A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Roteamento entre Sistemas Autônomos Although it is desirable for routers to exchange routing information, it is impractical for all routers in an arbitrary.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Roteamento entre Sistemas Autônomos Although it is desirable for routers to exchange routing information, it is impractical for all routers in an arbitrary."— Transcrição da apresentação:

1 Roteamento entre Sistemas Autônomos Although it is desirable for routers to exchange routing information, it is impractical for all routers in an arbitrary large internet to participate in a single routing update protocol. Douglas Comer Internetworking with TCP/IP Although it is desirable for routers to exchange routing information, it is impractical for all routers in an arbitrary large internet to participate in a single routing update protocol. Douglas Comer Internetworking with TCP/IP

2 Limites de um Sistema Autônomo n Como determinar os limites de um sistema autônomo? –Conhecimento da topologia –Conhecimento do protocolo –Conhecimento do Delay e do Overhead n Gerenciamento de tráfego –Rede é dinâmica n Políticas administrativas

3 BGP - Border Gateway Protocol n Autonomous System (AS) –conjunto de roteadores sob uma mesma política de roteamento e mesma administração. –um dos roteadores é escolhido como o roteador que comunica-se com outros roteadores na Internet e é capaz de enviar rotas corretas aos demais. –AS identification

4 Protocolos Exteriores n BGP - Border Gateway Protocol –BGP1: RFC 1105 –BGP2: RFC 1163 –BGP3: RFC 1267 –BGP4: versão atual, com suporte a CIDR n Algoritmo –Path Vector

5 Características do BGP n Comunicação entre sistemas autônomos n Coordenação entre múltiplos roteadores BGP n Propagação de informações de alcançabilidade n Utilização do paradigma de next-hop n Suporte a políticas de alto nível n Utilização de transporte confiável n Utilização de informações sobre path n Atualizações incrementais n Suporte à CIDR n Agregação de rotas n Autenticação

6 Path Vector n No protocolo vetor-distância clássico, toda a informação sobre a rota para um determinado destino é concentrada na métrica n Isto é insuficiente para a prevenção de loops n Solução: anotar sempre o último router n Path Vector –trace de todos os roteadores, ou melhor, dos AS –quando um roteador recebe um advertisement, ele confere para ver se ele não está na lista roteadores

7 Path Vector n Vantagem? –Não forma laços como o RIP n Desvantagem? –Aumenta tamanho das tabelas n Atributos –forma de qualificar o path desejado (métrica)

8 Path Vector AS 1 Token Ring AS 2 FRelay AS 3 ATM AS 4 Ethernet AS 5 Ethernet

9 Vetor Distância x Path Vector DestinoDistância Token Ring 2 hops Frame Relay 1 hop ATM 1 hop Top Ethernet 2 hops PPP link 1 hop Bottom Ethernet 2 hops DestinoDistância Token Ring AS3, AS2, AS1 Frame Relay AS3, AS2 ATM AS3 Top Ethernet AS3, AS4 PPP link AS3 Bottom Ethernet AS3, AS5

10 Atributos BGP n Weight (específico da CISCO ) –Atributo não divulgado pelos roteadores –Escolhe-se o maior valor

11 Atributos n Local Preference –Usado para escolher a rota de saída de um AS –Divulgado pelos roteadores dentro do AS –Escolhe-se o maior valor

12 Atributos… n Multi-Exit Discriminator (MED) –É utilizado como uma sugestão para o AS Relacionado a rota preferida no AS –Atributo externo, divulgado por outro AS

13 Atributos… n Origin –IGP –EGP –Incomplete n AS-PATH –Lista de sistemas autônomos n Next Hop –Endereço IP do gateway

14 Atributos… n Community –No export –No advertise –Internet

15 Algoritmo de Escolha de Rota n O processo de decisão do BGP baseia-se nos valores dos atributos de cada anúncio n Em sistemas autônomos multihomed - conexão com mais de um AS, tendo mais de um caminho de saída para a Internet - é normal a ocorrência de múltiplas rotas para a mesma rede e nestes casos o algoritmo de decisão do BGP é que toma a decisão da melhor rota a ser utilizada n 9 critérios de decisão

16 Critérios 1) Se o next hop não for alcançável, a rota é ignorada 2) Será preferida a rota que tiver maior valor de Weight, que se trata de um parâmetro proprietário da Cisco, utilizado localmente em um roteador. Caso o equipamento não seja Cisco, este passo do algoritmo não será efetuado 3) Caso o parâmetro anterior seja o mesmo, será preferida a rota que tiver o maior valor de Local Preference (LOCAL_PREF) 4) Caso o valor de Local Preference seja o mesmo, será preferida a rota com menor AS_PATH 5) Caso o AS_PATH tenha o mesmo tamanho, será preferida a rota com menor tipo ORIGIN, ou seja, serão priorizados os anúncios tipo IGP (i), seguido pelos EGP (e) e INCOMPLETE (?)

