A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Doença de Alzheimer Trabalho realizado por: Ana Filipa Araújo Diana Freitas Neurofisiologia.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Doença de Alzheimer Trabalho realizado por: Ana Filipa Araújo Diana Freitas Neurofisiologia."— Transcrição da apresentação:

1 Doença de Alzheimer Trabalho realizado por: Ana Filipa Araújo Diana Freitas Neurofisiologia

2 Doença de Alzheimer A doença de Alzheimer é a forma mais comum de demência, é uma doença neurodegenerativa cujo curso desenvolve-se ao longo de 5 a 10 anos de forma progressiva e inexorável. O conceito de demência remete para uma alteração global e persistente do funcionamento cognitivo, suficientemente grave para ter repercussões na vida profissional, social e familiar do indivíduo. 2 Doença de Alzheimer

3 Segundo a OMS, a demência caracteriza-se por uma diminuição progressiva da memória e da capacidade de ideação suficientemente marcada para limitar as actividades da vida quotidiana, que tenha surgido pelo menos à 6 meses e associada a uma perturbação de uma das seguintes funções: linguagem, cálculo, avaliação, alteração do pensamento abstracto, praxia, gnosia ou modificação da personalidade. Doença de Alzheimer 3

4 Factores que predispõe a DA IDADE: Único factor de risco bem conhecido e universalmente aceite. Aceita-se que a doença de Alzheimer seja uma doença idade - dependente, ou seja, à medida que a idade avança, maior é a probabilidade de sua ocorrência. SEXO : Mulheres mais afectadas do que os homens, mas, como a expectativa de vida das mulheres é pelo menos 5 anos maior que dos homens essa correlação ainda precisa ser estatisticamente ajustada e melhor esclarecida. ESCOLARIDADE: O nível de educação parece ser uma protecção para a doença de Alzheimer: quanto maior o número de anos de estudo formal menor seria o risco. 4 Doença de Alzheimer

5 Lesões e Fisiopatologias A doença de Alzheimer, caracteriza-se essencialmente por duas lesões: Placa Senil Degenerescência Neurofibrilar 5 Doença de Alzheimer

6 Placa Senil A placa senil é uma lesão esférica, extra celular, constituída por um núcleo de substancia amilóide, no centro, e por uma coroa de axónios associada a células gliais. A substancia amilóide é constituída essencialmente por uma proteína chamada β-amilóide; a placa senil encontra-se principalmente no córtex cerebral e são marcadas por anticorpos A- β. 6 Doença de Alzheimer

7 Degenerescência Neurofibrilar A degenerência neurofibrilar é uma lesão intraneuronal constituída por neurofilamentos anormais organizados em pares de filamentos em hélice. A análise bioquímica destas lesões permitiu caracterizar uma proteína essencial: a proteína tau (ĩ). Neste caso ela é anormal, porque está hiperfosforilada. Estas lesões estão marcadas por anticorpos anti-T. 7 Doença de Alzheimer

8 Aspectos Clínicos A doença de Alzheimer caracteriza-se por três fases: Fase Inicial: fase assintomática, é impossível precisar a duração desta fase; Fase Declarada : fase sintomática e pré-demencial; Fase Terminal : fase demencial; 8 Doença de Alzheimer

9 Fase Inicial A fase inicial caracteriza-se principalmente por perturbações da memória, linguagem e psicocomportamentais: Perturbações da memória: dificuldades em aprender informações novas, esquecimentos respeitantes a acontecimentos vividos recentemente, tarefas a realizar. Estas perturbações da memória são muitas vezes mal percebidas ou atribuídas à idade, tanto pelos familiares como, demasiado frequentemente, pelo médico. 9 Doença de Alzheimer

10 Perturbações da Linguagem : São as mais importantes, depois dos défices de memória, devido à sua frequência e são observados desde o princípio da doença em cerca de 50% dos casos. A linguagem escrita é com frequência atingida mais precocemente do que a linguagem oral. Desorientação : As referências temporais e mesmo, por vezes, espaciais, podem ser afectadas precocemente. As perturbações de atenção constituem a regra geral, com dificuldades em focalizar e manter uma atenção de qualidade. 10 Doença de Alzheimer

11 Fase Declarada Nesta fase, a síndrome demencial é evidente. A perda das funções cognitivas agrava-se progressivamente e o doente perde pouco a pouco, a sua autonomia; a sua permanência no domicílio só é possível com o auxílio dos que o rodeiam. Perturbações da orientação: perturbações da orientação temporal e perturbações visuo - espaciais são frequentes. Perturbações da linguagem: O discurso é pouco informativo, pobre e já parcialmente incoerente; As perturbações da compreensão tornam-se evidentes e agravam-se regularmente. 11 Doença de Alzheimer

