A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Hepatites Virais Aluna: Viviane Calixto Laboratório de Animais transgênicos e Estrutura de Proteínas - NCA.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Hepatites Virais Aluna: Viviane Calixto Laboratório de Animais transgênicos e Estrutura de Proteínas - NCA."— Transcrição da apresentação:

1 Hepatites Virais Aluna: Viviane Calixto Laboratório de Animais transgênicos e Estrutura de Proteínas - NCA

2 HEPATITE Características; Sinais e sintomas; Tratamento e Profilaxia.

3 Hepatite-Características É uma inflamação do fígado, seja de agressão direta ou parte de um processo sistêmico; As mais comuns são as virais e as tóxicas; A hepatite alcoólica, assim como as medicamentosas, pode evoluir para cronicidade e cirrose se a exposição ao agente agressor persistir. A cronicidade se da por exposição ao agente agressor por um período superior a 6 meses, seja ela viral, tóxica ou crônico-idiopática.

4 Hepatites virais agudas Hepatite A (HVA): Vírus de RNA, transmissão oro-fecal, água e alimentos contaminados. Comum entre crianças que ainda não aprenderam noções de higiene Período de incubação é de 2-6 semanas, o vírus é encontrado no sangue por um período pequeno (5-7) dias, portanto a transmissão parenteral é rara. O consumo de frutos do mar, cozidos ou crus estão associados a doença;

5 Hepatite A 10 dias após a infecção, o paciente passa a eliminar o vírus pelas fezes, durante 3 semanas; A infecção causando ou não sintomas, produz imunidade permanente contra a doença, e ocorre em crianças com menos de 6 anos de idade; Quando se apresenta clinicamente, os sintomas são: febre baixa, mal estar, perda do apetite, sensação de desconforto no abdômen, náuseas e vômitos. Após alguns dias surge a icterícia, fezes amarelo- esbranquiçadas e urina castanho-avermelhada;

6 Hepatite A A hepatite A nunca se torna crônica e raramente é fulminante; O vírus da hepatite A se encontra principalmente no fígado, mas pode ser encontrado no estômago e intestino; O diagnóstico é feito pela detecção de anticorpos. IgM e IgG são detectadas, sendo que o primeiro aparece na infecção aguda e o segundo após a cura, permanecendo por toda a vida.

7 Hepatite A Não tem tratamento específico; As medidas preventivas são: higiênicas; vacinas com o vírus inativado mostraram-se seguras e eficazes, conferindo proteção de % após 2-3 doses.

8 Hepatite B Vírus da hepatite B (HBV), é um vírus de DNA; após infecção o vírus se concentra nos hepatócitos onde irão se reproduzir Transmissão parenteral Transmissão vertical Anticorpos contra o vírus serão eficientes somente quando o vírus estiver na corrente sanguínea

9 Hepatite B Evolução Hepatite aguda, 70% evolui para cura sozinha e 30% desenvolvem os sintomas. 0,1-0,5%, há destruição maciça dos hepatócitos (hepatite fulminante). 3-8% quando a infecção persiste por mais de 6 meses, evolui para hepatite crônica podendo a vir desenvolver cirrose e CA de fígado (hepatocarcinoma) ao longo do tempo. Sistema imunológico tolerante ao vírus, níveis de ALT e AST marcadores de lesão celular baixos.

10 Hepatite B Diagnóstico Sorológicos associados a marcadores de lesão celular; Antígenos principais: (HBcAg) Intracelular expresso nos hepatócitos, uma proteína do centro do nucleocapsídeo; (HBeAg) considerado um marcador de replicação e (HBsAg) glicoproteína do invólucro antígeno de superfície. PCR (polimerase chain reaction) para detectar a quantidade de vírus circulante no sg.

11 Hepatite B IgG

12 Hepatite B Não requer tratamento medicamentoso, exceto na hep. crônica. Ingestão de álcool é proibida; A vacina deve ser feita em todos os RNs; RNs de mães com Hep. B devem receber o soro e a vacina imediatamente após o parto para diminuir o risco do bebê desenvolver a doença.

13 Aspecto macroscópico-fígado normal

14 Aspecto macroscópico-fígado com cirrose

15 Fígado com carcinoma hepatocelular

16 Icterícia

17 Hepatite D O vírus da Hepatite D ou delta é um dos menores vírus RNA. Hepatite D ocorre junto com a B, ambas com transmissão parenteral O Vírus D inibe a replicação do B, que fica latente. Fase aguda, ocorre esteatose microvesicular e necrose granulomatosa eosinofílica por ação citotóxica direta do vírus; costuma ser severa e leva a hepatite fulminante. Diagnóstico se faz por sorologia anti-HDV, IgM para infecção aguda e crônica ativa e IgG para as crônicas.

18 Carcinoma Hepatocelular

19 Hepatite C Transmitido por um vírus tipo RNA; vários genótipos subdivididos em mais de 50 subtipos com características próprias de agressividade e resposta ao tratamento. Principal causa de transplante hepático, 60% das hepatopatias crônicas. Desenvolvimento lento e assintomático em 90% dos pcte. A transmissão ocorre após contato com sangue contaminado, uso de drogas endovenosas, transfusão de sg, acidentes com agulhas, transmissão perinatal.

20 Hepatite C Diagnóstico/tratamento Marcador de lesão hepática Sorologia para anti-HVC método E.L.I.S.A PCR – RNA no sangue (7-21) dias após infecção Biópsia hepática O tratamento com interferon- age contra o vírus e aumenta a resposta imune. Tratamento com ribavirina- ação direta contra o vírus por mecanismo de inibição da DNA polimerase O sucesso do tratamento varia conforme o genótipo de vírus, carga viral e estágio da doença determinado pela biópsia hepática.


Carregar ppt "Hepatites Virais Aluna: Viviane Calixto Laboratório de Animais transgênicos e Estrutura de Proteínas - NCA."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google