A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

ECONOMIA BRASILEIRA CONTEMPORÂNEA Prof. Nivaldo Camilo SEÇÃO 24 1.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "ECONOMIA BRASILEIRA CONTEMPORÂNEA Prof. Nivaldo Camilo SEÇÃO 24 1."— Transcrição da apresentação:

1 ECONOMIA BRASILEIRA CONTEMPORÂNEA Prof. Nivaldo Camilo SEÇÃO 24 1

2 O SFN se desenvolveu de forma significativa após a reforma de 1964 e teve um forte crescimento, destacando-se no período de elevadas taxas de inflação nos anos 80 e início dos anos 90. Após a estabilização verificou-se uma retração do SFN e uma crise financeira que levaram a mudanças relevantes no setor. Sistema Financeiro Brasileiro e Suas Transformações Recentes 2 SEÇÃO 24

3 Lei n o – Lei da Reforma Bancária, criação do Banco Central do Brasil e do Conselho Monetário Nacional (CMN); Lei n o – Criação do Sistema Financeiro da Habitação (SFH) e do Banco Nacional da Habitação (BNH); Lei n o – Reforma do Mercado de Capitais. Histórico – Reforma Financeira 1964/66 3 SEÇÃO 24

4 Conselho Monetário Nacional (CMN) – órgão normativo, fixa metas e diretrizes da política monetária, creditícia e cambial. Banco Central do Brasil (Bacen) – órgão executor da política monetária. Suas principais atribuições são: a.controle da política monetária; b.banco dos bancos; c.banco do governo. Estrutura do SF – pós-64 4 SEÇÃO 24

5 Comissão de Valores Mobiliários (CVM) – órgão normativo do mercado de capitais (ações e debêntures). Banco do Brasil (BB) – banco comercial que funciona como agente financeiro do governo. Principal agente da política de crédito agrícola. Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) – instituição governamental voltada para créditos de longo prazo. É o encarregado pelo processo de privatização. Estrutura do SF – pós-64 5 SEÇÃO 24

6 Bancos Comerciais – instituições financeiras monetárias (podem criar moeda através do multiplicador bancário).(Fontes de recursos: depósitos a vista, CDB, cobrança de títulos e arrecadação de impostos, etc.). Bancos de Desenvolvimento – bancos estaduais especializados na concessão de créditos de médio e longo prazos. Estrutura do SF – pós-64 6 SEÇÃO 24

7 Bancos Múltiplos (1988) – união das diversas instituições em uma única. Bancos Cooperativos e Cooperativas de Crédito. Bancos de Investimento – instituições não monetárias criadas para dinamizar o mercado de capitais. Caixas Econômicas – principal função é a concessão de crédito habitacional com recursos do FGTS. Estrutura do SF – pós-64 7 SEÇÃO 24

8 Elevada participação do Estado; Não-criação de linhas de financiamento de longo prazo por parte do setor privado; Alta dependência de recursos externos. Internacionalização financeira e endividamento externo ao longo da década de 70; Predomínio dos bancos com carteira comercial. Características do SF 8 SEÇÃO 24

9 Resposta à perda da receita inflacionária: expansão das operações de crédito e a elevação nas tarifas dos serviços bancários. Inadimplência em 1995 e perda da receita inflacionária: crise bancária em 1995; Rápida intervenção do Banco Central. SF – Pós-Real 9 SEÇÃO 24

10 Medidas - Estímulos às fusões e incorporações bancárias: a.PROER: valores liberados superaram R$ 20 bilhões até 1997); b.Aumento do poder do Banco Central para intervir nas instituições. Resultados: Diminuição no número de instituições bancárias; Aumento da participação dos bancos estrangeiros; Diminuição dos bancos estaduais. Medidas e Resultados 10 SEÇÃO 24

11 Apesar do processo de consolidação e estabilização do SFN, algumas características persistem: a.Elevada taxa de juros; b.Elevados spreads bancários; c.Baixa oferta de crédito. Cenário Atual - SF 11 SEÇÃO 24

12 Spread Bancário Elevado: –Elevados Compulsórios –Impostos Indiretos e Diretos –Custos Administrativos Elevados –Elevada Inadimplência –Baixa Concorrência e Lucratividade. Explicações possíveis sobre Spread Bancário 12 SEÇÃO 24

13 Para reduzir spread e taxa de juros, ampliar oferta e acesso a crédito, foram tomadas medidas: -Transparência nas operações bancárias e maior concorrência nas operações; -Ampliação da base da central de risco de crédito; -Novo sistema de informações de risco crédito do Banco Central; -Portabilidade de informações cadastrais. Medidas recentes 13 SEÇÃO 24

14 –Ampliação do crédito, com destaque para pessoas físicas e, em especial, o crédito consignado; –Redução da participação dos recursos direcionados, apesar de ainda manter elevada participação; –Spread continuam elevados, apesar das medidas recentes; –Oferta de crédito ainda é baixa. Alguns Resultados 14 SEÇÃO 24


Carregar ppt "ECONOMIA BRASILEIRA CONTEMPORÂNEA Prof. Nivaldo Camilo SEÇÃO 24 1."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google