17 Critérios... 6) Caso o tipo ORIGIN seja o mesmo, será preferida a rota o atributo MED mais baixo caso as rotas tenham sido aprendidas a partir do mesmo AS. 7) Caso as rotas tenham o mesmo valor de MED, será preferida a rota por eBGP a iBGP. 8) Se o valor de MED for o mesmo, será preferido o anúncio vindo do roteador conectado via IGP mais próximo deste. 9) Se o caminho interno for o mesmo, o atributo BGP ROUTER_ID será o responsável pela decisão (tiebreaker). Neste caso, será preferido o caminho cujo roteador possuir o menor ROUTER_ID, que nas implementações Cisco é definido como IP da interface loopback se esta estiver configurada. No caso do roteador não possuir interface loopback configurada, será escolhido o IP mais alto do roteador. Vale lembrar que para cada fabricante o ROUTER_ID pode ser baseado em outras informações.

18 Escolha da Rota n O menor caminho pode não ser a rota preferida –rotas inseguras, lentas,... n Link State –divulgação de mapas de toda a Internet entre AS –mesmo sendo entre AS a divulgação dos mapas é um ônus n IDPR - Inter Domain Policy Routing –resolve as distâncias arbitrárias calculando a rota com base em preferências –consistência não pode ser garantida –previsão de casos especiais

19 Uitlização de Políticas n Anúncio de rotas pelo AS –O fato de um sistema autônomo ser trânsito define-se por este AS anunciar-se como caminho não somente para suas redes, mas para todas as demais redes que ele conhece. –Outros ASs que não tenham o objetivo de fornecer trânsito, apenas anunciam suas próprias redes. n Peering –Esta troca de tráfego é chamada de peering e é feita geralmente mediante acordos entre ASs

20 Exemplo Instituição X que compra acesso de dois povedores de acesso IP. Nesta situação a instituição X pretende utilizar tais conexões para acesso a redes da Internet e não para ser o elo de ligação entre a Embratel e BrasilTelecom (servir de trânsito). Para evitar que o AS 1945 se torne trânsito, a política que será aplicada será que todos os anúncios recebidos de um provedor nunca serão repassados ao outro provedor, ou seja, todos anúncios de redes da Embratel não serão divulgados a BrasilTelecom e vice-versa. Isso garantirá que ambas conexões sejam utilizadas para tráfego provenientes ou destinados apenas às redes do AS 1945 da instituição X. Instituição X que compra acesso de dois povedores de acesso IP. Nesta situação a instituição X pretende utilizar tais conexões para acesso a redes da Internet e não para ser o elo de ligação entre a Embratel e BrasilTelecom (servir de trânsito). Para evitar que o AS 1945 se torne trânsito, a política que será aplicada será que todos os anúncios recebidos de um provedor nunca serão repassados ao outro provedor, ou seja, todos anúncios de redes da Embratel não serão divulgados a BrasilTelecom e vice-versa. Isso garantirá que ambas conexões sejam utilizadas para tráfego provenientes ou destinados apenas às redes do AS 1945 da instituição X.

21 BGP over TCP n Mais confiável –controle de enlace: fluxo, erro, ack –controle de congestionamento e slow start n Mensagens –Open (1) –Update (2) –Notification (3) –Keepalive (4)

22 BGP 4 – Funcionalidade e Mensagens n BGP Peers –Inicialmente um roteador BGP deve reconhecer e autenticar o seu peer Os dois peers estabelecem uma conexão TCP –Cada peer envia uma informações de alcançabilidade positiva ou negativa Divulgação das rotas ativas e inativas de cada um –Troca de mensagens continua para confirmação das rotas e também da conexão entre os roteadores

