A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Pensamento Crítico, Prática 2 Argumentação. Objectivo Persuadir o interlocutor Como? Partir de premissas aceitáveis Seguir um raciocínio válido Chegar.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Pensamento Crítico, Prática 2 Argumentação. Objectivo Persuadir o interlocutor Como? Partir de premissas aceitáveis Seguir um raciocínio válido Chegar."— Transcrição da apresentação:

1 Pensamento Crítico, Prática 2 Argumentação

2 Objectivo Persuadir o interlocutor Como? Partir de premissas aceitáveis Seguir um raciocínio válido Chegar a uma conclusão clara Argumento

3 Qual é a conclusão de cada texto? Textos 1 e 2

4 Qual é a conclusão de cada texto? Texto 1: Não é aos cépticos que compete refutar os dogmas, mas sim aos que os defendem que compete mostrar provas. Textos 1 e 2

5 Qual é a conclusão de cada texto? Texto 2: Textos 1 e 2

6 Qual é a conclusão de cada texto? Texto 2: São crianças tão terrestres como seus pais, a única diferença é sua tarefa espiritual de impulsionar mudanças na humanidade. (?) Os colégios e os demais centros educativos, devem estar atentos para reconhecer a presença das crianças Índigo dentro das salas de aula. (?) Não tem conclusão... Textos 1 e 2

7 Que razões são apresentadas?

8 Textos 1 e 2 Que razões são apresentadas? Texto 1: Que normalmente recusamos uma conclusão que se baseie apenas na falta de provas em contrário, tal como a hipótese de uma chaleira de loiça azul entre a Terra e Marte.

9 Textos 1 e 2 Que razões são apresentadas? Texto 2: ? O que são razões?

10 Textos 1 e 2 Que razões são apresentadas? Texto 2: O que são razões? Afirmações justificativas

11 Textos 1 e 2 As razões suportam a conclusão?

12 Textos 1 e 2 As razões suportam a conclusão? Texto 1: Sim. Apresenta ideias que justificam aceitar a conclusão.

13 Textos 1 e 2 As razões suportam a conclusão? Texto 1: Sim. Apresenta ideias que justificam a conclusão: Se propomos a chaleira em órbita só porque não podem provar o contrário acham disparate. Logo não é necessário provar o contrário para rejeitar uma afirmação.

14 Textos 1 e 2 As razões suportam a conclusão? Texto 2: Não há relação entre as afirmações.

15 Textos 1 e 2 Serão ambos argumentos?

16 Textos 1 e 2 Serão ambos argumentos? O que é um argumento? Razões que justificam uma conclusão

17 Textos 1 e 2 Encontramos termos mal definidos?

18 Textos 1 e 2 Encontramos termos mal definidos? Texto 2: tarefa espiritual Sete Leis Espirituais

19 Textos 1 e 2 E frases demasiado vagas? um novo estado de consciência mais evoluído

20 Textos 1 e 2 Para um bom argumento (até agora...): Conclusão clara Justificações relevantes Termos bem definidos Afirmações concretas e específicas Bom encadeamento

21 Pressupostos

22 Texto 3 Conclusão Razões São relevantes? É um argumento?

23 Texto 3 Por vezes um argumento inclui premissas implícitas (pressupostos). Um exemplo neste texto:

24 Texto 3 Por vezes um argumento inclui premissas implícitas (pressupostos). Um exemplo neste texto: Se a publicidade influencia, a violência também influencia.

25 Texto 3 Por vezes um argumento inclui premissas implícitas (pressupostos). Um exemplo neste texto: Se a publicidade influencia, a violência também influencia. Ou: se algumas coisas influenciam, então a violência influencia.

26 Texto 3 Por vezes um argumento inclui premissas implícitas (pressupostos). Um exemplo neste texto: Se a publicidade influencia, a violência também influencia. Ou: se algumas coisas influenciam, então a violência influencia. Ou ainda: se a publicidade influencia, então tudo na TV influencia.

27 Texto 3 Podemos aceitar algum destes pressupostos? Se a publicidade influencia, a violência também influencia. Ou: se algumas coisas influenciam, então a violência influencia. Ou ainda: se a publicidade influencia, então tudo na TV influencia.

28 Mesma coisa? A Carla está furiosa porque o Jorge espatifou o carro dela. Cuidado que a Carla está furiosa. O Jorge espatifou o carro dela.

29 Argumentos e Explicações Num argumento queremos mostrar a validade duma conclusão: Cuidado que a Carla está furiosa. O Jorge espatifou o carro dela. A fúria da Carla não está estabelecida, e a aselhice do Jorge é dada como razão para aceitarmos que a Carla está mesmo furiosa.

