A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

ECONOMIA BRASILEIRA CONTEMPORÂNEA Prof. Nivaldo Camilo SEÇÃO 15.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "ECONOMIA BRASILEIRA CONTEMPORÂNEA Prof. Nivaldo Camilo SEÇÃO 15."— Transcrição da apresentação:

1 ECONOMIA BRASILEIRA CONTEMPORÂNEA Prof. Nivaldo Camilo SEÇÃO 15

2 Abordagem Histórica da Economia Brasileira Da Crise ao Milagre Conteúdo da Seção 2 SEÇÃO 15

3 Forte reversão da situação econômica com: –queda dos investimentos, –queda da taxa de crescimento da renda – aceleração da inflação Em parte estes problemas refletem os desequilíbrios do Plano de Metas do governo J.K. Início dos anos 60 3 SEÇÃO 15

4 Plano de Metas do governo J.K Início dos anos 60 4 SEÇÃO 15

5 A Crise dos anos 60 se suas Explicações: 1) Instabilidade Política 2) Crise do Populismo 3) Política Econômica Restritiva até ) Visão Estagnacionista 5) Crise Cíclica endógena 6) Reformas Institucionais. Início dos anos 60 5 SEÇÃO 15

6 O Golpe militar impõe de forma autoritária uma solução para a crise política. Castelo Branco lança o PAEG (Plano de Ação Econômica do Governo), tendo como ministros Roberto Campos e Octavio Gouvêa de Bulhões. O governo possui duas linhas de atuação: Políticas conjunturais de combate à inflação. Reformas estruturais. O controle inflacionário e as formas de conviver com a inflação eram vistos como pré-condições para a retomada do desenvolvimento. Os Governos Militares e o PAEG 6 SEÇÃO 15

7 O diagnóstico da inflação: Excesso de demanda déficit público, política salarial frouxa, falta de controle sobre a expansão do crédito. As principais medidas estabilizadoras do PAEG: Redução do déficit público – novas formas de financiamento e aumento das tarifas públicas - inflação corretiva Restrição do crédito e aperto monetário - aumento das taxas de juros, melhora dos mecanismos de controle Política salarial - Circular 10 leva ao arrocho salarial Medidas de combate à inflação do PAEG 7 SEÇÃO 15

8 As principais reformas instituídas pelo PAEG foram: A. Reforma tributária. B. Reforma monetária-financeira. C. Reforma do setor externo. Reformas institucionais do início dos governos militares 8 SEÇÃO 15

9 Os principais elementos desta reforma foram: Introdução da correção monetária no sistema tributário. Transformação dos impostos em cascata em impostos sobre valor adicionado, como o IPI e o ICM. Redefinição do espaço tributário entre as diversas esferas do governo. A Reforma Tributária 9 SEÇÃO 15

10 Principais consequências da reforma tributária: Aumento da arrecadação; Centralização da arrecadação e das decisões de política tributária Crítica: sistema injusto A Reforma Tributária 10 SEÇÃO 15

11 Objetivos: –criar condições de condução independente da política monetária e direcionar os recursos às atividades econômicas Esta reforma divide-se em 4 grupos de medidas 1.Instituição da correção monetária (taxas de juros positivas) e da ORTN; A Reforma Tributária 11 SEÇÃO 15

12 2. Criação do CMN e do Bacen CMN: órgão normativo da política monetária Bacen: órgão executor da política monetária, fiscalizador do sistema financeiro. 3. Criação do SFH (Sistema Financeiro da Habitação) e do BNH (Banco Nacional da Habitação). 4. Reforma do sistema financeiro e do mercado de capitais, baseado no modelo financeiro norte-americano caracterizado pela especialização e segmentação do mercado. A Reforma Tributária 12 SEÇÃO 15

13 Objetivos: –estimular o desenvolvimento evitando as pressões sobre o Balanço de Pagamentos. –Melhorar o comércio externo e atrair o capital estrangeiro. Comércio externo. –Exportações: incentivos fiscais e modernização dos órgãos ligados ao comércio internacional (CACEX e CPA). –Importações: eliminar os limites quantitativos –Unificação do sistema cambial e adoção do sistema de minidesvalorizações (1968) Atração do capital estrangeiro: –Renegociação da dívida externa e Acordo de Garantias para o capital estrangeiro. –Lei 4131 e resolução 63. A Reforma do Setor Externo 13 SEÇÃO 15

14 Período : maiores taxas de crescimento do produto brasileiro na história recente - taxa média acima de 10% a.a.). Esta performance foi decorrente: –reformas institucionais anteriores, –capacidade ociosa na indústria –crescimento da economia mundial. –mudança no diagnóstico da inflação: inflação de custos : afrouxam-se as políticas de contenção da demanda (monetária, fiscal e creditícia). O milagre econômico 14 SEÇÃO 15

15 Assistiu-se neste período à primeira onda de endividamento externo. –A dívida externa, no período, cresceu em torno de US$ 9 bilhões, sendo que aproximadamente US$ 6,5 bilhões se transformaram em reservas – sobre endividamento e endividamento interno Estímulo ao endividamento externo brasileiro: Elevada demanda por crédito, taxas de juros internas elevadas (reforma de 64/66), grande liquidez no sistema financeiro internacional (Euromercado) e ausência de mecanismos de financiamento de longo prazo na economia brasileira, exceto as linhas oficiais. Principais tomadores de recursos externos, –nesta fase: setor privado – especialmente estrangeiro. O início do endividamento externo 15 SEÇÃO 15

16 Principal crítica ao Milagre: Acentuou a concentração de renda. Uma explicação que se dava era que a concentração da renda era uma tendência de um país que se desenvolvia e que demandava mão-de-obra qualificada escassa Outra justificativa pela concentração de renda que se fazia no período está baseada na famosa Teoria do Bolo (crescer para depois repartir). Concentração da Renda 16 SEÇÃO 15

17 Após o movimento militar de 1964, buscou-se promover a modernização agrícola do país, com o crescimento da produtividade do setor. Dentro do arcabouço institucional criado, destacam-se: O Sistema Nacional de Crédito Rural (SNCR): busca propiciar aos agricultores linhas de crédito acessíveis e baratas. A modernização agrícola 17 SEÇÃO 15

18 As políticas de garantias de preços mínimos (PGPM) com dois mecanismos básicos: a. AGF (Aquisição do Governo Federal) são compras feitas pelo governo de produtos com preços prefixados – visa estocar e vender em momentos de escassez do produto no mercado; b. EGF (Empréstimo do Governo Federal) que financia a estocagem do produto pelo agricultor. A modernização agrícola 18 SEÇÃO 15

19 aumento do grau de mecanização e quimificação das fazendas - aumento de produtividade no setor. Aumento na produção, no início, de bens exportáveis (soja e laranja), e depois também de produtos destinados ao mercado doméstico (cana-de-açúcar - álcool). Expansão da fronteira agrícola na direção da região Centro-Oeste. A área cultivada passou de 29 milhões de ha, em 1960, para 50 milhões em Características da modernização agrícola 19 SEÇÃO 15

20 Crescimento da agroindústria; maior interligação entre o setor agrícola, seus fornecedores e consumidores; Aumento da concentração fundiária e da utilização de mão-de-obra temporária (bóia fria): modernização dolorosa. A modernização agrícola 20 SEÇÃO 15


Carregar ppt "ECONOMIA BRASILEIRA CONTEMPORÂNEA Prof. Nivaldo Camilo SEÇÃO 15."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google