A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

CUIDADO DE ENFERMAGEM AOS PACIENTES PSIQUIÁTRICOS COM TRANSTORNO ALIMENTAR.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "CUIDADO DE ENFERMAGEM AOS PACIENTES PSIQUIÁTRICOS COM TRANSTORNO ALIMENTAR."— Transcrição da apresentação:

1 CUIDADO DE ENFERMAGEM AOS PACIENTES PSIQUIÁTRICOS COM TRANSTORNO ALIMENTAR

2 Anorexia Nervosa; Bulimia Nervosa; Transtorno da Compulsão Alimentar Periódica. TRANSTORNOS ALIMENTARES

3 Alteração da consciência da forma corporal - visão distorcida do corpo; Preocupação excessiva com peso; Medo patológico de engordar Como reconhecer um transtorno alimentar ? TRANSTORNOS ALIMENTARES

4 -Atividades que privilegiam e enfatizam o estado de magreza do corpo (atores, modelos, bailarinas e desportistas); -Ex-obesas ou com excesso de peso que se tornam obsessivas por práticas freqüentes de dietas e atividade física; População de Risco

5 -História familiar de transtornos mentais: depressão, abuso de álcool e substâncias; -Baixa auto-estima, perfeccionismo, insegurança no relacionamento social, dificuldade em identificar e expressar sentimentos; TRANSTORNOS ALIMENTARES População de Risco

6 TRANSTORNOS ALIMENTARES Causas de transtornos alimentares 1) FATORES BIOLÓGICOS: Genética: Herança familiar: 7 a 12x em parentes com TA; Alterações endócrinas; Disfunção serotonina, dopamina e norepinefrina (envolvidos na regulação do comportamento alimentar);

7 TRANSTORNOS ALIMENTARES 2) FATORES SOCIAIS: Ênfase social na estética da beleza; Maior pressão sobre as mulheres: peso ideal magro; Medida de sucesso e de bom desempenho depende da capacidade do indivíduo de manter peso ideal; Causas de transtornos alimentares

8 TRANSTORNOS ALIMENTARES Perda de peso auto-induzida; Recusa em manter o peso mínimo adequado para idade/altura (15% a menos do normal); Medo intenso ganhar peso; Alteração da imagem corporal Anorexia nervosa

9 TRANSTORNOS ALIMENTARES Mulheres: parada da menstruação; Homens: perda de interesse e potência sexual; Início antes da puberdade: seios não se desenvolvem, genitais masculinos permanecem juvenis; Risco futuro de osteoporose, infertilidade e baixa estatura na idade adulta; Anorexia nervosa

10 TRANSTORNOS ALIMENTARES Anorexia nervosa ANOREXIA TIPO RESTRITIVO: - o indivíduo utiliza jejum, dieta e exercício extenuante; - não apresenta episódio de ingestão excessiva de alimentos e/ou outro comportamento compensatório; ANOREXIA TIPO PURGATIVO: – apresenta episódios de ingestão excessiva de alimentos e comportamentos compensatórios: vômitos auto-induzido, laxantes, diuréticos ou enemas.

11 TRANSTORNOS ALIMENTARES Anorexia nervosa PREVALÊNCIA -0,5% - 1%; -Pico: 13 a 17 anos; -10 a 20 vezes mais em mulheres; -Aumentando culturas orientais: comportamento de fazer dietas; -Gravidade: homem, início tardio.

12 TRANSTORNOS ALIMENTARES QUADRO CLÍNICO Hábito alimentar secreto, bizarro e ritualizado; Culto a tabelas de controles calóricos dos alimentos, receitas; Negação da magreza: enxerga-se gorda; Progressivo isolamento de familiares e amigos; Anorexia nervosa

13 TRANSTORNOS ALIMENTARES Traços personalidade: obsessividade, perfeccionismo, passividade, introversão Baixa auto-estima Dificuldade de autonomia e identidade; Padrões altos de desempenho; Reação às mudanças da adolescência Anorexia nervosa CARACTERÍSTICAS PSICOLÓGICA

14 TRANSTORNOS ALIMENTARES Anorexia nervosa Sinais de emagrecimento excessivo e desnutrição -Hipotensão ortostática -Bradicardia (50 a 60 bpm) -Hiponatremia -Desidratação -Pele seca -Edema em MsIs -Risco de parada cardio-respiratório

