A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

IPC (2003/04) :: Modelos Conceptuais, Interacção e Modelos Mentais João Falcão e Cunha, Miguel B. Gonçalves © 2003 1 2. Modelos Conceptuais, Interacção.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "IPC (2003/04) :: Modelos Conceptuais, Interacção e Modelos Mentais João Falcão e Cunha, Miguel B. Gonçalves © 2003 1 2. Modelos Conceptuais, Interacção."— Transcrição da apresentação:

1 IPC (2003/04) :: Modelos Conceptuais, Interacção e Modelos Mentais João Falcão e Cunha, Miguel B. Gonçalves © Modelos Conceptuais, Interacção e Modelos Mentais (Aula Teórica 2 – apresentação adaptada do sítio de [Preece et al 2002]) O «espaço» do problema deve ser descrito com um bom modelo conceptual de acordo com o modelo mental do utilizador. Modelo conceptual deve ser anterior à escolha das características da interface concreta.

2 IPC (2003/04) :: Modelos Conceptuais, Interacção e Modelos Mentais João Falcão e Cunha, Miguel B. Gonçalves © Modelos Mentais e Modelos Conceptuais A forma como as pessoas pensam, prestam atenção, aprendem, memorizam, percebem, decidem, planeiam, lêem, falam e escutam a psicologia estuda os Modelos Mentais influencia o desenvolvimento de Modelos Mentais para a interacção. (...)

3 IPC (2003/04) :: Modelos Conceptuais, Interacção e Modelos Mentais João Falcão e Cunha, Miguel B. Gonçalves © Modelos Mentais e Modelos Conceptuais Deseja-se, por exemplo: –Tornar o trabalho mais produtivo, eficiente e seguro. –Melhorar a aprendizagem. –Disponibilizar entretenimento agradável e excitante. –Melhorar a comunicação e o entendimento. –Apoiar novas formas de criatividade e de expressão. –Controlar a execução das actividades.

4 IPC (2003/04) :: Modelos Conceptuais, Interacção e Modelos Mentais João Falcão e Cunha, Miguel B. Gonçalves © Entender o Problema... Antes de iniciar o desenho da interface deve ser claro: –Qual é o problema? –Quais são as necessidades do utilizador? –Quais são os objectivos de usabilidade? –O que queremos criar? –Quais são as suposições? –Será que se vai atingir o que se deseja?

5 IPC (2003/04) :: Modelos Conceptuais, Interacção e Modelos Mentais João Falcão e Cunha, Miguel B. Gonçalves © Se não se compreender o problema... O sistema pode vir a não ser utilizado por não corresponder às expectativas dos utilizadores. Para o tornar adequado aos utilizadores é necessário investir mais dinheiro e perder tempo!

6 IPC (2003/04) :: Modelos Conceptuais, Interacção e Modelos Mentais João Falcão e Cunha, Miguel B. Gonçalves © Formas de Estruturar o Espaço do Problema Há problemas com o produto actual? Porque é que julga que há problemas? Porque é que as suas ideias podem ser úteis? Como pensa que as pessoas vão usar a sua proposta com a sua forma actual de trabalhar? Como vai apoiar as pessoas nas suas actividades? Será que realmente as vai ajudar?

7 IPC (2003/04) :: Modelos Conceptuais, Interacção e Modelos Mentais João Falcão e Cunha, Miguel B. Gonçalves © Exemplos: WAP e Access Quais foram as suposições das empresas ao desenvolverem os serviços WAP e Access? Seriam soluções à procura de problemas?

8 IPC (2003/04) :: Modelos Conceptuais, Interacção e Modelos Mentais João Falcão e Cunha, Miguel B. Gonçalves © WAP – Suposições Aceitáveis As pessoas querem manter-se informadas em qualquer lugar razoável As pessoas querem interagir com a informação em andamento razoável As pessoas estão dispostas a utilizar um visor muito pequeno e com uma interface muito limitada não razoável As pessoas estão dispostas a fazer num telemóvel o que fazem normalmente nos seus PC (ex. Navegar na Internet, ler correio, comprar, jogar) razoável para um número limitado de utilizadores. As pessoas estão dispostas a esperar pela informação 1 minuto razoável...

