A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Concordância verbal – 9º ano EF Profª Andréa Fávaro Reis Baroni

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Concordância verbal – 9º ano EF Profª Andréa Fávaro Reis Baroni"— Transcrição da apresentação:

1 Concordância verbal – 9º ano EF Profª Andréa Fávaro Reis Baroni
STILLFX/SHUTTERSTOCK STILLFX/SHUTTERSTOCK Concordância verbal – 9º ano EF Profª Andréa Fávaro Reis Baroni

2 Concordância verbal SCHULZ, Charles. Minduim.
CHARLES SCHULZ SCHULZ, Charles. Minduim. Professor: com base na tira acima, proponha as questões da página 23 do módulo. Explorando a oposição gramatical entre siga e sigam, uma das personagens da tira conclui que o sinal de siga, nas convenções de trânsito, mostra que apenas uma pessoa está autorizada a atravessar a rua, já que o verbo não se encontra no plural. Sabemos, no entanto, que siga é apenas um sinal para que pedestres (não importando se um ou mais de um) possam atravessar. Isso mostra que a menina explorou uma oposição gramatical para manipular, a seu favor, o sentido veiculado por uma expressão verbal. A propriedade morfológica responsável pela oposição entre siga e sigam é determinada pelo que chamamos de concordância verbal, um efeito morfossintático da relação que o verbo estabelece com outro termo da oração.

3 Casos especiais com sujeitos simples
Expressões partitivas + substantivo ou pronome 2001 PAWS, INC. /DISTRIBUTED BY UNIVERSAL PRESS SYNDICATE, INC. Professor: o sujeito da construção que aparece no 1o quadrinho da tira apresenta uma expressão partitiva (a maioria dos gatos). O verbo é realizado no singular porque se optou por fazer a concordância verbal com o substantivo maioria, que consideramos ser o núcleo do sujeito da frase. DAVIS, Jim. Garfield.

4 A maioria dos gatos não tomam sorvete.
“A maioria dos gatos não toma sorvete.” OU A maioria dos gatos não tomam sorvete. Professor: quando o sujeito apresenta uma expressão partitiva (uma parte de..., grande parte de..., a maior parte de..., grande número de..., a maioria de..., uma porção de...) seguida de um substantivo ou de um pronome no plural, o verbo pode ficar no singular (concordando com o substantivo que ocorre na expressão partitiva) ou no plural (concordando com o substantivo que se segue à expressão partitiva).

5 Porcentagem Um por cento dos eleitores não pretende pretendem votar.
Professor: quando a expressão numérica indicativa de porcentagem vem seguida de um substantivo, transformando-se assim numa expressão partitiva, o verbo pode concordar com o numeral ou com o substantivo.

6 O pronome que Fui eu que ARRUMEI esse quarto.

7 O pronome quem arrumei Fui eu quem esse quarto. arrumou
Professor: quando o sujeito é o pronome quem, em contextos nos quais ele deve ser analisado como relativo indefinido, o verbo da oração adjetiva (se posposta ao predicado) pode concordar com o antecedente do pronome ou com o próprio pronome (3a pessoa do singular). arrumou

8 Pronomes indefinidos e interrogativos
1997 UNITED FEATURE SYNDICATE, INC. SCHULZ, Charles. Minduim. poderão Professor: quando o sujeito apresenta expressões constituídas de pronomes indefinidos ou interrogativos no plural seguidos da preposição de e dos pronomes pessoais nós e vós, o verbo é flexionado no plural, mas pode concordar em pessoa tanto com o pronome indefinido (3a pessoa) quanto com o pronome pessoal. “Alguns de nós morrer.” poderemos

9 Pronomes indefinidos e interrogativos
2002 BY NORTH AMERICA SYNDICATE, INC. HART, Johnny. A legião. Professor: quando o pronome indefinido ou interrogativo apresentar forma singular, o verbo concorda necessariamente com a pessoa pronominal (3a pessoa do singular), como se vê na fala dos legionários no 2o quadrinho da tira. “Nenhum de nós sabe escrever.” Pronome indefinido (3a pessoa do singular)

10 Substantivo COLETIVO O grupo invadiu o campo de futebol.
O grupo de torcedores o campo de futebol. Professor: quando o núcleo do sujeito é um substantivo coletivo, o verbo assume a forma singular. invadiram 2 Concordância verbal

11 Substantivo: plurais e singulares
Férias é essencial para relaxarmos um pouco. Substantivo plural (não determinado) Nossas férias são essenciais para relaxarmos. Professor: quando o núcleo do sujeito é um substantivo que apresenta forma plural, mas tem sentido de singular, o verbo irá para o singular se o substantivo não vier antecedido por um determinante no plural (artigo, pronome ou numeral). Se for antecedido por determinante no plural, o verbo irá para o plural. Substantivo plural Pronome possessivo (determinante)

12 Substantivo: plurais e singulares
Viagens na minha terra foi escrito por Almeida Garret. Substantivo próprio plural (não determinado) Os Emirados Árabes são um grande produtor de petróleo. Professor: quando o núcleo do sujeito é constituído de um substantivo próprio que apresenta forma plural, o verbo irá para o singular se o substantivo não vier antecedido por um determinante. Se o substantivo próprio for antecedido por determinante (artigo, pronome ou numeral), o verbo irá para o plural. Substantivo plural Artigo definido Emirados Árabes é um grande produtor de petróleo.