23 BGP Header Marker LengthType Marker: (16 bytes) Em tipos de mensagem OPEN, todos os bits deste campo são preenchidos com 1´s. Se a mensagem não tiver nenhum tipo de autenticação, também deverá ser preenchida com 1´s. Caso seja utilizado algum tipo de autenticação e assinatura como MD5, este campo será utilizado para carregar informações de criptografia. Length: (2 bytes) Expressa o tamanho total da mensagem, incluindo o header. Este tamanho pode variar entre 19 bytes, que é o tamanho mínimo do próprio header, e 4096 bytes. Type: (1 byte) Representa o tipo de mensagem, que pode ser OPEN, UPDATE, NOTIFICATION ou KEEPALIVE. Dependendo do tipo da mensagem os campos do corpo da mensagem variam. No caso do tipo KEEPALIVE, não existem campos adicionais além do próprio header da mensagem. Marker: (16 bytes) Em tipos de mensagem OPEN, todos os bits deste campo são preenchidos com 1´s. Se a mensagem não tiver nenhum tipo de autenticação, também deverá ser preenchida com 1´s. Caso seja utilizado algum tipo de autenticação e assinatura como MD5, este campo será utilizado para carregar informações de criptografia. Length: (2 bytes) Expressa o tamanho total da mensagem, incluindo o header. Este tamanho pode variar entre 19 bytes, que é o tamanho mínimo do próprio header, e 4096 bytes. Type: (1 byte) Representa o tipo de mensagem, que pode ser OPEN, UPDATE, NOTIFICATION ou KEEPALIVE. Dependendo do tipo da mensagem os campos do corpo da mensagem variam. No caso do tipo KEEPALIVE, não existem campos adicionais além do próprio header da mensagem.

24 BGP OPEN Message Version Autonomous System Num Hold Time BGP Identifier Parm Len Optional Parameters (variable)

25 OPEN Message Version: (1 byte) Versão da mensagem BGP. É negociada a maior versão existente nos peers. O default dessa mensagem é a versão 4. Autonomous System Num: (2 bytes) Indica o número do AS que enviou a mensagem. Hold Timer: (2 bytes) Tempo máximo determinado para o envio das mensagens de KEEPALIVE ou UPDATE. Se dentro deste tempo nenhuma mensagem for recebida, a sessão BGP será considerada desativada. BGP Identifier: (4 bytes) Carrega a informação de BGP id, também conhecido como Router-id. Em geral, o router-id é escolhido como o IP mais alto existente no roteador, incluindo as interfaces loopback. Esse cálculo, dependendo do fabricante, pode ser diferente. Parameter Length: (1 byte) Indica o tamanho do campo Optional Parameters. Caso não existam parâmetros adicionais, o conteúdo deste campo será 0. Optional Parameters: (Variável) Estes parâmetros são representados por tuplas formadas por . Estes dados possuem tamanho de um byte, com exceção do último campo que pode ter tamanho variável. Uma das utilizações deste campo seria nos parâmetros de autenticação nas mensagens tipo OPEN. Version: (1 byte) Versão da mensagem BGP. É negociada a maior versão existente nos peers. O default dessa mensagem é a versão 4. Autonomous System Num: (2 bytes) Indica o número do AS que enviou a mensagem. Hold Timer: (2 bytes) Tempo máximo determinado para o envio das mensagens de KEEPALIVE ou UPDATE. Se dentro deste tempo nenhuma mensagem for recebida, a sessão BGP será considerada desativada. BGP Identifier: (4 bytes) Carrega a informação de BGP id, também conhecido como Router-id. Em geral, o router-id é escolhido como o IP mais alto existente no roteador, incluindo as interfaces loopback. Esse cálculo, dependendo do fabricante, pode ser diferente. Parameter Length: (1 byte) Indica o tamanho do campo Optional Parameters. Caso não existam parâmetros adicionais, o conteúdo deste campo será 0. Optional Parameters: (Variável) Estes parâmetros são representados por tuplas formadas por . Estes dados possuem tamanho de um byte, com exceção do último campo que pode ter tamanho variável. Uma das utilizações deste campo seria nos parâmetros de autenticação nas mensagens tipo OPEN.

