A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

EDUCAÇÃO PERMANENTE UMA POSSIBILIDADE DE MUDANÇA JOSÉ INÁCIO JARDIM MOTA Escola Nacional de Saúde Pública/MS Florianópolis/2004.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "EDUCAÇÃO PERMANENTE UMA POSSIBILIDADE DE MUDANÇA JOSÉ INÁCIO JARDIM MOTA Escola Nacional de Saúde Pública/MS Florianópolis/2004."— Transcrição da apresentação:

1 EDUCAÇÃO PERMANENTE UMA POSSIBILIDADE DE MUDANÇA JOSÉ INÁCIO JARDIM MOTA Escola Nacional de Saúde Pública/MS Florianópolis/2004

2 Um cenário a ser encontrado Nessa passagem de milênio uma das tarefas intelectuais mais instigantes será a de fundamentar uma concepção e uma prática vinculada à idéia de saúde, saúde como modo inédito de andar a vida, doença como forma de vida recusada pela vida, saúde como alegria, gozo estético, prazer, axé(energia), solidariedade, qualidade de vida(e de morte), felicidade, enfim Jairnilson Silva Paim

3 EDUCAÇÃO PERMANENTE CONSTRUINDO UM CONCEITO EDUCAÇÃO PERMANENTE: estratégia de reestruturação dos serviços, a partir da análise dos determinantes sociais e econômicos, mas sobretudo de valores e conceitos dos profissionais. Propõe transformar o profissional em sujeito, colocando-o no centro do processo ensino- aprendizagem.(MOTTA)

4 EDUCAÇÃO PERMANENTE SAUDE TRABALHO RELAÇÕES é um estado de completo bem estar físico, mental e social e não apenas a ausência de doenças OMS processo é tudo que esta em constante mutação, sempre inacabado não como um defeito mas como condição de existência resultante das condições de alimentação, habitação, renda, meio ambiente, trabalho, transporte, lazer, liberdade, acesso e posse da terra e acesso aos serviços de saúde.

5 EDUCAÇÃO PERMANENTE SAUDE TRABALHO RELAÇÕES Saúde como problema complexo. Produção social, não simplesmente evento biológico. Conceito afirmativo e amplo (não só combater a doença, mas promover a vida com qualidade). Trabalho em saúde envolvendo: Campo interdisciplinar de conhecimentos, e Campo intersetorial de práticas.

6 Conceito afirmativo e amplo de saúde Ausência de doença x existência de saúde Vida sem doença x vida com qualidade Riscos à saúde x chances de vida Quantidade de vida x qualidade de vida Saúde normativa x saúde sentida (subjetividade) Saúde como fim x saúde como capacidade e autonomia

7 Explicação interdisciplinar da saúde-doença Ciência objetiva x ciência compreensiva. Ciências biomédicas x Ciências da vida Social como variável para explicar x Social como determinante para enfrentar Doença como realidade-objeto x doença como realidade também subjetiva

8 INTERVENÇÃO INTERSETORIAL NA SAÚDE Doente objeto x cidadão sujeito Ampliação das chances de vida Ação nos determinantes da saúde-doença. Ampliação das capacidades individuais Ampliação das capacidades coletivas / comunitárias Construção de ambientes institucionais e societais favoráveis Educação não como adestramento, indução de hábitos, mas para potencializar as capacidades humanas, ferramentas para a autonomia.

9 ALGUNS DESAFIOS CONCEITUAL: precisar os conceitos de educação continuada e permanente; METODOLÓGICA: desenvolver metodologias que propiciem uma melhor definição dos problemas do trabalho e suas respostas educacionais; CONTEXTUAL: reorganização do mundo do trabalho redesenhando cenários; POLÍTICA: pactuação entre atores institucionais; inscrever na agenda de gestores a prioridade dos processos educacionais na rede de serviços de saúde.