15 TRANSTORNOS ALIMENTARES Recuperação espontânea; Flutuações com recaídas; Recuperação após inúmeras intervenções; Deterioração; Morte: 5% a 18%; Suicídio: 1,8% a 7,3%. Evolução

16 TRANSTORNOS ALIMENTARES Termo: fome de boi ou fome raivosa; PREVALÊNCIA: 1% a 3%; -final da adolescência até 40 anos; -9 mulheres : 1 homem; Bulimia

17 TRANSTORNOS ALIMENTARES Traços personalidade: impulsividade, instabilidade afetiva, sociabilidade, comportamentos de risco; Associação freqüente com abuso de substâncias; Disfunção familiar: pais insuficientes em seus cuidados, relação pouco afetuosa, pouco calorosa; FATORES PSICOLÓGICOS Bulimia

18 TRANSTORNOS ALIMENTARES Preocupação persistente com o comer e um desejo irresistível por comida; Sensação de perda do controle; Compulsão alimentar: (orgias) quantidade fora do normal (2 a 5 mil kcal); Param de comer por mal estar físico, interrupção externa ou quando acaba comida; Bulimia FATORES PSICOLÓGICOS

19 TRANSTORNOS ALIMENTARES Métodos compensatórios inadequados: Tenta neutralizar os efeitos de engordar vômitos auto-induzidos; abuso de diuréticos e laxantes; uso de drogas inibidoras de apetite; períodos de jejum; exercício físico exagerado. Bulimia

20 TRANSTORNOS ALIMENTARES Bulimia Curso crônico, mais tempo em segredo; Sem perda de peso; Hábito alimentar secreto, bizarro e ritualizado; Auto-estima depende da eficiência dos métodos usados para alcançar perda de peso; Muito freqüente: depressão (38 a 63%) e abuso de substâncias (24%). QUADRO CLÍNICO

21 TRANSTORNOS ALIMENTARES Bulimia Vômitos freqüentes; uso de diuréticos/laxativos: - desidratação - distúrbios eletrolíticos - bradicardia - sinal de Russel: calos e cicatrizes na face posterior da mão - esofagite QUADRO CLÍNICO

22 TRANSTORNOS ALIMENTARES Melhor prognóstico que anorexia nervosa; 50% recuperação total; 20% mantém sintomas ao longo da vida; Gravidade depende da intensidade dos métodos compensatórios inadequados. EVOLUÇÃO Bulimia

23 TRANSTORNOS ALIMENTARES Tratamento Equipe interdisciplinar; Psicoterapia; Reeducação alimentar; Acompanhamento médico-clínico geral; Medicação;

24 Controle do comportamento alimentar Refeições vigiadas – avaliar as quantidades ingeridas Permanecer em local visível até 2h após as refeições – evitar métodos purgativos Controle das perdas Evitar exercícios excessivos – caminhadas, abdominais TRANSTORNOS ALIMENTARES Tratamento

25 TRANSTORNOS ALIMENTARES TRATAMENTO - TRANSTORNOS ALIMENTARES Quando hospitalizar? Risco de vida IMC < 13 (normal: 17,5 a 25) Complicações clínicas Risco de suicídio Falha no tratamento ambulatorial

26 TRANSTORNOS ALIMENTARES Obesidade Alta prevalência; Doença multifatorial; Ligada a estética; Risco de morte precoce; Desencadeamento de outras doenças;

27 TRANSTORNOS ALIMENTARES Obesidade Índice de Massa Corporal IMC = peso / altura 2 Obesidade Leve = 25 – 29 Obesidade Moderada = 30 – 39 Obesidade Mórbida = 40 – 50 Super Obesidade = > 50

28 Emerge da interação entre fatores : Biológicos: genéticos e orgânicos; Psiquiátricos: desenvolvimento psicológico, padrões comportamentais, doenças psiquiátricas; Sócio-culturais: cultura alimentar, modelo estético de corpo, situação econômico-cultural; Ambientais: alimentação excessiva e/ ou inadequada, sedentarismo. TRANSTORNOS ALIMENTARES Obesidade

