A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

A Teoria da Vinculação. John Bowlby Baseou-se na Psicanálise e na Etologia na formulação da Teoria da Vinculação. Baseou-se na Psicanálise e na Etologia.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "A Teoria da Vinculação. John Bowlby Baseou-se na Psicanálise e na Etologia na formulação da Teoria da Vinculação. Baseou-se na Psicanálise e na Etologia."— Transcrição da apresentação:

1 A Teoria da Vinculação

2 John Bowlby Baseou-se na Psicanálise e na Etologia na formulação da Teoria da Vinculação. Baseou-se na Psicanálise e na Etologia na formulação da Teoria da Vinculação. Tem o mérito de propor um novo paradigma que compreende os aspectos afectivos e comportamentais da vinculação, sublinhando as origens evolutivas e os objectivos biológicos do comportamento. Tem o mérito de propor um novo paradigma que compreende os aspectos afectivos e comportamentais da vinculação, sublinhando as origens evolutivas e os objectivos biológicos do comportamento.

3 O comportamento de vinculação: natureza e função A ligação da criança a um indivíduo é o resultado da activação de um sistema comportamental que tem como objectivo a manutenção da proximidade. A ligação da criança a um indivíduo é o resultado da activação de um sistema comportamental que tem como objectivo a manutenção da proximidade. Comportamentos vinculativos Comportamentos vinculativos Sinalizadores: chorar, sorrir, palrar e chamar Sinalizadores: chorar, sorrir, palrar e chamar De aproximação: aproximar, seguir, trepar e chuchar De aproximação: aproximar, seguir, trepar e chuchar

4 Função e activação dos comportamentos de vinculação Bowlby sugere que a principal função dos comportamentos de vinculação é uma função biológica de sobrevivência e protecção e deve ser compreendida à luz de uma perspectiva evolutiva. Bowlby sugere que a principal função dos comportamentos de vinculação é uma função biológica de sobrevivência e protecção e deve ser compreendida à luz de uma perspectiva evolutiva. A sua activação depende de condições como o estado da criança, a localização e comportamento da mãe e as condições ambientais A sua activação depende de condições como o estado da criança, a localização e comportamento da mãe e as condições ambientais

5 Desenvolvimento da vinculação 1ª fase: respostas indiscriminadas, do nascimento aos dois meses. 1ª fase: respostas indiscriminadas, do nascimento aos dois meses. 2ª fase: comportamentos orientados para o seu prestador de cuidados habitual, dos dois aos seis meses. 2ª fase: comportamentos orientados para o seu prestador de cuidados habitual, dos dois aos seis meses. 3ª fase: manutenção da proximidade à figura de vinculação pela locomoção e sinalização, protesto pela separação e preocupação com estranhos, dos seis aos vinte e quatro meses. 3ª fase: manutenção da proximidade à figura de vinculação pela locomoção e sinalização, protesto pela separação e preocupação com estranhos, dos seis aos vinte e quatro meses. 4ª fase: parceria de objectivos corrigidos para a meta a par da existência de modelos internos do self, do comportamento e da figura de vinculação, dos vinte e quatro aos trinta meses. 4ª fase: parceria de objectivos corrigidos para a meta a par da existência de modelos internos do self, do comportamento e da figura de vinculação, dos vinte e quatro aos trinta meses.

6 Mary Ainsworth Segurança: estado de se sentir seguro e despreocupado acerca da disponibilidade da figura de vinculação. Segurança: estado de se sentir seguro e despreocupado acerca da disponibilidade da figura de vinculação. Comportamento de base segura: equilíbrio entre os comportamentos de vinculação e os comportamentos exploratórios da criança. Comportamento de base segura: equilíbrio entre os comportamentos de vinculação e os comportamentos exploratórios da criança.

7 A Situação Estranha Observação e codificação, em situação laboratorial, de comportamentos de vinculação e de exploração em crianças entre os doze e os vinte meses de idade, numa situação de stress crescente. Observação e codificação, em situação laboratorial, de comportamentos de vinculação e de exploração em crianças entre os doze e os vinte meses de idade, numa situação de stress crescente.

