A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Introdução ao Estudo da Imagem em Educação Mestrado em Tecnologia Educativa 2004/05 Introdução ao Estudo da Imagem em Educação Mestrado em Tecnologia Educativa.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Introdução ao Estudo da Imagem em Educação Mestrado em Tecnologia Educativa 2004/05 Introdução ao Estudo da Imagem em Educação Mestrado em Tecnologia Educativa."— Transcrição da apresentação:

1 Introdução ao Estudo da Imagem em Educação Mestrado em Tecnologia Educativa 2004/05 Introdução ao Estudo da Imagem em Educação Mestrado em Tecnologia Educativa 2004/05 Da Pintura à Era Digital e Manipulação de Imagens Paulo Moreira & Sandra Tavares Junho de 2005

2 Objectivos do Trabalho A Imagem através dos tempos: A Imagem através dos tempos: - Pinturas rupestres/ Renascimento / Perspectiva - Pinturas rupestres/ Renascimento / Perspectiva - Aparecimento das primeiras fotografias (evolução) - Aparecimento das primeiras fotografias (evolução) * Daguerreótipo / Calótipo / Ambrótipo / Cores * Daguerreótipo / Calótipo / Ambrótipo / Cores Exemplos de Máquinas fotográficas Exemplos de Máquinas fotográficas Formatos de ficheiros Formatos de ficheiros Manipulação de Imagens Manipulação de Imagens

3 Caracterização da Imagem Todas las imágenes se caracterizan por el grado (variable) de figurativo, por el porcentaje (variable) de iconicidad, por el coeficiente de complejidade; sus cualidades técnicas (contraste, formato, fijo o animado) no intervienen sensiblemente, ya que lo esencial es poner de manifiesto las leyes de unión entre elementos visuales que tienden a un todo ordenado. Anne-Marie Thibault-Laulan - Imagen Y comunicacion (1973)

4 A Imagem tem então uma função: La función de una imagen o más exactamente el uso que se puede hacer de ella, es susceptible de variar com el tiempo. Hay que insistir una vez más sobre la importância del contexto – histórico, cultural, geográico – para la significación de una imagen: la «subjectividad» puede convertirse en testimonio, el documento objectivo aureolarse de lirismo, la imagen fantástica servir a la publicidad. Anne-Marie Thibault-Laulan - Imagen Y comunicacion (1973)

5 Desde o princípio da Humanidade, na Era Paleolítica (entre e A.C) houve a necessidade da comunicação. O Homem retratava nos seus primeiros dias o que era a sociedade desses tempos, a casa, os animais, a convivência entre tribos, através das pinturas rupestres, aplicando pigmentos sobre rochas e paredes. Pinturas Rupestres

6 A perspectiva geométrica, foi descoberta em Itália no séc.XV, por Alberti, um grande humanista do Renascimento, e foi criada, essencialmente, para dar profundidade, às vezes mais do que na realidade, na pintura e na escultura. Na pintura foram então introduzida novas técnicas: perspectiva, harmonia, realismo, equilíbrio da composição e naturalismo. Renascimento

7 Sugestão de profundidade espaço tridimensional numa tela bidimensional Sugestão de profundidade espaço tridimensional numa tela bidimensional Solução matemática redução proporcional de acordo com as medidas reais Solução matemática redução proporcional de acordo com as medidas reais Estudo de perspectiva do Séc. XV Perspectiva - Fidelidade Esse foi o ponto de partida. Ainda faltava conquistar (além do espaço) a forma, o movimento, a cor, a expressão dos sentimentos humanos...

