", seus cultores se permitem total liberdade para chocar ou divertir o público. A fúria, o desgosto, o estarrecimento e o entusiasmo provocados pelas apresentações dessa Música de Vanguarda, refletem com clareza o entrechoque de conceitos e a guerra de gerações que caracterizam o momento atual.

84 A música no Séc. XXI

85

86

87

88

89

90

91

92

93

94

95

96 A música na Internet

97


Carregar ppt "HISTORIA DA MÚSICA "Sem música, a vida seria um erro" Friedrich Nietzsche."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google