9 IPC (2003/04) :: Modelos Conceptuais, Interacção e Modelos Mentais João Falcão e Cunha, Miguel B. Gonçalves © Access – Suposições Razoáveis Com o serviço Access poderá efectuar o pagamento de combustíveis em bombas exclusivas com Via Verde nos postos Galp, o pagamento automático de parques de estacionamento e ainda dispor de um vasto pacote de serviços adicionais, nomeadamente assistência e desempanagem móvel, seguro de colisão com animais nas auto-estradas, seguro de roubo e uso fraudulento do identificador, garantia vitalícia do identificador, linha de apoio, detecção de viatura roubada e descontos em parceiros. –Oferta de uma anuidade grátis no valor de 52 – ligue para e informe o número do seu cartão fast e o número do seu identificador de Via Verde (oferta limitada aos primeiros aderentes fast as serviço Access). Guia de vantagens positivas , cartão fast, Galp Energia, Set (...)

10 IPC (2003/04) :: Modelos Conceptuais, Interacção e Modelos Mentais João Falcão e Cunha, Miguel B. Gonçalves © Access – Suposições Razoáveis As pessoas que viajam de automóvel e que dispõem de Via Verde gostariam de não perder tempo a pagar o abastecimento de combustível razoável As pessoas estão dispostas a pagar 52 para beneficiar dos serviços Access razoável?

11 IPC (2003/04) :: Modelos Conceptuais, Interacção e Modelos Mentais João Falcão e Cunha, Miguel B. Gonçalves © SMS – Suposições Razoáveis?... SMS Dicionário: K - que KK - qualquer * - beijinho ñ - não tf - telefona tm - telemóvel hj - hoje fds - fim-de-semana

12 IPC (2003/04) :: Modelos Conceptuais, Interacção e Modelos Mentais João Falcão e Cunha, Miguel B. Gonçalves © Do Espaço do Problema ao Espaço de Desenho Entender correctamente o espaço do problema traz informação útil para o espaço de desenho. Antes de decidir sobre estes espaços é necessário desenvolver um modelo conceptual.

13 IPC (2003/04) :: Modelos Conceptuais, Interacção e Modelos Mentais João Falcão e Cunha, Miguel B. Gonçalves © Modelos Conceptuais É necessário pensar como o sistema aparece aos utilizadores. Um modelo conceptual é uma descrição de alto nível (abstracta) do sistema proposto, em termos de um conjunto integrado de ideias e conceitos sobre o que deve fazer, como deve comportar-se e mostrar-se, que seja «entendível» pelos utilizadores, da forma desejada. A conceptual model is a high level description of the proposed system in terms of a set of integrated ideas and concepts about what it should do, behave and look like, that will be understandable by the users in the manner intended.

14 IPC (2003/04) :: Modelos Conceptuais, Interacção e Modelos Mentais João Falcão e Cunha, Miguel B. Gonçalves © Etapas para a formulação do Modelo Conceptual Qual será o contexto durante a execução das tarefas? Como é que o sistema as vai suportar? Que tipo de metáfora de interface será adequada? Será necessária? Quais os modos e estilos de interacção adequados?

15 IPC (2003/04) :: Modelos Conceptuais, Interacção e Modelos Mentais João Falcão e Cunha, Miguel B. Gonçalves © Caso das Eleições Americanas Interface da máquina…

16 IPC (2003/04) :: Modelos Conceptuais, Interacção e Modelos Mentais João Falcão e Cunha, Miguel B. Gonçalves © Classificação de Modelos Conceptuais Há muitas formas de os classificar. Vão ser descritos em termos de actividades e objectos. Também vão ser apresentados em termos de metáforas de interfaces.

17 IPC (2003/04) :: Modelos Conceptuais, Interacção e Modelos Mentais João Falcão e Cunha, Miguel B. Gonçalves © MCA: Modelos Conceptuais baseados em Actividades 1. Dando instruções –Enviando comandos com o teclado e teclas de função, ou seleccionando opções de menus. 2. Conversando –Interagindo com o sistema como se fosse uma conversa. 3. Manipulando directamente (MD) (& navigating) –Actuando sobre os objectos e interagindo com objectos virtuais (por exemplo, 3D). 4. Explorando e pesquisando –Pesquisando e aprendendo.

18 IPC (2003/04) :: Modelos Conceptuais, Interacção e Modelos Mentais João Falcão e Cunha, Miguel B. Gonçalves © Vantagens e Desvantagens do Modelo Conversacional Permite aos utilizadores (novatos e pessoas que não conseguem lidar com tecnologia) interagir com o sistema de um modo familiar. Podem surgir mal-entendidos se o sistema não souber analisar o que o utilizador diz.

