A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Economia da Educação Pedro Telhado Pereira. Os trabalhadores portugueses apresentam uma baixa instrução.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Economia da Educação Pedro Telhado Pereira. Os trabalhadores portugueses apresentam uma baixa instrução."— Transcrição da apresentação:

1 Economia da Educação Pedro Telhado Pereira

2 Os trabalhadores portugueses apresentam uma baixa instrução

3 As populações mais jovens não estavam a recuperar a um bom ritmo População com o Secundário Completo (1999), por grupos de idade País Espanha Grécia Irlanda Itália Portugal

4 Todos os países, com excepção de Portugal, apresentam um crescimento de mais de 30% entre a geração dos e a dos Portugal apresenta um crescimento de menos de 20%

5 Passados quase dez anos em 2008 População com o Secundário Completo (2008), por grupos de idade País Espanha Grécia Irlanda Itália Portugal

6 Portugal em 2008 já tinha ultrapassado os 30% de diferença No entanto menos de metade da geração mais jovem (25-34) tem o secundário completo. Os valores apresentados por esta geração são semelhantes aos das gerações 20 anos mais velhas nos países comparados.

7 Em 2010 Age group Greece Ireland Italy Portugal Spain OECD average EU21 average Population that has attained at least upper secondary education1 (2010) Percentage, by age group

8 Portugal em 2010 Já mais de metade da geração mais jovem (25-34) tem o secundário completo. No entanto, os valores apresentados por esta geração continuam a ser semelhantes aos das gerações 20 anos mais velhas nos países comparados.

9 No Ensino Superior em 2008 População com o Ensino Superior Completo (2008), por grupos de idade País Espanha Grécia Irlanda Itália Portugal

10 Para a geração mais nova, a Itália está pior No entanto, Portugal ainda está muito abaixo dos outros países com os quais comparamos

11 No Superior em 2010 Tertiary-type B education Tertiary-type A and advanced research programmes Total tertiary education in thousan ds Greece Ireland Italynnn1n Portugal x( 11 ) x(1 2) x(1 3) x(1 4) x(1 5) Spain OECD average EU21 average

12 Para a geração mais nova, a Itália continua pior E Portugal vai-se aproximando lentamente dos outros países com os quais comparamos

13 Justifica-se estudar o investimento em Educação? A educação como um investimento? Redução do consumo presente Aumento do consumo futuro Risco A educação como capital humano? Aumenta a produtividade

14 Diferença importante do capital humano O capital humano pertence ao indivíduo que o possui, podendo só ser alugado por períodos limitados no tempo. Não existe de compra do capital humano, o que equivaleria à escravatura. Esta diferença faz com que as empresas tenham pequeno incentivo em investir em capital humano.

15 Suponha que uma empresa paga os estudos a um seu funcionário Ao terminar os seus estudos o funcionário produz mais, mas não pode receber todo o aumento de produto porque parte tem que ser retido pela empresa para cobrir os custos de investimento. O funcionário pode mudar-se para outra empresa onde receberá mais…

16 Mas será que a educação leva a maiores salários? Vejamos o caso de Portugal

17 Salários em Portugal por graus de Educação e Idade

18 Leitura do gráfico anterior A educação aumenta os salários As pessoas mais velhas têm salários mais elevados O salário depende do grau de educação e da idade (experiência)

19 Como será o perfil de salários?

20 Estudo da decisão de continuar os estudos – Análise Custo-Benefício CUSTOS Custos adicionais que irá incorrer por continuar a estudar Livros escolares Propinas Diferencial de custos por se ter que deslocar para o local de estudo … Benefícios Diferencial de salários devido ao aumento de capital humano Outros que iremos ver mais tarde

21 Temos 2 perfis

22 Como comparar estes 2 perfis? Temos que perceber 1000 hoje não é o mesmo do que 1000 daqui um ano Se tiver 1000 hoje posso aplicá-lo e receber juros e daqui a um ano tenho taxa de juro X 1000 = = ( 1 + taxa de juro ) X 1000 Se tiver 1000 hoje posso gastá-lo já, daqui a um ano posso não estar em condições de o fazer …

23 Assim No presente 1000 daqui a um ano vale 1000 a dividir por (1+r) onde r é a taxa de desconto daqui a dois anos vale 1000 a dividir por (1+r) ao quadrado daqui a n anos vale 1000 a dividir por (1+r) elevado a n.

24 Voltemos aos perfis de salários

25 Façamos a diferença entre os dois perfis e adicionemos os custos adicionais

26 Temos que achar o valor presente para uma dada taxa de desconto

27 Como tomar a decisão Se a expressão anterior for positiva deve continuar a educação. Se a expressão anterior for negativa não deve continuar a educação.

28 Um exemplo com dois períodos Salário sem Educação – 500 Salário com Educação – 2000 Custo das propinas – 1000 Custos dos livros – 100 Taxa de desconto – 5% Qual a decisão?

29 Ou podemos calcular a taxa interna de rendibilidade ou seja a taxa r que satisfaz a seguinte relação

30 Como tomar a decisão Se a rendibilidade for suficientemente elevada então deve continuar a educação.

31 Calcule a taxa para o exemplo

32 Que método usar Os métodos dão ordenações diferentes para educações de diferente tempo de estudo. O segundo método aceita a hipótese que se consegue aplicar o dinheiro à taxa de rendibilidade da educação O método do valor presente parece ser o mais adequado, mas…

33 Como calcular a rendibilidade: Pensemos que a decisão é de estudar mais um ano A pessoa vive um tempo infinito Ganha S1 com mais um ano de educação e S0 no momento actual Não existem custos adicionais

34 Temos dois fluxos de salários Sem educação

35 Com educação

36 São iguais quando

37 O que os economistas calculam

38 Na próxima aula vamos enriquecer este modelo Pensando nos custos Pensando nos benefícios Pensando na rendibilidade social ….


Carregar ppt "Economia da Educação Pedro Telhado Pereira. Os trabalhadores portugueses apresentam uma baixa instrução."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google