A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Cimone Rozendo de Souza/ Wagner de Souza Leite Molina PAA – ALIMENTOS -UFRN Fernando Bastos/ Denes Dantas Vieira PAA LEITE – UFRN Islandia Bezerra PAA.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Cimone Rozendo de Souza/ Wagner de Souza Leite Molina PAA – ALIMENTOS -UFRN Fernando Bastos/ Denes Dantas Vieira PAA LEITE – UFRN Islandia Bezerra PAA."— Transcrição da apresentação:

1 Cimone Rozendo de Souza/ Wagner de Souza Leite Molina PAA – ALIMENTOS -UFRN Fernando Bastos/ Denes Dantas Vieira PAA LEITE – UFRN Islandia Bezerra PAA ALIMENTOS- UFPR – PPGCS/UFRN PAA ALIMENTOS- UFPR – PPGCS/UFRN Amanda Guareschi PAA ALIMENTOS- UFRGS/PGDR Construindo mercados para agricultura familiar: potencialidades do Programa de Aquisição de Alimentos/PAA – experiências do RS, PR e RN

2 OBJETIVOS/PRESSUPOSTOS Compreender a capacidade do Programa de Aquisição de Alimentos na construção de mercados para a agricultura familiar Compreender a capacidade do Programa de Aquisição de Alimentos na construção de mercados para a agricultura familiar As pesquisas pautaram-se na identificação de formas inovadoras de organização sócio- produtivas que tenham contribuído para o empoderamento de atores sociais locais. As pesquisas pautaram-se na identificação de formas inovadoras de organização sócio- produtivas que tenham contribuído para o empoderamento de atores sociais locais. Assumiu-se como pressuposto que tais estratégias constituem elementos (brotos e sementes) capazes de engendrar um novo paradigma: o desenvolvimento rural. Assumiu-se como pressuposto que tais estratégias constituem elementos (brotos e sementes) capazes de engendrar um novo paradigma: o desenvolvimento rural.

3 Mapa do RS. Com destaque para o mun. Tenente Portela. Fonte: Resumo estatístico FEE. Mapa do RN. Com destaque para os municípios: Touros, Extremoz, CR dos Ventos e Macaíba Irati In á cio Martins Fernandes Pinheiro Mapa: Localiza ç ão geogr á fica dos três munic í pios do estado do Paran á que fizeram parte da pesquisa. Fonte: SEPL/IPARDES, 2009.

4 TRAJETÓRIA VALORES NEGOCIADOS NÚMERO DE BENEFICIADOS(AF) PARTICIPAÇÃO DAS MULHERES GRAU DE DIVERSIDADE

5 O PAA E AS POLÍTICAS DE INOVAÇÃO SÓCIO-TÉCNICAS DOS AF A inovação não se refere simplesmente a produtos ou tecnologias, mas também a processos e modos de inovação, de desenvolvimento econômico, organização social, educação e criação de habilidades. ( Dargan e Shucksmith, 2006, citado por Carvalho, 2009) ASPECTOS POSITIVOS COMUNS ÀS EXPERIÊNCIAS: Incentivo ao incremento da produção Indução ao planejamento e à adoção de melhorias na atividade produtiva Diversificação, seja esta produtiva (+ autonomia econômica), ambiental ou nutricional Visibilidade conquistada pela AF nos municípios Ampliação da participação feminina, tanto nas atividades estritamente produtivas, quanto no contexto da comunidade (menos evidente no caso gaúcho) Melhoria das condições de vida das famílias Criação de condições mais favoráveis à construção de organizações coletivas e/ou fortalecimento das já existentes

6 Estruturas e arranjos institucionais precários, sub- dimensionados ou inadequados à execução do PAA. Estruturas e arranjos institucionais precários, sub- dimensionados ou inadequados à execução do PAA. Nos três estados o PAA não atinge significativamente o público jovem. Nos três estados o PAA não atinge significativamente o público jovem. Dificuldades dos AF em garantir a oferta de produtos com freqüência, quantidade e diversidade requeridas pelo Programa, em função de fatores como: 1. Limitação da capacidade produtiva – seja em função do restrito acesso à terra (posse no RN e tamanho no PR e RS) seja em função da qualidade da mesma; 2. Desconhecimento em relação às normas e procedimentos necessários à colocação de seus produtos no mercado e, 3. A falta de tradição em relação ao planejamento, o que pode ser explicado pela incerteza na comercialização... Característica histórica