19 IPC (2003/04) :: Modelos Conceptuais, Interacção e Modelos Mentais João Falcão e Cunha, Miguel B. Gonçalves © MD (Navigating) Envolve executar acções de arrasto, selecção, abertura, fecho e ampliação/redução em objectos virtuais. Explora o conhecimento dos utilizadores sobre como movem e manipulam os objectos no mundo físico. Exemplificado por –WYSIWYG (wizzy-wig) –Direct Manipulation Approach (DM ou MD)

20 IPC (2003/04) :: Modelos Conceptuais, Interacção e Modelos Mentais João Falcão e Cunha, Miguel B. Gonçalves © Princípios Nucleares da Abordagem MD Há uma representação contínua dos objectos e acções de interesse. As acções físicas e accionamento de botões substituem os comandos de sintaxe complexa. As acções, rapidamente reversíveis, resultam num feedback imediato do objecto em questão.

21 IPC (2003/04) :: Modelos Conceptuais, Interacção e Modelos Mentais João Falcão e Cunha, Miguel B. Gonçalves © Explorando e Pesquisando É um modo similar ao utilizado pelas pessoas quando procuram determinada informação em meios existentes. A informação encontra-se estruturada para permitir alguma flexibilidade no modo de pesquisa escolhido.

22 IPC (2003/04) :: Modelos Conceptuais, Interacção e Modelos Mentais João Falcão e Cunha, Miguel B. Gonçalves © MCO: Modelos Conceptuais baseados em Objectos Normalmente baseados em analogias com objectos com existência física no mundo real Exemplos: livros, ferramentas ou viaturas Modelos de interacção clássicos: –Interface do Xerox Star baseada em objectos do escritório –Folha de cálculo Visicalc (Dan Bricklin e Bob Frankston).

23 IPC (2003/04) :: Modelos Conceptuais, Interacção e Modelos Mentais João Falcão e Cunha, Miguel B. Gonçalves © Xerox Alto e Xerox 8010 (Star)

24 IPC (2003/04) :: Modelos Conceptuais, Interacção e Modelos Mentais João Falcão e Cunha, Miguel B. Gonçalves © Xerox 8010 – Star

25 IPC (2003/04) :: Modelos Conceptuais, Interacção e Modelos Mentais João Falcão e Cunha, Miguel B. Gonçalves © Visicalc

26 IPC (2003/04) :: Modelos Conceptuais, Interacção e Modelos Mentais João Falcão e Cunha, Miguel B. Gonçalves © Qual é o melhor Modelo Conceptual? Dar instruções é bom para tarefas repetitivas, por exemplo, correcção ortográfica, gestão de ficheiros Manipulação directa é boa para «fazer» alguns tipos de tarefas, por exemplo, projectar, desenhar, voar, conduzir, redimensionar janelas Conversar é bom para crianças, pessoas que não conseguem lidar com tecnologia, pessoas com limitações e aplicações especializadas (por exemplo, serviços telefónicos) Modelos híbridos são utilizados quando é possível executar a mesma tarefa, na mesma interface, de formas diferentes, mas levam mais tempo a aprender

27 IPC (2003/04) :: Modelos Conceptuais, Interacção e Modelos Mentais João Falcão e Cunha, Miguel B. Gonçalves © Metáforas de Interfaces Exemplos: –Interface desenhada para ser similar a uma entidade física, mas com propriedades próprias (por exemplo, metáfora do desktop e portais Web) –Podem ser baseadas em actividades, objectos ou uma combinação de ambos –Explorar o conhecimento familiar dos utilizadores ajudando-os a conhecer o não-familiar –Faz aparecer a essência das actividades não-familiares, permitindo aos utilizadores usar essa informação para compreender melhor a funcionalidade desconhecida Vantagens? Desvantagens?