12 Perturbações Práxicas : Estas perturbações são constantes, pondo em evidência as dificuldades na realização dos mais simples gestos; Estas perturbações vão aumentando de complexidade; Apraxia reflexiva; Apraxia ideomotora; Apraxia ideatória; Apraxia do vestuário. 12 Doença de Alzheimer

13 Perturbações Gnósicas : A agnosia visual traduz-se por dificuldades em reconhecer imagens de objectos, e em seguida, os próprios objectos na ausência de qualquer défice visual; A prosopagnosia é frequente, sendo o paciente incapaz de reconhecer o rosto dos familiares e ate, por vezes, a sua própria imagem no espelho. A anosognosia, ou seja, a ausência de consciência de perturbações, é nesta fase quase permanente, tornando difícil cuidar de paciente. As capacidades de raciocínio e as capacidades de execução do doente ficam profundamente alteradas. 13 Doença de Alzheimer

14 Fase Terminal Esta fase é caracterizada por uma síndrome demencial de grave intensidade: a comunicação torna-se impossível, a autonomia é nula. Pouco a pouco o caminhar torna-se difícil, levando ao acamamento permanente e frequente postura em tripla flexão. A incontinência esfincteriana é total. Há uma alteração do estado geral, evoluindo para o estado caquéctico. A morte surge, em média, 8 a 12 ano após os sintomas. 14 Doença de Alzheimer

15 15 Doença de Alzheimer

16 Sinais Clínicos Evocadores de Diagnóstico Na ausência de marcadores biológicos e perante um síndrome demencial, a contribuição clínica para o diagnóstico da doença de Alzheimer é de grande importância. O inicio é caracterizado por perturbações da memoria dos factos recentes, afectando sobretudo a memória episódica. Em seguida aparecem: a falta da palavra adequada, perturbações da atenção e uma diminuição da memória em relação ao trabalho. Nota-se regularmente, a partir desta fase, perturbações psicocomportamentais com desinteresse, apatia, irritabilidade, etc.… Posteriormente, constitui-se uma síndrome afaso - apraxo- agnósica característica, continuando, no entanto, as perturbações da memória a ocupar o centro do quadro clínico. 16 Doença de Alzheimer

17 Sinais Clínicos que devem pôr em causa o Diagnóstico O diagnóstico de doença de Alzheimer deve ser obrigatoriamente posto em causa se for observado um dos seguintes sinais: Um inicio abrupto, uma evolução rápida em direcção a um estado de demência grave ( no espaço de um ou dois anos ); Perturbações de memória pouco acentuadas ou nítidas e corrigidas por indiciação ou situação de reconhecimento; Perturbações psicóticas (sobretudo alucinações), perturbações precoces do comportamento em relação a um determinado tipo de desinibição (sexual, alimentar, social); Sintomas neurológicos presentes desde o início (hemiparésia, síndrome cerebelosa, síndrome extra piramidal); 17 Doença de Alzheimer

18 Tratamento Medicamentoso O tratamento de Alzheimer é plurimodal, recorrendo a estratégias medicamentosas e não medicamentosas. Deve ser elaborado um plano de cuidados específicos para cada doente, alterado regularmente no decurso da evolução. Os medicamentos colinérgicos têm uma acção sintomática que permite melhorar o funcionamento cognitivo e também as perturbações psicocomportamentais. Quando estas são graves, a utilização de psicotrópicos pode tornar- se indispensável. Utilizar-se-ão, de preferência, os neurolépticos atípicos de nova geração, os anti-depressivos não tricíclicos e evitar-se- ão os sedativos. 18 Doença de Alzheimer

19 Conclusão A doença de Alzheimer é a forma mais comum de demência, é uma doença neurodegenerativa cujo curso desenvolve-se ao longo de 5 a 10 anos de forma progressiva e inexorável. O único factor de risco bem conhecido e aceito universalmente é a idade. Aceita- se que a doença de Alzheimer seja uma doença da idade, ou seja, à medida que a idade avança, maior é a probabilidade de sua ocorrência. A placa senil e degenerescência neurofibrilar constituem marcadores neuropatológicos da doença de Alzheimer. A doença de Alzheimer caracteriza-se em primeiro lugar, por uma fase pré- clínica ou assintomática, em relação à qual, se torna impossível precisar a duração, se não existirem marcadores de diagnóstico facilmente utilizáveis, originários da história da vida do paciente. A esta fase assintomática segue-se uma fase sintomática, primeiro pré-demencial, e que depois se torna demencial. A doença de Alzheimer não pode ser detectada com precisão precocemente, só se tem a certeza da presença desta doença após a morte do doente e análise do cérebro durante a autópsia. 19 Doença de Alzheimer


Carregar ppt "Doença de Alzheimer Trabalho realizado por: Ana Filipa Araújo Diana Freitas Neurofisiologia."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google