A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Universidade Católica de Goiás Engenharia de Produção Estratégia Tecnológica Professora: Ms. Tatiany Paço Aula 04 Capítulo 03.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Universidade Católica de Goiás Engenharia de Produção Estratégia Tecnológica Professora: Ms. Tatiany Paço Aula 04 Capítulo 03."— Transcrição da apresentação:

1 Universidade Católica de Goiás Engenharia de Produção Estratégia Tecnológica Professora: Ms. Tatiany Paço Aula 04 Capítulo 03

2 Desenvolvimento Tecnológico A introdução da inovação tecnológica está sujeita a (ao): Objetivos próprios de desenvolvimento Recursos que dispõem Natureza do mercado que operam Conhecimento das opções tecnológicas disponíveis Situação político-econômica do país em que são sediadas Capacidade da força de trabalho

3 Desenvolvimento Tecnológico Conceitos e critérios básicos de novos processos e produtos: Invenção – criar uma nova idéia Inovação – converter a idéia ao uso prático Imitação – inovação copiada Mudanças autônomas – as mudanças ocorrem naturalmente Mudanças induzidas – realizadas com intenção de geração de lucro.

4 Desenvolvimento Tecnológico Conceitos e critérios básicos de novos processos e produtos: Progresso Técnico – aumento na relação produto/insumo. Oportunidades tecnológicas – momento que determinadas inovações postas em prática tenham chance de progredir. Avaliação de resultados – comparação dos benefícios verificados com a mudança tecnológica com o que seria esperado. Economia e deseconomia de escala – progresso técnico envolvido com a economia e deseconomia de escala.

5 Política Industrial (PI) Busca promover o desenvolvimento industrial por meio de: – Medidas genéricas dirigidas à indústria como um todo. – Observando tanto o crescimento econômico quanto a eficiência (produtividade) da industria. A PI fundamenta-se: – Na cooperação entre o setor público e privado. – No envolvimento dos aspectos macro e micro econômicos.

6 Política Industrial (PI) Torna-se o meio pelo qual as decisões podem ser avaliadas quanto a sua significação econômica e científica.

7 Princípios básicos e instrumentos utilizados por Japão e Coréia Proteção a produção interna Promoção de exportações Apoio seletivo ao P&D Articulação entre empresas, universidades, centros de pesquisas e aparato estatal. Fortalecimento de empresas nacionais, possibilitando que elas adquiram massa crítica para investimento em P&D.

8 Princípios básicos e instrumentos utilizados por Japão e Coréia Estrita regulamentação da participação do capital estrangeiro, com orientação setorial, vinculação a exportação, preferência para Joint-Ventures, exclusão de benefícios fiscais e financiamentos. Reforma financeira articulada aos objetivos da PI, inclusive estatização do sistema bancário. Modernização da agricultura. Compatibilização entre uma distribuição progressivamente eqüitativa de renda e a realização de taxas elevadas de poupança.

9 Política Industrial Japão e Coréia A experiência desses países comprova que a PI, ainda que protecionista: Não eliminou a competição. Não excluiu a eficiência industrial. Premia criatividade. Preserva a soberania do mecanismo de mercado. Baseia-se em uma ampla articulação.

10 Fases da pesquisa e desenvolvimento e engenharia – P&D&E

11 Tecnologia como uma vantagem competitiva A vantagem competitiva é criada: – Aumentando-se o valor de um produto para um cliente ou – Reduzindo os custos de levar o produto para o mercado.

12 Tecnologia Uma nova tecnologia pode: Lado bom: – Aumentar vendas. – Melhorar a qualidade dos produtos ou processos. – Possibilitar entregas mais rápidas. – Aumentar a produtividade da mão-de-obra. Lado ruim: – O investimento pode estar além da capacidade de financiamento da empresa. – Pode ainda ter custos ocultos.

13 Custos Ocultos da Tecnologia

14 Estratégia Tecnológica A gestão deve: Considerar as fontes de vantagens competitivas. Identificar as competências centrais e as tecnologias críticas da empresa que são cruciais a seu êxito e que devem ser desenvolvidas internamente. Considerar o momento em que se deve adotar uma nova tecnologia (utilizar estratégia first mover ?) Fazer uma análise financeira para a verificar se o investimento na nova tecnologia é justificável.

15 Quando uma tecnologia é Revolucionária Tem atributos de desempenho que ainda não são avaliados pelos clientes para os produtos atuais ou Tem pior desempenho em alguns dos atributos que os clientes avaliam, porém rapidamente ultrapassam as tecnologias existentes nesses atributos após alguns aperfeiçoamentos.

16 Opções para adquirir uma nova tecnologia Fontes Internas Empresa faz sua própria P&D. Relações de Parcerias As empresas podem contratar pesquisas em universidades, centros de pesquisas ou laboratórios. A empresa pode adquirir a licença de tecnologia de outra organização. Duas ou mais empresas podem entrar em um empreendimento conjunto (joint venture). A empresa pode realizar uma fusão ou aquisição com/de outra empresa que já tenha experiência tecnológica desejada. Compra direta do fornecedor A empresa pode adquirir uma nova tecnologia de forma padronizada (off-the-shelf).