8 "Se não sabes pintar, com este procedimento pode desenhar o contorno das imagens com um lápis. (...) Isto consegue-se projectando uma imagem sobre uma mesa de desenho com um papel". Giovanni della Porta A Câmara Escura

9 Máquina Fotográfica – Olho Humano

10 A câmara fotográfica é, estruturalmente, um olho. A tampa da máquina será comparada à pálpebra; o diafragma abre e fecha para regular a luz reproduzindo o papel da pupila. A câmara fotográfica é, estruturalmente, um olho. A tampa da máquina será comparada à pálpebra; o diafragma abre e fecha para regular a luz reproduzindo o papel da pupila. No entanto, o filme não tem a mesma capacidade da retina, de "esquecer" imagens recebidas para receber outras, num virar de cabeça. Para obter novas imagens, avançamos o filme. Cada negativo (ou diapositivo) corresponde a um olhar. No entanto, o filme não tem a mesma capacidade da retina, de "esquecer" imagens recebidas para receber outras, num virar de cabeça. Para obter novas imagens, avançamos o filme. Cada negativo (ou diapositivo) corresponde a um olhar. Outras limitações estão relacionadas com "latitude" e "temperatura de cor". Latitude é a capacidade de perceber detalhes simultaneamente em áreas iluminadas e áreas sombreadas. Estando ao ar livre e submetidos a luz solar directa, somos capazes de identificar um objecto ou uma pessoa situada numa área de sombra. O filme não é capaz da mesma proeza. Outras limitações estão relacionadas com "latitude" e "temperatura de cor". Latitude é a capacidade de perceber detalhes simultaneamente em áreas iluminadas e áreas sombreadas. Estando ao ar livre e submetidos a luz solar directa, somos capazes de identificar um objecto ou uma pessoa situada numa área de sombra. O filme não é capaz da mesma proeza. da Máquina Fotográfica Limitações da Máquina Fotográfica

11 Limitações da Máquina Fotográfica

12 Joseph Nicéphore Niépce Começou em 1793 a realizar algumas experiências químicas com materiais sensíveis à luz, para fixar a imagem da câmara escura. Começou em 1793 a realizar algumas experiências químicas com materiais sensíveis à luz, para fixar a imagem da câmara escura. Se conseguisse fixar a imagem sobre a pedra litográfica sensibilizada, poderia transpô-la como uma gravura, obtendo bons resultados (perfeitos, sob o ponto de vista estético da época). Se conseguisse fixar a imagem sobre a pedra litográfica sensibilizada, poderia transpô-la como uma gravura, obtendo bons resultados (perfeitos, sob o ponto de vista estético da época). Em Julho de 1822 conseguiu sua primeira fotocópia - uma gravação em chapa de cobre exposta ao sol e, em seguida, colocada sobre uma chapa de cristal recoberta com betume da Judeia (que era usado em gravações por causa de sua resistência à corrosão). Nos anos seguintes, ele substituiu a chapa de vidro por zinco, e baptizou o processo de Heliografia. Em Julho de 1822 conseguiu sua primeira fotocópia - uma gravação em chapa de cobre exposta ao sol e, em seguida, colocada sobre uma chapa de cristal recoberta com betume da Judeia (que era usado em gravações por causa de sua resistência à corrosão). Nos anos seguintes, ele substituiu a chapa de vidro por zinco, e baptizou o processo de Heliografia.

13 Esta é a primeira fotografia realizada com êxito por Niépce, em É uma vista da janela do seu quarto. Note-se que ambos os lados do pátio estão iluminados pelo sol: resultado de uma exposição de oito horas num dia de Verão. Joseph Nicéphore Niépce

14 Daguerre e Fox Talbot No ano de 1839, Fox Talbot e Daguerre anunciavam a fixação de imagens captadas pela câmara escura. No entanto, o inglês e o francês chegaram a resultados um tanto diferentes. No ano de 1839, Fox Talbot e Daguerre anunciavam a fixação de imagens captadas pela câmara escura. No entanto, o inglês e o francês chegaram a resultados um tanto diferentes. O invento de Talbot seria mais importante para o desenvolvimento da fotografia nos anos seguintes: uma imagem monocromática fixada em papel, invertida em sua posição e em seus tons - um negativo, tratado depois quimicamente para ser revertido. O invento de Talbot seria mais importante para o desenvolvimento da fotografia nos anos seguintes: uma imagem monocromática fixada em papel, invertida em sua posição e em seus tons - um negativo, tratado depois quimicamente para ser revertido. Daguerre descobriu que uma imagem latente poderia ser revelada com vapor de mercúrio, reduzindo o tempo de exposição para 20 ou 30 minutos, e em 1837 encontrou o fixador necessário: o sal comum. Daguerre descobriu que uma imagem latente poderia ser revelada com vapor de mercúrio, reduzindo o tempo de exposição para 20 ou 30 minutos, e em 1837 encontrou o fixador necessário: o sal comum. O Governo Francês compra o seu invento : nascia o Daguerreótipo. O Governo Francês compra o seu invento : nascia o Daguerreótipo.