29 TRANSTORNOS ALIMENTARES Riscos para a saúde causados pela obesidade Diabetes tipo 2 Hipertensão Arterial Aterosclerose Infarto do Miocárdio Doenças Pulmonares Asma Refluxo Gastroesofágico Doenças da Vesícula Esteatose hepática Colesterol e triglicerídeos altos Varizes Apnéias do Sono Doenças de pele Alterações Ortopédicas Hérnia de Disco Doença Degenerativa das Articulações Infertilidade

30 TRANSTORNOS ALIMENTARES obesidade TRATAMENTO Clínico: -dieta, atividade física, medicação, acompanhamento nutricional e psicológico; Cirúrgico: -Cirurgias da obesidade (bariátricas);

31 TRANSTORNOS ALIMENTARES TRATAMENTO CIRÚRGICO DA OBESIDADE CRITÉRIOS DE INCLUSÃO IMC acima de 40 Kg/m²; IMC entre 35 e 40 com patologias associadas Insucesso no tto clínico por, no mínimo, 5 anos; Autorização consciente por parte do paciente e dos familiares; Apoio familiar em todas as etapas do tratamento; Avaliação pré operatória rigorosa

32 TRANSTORNOS ALIMENTARES AVALIAÇÃO DA EQUIPE TRIAGEM: Clínico ou cirurgião AVALIAÇÕES: - Endocrinologista - Cardiologista - Gastroenterologista - Psiquiátra - Enfermeiro - Fisioterapeuta - Nutricionista - Exames físicos, laboratoriais, imagem

33 TRANSTORNOS ALIMENTARES Tratamento cirúrgico da obesidade CRITÉRIOS DE EXCLUSÃO TEMPORÁRIA OU DEFINITIVA Psicose Comportamento suicida Bulimia Dependência de drogas ou álcool Doenças associadas severas com risco cirúrgico maior do que a condição clínica Idade Desajuste familiar, má adesão

34 TRANSTORNOS ALIMENTARES Riscos cirúrgicos RINCIPAIS COMPLICAÇÕES: Infecção respiratória Vazamento de sutura (fístula) Hemorragia Oclusão intestinal, BCP de aspiração Embolia pulmonar CirurgiaObesidade Risco Mortalidade1 – 2%4,5% Risco de complicações10%30%

35 TRANSTORNOS ALIMENTARES APARELHO DIGESTIVO

36 TRANSTORNOS ALIMENTARES Procedimento restritivos Balão - 6 meses Banda Gástrica 40% perda de excesso de peso/ 5 anos menor saciedade, mais vulnerável a alimentos calóricos líquidos maior necessidade de reintervenção

37 TRANSTORNOS ALIMENTARES PROCEDIMENTOS MISTOS (PADRÃO OURO) % perda excesso de peso/5 anos - necessidade de adesão ao programa de manutenção: vitaminas e suplementações - resultado médio mais equilibrado

38 TRANSTORNOS ALIMENTARES Cirurgia bariátrica COMPLICAÇÕES Intolerância para alimentos específicos ex.: doces gordurosos, carne Hipovitaminoses, anemia Reengorde Transtorno alimentar pós-operatório (?)

39 CUIDADO DE ENFERMAGEM AOS PACIENTES PSIQUIÁTRICOS COM ESQUIZOFRENIA

40 ESQUIZOFRENIA E OUTROS TRANSTORNOS PSICÓTICOS Psicose – estado no qual o indivíduo perde o contato com a realidade, passando a comportar-se de modo incoerente. Definição de termos

41 ESQUIZOFRENIA E OUTROS TRANSTORNOS PSICÓTICOS 22/1/ Alucinações Delírios Alterações do pensamento PISICOSE - Características

42 ESQUIZOFRENIA E OUTROS TRANSTORNOS PSICÓTICOS Alucinação Percepção sensorial muito viva, acompanhada da convicção de sua realidade, por parte da pessoa que experimenta o fenômeno, e que ocorre na ausência de um apropriado estímulo sensorial externo, ver uma coisa que não está ali, ouvir uma voz etc. * Definições dos sintomas

43 ESQUIZOFRENIA E OUTROS TRANSTORNOS PSICÓTICOS Delírio falsa crença mantida com convicção, apesar de não ser compartilhada por outros e ser desmentida pela realidade social.* Por exemplo, o paciente acredita que está sendo vigiado ou perseguido ou observado por câmeras escondidas, acredita que os vizinhos ou as pessoas que passam na rua querem lhe fazer mal.* Definições dos sintomas