28 IPC (2003/04) :: Modelos Conceptuais, Interacção e Modelos Mentais João Falcão e Cunha, Miguel B. Gonçalves © Do Modo de Interacção para Estilo de Interacção Modo de Interacção (mais abstracto) –O que o utilizador está a fazer quando interage com o sistema. Exemplos: dando instruções, falando ou navegando. Estilo de Interacção (mais concreto) –O tipo de interface utilizado para apoiar o modo. Exemplos: linguagem, baseado em menus ou gestos

29 IPC (2003/04) :: Modelos Conceptuais, Interacção e Modelos Mentais João Falcão e Cunha, Miguel B. Gonçalves © Estilos de Interacção Comando Voz Introdução de dados (data- entry) Preenchimento de formulários (form fill-in) Pesquisa (query) Gráfico Web Caneta Realidade aumentada Gesto

30 IPC (2003/04) :: Modelos Conceptuais, Interacção e Modelos Mentais João Falcão e Cunha, Miguel B. Gonçalves © Casa da Música «Minority Report»

31 IPC (2003/04) :: Modelos Conceptuais, Interacção e Modelos Mentais João Falcão e Cunha, Miguel B. Gonçalves © Que estilo usar? Levar em linha de conta os requisitos e necessidades do utilizador Considerar orçamento e outras restrições Depende da adequação da tecnologia à actividade a suportar

32 IPC (2003/04) :: Modelos Conceptuais, Interacção e Modelos Mentais João Falcão e Cunha, Miguel B. Gonçalves © Paradigmas de Interacção Outra forma de desenvolvimento para modelos conceptuais Da secretária para a computação ubíqua, disponível em qualquer parte Exemplos: computação ubíqua, realidade aumentada e computação transparente

33 IPC (2003/04) :: Modelos Conceptuais, Interacção e Modelos Mentais João Falcão e Cunha, Miguel B. Gonçalves © Modelos Mentais (capítulo seguinte) A modelação conceptual está muito relacionada com a modelação mental dos utilizadores: –A forma como as pessoas pensam, prestam atenção, aprendem, memorizam, percebem, decidem, planeiam, lêem, falam e escutam O trabalho sobre modelos mentais serve de base aos processos de avaliação –Exemplos: GOMs, Análise de Tarefas (task analysis), Análise Hierárquica de Tarefas,... Capítulo 3 [Preece et al 2002]

34 IPC (2003/04) :: Modelos Conceptuais, Interacção e Modelos Mentais João Falcão e Cunha, Miguel B. Gonçalves © Sítios a ver ou rever www-clsi.stanford.edu/research/ interactivity.stanford.edu

35 IPC (2003/04) :: Modelos Conceptuais, Interacção e Modelos Mentais João Falcão e Cunha, Miguel B. Gonçalves © Sumário Modelação Conceptual (definição) é... Entender claramente o espaço do problema... Tipos de modelos conceptuais... Modos de Interacção são... Estilos de Interacção são... Modelos mentais são...

36 IPC (2003/04) :: Modelos Conceptuais, Interacção e Modelos Mentais João Falcão e Cunha, Miguel B. Gonçalves © O que ficou na cabeça... No final deste capítulo os alunos devem saber que: É essencial conhecer o espaço do problema, e desenvolver um modelo conceptual que os utilizadores possam entender. Os modos de interacção (ex: conversação, comando) e as metáforas da interface oferecem uma estrutura para pensar nos tipos de modelo conceptual a desenvolver. Os estilos de interacção (ex: menus, formulários) e os paradigmas de interacção (ex: WIMP – Windows, Icons, Mouse and Pull-down menus) são tipos de interfaces que podem ser usados para concretizar partes do modelo conceptual previamente desenvolvido. A forma como as pessoas pensam, prestam atenção, aprendem, memorizam, percebem, decidem, planeiam, lêem, falam e escutam, influencia o desenvolvimento de modelos conceptuais para interacção. Referência: Capítulo 2 [Preece et al 2002]

37 IPC (2003/04) :: Modelos Conceptuais, Interacção e Modelos Mentais João Falcão e Cunha, Miguel B. Gonçalves © Exercício Prático 1.Estudar uma aplicação, sistema ou sítio Web. 2.Definir lista de tarefas possíveis a serem testadas (escrever as tarefas sem ter a aplicação à vista; ordenar por dificuldade). 3.Pedir aos utilizadores para executarem as tarefas propostas, observando o que fazem. 4.Avaliar as reacções dos utilizadores e procurar com a sua ajuda desenhar a nova interacção. 1.Como obter informação dos utilizadores? 2.Quando é este «método» aplicável?


Carregar ppt "IPC (2003/04) :: Modelos Conceptuais, Interacção e Modelos Mentais João Falcão e Cunha, Miguel B. Gonçalves © 2003 1 2. Modelos Conceptuais, Interacção."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google