26 BGP Udpate Message Withdraw Len Withdrawn Destinations (variable) Path Len Path Attributes (variable) Destination networks (variable) Unreachable Routes Path Attribute NRLI

27 Update Message n Unreachable routes –rotas que devem ser removidas da tabela de roteamento. –termo comum para este tipo de evento é withdrawn. n Network Layer Reachability Information –são definidas as rotas que devem ser incluídas na tabela de roteamento. A representação das rotas possui um mecanismo que suporta a funcionalidade conhecida como CIDR

28 Udapte Message n Unfeasible routes length –representa o tamanho em bytes total do campo Withdrawn routes n Withdraw destinations –redes que devem ser removidas da tabela de rotas –Representa as redes, através de instâncias de Length e Prefix –Exemplo: CIDR: /16

29 Exemplo de roteamento BGP BGP table version is , local router ID is Status codes: s suppressed, d damped, h history, * valid, > best, i - internal Origin codes: i - IGP, e - EGP, ? - incomplete Network Next Hop Metric LocPrf Weight Path *>i / i *>i / i *>i / ? *>i / ? *>i / i BGP table version is , local router ID is Status codes: s suppressed, d damped, h history, * valid, > best, i - internal Origin codes: i - IGP, e - EGP, ? - incomplete Network Next Hop Metric LocPrf Weight Path *>i / i *>i / i *>i / ? *>i / ? *>i / i A partir do início de cada linha, o símbolo * (asterisco) apresentado ao lado dos prefixos mostra que estes estão definidos como melhores caminhos para as redes em questão. Ao lado é apresentada a rede anunciada na forma de bloco CIDR, em seguida o Next Hop que define-se como próximo roteador que os pacotes para esta rede deverão ser enviados. Também todas as rotas possuem o atributo Local Preference com valor 100, o atributo Weight (proprietário da Cisco) com valor 0. Outro atributo é o AS_PATH que mostra a seqüência de sistemas autônomos até a chegada a rede destino e por fim, o atributo ORIGIN, que define a procedência do anúncio pelo AS que anunciou e é representado por i (IGP), e (EGP - indefinido ou incompleto).

30 BGP KEEPALIVE Message n Responsáveis por manter uma sessão BGP ativa n Conexões ativas entre dois roteadores BGP –nenhuma mensagem tipo UPDATE para enviar ao outro –envia uma mensagem de KEEPALIVE para manter a conexão antes que o Hold Time seja atingido e a conexão seja considerada inativa geralmente este tipo de mensagem é enviada ao atingir um terço do tempo de Hold Time O tamanho desta mensagem é 19 bytes, sendo formado apenas pelo header bgp básico, sem dados.

31 BGP NOTIFICATION Message n Este tipo de mensagem é utilizado na detecção de erros. Em geral este tipo de mensagem antecede o encerramento de uma sessão BGP Error Code Data E. SubCodeData Error Code: (1 byte) Identifica o tipo de notificação. Error Subcode: (1 byte) Identifica de forma mais específica a natureza do erro. Data: (Variável) Apresenta informações relevantes sobre o erro detectado. Alguns exemplos seriam: header incorreto, número de AS inválido, entre outros. Error Code: (1 byte) Identifica o tipo de notificação. Error Subcode: (1 byte) Identifica de forma mais específica a natureza do erro. Data: (Variável) Apresenta informações relevantes sobre o erro detectado. Alguns exemplos seriam: header incorreto, número de AS inválido, entre outros.

32 NOTIFICATION Message Error CodeErros Subcode 1 – Message header error1 – Connection Not Synchronized 2 – Bad Message Length 3 – Bad Message Type 2 – OPEN message error1 – Unsupported Version Number 2 – Bad Peer AS 3 – Bad BGP Identifier 4 – Unsupported Version Number 5 – Authentication Failure 6 – Unacceptable Hold Timer 7 – Unsupported Capability 3 – UPDATE message error1 – Malformed Attribute List 2 – Unrecognized Well-Know Attribute 3 – Missing Well-Know Attribute 4 – Attribute Flags Error 5 – Attribute Length Error 6 – Invalid Origin Attribute 7 – AS Routing Loop 8 – Invalid NEXT_HOP Attribute 9 – Optional Attribute Error 10 – Invalid Network Field 11 – Malformed AS_PATH 4 – Hold Timer expiredNão aplicável 5 – Finite State Machine error Não aplicável 6 – CeaseNão aplicável

33 Estados de uma conexão BGP

34 Organização da Internet em PTT n Organização da Internet –Diversos backbones pertencentes a empresas que inicialmente forneciam serviços de telefonia. –a fim de garantir a ligação entre todos os pontos, independente de qual backbone estivessem conectados, foi necessário criar pontos de conexão entre esses backbones para não isolá-los dos demais