7 CARACTERÍSTICAS PRESENTES NOS 3 ESTADOS: PLANEJAMENTO DO PROCESSO PRODUTIVO: PLANEJAMENTO DO PROCESSO PRODUTIVO: 1- DIVERSIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO (inicialmente para o PAA...) 2- DIMENSIONAMENTO DO VOLUME PRODUZIDO 3- PREOCUPAÇÃO C/ A QUALIDADE (NORMAS TÉCN.) INSERÇÃO NO MERCADO INSERÇÃO NO MERCADO 1- ADAPTAÇÃO A NORMAS BUROCRÁTICAS 2- NOVOS CANAIS DE ACESSO (Agroecologia, entre outros) e MELHORIA DOS JÁ EXISTENTES (Feiras, + poder de barganha na negociação com atravessadores) 3- NOVOS PADRÕES DE VALORAÇÃO DO PRODUTO (Proximidade com o consumidor) O PAA E AS POLÍTICAS DE INOVAÇÃO SÓCIO-TÉCNICAS DOS AGRICULTORES FAMILIARES

8 O PAA E AS AS FORMAS DE MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS E DISPOSITIVOS COLETIVOS ESTRATÉGIAS DE COOPERAÇÃO PARA GARANTIR A OFERTA DE PRODUTOS E PARA FINS DE CAPTAÇÃO DE RECURSOS PRODUTIVOS; ESTRATÉGIAS DE COOPERAÇÃO PARA GARANTIR A OFERTA DE PRODUTOS E PARA FINS DE CAPTAÇÃO DE RECURSOS PRODUTIVOS; ARTICULAÇÃO POLÍTICA, VISANDO O DESENVOLVIMENTO DA CAPACIDADE DE AGÊNCIA DOS(E DAS) AF; ARTICULAÇÃO POLÍTICA, VISANDO O DESENVOLVIMENTO DA CAPACIDADE DE AGÊNCIA DOS(E DAS) AF; ADAPTAÇÃO ÀS EXIGÊNCIAS BUROCRÁTICAS; ADAPTAÇÃO ÀS EXIGÊNCIAS BUROCRÁTICAS; CONSELHOS (CMDRS, CAE) VERSUS GESTÃO PERSONALISTA CONSELHOS (CMDRS, CAE) VERSUS GESTÃO PERSONALISTA AO PASSO QUE NO RN E NO PR OBSERVOU-SE A INEXISTÊNCIA DE CONSELHOS GESTORES DO PAA, NO RS É ATUANTE; AO PASSO QUE NO RN E NO PR OBSERVOU-SE A INEXISTÊNCIA DE CONSELHOS GESTORES DO PAA, NO RS É ATUANTE; ESPAÇOS DE SOLIDARIEDADE, DE SOCIABILIDADE E AINDA, DE FORMAÇÃO/CAPACITAÇÃO, O QUE RESULTA EM MELHORIAS QUE VÃO DESDE AS MUDANÇAS NA SUA UNIDADE PRODUTIVA, ATÉ AS RELAÇÕES PESSOAIS E FAMILIARES. ESPAÇOS DE SOLIDARIEDADE, DE SOCIABILIDADE E AINDA, DE FORMAÇÃO/CAPACITAÇÃO, O QUE RESULTA EM MELHORIAS QUE VÃO DESDE AS MUDANÇAS NA SUA UNIDADE PRODUTIVA, ATÉ AS RELAÇÕES PESSOAIS E FAMILIARES. ENFRENTAMENTO DO PROGRAMA TRADICIONAL DO LEITE x PAA ENFRENTAMENTO DO PROGRAMA TRADICIONAL DO LEITE x PAA

9 AS EXPERIÊNCIAS DOS TRÊS ESTADOS DEMONSTRARAM QUE O PAA TÊM PROPORCIONADO A MELHORIA DAS CONDIÇÕES DE VIDA EMBORA ISSO NEM SEMPRE POSSA SER AVALIADO EM TERMOS DE INCREMENTO DE RENDA ABSOLUTA; AS EXPERIÊNCIAS DOS TRÊS ESTADOS DEMONSTRARAM QUE O PAA TÊM PROPORCIONADO A MELHORIA DAS CONDIÇÕES DE VIDA EMBORA ISSO NEM SEMPRE POSSA SER AVALIADO EM TERMOS DE INCREMENTO DE RENDA ABSOLUTA; HOUVE INCREMENTO NO COMÉRCIO LOCAL A PARTIR DA LIBERAÇÃO DOS VALORES DO PAA. HOUVE INCREMENTO NO COMÉRCIO LOCAL A PARTIR DA LIBERAÇÃO DOS VALORES DO PAA. SAZONALIDADE x PERENIDADE SAZONALIDADE x PERENIDADE MELHORES PREÇOS DE COMERCIALIZAÇÃO; MELHORES PREÇOS DE COMERCIALIZAÇÃO; DIMINUIÇÃO SIGNIFICATIVA DA AÇÃO DOS ATRAVESSAD. (RN); DIMINUIÇÃO SIGNIFICATIVA DA AÇÃO DOS ATRAVESSAD. (RN); NO PR/RS A DINÂMICA ECONÔMICA GIRA EM TORNO DAS CULTURAS CONVENCIONAIS E DAS EMPRESAS INTEGRADORAS DE FUMO QUE DETERMINAM OS PREÇOS PAGOS PELOS PRODUTOS NO PR/RS A DINÂMICA ECONÔMICA GIRA EM TORNO DAS CULTURAS CONVENCIONAIS E DAS EMPRESAS INTEGRADORAS DE FUMO QUE DETERMINAM OS PREÇOS PAGOS PELOS PRODUTOS OS EFEITOS DAS POLÍTICAS PÚBLICAS NOS PROCESSOS DE DIVERSIFICAÇÃO DAS ECONOMIAS LOCAIS.