17 Integração de Tecnologia Equipe multidisciplinares são responsáveis pela implementação de novas tecnologias. Combinação de: engenheiros de projetos, engenheiros de produção, compradores e especialistas da qualidade, especialistas de informática e outros. Utiliza a técnica de gerenciamento de projeto chamada engenharia simultânea.

18 Transferência de Tecnologia Só ocorre quando o receptor absorver o conjunto de conhecimentos que lhe permitem inovar. A transferência não se completa se o comprador não dominar os conhecimentos envolvidos a ponto de ficar em condições de criar nova tecnologia. As etapas da transferência são: absorção, adaptação, aperfeiçoamento, inovação e difusão.

19 Transferência de Tecnologia Passos principais nesse processo: Descoberta ou invenção. Proteção com patenteamento. Publicação da pesquisa científica. Autorização dos direitos para a utilização das inovações para a indústria e para o desenvolvimento comercial.

20 Processo de Elaboração de uma Estratégia Tecnológica

21 Plano tecnológico na empresa

22 Base de Dados de Indicadores de Inovação Tecnológica da ANPEI

23 Casos Brasileiros de Sucesso

24 Nome da empresa e Setor Áreas e características da inovação tecnológica Diretrizes explícitas de estratégia tecnológica Dimensão quantitativa do investimento em P&D Aracruz Celulose Inovação na otimização e desenvolvimento de processos e usos para a polpa de madeira e no re- fIorestamento. Mantém instalações de P&D, investe na formação de pessoal e mantém intercâmbio com universidades, no Brasil e no exterior. Manter a liderança no mercado mundial. Abrir novos mercados, principalmente por meio de novos usos da polpa de madeira. Não declarado. Cofap Componentes Automobilísticos Inovações em sintetizadores, elastômeros e eletrônica veicular. Mantém centros de P&D. Adquire empresas detentoras de tecnologia. Mantém e contrata especialistas. Contrata tecnologia externa. 13 empresas no Brasil e três filiais no exterior. Identificar tendências com antecedência para preparar-se e manufaturar melhores produtos, em qualidade e preço. Manter-se competitiva, internacionalmente. Em 1987, US$ 5,8 milhões, ou seja, 3% da receita líquida operacional.

25 Nome da empresa e Setor Áreas e características da inovação tecnológica Diretrizes explícitas de estratégia tecnológica Dimensão quantitativa do investimento em P&D Embraer Aeronáutica Inovação em produtos destinados à indústria aeronáutica e de satélites. Desenvolve projetos ligados a necessidades detectadas no mercado. Mantém subsidiárias próximas a seus mercados nos Estados Unidos e na França. Produzir com a tecnologia mais avançada no campo da aeronáutica. Cerca de US$ 1 milhão de dólares para formação de recursos humanos. Gradiente Eletrônica Inovação em informática, telecomunicações e vídeos para o mercado brasileiro. Mantém laboratórios de P&D. Adquire empresas detentoras de tecnologia. Contrata tecnologia externa. Possui várias unidades fabris no país e no exterior: Gradiente Mexicana e filiais no Japão e Grã-Bretanha. Possui um Centro Tecnológico próprio. Ter acesso a tecnologia no momento exigido, a fim de proteger sua própria autonomia sem excessiva dependência externa. Destina 2% de seu faturamento.

26 Nome da empresa e Setor Áreas e características da inovação tecnológica Diretrizes explícitas de estratégia tecnológica Dimensão quantitativa do investimento em P&D Itautec Eletrônica Inovação em automação comercial de escritórios e bancária. Mantém laboratórios de P&D e grandes investimentos na formação de recursos humanos. Adquire empresas detentoras de tecnologia e joint ventures com empresas estrangeiras. Diversificar a linha de produtos tornando-se menos vulnerável às oscilações do mercado. Buscar mercados no exterior por meio da qualidade e competitividade de seus produtos e serviços. Investiu US$ 1,5 milhão apenas na formação de recursos humanos especializados em 1987 Petrobrás Inovação na produção de petróleo e derivados. Fornece apoio técnico às áreas de produção.Pesquisa em áreas de bombas para fluidos multifásicos. Adquire tecnologia de terceiros e desenvolve tecnologia própria. Recebe royalties de compradores de tecnologia. Diversificar em novos domínios e tratar tecnologia como "unidade de negócios". Manter o potencial de transferência de tecnologia. As aplicações em 1987 totalizaram o equivalente a US$ 75 milhões, correspondendo a 0.51 % do faturamento bruto. Investiu cerca de US$ 100 milhões no início da década de 1990


Carregar ppt "Universidade Católica de Goiás Engenharia de Produção Estratégia Tecnológica Professora: Ms. Tatiany Paço Aula 04 Capítulo 03."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google