35 Organização da Internet em PTT n Network Access Point (NAP) ou Ponto de Troca de Tráfego (PTT) –melhorar principalmente o tempo de resposta e diminuir os gastos –diferentes backbones estabelecem conexões locais com o intuito de trocar tráfego e conseguir fornecer um serviço de maior qualidade, mais econômico e com tempo de acesso mais baixo

36 PTT n Formado por um conjunto de roteadores localizados em um único ponto neutro –Formam uma rede local de alta velocidade, geralmente com tecnologias de nível 2 como Fast Ethernet ou Gigabit Ethernet –Cada roteador representa um sistema autônomo que deseja trocar tráfego com pelo menos um dos participantes. –Para a conexão entre todos os roteadores, existe um comutador ou switch com alto poder de processamento

37 Arquiteturas de PTT Neste tipo de PTT todos os participantes devem simplesmente estar na rede do PTT. Os acordos de troca de tráfego neste tipo de PTT são chamados bilaterais, ou seja, se um determinado participante desejar trocar tráfego com um conjunto de ASs, este deverá estabelecer uma conexão BGP com cada um destes participantes diretamente. Neste caso, na entrada de um novo participante no PTT, se este desejar trocar tráfego com N participantes, N novas sessões BGP serão estabelecidas adicionalmente no PTT. Neste tipo de PTT todos os participantes devem simplesmente estar na rede do PTT. Os acordos de troca de tráfego neste tipo de PTT são chamados bilaterais, ou seja, se um determinado participante desejar trocar tráfego com um conjunto de ASs, este deverá estabelecer uma conexão BGP com cada um destes participantes diretamente. Neste caso, na entrada de um novo participante no PTT, se este desejar trocar tráfego com N participantes, N novas sessões BGP serão estabelecidas adicionalmente no PTT.

38 Arquiteturas de PTT Neste caso, além dos roteadores de cada participante, são utilizadas estações de trabalho com software que implementam o protocolo BGP e suas operações. Sendo assim, os dois computadores trabalham como centralizadores das rotas anunciadas pelos participantes do PTT. Todos os participantes não mais estabelecem sessões entre eles, mas estabelecem sessões BGP com os dois Route Servers. Neste caso, são estabelecidos acordos de tráfego multilaterais. Neste caso, além dos roteadores de cada participante, são utilizadas estações de trabalho com software que implementam o protocolo BGP e suas operações. Sendo assim, os dois computadores trabalham como centralizadores das rotas anunciadas pelos participantes do PTT. Todos os participantes não mais estabelecem sessões entre eles, mas estabelecem sessões BGP com os dois Route Servers. Neste caso, são estabelecidos acordos de tráfego multilaterais.

39 Looking Glass A utilidade de tal recurso é que este, uma vez conectado aos Route Servers, recebe todos os anúncios dos participantes do PTT e pode ser usado para consulta das rotas anunciadas no PTT e a preferência que cada uma destas tem sob as demais anunciadas. Isso acaba sendo útil aos participantes do PTT para verificar se seus anúncios estão sendo feitos corretamente e se o efeito está de acordo com o esperado. A utilidade de tal recurso é que este, uma vez conectado aos Route Servers, recebe todos os anúncios dos participantes do PTT e pode ser usado para consulta das rotas anunciadas no PTT e a preferência que cada uma destas tem sob as demais anunciadas. Isso acaba sendo útil aos participantes do PTT para verificar se seus anúncios estão sendo feitos corretamente e se o efeito está de acordo com o esperado.

40 PTTs no Brasil e a RNP

41 BGP Path Attributes n Origem da Mensagem –Enviar next-hop –Lista de sistemas autônomos –Rota foi recebida de outro roteador ou derivada do sistema autônomo do roteador origem da mensagem n Um atributo diz respeito a todas as rotas divulgadas –Redução de tamanho da mensagem –Atributos diferentes = mensagens update individuais

42 Path Attributes n Importantes para –Previnir laços (loops) –Implementação de políticas de roteamento –Receptor conhece todos os roteadores de uma rota n Formato Exemplos: (type) 1 especifica a origem da informação de path 2 lista os sistemas autônomos no path do destino 3 Next hop para o destino


Carregar ppt "Roteamento entre Sistemas Autônomos Although it is desirable for routers to exchange routing information, it is impractical for all routers in an arbitrary."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google