13 Casos especiais com sujeitos compostos
Sujeito posposto Dormem naquele quarto a mãe e seus dois filhos. Sujeito composto posposto Dorme naquele quarto a mãe e seus dois filhos. Professor: quando o sujeito composto é posposto ao verbo, ou o verbo é flexionado no plural, concordando com todos os núcleos, ou fica no singular, concordando apenas com o núcleo mais próximo, se ele estiver no singular. Sujeito composto posposto

14 Sujeito composto por diferentes pessoas gramaticais
Eu e você devemos ser muito cuidadosos em relação a essas informações. Tu e ele deveis ser muito cuidadosos em relação a essas informações. Professor: no caso de sujeito composto constituído de diferentes pessoas gramaticais, o verbo é flexionado obviamente no plural, mas a escolha da pessoa deve, de acordo com a gramática normativa, obedecer a uma hierarquia: a 1a pessoa prevalece sobre a 2a e a 3a, e a 2a pessoa prevalece sobre a 3a.

15 Núcleos ligados por ou / nem
Ou um time do Rio ou um de São Paulo vencerá o campeonato. Conjunções: exclusão Nem o time carioca nem o time paulista vencerão este campeonato. Professor: quando os núcleos do sujeito composto vêm ligados pelas conjunções ou ou nem, há duas situações a considerar, levando em conta a ideia expressa por essas conjunções. Se a conjunção indica exclusão, o verbo deve concordar com o núcleo mais próximo; se a conjunção indica inclusão, ou seja, quando a declaração expressa pelo predicado verbal se aplica a todos os núcleos do sujeito, o verbo é flexionado no plural. Conjunções: inclusão

16 Emprego impessoal de haver
CHARLES SCHULZ Professor: no 1o quadrinho, as duas ocorrências de haver, flexionadas na 3a pessoa do singular, são impessoais: haver aparece associado a termos no plural e não pode concordar com esses termos por eles serem complementos, e não sujeitos. Por isso, construções como houveram épocas e haviam dinossauros são consideradas incorretas pela gramática normativa. SCHULZ, Charles. Minduim.

17 Emprego impessoal de haver
BROWNE CHRIS Professor: a tira não faz parte do módulo. Haver é também impessoal quando ocorre em expressões que mostram tempo transcorrido, devendo ser flexionado na 3a pessoa do singular. BROWNE, Chris. Disponível em: <http://tiras-hagar.blogspot.com/2006_04_01_archive.html>. Acesso em: 3 dez

18 O verbo fazer em expressões temporais
FERNANDO GONSALES Professor: quando indica tempo transcorrido, o verbo fazer é impessoal e, como haver, deve ocorrer na 3a pessoa do singular, como na tira: “Faz dias que não aparece uma mosca”. De acordo com a gramática normativa, dias é complemento (objeto direto) do verbo fazer e não pode, por isso, determinar a flexão verbal; apenas os sujeitos, e nunca os complementos, podem concordar com o verbo. GONSALES, Fernando. Níquel Náusea.

19 São três horas da tarde e o almoço ainda não está pronto!
O verbo ser na indicação de tempo São três horas da tarde e o almoço ainda não está pronto! Já é uma hora da tarde. Hoje são vinte e cinco de janeiro. Professor: na indicação de tempo, o verbo ser concorda com o numeral que vem depois dele. Na especificação do dia do mês, o verbo ser concorda no singular com o substantivo dia, caso ele anteceda o numeral. Hoje é dia vinte e cinco de janeiro.

20 Verbo ser + pronome interrogativo, indefinido ou demonstrativo
EDITORA ABRIL “Nem tudo são flores.” Pronome indefinido Professor: quando o sujeito do verbo ser é um dos pronomes interrogativos que ou quem, o pronome indefinido tudo (exemplificado no título da reportagem acima) ou um dos pronomes demonstrativos isto, isso, aquilo, a concordância se faz com o predicativo do sujeito.

21 Verbo ser + expressão de quantidade
Cem dólares é um preço razoável por uma diária de hotel em Nova York. Ser: 3a pessoa do singular Duzentos quilos é muito peso para transportar nesse carro. Professor: quando o sujeito da oração é constituído de uma expressão que indica quantidade, preço, valor ou medida no plural, o verbo ser deve ocorrer na 3a pessoa do singular.

22 Verbo ser + sujeito no singular + predicativo no plural
FERNANDO GONSALES Professor: peça aos alunos que observem a fala de Níquel Náusea no último quadrinho da tira. GONSALES, Fernando. Níquel Náusea: com mil demônios!

23 Talvez o problema sejam as orelhas!
Sujeito sing. Predicativo pl. Professor: quando o verbo ser ocorre entre um sujeito cujo núcleo é um substantivo comum no singular e um predicativo cujo núcleo é um substantivo comum no plural, a tendência é o verbo concordar com o predicativo.

24 Concordância ideológica
Silepse de número 2002 PAWS, INC./DISTRIBUTED BY UNIVERSAL PRESS SYNDICATE/DIST. POR ATLANTIC Professor: em alguns contextos, admite-se a realização de uma concordância que não toma por base a forma em que se apresenta o núcleo do sujeito, mas uma ideia associada a ele. É a chamada concordância ideológica, também chamada de silepse. No exemplo acima, o substantivo gataria tem uma forma singular que recupera um sentido coletivo (muitos gatos). Embora, na fala de Garfield, atue como vocativo, esse substantivo dá uma pista ao leitor sobre a ideia que está por trás da flexão de número do verbo morder. É como se o Garfield estivesse dizendo: Mordam-se de inveja, gatos! DAVIS, Jim. Garfield.


Carregar ppt "Concordância verbal – 9º ano EF Profª Andréa Fávaro Reis Baroni"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google