A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1 Novembro/2009. 2 Em 10/03/09 o Estado de São Paulo alienou o controle do Banco Nossa Caixa ao Banco do Brasil Em 11/03/09 foi constituída a Nossa Caixa.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1 Novembro/2009. 2 Em 10/03/09 o Estado de São Paulo alienou o controle do Banco Nossa Caixa ao Banco do Brasil Em 11/03/09 foi constituída a Nossa Caixa."— Transcrição da apresentação:

1 1 Novembro/2009

2 2 Em 10/03/09 o Estado de São Paulo alienou o controle do Banco Nossa Caixa ao Banco do Brasil Em 11/03/09 foi constituída a Nossa Caixa Desenvolvimento – Agência de Fomento do Estado de São Paulo Controlada pelo Estado de SP Capital autorizado de R$ 1 bilhão Capital integralizado de R$ 400 milhões A NOSSA CAIXA DESENVOLVIMENTO

3 3 promover o desenvolvimento econômico e social do estado, mediante o financiamento de projetos produtivos, buscando a ampliação e racionalização das políticas financeiras de fomento MISSÃO

4 4 MODELO DE NEGÓCIO MODELO DE ATUAÇÃO CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO CONCESSÃO DE CRÉDITO PÚBLICO ALVO PRODUTOS

5 5 CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO PARCEIROS

6 6 BENEFICIÁRIOS Pessoas jurídicas com sede ou filial no Estado Os beneficiários devem consumir mercadoria produzida em São Paulo e adquirida de estabelecimento paulista PORTE Faturamento anual entre R$ 240 mil e R$ 100 milhões Aproximadamente 36 mil empresas no estado PÚBLICO ALVO

7 7 QUALIDADE Foco em empresas com capacidade de pagamento ou com garantias de boa liquidez PROCESSO Seleção de grupos de empresas e posterior aprovação de limites de crédito CRITÉRIO DE CONCESSÃO Resolução nº 2.682/99 do CMN CONCESSÃO DE CRÉDITO

8 8 PRODUTOS LEG – Capital de giro com desconto de títulos LEP – Capital de giro parcelado FINAME – Comprador FINAME – PSI (até ) PEC – Programa Especial de Crédito – BNDES (até ) FIP – Financiamento ao Investimento Paulista LEI – Linha Especial de Investimento com Fundo de Aval FINAME - Fabricante BNDES Automático Leasing – Máquinas e equipamentos Comércio Exterior – Exportação e Importação Cartão BNDES

9 9 FINAME – Comprador Financiamento de máquinas e equipamentos Prazo: de 36 a 60 meses Carência: de 3 a 12 meses Prazo e Carência em função do rating da empresa Juros: TJLP + 4,40% a.a. = 10,40% MPME TJLP + 4,90% a.a. = 10,90% Grande empresa Financiamento máximo: 100% MPME 80% Grande empresa LINHAS DO BNDES

10 10 FINAME – PSI Financiamento de máquinas e equipamentos novos Vigência do Programa até Protocolo no BNDES até Prazo: de 36 a 72 meses Carência: de 3 a 12 meses Prazo e carência em função do rating da empresa Juros: 7,00% a.a. Ônibus, caminhões, chassis, carretas, caminhões-tratores, cavalos mecânicos, reboques, semi-reboques, tanques 4,50%a.a. demais bens Financiamento máximo: 100% MPME 80% Grande empresa LINHAS DO BNDES

11 11 PEC – PROGRAMA ESPECIAL DE CRÉDITO Financiamento de Capital de Giro Vigência do Programa até Protocolo no BNDES até Prazo: de 12 a 36 meses Carência: de 3 a 12 meses Prazo e carência em função do rating da empresa Encargos financeiros Juros: de 13,50% ou 14,00% a.a. em função do porte da empresa LINHAS DO BNDES

12 12 FIP – FINANCIAMENTO AO INVESTIMENTO PAULISTA Linha destinada a ampliação da capacidade produtiva das empresas paulistas, através do financiamento de projetos de implantação, expansão, modernização, e do apoio à inovação, ao desenvolvimento tecnológico, ao meio ambiente e à eficiência energética PÚBLICO ALVO Empresas industriais, comerciais, agroindustriais e prestadoras de serviços, estabelecidas no Estado de São Paulo REQUISITOS OBRIGATÓRIOS PARA AS BENEFICIÁRIAS A empresa deverá estar regular junto ao Fisco Estadual além de enquadrar-se na política de crédito da Nossa Caixa Desenvolvimento LINHAS COM RECURSOS PRÓPRIOS