10 UM CONCEITO EDUCAÇÃO CONTINUADA: alternativas educacionais mais centradas no desenvolvimento de grupos profissionais, seja através de cursos de caráter seriado, seja através de publicações específicas de um determinado campo.(NUNES) EDUCAÇÃO PERMANENTE: processos de aprendizagem no trabalho, a partir da reflexão sobre o processo de trabalho, enunciando problemas e necessidades de natureza pedagógica. (MOTTA)

11 Distinções Conceituais Educação Permanente X Educação Continuada: Multiprofissional Prática institucionalizada Problemas de saúde Transformação das práticas Continua Centrada na resolução de problemas Uniprofissional Prática autônoma Temas de especialidade Atualização técnica Esporádica Centrada na transmissão de conhecimentos

12 EQUIPES INSTITUCIONALIDADE DIFERENTES SABERES INFORMAM UMA PRÁTICA MATRIZ EXPLICATIVA DO PROCESSO SAÚDE-DOENÇA EDUCAÇÃO PERMANENTE PROCESSO DE TRABALHO ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO ORGANIZAÇÃO QUE APRENDE GESTÃO DO CONHECIMENTO PROBLEMAS E NECESSIDADES DE NATUREZA PEDAGÓGICA METODOLOGIAS ATIVAS (Motta, 2003)

13 EDUCAÇÃO PERMANENTE: Novas exigências de desenvolvimento institucional A inadequação dos modelos clássicos de gestão para responder tanto as novas exigências do trabalho em saúde, quanto as novas exigências de formação profissional (organização vertical, divisão rígida entre funções técnicas e administrativas, estrutura hierárquica e processos burocraticos / lentos de tomada de decisão). A necessidade de re-desenho institucional de modo a dotar as organizações de saúde de capacidade de manejar os problemas de saúde-doença com eficiência e efetividade (mobilizar saberes interdisciplinares e recursos intersetoriais; operar com agilidade e flexibilidade; lidar com relações intersubjetivas e com juízos morais)

14 Novas exigências de desenvolvimento institucional Impõe-se um novo modelo que: Propicie o trabalho cooperativo, a interação entre as experiências individuais e coletivas; a mobilização dos distintos saberes envolvidos no objeto saúde. Fomente a autonomia e a responsabilização dos profissionais, e amplie seu compromisso com a missão institucional e com os resultados em saúde. Flexibilize seu planejamento de modo a se beneficiar da aprendizagem institucional que se dá no transcurso das ações; o plano deve dar lugar ao processo

15 PÓLOS DE EDUCAÇÃO PERMANENTE DISPOSITIVO QUE ENVOLVE UM CONJUNTO DE ATORES DE UMA DETERMINADA BASE LOCOREGIONAL. CONSTITUI-SE NUM ESPAÇO DE NEGOCIAÇÃO, PACTUAÇÃO E CONSTRUÇÃO DE CONSENSOS DO QUE VEM A SER PROBLEMAS E NECESSIDADES DE NATUREZA PEDAGÓGICA E ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DOS MESMOS.

16 FÓRUMESTADUAL FÓRUMREGIONAL FÓRUMLOCAL D1 D2D3 D2 D4 D5 PÓLO FLUXO PARA O SISTEMA DE EPS D = Necessidades e Problemas DI = Desenvolvimento Institucional Processos de ECProcessos de EP Processos de DI

17 PENSANDO... O ser humano é a um só tempo físico, biológico, psíquico, cultural, social, histórico. Esta unidade complexa da natureza humana é totalmente desintegrada na educação por meio das disciplinas, tendo-se tornado impossível aprender o que significa ser humano. É preciso restaurá-la, de modo que cada um, onde quer que se encontre, tome conhecimento e consciência, ao mesmo tempo, de sua identidade complexa e de sua identidade comum a todos os outros humanos. Edgar Morin

18 REFLETINDO PELA POESIA... uma espécie de terror nos assalta quando vemos esses seres mecanizados, aos quais nem as alegrias nem as dores parecem pertencer, mas aos quais tudo parece obedecer a ritos comprovados e como ditados por inteligências superiores.ARTAUD a esperança é pois garantia do possível. Viver é possível com a condição de que o homem aceite o risco de comprometer-se e de olhar sempre a frente de maneira que sempre sobreponha, e nunca se limite ao momento presente e suas satisfações.FURTER


Carregar ppt "EDUCAÇÃO PERMANENTE UMA POSSIBILIDADE DE MUDANÇA JOSÉ INÁCIO JARDIM MOTA Escola Nacional de Saúde Pública/MS Florianópolis/2004."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google