10 TRAJETÓRIAS INICIADAS EM MOMENTOS DISTINTOS RN (2005); PR(2003/2004) e RS(2006). TRAJETÓRIAS INICIADAS EM MOMENTOS DISTINTOS RN (2005); PR(2003/2004) e RS(2006). BAIXA ESCOLARIDADE COMO TRAÇO COMUM ENTRE OS AGRICULTORES FAMILIARES, NOS TRÊS ESTADOS. BAIXA ESCOLARIDADE COMO TRAÇO COMUM ENTRE OS AGRICULTORES FAMILIARES, NOS TRÊS ESTADOS. NO RN, A ABRANGÊNCIA GEOGRÁFICA DO PAA É MARCANTE, SENDO QUE TODAS AS MODALIDADES SÃO PRATICADAS. NO RN, A ABRANGÊNCIA GEOGRÁFICA DO PAA É MARCANTE, SENDO QUE TODAS AS MODALIDADES SÃO PRATICADAS. NO RS, HÁ PRESENÇA DE COMUNIDADE INDÍGENA ENTRE OS AGRICULTORES; NO RN HÁ PRESENÇA DE QUILOMBOLAS. NO RS, HÁ PRESENÇA DE COMUNIDADE INDÍGENA ENTRE OS AGRICULTORES; NO RN HÁ PRESENÇA DE QUILOMBOLAS. NO RN HÁ UM ALTO GRAU DE DEPENDÊNCIA DAS COOPERATIVAS EM RELAÇÃO A ESSE CANAL DE COMERCIALIZAÇÃO NO RN HÁ UM ALTO GRAU DE DEPENDÊNCIA DAS COOPERATIVAS EM RELAÇÃO A ESSE CANAL DE COMERCIALIZAÇÃO NO PR, A MODALIDADE CPR-DOAÇÃO É PREDOMINANTE – INEXISTÊNCIA DAS DEMAIS (NO CASO PESQUISADO) NO PR, A MODALIDADE CPR-DOAÇÃO É PREDOMINANTE – INEXISTÊNCIA DAS DEMAIS (NO CASO PESQUISADO)

11 DESAFIOS… PNAE 30% DE AQUISIÇÃO DA AF PNAE 30% DE AQUISIÇÃO DA AF CONEXÃO ENTRE AF E CONSUMIDORES CONEXÃO ENTRE AF E CONSUMIDORES QUESTÃO DO JOVEM alguns entrevistados(as) mencionaram não haver PP voltadas a esse público. QUESTÃO DO JOVEM alguns entrevistados(as) mencionaram não haver PP voltadas a esse público. QUESTÃO DO PERSONALISMO` (principalmente no NE) CONSELHO GESTOR DO PAA CLIENTELISMO??? QUESTÃO DO PERSONALISMO` (principalmente no NE) CONSELHO GESTOR DO PAA CLIENTELISMO??? DESCONTINUIDADE DO PAA DESCONTINUIDADE DO PAA QUESTÃO DO ARRANJO INSTITUCIONAL QUESTÃO DO ARRANJO INSTITUCIONAL DESVIO DO FOCO EMATER PAA É NOSSO CARRO-CHEFE E A AT? DESVIO DO FOCO EMATER PAA É NOSSO CARRO-CHEFE E A AT? AT AINDA POUCO TRABALHADA QUE MODELO DE ATER\ AT AINDA POUCO TRABALHADA QUE MODELO DE ATER\ ESPECIALMENTE EM RELAÇÃO A REDE OFICIAL ESPECIALMENTE EM RELAÇÃO A REDE OFICIAL


Carregar ppt "Cimone Rozendo de Souza/ Wagner de Souza Leite Molina PAA – ALIMENTOS -UFRN Fernando Bastos/ Denes Dantas Vieira PAA LEITE – UFRN Islandia Bezerra PAA."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google