13 13 FIP – FINANCIAMENTO AO INVESTIMENTO PAULISTA Financiamento de projetos, obras civis, montagens, instalações, aquisição de máquinas e equipamentos novos fabricados em São Paulo, ou em outros estados brasileiros, quando não houver fabricação em São Paulo, ou no exterior, quando não houver similar nacional, e capital de giro associado ao investimento FIP – SIMPLIFICADO Aquisição de máquinas e equipamentos novos FIP – TECNOLOGIA Desenvolvimento e transferência de tecnologia, criação de novos produtos, processos ou serviços e P&D FIP – MEIO AMBIENTE Melhorias em processos de produção com o objetivo de reduzir impactos no meio ambiente e atender a legislação ambiental FIP – ENERGIA Racionalização do consumo de energia e utilização de energias alternativas FIP – Financiamento ao Investimento Paulista

14 14 FIP – Financiamento ao Investimento Paulista PRAZO: Até 60 meses, incluindo a carência. CARÊNCIA MÁXIMA FIP e FIP Simplificado: 6 meses. FIP Tecnologia, FIP Meio Ambiente e FIP Energia: 12 meses ENCARGOS FINANCEIROS Juros: 8,00% a.a. Correção: IPC-FIPE VALOR MÁXIMO: R$ 20 milhões PARTICIPAÇÃO MÁXIMA FIP e FIP Simplificado: até 80% do valor dos itens financiáveis FIP Tecnologia, FIP Meio Ambiente e FIP Energia: até 100% do valor dos itens financiáveis FIP – Financiamento ao Investimento Paulista

15 15 LEP – Linha Especial Parcelada Prazo: até 12 meses Carência: 1 mês Crédito por TED no banco da empresa Encargos financeiros Juros: 0,96% a.m. Abertura de Crédito: até 1,00% LINHAS COM RECURSOS PRÓPRIOS

16 16 LEG – Linha Especial de Giro com Recebíveis Desconto de duplicatas Prazo do limite do crédito: 180 dias Prazo das operações: até 90 dias, em função do rating Liberação por borderô e crédito por TED no banco da empresa Encargos financeiros Juros: 0,96% a.m. Abertura de Crédito: 0,10% LINHAS COM RECURSOS PRÓPRIOS

17 17 Convocar os associados para reunião com a Nossa Caixa Desenvolvimento Utilização da sede da entidade como ponto de apoio para atendimento dos associados Manter funcionários treinados sobre os produtos da Nossa Caixa Desenvolvimento Promover o agendamento de reuniões com a NCD quando solicitado pelos associados Executar a triagem e remessa da documentação dos associados necessários para a aprovação de linha ATRIBUIÇÕES DO PARCEIRO

18 18 1. NCD realiza a avaliação da empresa com base nas informações disponíveis na SERASA 2. Caso a empresa não possua ou não esteja com seus dados atualizados na SERASA, providenciar através do site 3. Em função do resultado dessa avaliação, é atribuído um rating para a empresa PASSOS PARA OBTENÇÃO DE LINHA

19 19 4. Em função do porte, rating e faturamento é apurado um pré-limite de crédito 5. NCD entra em contato com a empresa e informa o rating e o pré-limite apurado 6. Confirmado o interesse, a empresa encaminha: a) documentação para análise e validação b) relação dos sacados no caso de linha de desconto c) relação das garantias no caso de parcelado PASSOS PARA OBTENÇÃO DE LINHA

20 20 7. NCD aprova: a) limite de crédito b) sacados c) garantias oferecidas 8. Formalização do Contrato de Crédito 9. Recepção e aprovação dos borderôs de recebíveis por meio eletrônico ou garantia registrada no caso de parcelado 10. Liberação da Operação via TED no banco escolhido pela empresa PASSOS PARA OBTENÇÃO DE LINHA

21 21 Outubro/2009


Carregar ppt "1 Novembro/2009. 2 Em 10/03/09 o Estado de São Paulo alienou o controle do Banco Nossa Caixa ao Banco do Brasil Em 11/03/09 foi constituída a Nossa Caixa."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google