30 Argumentos e Explicações Numa explicação apresentamos uma causa para algo que é tido como verdade: A Carla está furiosa porque o Jorge espatifou o carro dela. A fúria da Carla é aceite à partida, e o que se pretende é explicar porque ela está assim.

31 Argumentos e Explicações Atenção: Pode depender do contexto Uma explicação pode ser a conclusão de um argumento (ou vice versa...)

32 Argumentos e Explicações Atenção: As pessoas dão valor aos seus carros, e reagem mal quando perdem algo de valor. Daí se conclui que a Carla ficou furiosa porque o Jorge lhe espatifou o carro.

33 Atenção: Ao que está a ser argumentado Ao que é aceite e está a ser explicado Ao que não é mencionado mas é assumido implicitamente

34 Exercício 1

35 Exercício 2

36 Texto 1

37 Texto 2 É um argumento?

38 Relevante? Em muitos animais o período fértil das fêmeas é anunciado por marcas visuais, olfactivas, ou por grandes alterações no comportamento, e a actividade sexual do macho varia de acordo com estas alterações.

39 Relevante? Nos anos sessenta, o movimento Norte Americano de contracultura levou milhões de jovens a defender o conceito de amor livre, e a propor a libertação do acto sexual das antigas restrições morais, sociais, e religiosas.

40 Relevante? Na espécie humana a ovulação é imperceptível quer para as mulheres quer para os homens.

41 Relevante? Em muitos animais o período fértil das fêmeas é anunciado por marcas visuais, olfactivas, ou por grandes alterações no comportamento, e a actividade sexual do macho varia de acordo com estas alterações, mas na espécie humana a ovulação é imperceptível quer para as mulheres quer para os homens. Relevante em conjunto

42 Relevante? Dissociar o acto sexual da reprodução é um passo importante para garantir a igualdade entre os sexos, não limitando as mulheres a uma vida essencialmente familiar e permitindo-lhes opções de carreira profissional e independência económica.

43 Exemplo H1: A maioria dos adultos tem cáries. H2: A maioria dos adultos não tem cáries.

44 Exemplo H1: A maioria dos adultos tem cáries. H2: A maioria dos adultos não tem cáries. Não ter cáries melhora a qualidade de vida e reduz despesas de saúde.

45 Exemplo H1: A maioria dos adultos tem cáries. H2: A maioria dos adultos não tem cáries. Não ter cáries melhora a qualidade de vida e reduz despesas de saúde. Um juízo de valor não é relevante para uma questão de facto.

46 Relevante? Dissociar o acto sexual da reprodução é um passo importante para garantir a igualdade entre os sexos, não limitando as mulheres a uma vida essencialmente familiar e permitindo-lhes opções de carreira profissional e independência económica.

47 Relevante? Na espécie humana, o acto sexual tem cerca de 10% de probabilidade de resultar em concepção.

48 Relevante? Em todas as sociedades humanas o acto sexual é visto como um acto de grande importância, por vezes com significado simbólico e místico.

49 Relevante? Na maioria dos animais, a probabilidade de concepção por cada acto sexual é alta, e em alguns casos como o de peixes ou insectos um acto sexual resulta na concepção de milhares de indivíduos.

50 Relevante? Na maioria dos animais, a probabilidade de concepção por cada acto sexual é alta, e em alguns casos como o de peixes ou insectos um acto sexual resulta na concepção de milhares de indivíduos, enquanto que na espécie humana, o acto sexual tem cerca de 10% de probabilidade de resultar em concepção.

51 Relevante? Nas religiões dominantes no Ocidente o sexo é visto como um acto visando primeiramente a reprodução, e em alguns casos é mesmo condenada qualquer tentativa de interferir com o papel reprodutivo do acto sexual.

52 Argumento Assunto Conclusão Razões

53 Argumento Assunto Questão de facto: o sexo é ou não importante para além do seu papel reprodutivo? Conclusão Sim. Razões Baixa fertilidade, período fértil indistinto, não optimizado para reprodução. Além disso é importante.

54 Estrutura de um Argumento

55 Conclusão

56 Estrutura de um Argumento Conclusão Razões

57 Estrutura de um Argumento Conclusão Razões Inferência

58 Análise de um Argumento Identificar Conclusões principais Identificar Razões e Pressupostos Esclarecer termos

59 Avaliação de um Argumento As Razões são aceitáveis? As Razões apoiam as conclusões? (As inferências são aceitáveis?) Qual a avaliação geral quanto à estrutura, fundamento, pressupostos e inferências?


Carregar ppt "Pensamento Crítico, Prática 2 Argumentação. Objectivo Persuadir o interlocutor Como? Partir de premissas aceitáveis Seguir um raciocínio válido Chegar."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google