44 ESQUIZOFRENIA E OUTROS TRANSTORNOS PSICÓTICOS Alterações do pensamento as idéias podem se tornar confusas, desorganizadas ou desconexas, tornando o discurso do paciente difícil de compreender. * Definições dos sintomas

45 ESQUIZOFRENIA E OUTROS TRANSTORNOS PSICÓTICOS Alterações da afetividade é quando o indivíduo perde a capacidade de expressar suas emoções, torna-se indiferente a todos que estão a sua volta, apresenta embotamento afetivo.* Definições dos sintomas

46 ESQUIZOFRENIA E OUTROS TRANSTORNOS PSICÓTICOS Esquizofrenia é uma doença mental que se caracteriza, clinicamente, por sintomas em todas as áreas do funcionamento psicológico, incluindo conteúdo e processos do pensamento, fala, percepções, comportamento, afeto e funcionamento do ego, causando marcados prejuízos ocupacionais, na vida de relações interpessoais e familiares.

47 ESQUIZOFRENIA E OUTROS TRANSTORNOS PSICÓTICOS Trata-se de uma doença incapacitante e crônica. O indivíduo acometido pode não se recuperar totalmente. Geralmente se manifesta na adolescência ou início da idade adulta, entre 20 e 30 anos de idade de forma lenta e gradual. Esquizofrenia

48 ESQUIZOFRENIA E OUTROS TRANSTORNOS PSICÓTICOS Aproximadamente 1% da população apresenta esquizofrenia no decorrer da vida, sendo que a mesma afeta homens e mulheres com igual freqüência.

49 ESQUIZOFRENIA E OUTROS TRANSTORNOS PSICÓTICOS Subtipo Clínico: 1.Paranóide (predomínio de delírios e alucinações) 2. Desorganizada ou hebefrênica (predomínio de alterações da afetividade e desorganização do pensamento.

50 ESQUIZOFRENIA E OUTROS TRANSTORNOS PSICÓTICOS Subtipo Clínico: 3. Catatônico (alterações da motricidade) 4. Residual (estágio crônico da doença com muita deterioração e pouca sintomatologia produtiva 5. Simples (diminuição da vontade e afetividade, empobrecimento do pensamento, isolamento social)

51 ESQUIZOFRENIA E OUTROS TRANSTORNOS PSICÓTICOS A causa da esquizofrenia é complexa e multifatorial. o funcionamento do cérebro depende do funcionamento de outras partes do corpo como os vasos sangüíneos, o metabolismo do fígado, a filtragem do rim, a absorção do intestino, etc. Causas

52 ESQUIZOFRENIA E OUTROS TRANSTORNOS PSICÓTICOS... ambiente social e familiar a esquizofrenia é resultado disso tudo Causas

53 ESQUIZOFRENIA E OUTROS TRANSTORNOS PSICÓTICOS Genética: Risco aumentado para outras doenças psiquiátricas em pessoas com um parente em primeiro grau com esquizofrenia. BIOLÓGICOS Riscos: 1% população em geral. 50%gemêos monozigóticos Causas

54 ESQUIZOFRENIA E OUTROS TRANSTORNOS PSICÓTICOS Pode-se dizer que fatores genéticos e ambientais poderiam causar alterações no desenvolvimento embrionário cerebral, as quais levariam às alterações bioquímicas e estruturais cerebrais observadas nos pacientes. Causas

55 ESQUIZOFRENIA E OUTROS TRANSTORNOS PSICÓTICOS Os sintomas da esquizofrenia freqüentemente são classificados como positivos ou negativos Sintomas

56 ESQUIZOFRENIA E OUTROS TRANSTORNOS PSICÓTICOS Os sintomas positivos refletem a presença de comportamento incomum, especificamente distorções no conteúdo e na forma do pensamento e percepção. Os sintomas negativos refletem a ausência do comportamento normalmente esperado, de maneira específica nas dimensões de afeto, definição de si mesmo, Sintomas