8 A Situação Estranha (cont.) 1 (1 min.) – mãe e criança entram numa sala com brinquedos 1 (1 min.) – mãe e criança entram numa sala com brinquedos 2 (3 min.) – mãe e criança 2 (3 min.) – mãe e criança 3 (3 min.) – estranha entra e a mãe sai 3 (3 min.) – estranha entra e a mãe sai 4 (3 min.) – estranha e criança 4 (3 min.) – estranha e criança 5 (3 min.) – a estranha sai e a mãe regressa 5 (3 min.) – a estranha sai e a mãe regressa 6 (3 min.) – a mãe sai 6 (3 min.) – a mãe sai 7 (3 min.) – a estranha entra 7 (3 min.) – a estranha entra 8 (3 min.) – a mãe entra 8 (3 min.) – a mãe entra

9 Tipos de vinculação Vinculações seguras (B) Vinculações seguras (B) Vinculações inseguras evitantes (A) Vinculações inseguras evitantes (A) Vinculações inseguras ambivalentes (C) Vinculações inseguras ambivalentes (C) Vinculações desorganizadas / desorientadas (D) Vinculações desorganizadas / desorientadas (D)

10 Vinculações Seguras (B): As crianças utilizam a mãe como base segura a partir da qual exploram o meio. Nos momentos de separação demonstram sinais da falta da mãe, especialmente durante a segunda separação. Nos momentos de reunião, saúdam activamente a mãe com um sorriso, vocalização ou gestos. Se perturbadas, sinalizam ou procuram contacto com a mãe. Uma vez reconfortadas, regressam à exploração. As crianças utilizam a mãe como base segura a partir da qual exploram o meio. Nos momentos de separação demonstram sinais da falta da mãe, especialmente durante a segunda separação. Nos momentos de reunião, saúdam activamente a mãe com um sorriso, vocalização ou gestos. Se perturbadas, sinalizam ou procuram contacto com a mãe. Uma vez reconfortadas, regressam à exploração.

11 Vinculações inseguras evitantes (A) As crianças exploram imediatamente o meio, demonstram pouco afecto ou comportamentos de base segura. Nos momentos de separação, as suas respostas são mínimas, e não parecem muito perturbadas quando deixadas sozinhas. Nos momentos de reunião, desviam o olhar da mãe e evitam o contacto com ela. Se pegadas ao colo podem querer ser colocadas no chão. As crianças exploram imediatamente o meio, demonstram pouco afecto ou comportamentos de base segura. Nos momentos de separação, as suas respostas são mínimas, e não parecem muito perturbadas quando deixadas sozinhas. Nos momentos de reunião, desviam o olhar da mãe e evitam o contacto com ela. Se pegadas ao colo podem querer ser colocadas no chão.

12 Vinculações inseguras ambivalentes (C) As crianças ficam perturbadas com a entrada na sala e não iniciam a exploração. Nos momentos de separação demonstram perturbação. Nos momentos de reunião podem alternar tentativas e contacto com sinais de rejeição, zanga ou fúrias ou podem demonstrar passividade ou demasiada perturbação para sinalizar ou procurar contacto com a mãe. Não conseguem confortar-se com a mãe. As crianças ficam perturbadas com a entrada na sala e não iniciam a exploração. Nos momentos de separação demonstram perturbação. Nos momentos de reunião podem alternar tentativas e contacto com sinais de rejeição, zanga ou fúrias ou podem demonstrar passividade ou demasiada perturbação para sinalizar ou procurar contacto com a mãe. Não conseguem confortar-se com a mãe.

13 Vinculações desorganizadas / desorientadas (D) O comportamento das crianças parece não ter um objectivo claro, intenção ou explicação: são observadas sequências contraditórias de comportamentos; movimentos incompletos ou interrompidos; estereotipias; paragens; indicações directas de medo dos pais; confusão ou desorientação. O comportamento das crianças parece não ter um objectivo claro, intenção ou explicação: são observadas sequências contraditórias de comportamentos; movimentos incompletos ou interrompidos; estereotipias; paragens; indicações directas de medo dos pais; confusão ou desorientação.

14 Sensibilidade materna As mães de crianças seguras detectam os seus sinais e reagem-lhes pronta e adequadamente. Estão permanentemente disponíveis e são carinhosas e cooperantes. As mães de crianças seguras detectam os seus sinais e reagem-lhes pronta e adequadamente. Estão permanentemente disponíveis e são carinhosas e cooperantes. As mães de crianças inseguras evitantes não estão sintonizadas com os sinais vitais das crianças e por isso não mostram disponibilidade, sendo negligentes. O seu estilo interactivo pauta-se pela insensibilidade e pela rejeição. As mães de crianças inseguras evitantes não estão sintonizadas com os sinais vitais das crianças e por isso não mostram disponibilidade, sendo negligentes. O seu estilo interactivo pauta-se pela insensibilidade e pela rejeição. As mães de crianças inseguras ambivalentes são, sobretudo, inconsistentes nas suas respostas. As mães de crianças inseguras ambivalentes são, sobretudo, inconsistentes nas suas respostas.


Carregar ppt "A Teoria da Vinculação. John Bowlby Baseou-se na Psicanálise e na Etologia na formulação da Teoria da Vinculação. Baseou-se na Psicanálise e na Etologia."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google