15 À esquerda, o primeiro manual fotográfico do mundo, lançado na Alemanha em Julho de 1839, provavelmente por Karl von Frankstein em Graz. À direita, a primeira edição do manual de Daguerre, publicado logo no mês seguinte. Daguerre e Fox Talbot

16 Daguérre e modelo de seu daguerreótipo. Foto feita por ele mesmo em Daguérre e modelo de seu daguerreótipo. Foto feita por ele mesmo em Daguerre e Fox Talbot

17 Algumas imagens de Fox Talbot. Algumas imagens de Fox Talbot.

18 O calótipo poderia ser inserido em livros, álbuns, ser colado em documentos, enviado por carta e, talvez Talbot nem tenha imaginado, mas abria caminho para as imagens serem futuramente impressas em livros e jornais. A porta aberta, calótipo de Talbot, 1843 Daguerre e Fox Talbot

19 Cianótipo - Astrónomo inglês John Herschel em 1839 conseguiu a primeira fotografia em vidro. Também é dele a primeira cópia azul. Cunhou os termos Fotografia e Fotográfico. Cianótipo - Astrónomo inglês John Herschel em 1839 conseguiu a primeira fotografia em vidro. Também é dele a primeira cópia azul. Cunhou os termos Fotografia e Fotográfico. Albumina e o Halótipo - Abel Niépce, começou a utilizar com sucesso a clara de ovo (albumina) como emulsão para a chapa de vidro, reduzindo o tempo de exposição para cerca de 5 a 15 minutos. Isso levou aos chamados halótipos. Graças à transparência perfeita, esse processo se mostrou excelente para diapositivos de projecção - lanternas mágicas e imagens estereoscópicas Albumina e o Halótipo - Abel Niépce, começou a utilizar com sucesso a clara de ovo (albumina) como emulsão para a chapa de vidro, reduzindo o tempo de exposição para cerca de 5 a 15 minutos. Isso levou aos chamados halótipos. Graças à transparência perfeita, esse processo se mostrou excelente para diapositivos de projecção - lanternas mágicas e imagens estereoscópicas Os Rápidos Avanços

20 Ambrótipo - variante do primeiro processo de Archer, era um ambrótipo sobre vidro. Obtinha-se com o branqueamento de um negativo subexposto e colocado sobre papel aveludado, entre molduras douradas, era um substituto barato para o daguerreótipo. Ambrótipo - variante do primeiro processo de Archer, era um ambrótipo sobre vidro. Obtinha-se com o branqueamento de um negativo subexposto e colocado sobre papel aveludado, entre molduras douradas, era um substituto barato para o daguerreótipo. Ambrótipo da sra. William Blake No Ambrótipo o fundo escuro forma uma imagem positiva sobre um negativo (na figura acima, na parte esquerda o fundo escuro foi removido) Os Rápidos Avanços

21 Foto atribuída a Félice Beato, "Mulher usando cosméticos", Yokohama, 1868, álbum publicado. Uma foto impressa no papel albuminado, recebia em seguida a aplicação a cores. As Cores

22 Thomas Young, 1801,estudou o funcionamento e as funções do olho humano, incluindo os dados fisiológicos da sensação da cor. Thomas Young, 1801,estudou o funcionamento e as funções do olho humano, incluindo os dados fisiológicos da sensação da cor. O ponto de partida da nova óptica foi a sua teoria tricromática, que tomava por base as reacções fisiológicas às três cores-luz primárias: o vermelho, o verde e o azul-violetado, assimiladas por três diferentes conjuntos de fibrilas nervosas em que Young dividiu a retina. O ponto de partida da nova óptica foi a sua teoria tricromática, que tomava por base as reacções fisiológicas às três cores-luz primárias: o vermelho, o verde e o azul-violetado, assimiladas por três diferentes conjuntos de fibrilas nervosas em que Young dividiu a retina. O fisiologista alemão Herman von Helmholtz, já em meados do século XIX, traçou as curvas representativas da acção dessas três cores sobre essas três categorias de fibrilas. O fisiologista alemão Herman von Helmholtz, já em meados do século XIX, traçou as curvas representativas da acção dessas três cores sobre essas três categorias de fibrilas. A teoria tricromática ficou então sendo chamada de Young- Helmholtz. A teoria tricromática ficou então sendo chamada de Young- Helmholtz. As Cores