57 ESQUIZOFRENIA E OUTROS TRANSTORNOS PSICÓTICOS 57 Sintomas SINTOMAS NEGATIVOS - Embotamento Afetivo - Alogia - Avolição/apatia - Anedonia/falta de sociabilidade - Déficit de atenção SINTOMAS POSITIVOS - Delírios - Alucinações - Transtorno do pensamento - Fala desorganizada -Afeto inadequado - Comportamento Bizarro DIFUSÃO SOCIAL/OCUPACIONAL - Trabalho/Atividade - Relacionamentos interpessoais - Cuidados pessoais SINTOMAS COGNITIVOS - Atenção - Memória - Funções executivas: abstração, formação de conceitos, solução de problemas, tomadas de decisões. SINTOMAS DE HUMOR - Mortalidade/morbidade - Disforia - Tendência para o suicídio - Falta de esperanças Sintomas

58 ESQUIZOFRENIA E OUTROS TRANSTORNOS PSICÓTICOS TRATAMENTO MEDICAMENTOSO Os medicamentos têm duas funções principais: 1.Alívio dos sintomas na fase aguda da doença; 2. Prevenção de novos episódios da doença.

59 ESQUIZOFRENIA E OUTROS TRANSTORNOS PSICÓTICOS O tratamento medicamentoso é imprescindível na esquizofrenia. As medicações antipsicóticas ou neurolépticos são o tratamento de escolha para a esquizofrenia. Tratamento

60 ESQUIZOFRENIA E OUTROS TRANSTORNOS PSICÓTICOS ABORDAGEM PSICOSSOCIAL* Hospital-dia; Terapia ocupacional; Acompanhamento terapêutico; Psicoterapia; Orientação e psicoterapia familiar. Tratamento

61 ESQUIZOFRENIA E OUTROS TRANSTORNOS PSICÓTICOS É muito importante que os familiares estejam orientados quanto à doença e que compreendam os sintomas e as atitudes do paciente. Os familiares são fundamentais no tratamento e na reintegração do paciente. Apoio e compreensão são necessários para que ele possa ter uma vida independente e conviva satisfatoriamente com a doença. Tratamento

62 ESQUIZOFRENIA E OUTROS TRANSTORNOS PSICÓTICOS Transtorno esquizofreniforme Transtorno esquizoafetivo Transtorno delirante Transtorno psicótico breve Transtorno psicótico compartilhado (folie à deux, codependência) Outros Transtornos Psicóticos

63 ESQUIZOFRENIA E OUTROS TRANSTORNOS PSICÓTICOS 1. Observar e anotar comportamento; 2. Apoiar o paciente quando ele se apresentar ansioso ou assustado, entendendo que, devido a sua patologia, nem sempre ele vai conseguir transmitir o que está sentindo. A presença do enfermeiro ao lado do paciente pode ajudá-lo a enfrentar este momento; Assistência de Enfermagem

64 ESQUIZOFRENIA E OUTROS TRANSTORNOS PSICÓTICOS 3.Fazer um levantamento das necessidades básicas afetadas, principalmente da hidratação, alimentação, sono eliminações e higienização. O paciente deve sempre ser estimulado a fazer as coisas por ele mesmo mas, às vezes, será necessário ser supervisionado ou que se faça por ele. 4. Observar quanto ao risco de suicídio, pois parece haver maior incidência de suicídios entre os esquizofrênicos; Assistência de Enfermagem

65 ESQUIZOFRENIA E OUTROS TRANSTORNOS PSICÓTICOS 5. Atuar terapeuticamente nos momentos em que não está vivendo seu mundo particular. Oferecer oportunidades de se ocupar e de se recrear preferencialmente com tarefas corretas. 6. Na presença de delírios e alucinações, não criticar ou menosprezar suas idéias. Lembrar que para o paciente elas são reais e que a melhor percepção da realidade se dará quando o paciente melhorar do quadro; Assistência de Enfermagem

66 ESQUIZOFRENIA E OUTROS TRANSTORNOS PSICÓTICOS 7. Orientar aos familiares do que se trata a doença, dos possíveis efeitos da medicação, da importância do tratamento e de seguí-lo corretamente. Assistência de Enfermagem