23 Em 1861, James Clark Maxwell, autor da teoria electromagnética da luz, reproduziu pela primeira vez uma imagem em cores por síntese aditiva, inaugurando a aplicação prática dessa teoria. Em 1861, James Clark Maxwell, autor da teoria electromagnética da luz, reproduziu pela primeira vez uma imagem em cores por síntese aditiva, inaugurando a aplicação prática dessa teoria. Vista de Angoulême, primeira fotografia colorida conservada, de Louis de Hauron, Uma Heliocromia ou cópia carnobada. As Cores

24 " Sem título", fotografia tirada entre 1907 e 1915, pelos irmãos Lumière. Um bom exemplo do processo de Autocromo As Cores

25 Em 1942 a Kodak lançou o Kodacolor negativo/positivo. Em 1942 a Kodak lançou o Kodacolor negativo/positivo. Produzia-se uma imagem negativa em cores complementares, que em seguida era copiada sobre papel recoberto com a mesma emulsão do primeiro negativo, obtendo-se uma cópia positiva. Produzia-se uma imagem negativa em cores complementares, que em seguida era copiada sobre papel recoberto com a mesma emulsão do primeiro negativo, obtendo-se uma cópia positiva. Louise Dahl-Wolfe, The covert look Louise Dahl-Wolfe, The covert look Transparência colorida (Kodachrome) Transparência colorida (Kodachrome) As Cores

26 Uma câmara escura do tipo Daguerre. Uma câmara escura do tipo Daguerre. Evolução das Máquinas Fotográficas Uma das usado por Talbot e Daguerre Uma das usado por Talbot e Daguerre

27 Câmaras discretas- as chamadas câmaras secretas ou "detective" foram uma verdadeira obsessão até o início do século XX. O desenho à esquerda mostra um modelo acoplado ao botão da camisa. Câmaras discretas- as chamadas câmaras secretas ou "detective" foram uma verdadeira obsessão até o início do século XX. O desenho à esquerda mostra um modelo acoplado ao botão da camisa de película - Já esta câmara e tirava 25 fotografias sobre película de película - Já esta câmara e tirava 25 fotografias sobre película. Evolução das Máquinas Fotográficas

28 Propaganda Máquinas Fotográficas Kodak 1922 Propaganda Máquinas Fotográficas Kodak 1922 Evolução das Máquinas Fotográficas

29

30 Formatos de Ficheiro RAW ou NEF RAW ou NEF TIFF (Tagged Image File Format) TIFF (Tagged Image File Format) JPEG (Joint Photographic Expert Group) JPEG (Joint Photographic Expert Group) GIF (Graphics Interchange Format) GIF (Graphics Interchange Format) PNG (Portable Network Graphics) PNG (Portable Network Graphics)

31 Manipulação de Imagens Adobe Photoshop Adobe Photoshop Jasc Paint Shop Pro Jasc Paint Shop Pro Corel PhotoPaint Corel PhotoPaint Gimp Gimp NeatImage NeatImage

32 Manipulação de Imagens Alterações dimensionais (Crop e Resize) Alterações dimensionais (Crop e Resize) Canais e Layers (RGB e CMYK) Canais e Layers (RGB e CMYK) Ajustes de cor (Levels e Curves) Ajustes de cor (Levels e Curves) Preto e Branco Preto e Branco Clonagem Clonagem Filtros (Blur, Sharp, distorção e efeitos) Filtros (Blur, Sharp, distorção e efeitos) Panoramas Panoramas


Carregar ppt "Introdução ao Estudo da Imagem em Educação Mestrado em Tecnologia Educativa 2004/05 Introdução ao Estudo da Imagem em Educação Mestrado em Tecnologia Educativa."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google