67 CUIDADO DE ENFERMAGEM AO PACIENTE COM ABUSO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS

68 DROGA substância psicoativa que atua sobre o sistema nervoso central (SNC), provocando alterações físicas e/ou psíquicas e, conseqüentemente, comportamentais e que estimulam a sua auto-administração. ABUSO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS Definição

69 Os principais motivos para experimentação de SPAs são: a -satisfação de curiosidade a respeito dos efeitos das drogas ; b - necessidade de participação em um grupo social ; c - expressão de independência ; d - ter experiências agradáveis, novas e emocionantes ; e - melhora da criatividade; ABUSO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS

70 f - favorecer uma sensação de relaxamento ; g - fugir de sensações / vivências desagradáveis. Os principais motivos para experimentação de SPAs são: f - favorecer uma sensação de relaxamento ; g - fugir de sensações / vivências desagradáveis. ABUSO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS

71 Os principais fatores de risco para o consumo: a - indivíduos sem adequadas informações sobre os efeitos das drogas ; b - com uma saúde deficiente ; c - insatisfeitos com sua qualidade de vida ; d - com personalidade deficientemente integrada ; e - com fácil acesso às drogas.

72 ABUSO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS Todas as drogas psicotrópicas atuam sobre o cérebro, principal órgão do sistema nervoso central. Há diversas classificações possíveis para as drogas, dependendo do enfoque a que se propõem os pesquisadores ou interessados no assunto.

73 ABUSO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS 1)Depressores da atividade do SNC : Substâncias que tendem a produzir diminuição da atividade motora, da reatividade à dor e da ansiedade, sendo comum um efeito euforizante inicial (diminuição das inibições, da crítica) e um aumento da sonolência, posteriormente. São exemplos desta classe : álcool, benzodiazepínicos, barbitúricos, opiáceos e solventes.

74 ABUSO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS 2)Estimulantes da atividade do SNC : Substâncias que levam a um aumento do estado de alerta, insônia e aceleração dos processos psíquicos. Seus usuários tornam-se mais ativos, 'ligados' São exemplos desta classe: cocaína, anfetaminas, nicotina e cafeína.

75 ABUSO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS 3)Perturbadores da atividade do SNC : Substâncias que provocam o surgimento de diversos fenômenos psíquicos anormais (dentre os quais alucinações e delírios), sem que haja inibição ou estimulação globais do SNC. São exemplos desta classe : cannabis e derivados, LSD25, ecstasy e anticolinérgicos.

76 ABUSO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS A plicado às síndromes diagnósticas clínicas e há menos de 15 anos, na psiquiatria, referindo-se a síndromes patológicas que ocorrem simultaneamente em um indivíduo.

77 O consumo de substâncias psicoativas pode ser tanto causa, consequência, ou somente estar associado a outros quadros psiquiátricos. Existe controvérsia no que se refere à extensão da co- morbidade entre transtornos mentais e abuso de substâncias ABUSO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS Co-morbidade

78 Considerações Sobre Co-morbidade Aplicado às síndromes diagnósticas clínicas e há menos de 15 anos, na psiquiatria, referindo-se a síndromes patológicas que ocorrem imultaneamente em um indivíduo. ABUSO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS

79 Dependência: (latim: pendere :estar seguro).Consumo sem controle e em detrimento das complicações bio-psico- sociais (provável ativação do Reward sistem). Psíquica: busca do bem-estar psíquico. Física :uso da SPA para atenuar síndrome de privação Neuro-adaptaçâo. Aprendizado social. Tolerância: Doses maiores para atingir o mesmo efeito (Schuckit-1991).

80 ABUSO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS Transtorno crônico caracterizado por: A)compulsão (craving) B) perda do controle C) estados emocionais negativos na abstinência: disforia irritabilidade ansiedade agressividade

81 São substâncias utilizadas na busca de alívio de tensões internas, como angústia ou tristeza. SUBSTÂNCI A PSICOATIVA ABUSO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS Definição

82 CRAVING palavra da gíria inglesa, que em português pode ser traduzida como: compulsão ao uso ou fissura. sensação subjetiva de mal-estar em que o indivíduo intui que encontrará alívio com a reinstalação do uso da droga. ABUSO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS


Carregar ppt "CUIDADO DE ENFERMAGEM AOS PACIENTES PSIQUIÁTRICOS COM TRANSTORNO ALIMENTAR."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google