A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

PROCESSOS DE REDUÇÃO DIRETA SÃO AQUELES ONDE OCORRE FUSÃO DA LIGA DE Fe PROCESSOS DE REDUÇÃO INDIRETA SÃO AQUELES ONDE OCORRE A FUSÃO DA LIGA DE FE.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "PROCESSOS DE REDUÇÃO DIRETA SÃO AQUELES ONDE OCORRE FUSÃO DA LIGA DE Fe PROCESSOS DE REDUÇÃO INDIRETA SÃO AQUELES ONDE OCORRE A FUSÃO DA LIGA DE FE."— Transcrição da apresentação:

1 PROCESSOS DE REDUÇÃO DIRETA SÃO AQUELES ONDE OCORRE FUSÃO DA LIGA DE Fe PROCESSOS DE REDUÇÃO INDIRETA SÃO AQUELES ONDE OCORRE A FUSÃO DA LIGA DE FE

2 REDUÇÃO DIRETA Fe2O3(s) + C(s) Fe3O4(s) Fe3O4(s) + C(s) FeO(s) FeO(s) + C(s) Fe Diz que tem-se uma redução direta (porque o C esta na forma sólida e promovendo a redução do minério o minério foi reduzido diretamente pelo C sólido). Estas reações podem ocorrer em alguns processos dependendo da temperatura. Contudo, tem pouca importância porque representam muito pouco sobre a fração total de minério reduzido.

3 REDUÇÃO INDIRETA Fe2O3(s) + CO(g) Fe3O4(s) Fe3O4(s) + CO(g) FeO(s) FeO(s) + CO(g) Fe O minério foi reduzido pelo CO porém indiretamente pelo C.

4 PROCESSOS DE REDUÇÃO INDIRETA - ALTO-FORNO - BAIXO FORNO

5

6 A l t o f o r n o Antes, muito antes que o homem aprendesse a gravar seus pensamentos pela escrita aprendeu a lidar com os metais. O enorme progresso alcançado hoje em dia a nível tecnológico deve-se em grande parte à evolução no domínio dos metais que se faz sentir desde os povos neolíticos.

7 A l t o f o r n o Introdução reator metalúrgico para produção de ferro gusa. Ele associa oxido de ferro, ao carbono efetuando a redução do óxido de ferro, gerando o ferro gusa, que é uma liga ferro e carbono.

8 Matérias-primas Minério de ferro: controlado de um mínimo de 8 a 10mm e no máximo 25 a 30 mm Sínter: minérios com granulometria inferior a 10mm, carepa de laminação e pó de alto forno quando misturados com finos de calcário e finos de coque e submetidos a um processamento na máquina de sinterização é produzido o minério sinterizado.

9 Matérias-primas Coque: dentro do alto forno tem função redutora, de combustível, fornecedor de carbono e permeabilizador de carga. A qualidade do coque é controlada quanto a granulometria resistência e porosidade, quanto ao teor de cinzas e enxofre.

10

11 Produtos e sub-produtos do alto forno Ferro gusa: é o principal produto do alto forno sub-produtos: gás de alto forno, pó de alto forno, escória.

12

13 Goela É revestida internamente de placas de desgaste que protegem o refratário do impacto da carga durante o enfornamento. Está placas são tem o formato em L ou T com cerca de 100mm voltada para o interior do alto forno recobrindo o refratário.

14 Divisão do Alto Forno Cone grande É feito de aço fundido; seu diâmetro e inclinação (entre 50 e 55º) variam com o tamanho do forno. A borda inferior está situada a 1,8m acima do nível normal de carga do forno O cone grande é conectado rigidamente à haste de movimentação, a qual pode mover-se verticalmente, seja por uma alavanca ou por um sistema pneumático do cone grande

15 Cuba Tem seção tronco-cônica, com a base maior apoiada sobre o ventre. Para compensar a dilatação dos componentes da carga durante a descida Principalmente devido a formação da escória e a conseqüente propensão à formação de depósitos, que tenderiam a se agarrar às paredes

16 Ventre Região cilíndrica sobre a rampa Obs. Em alguns perfis de alto forno não há ventre, a rampa unindo-se diretamente à cuba.

17 Rampa Tem forma troco-cônica; é a zona de fusão dos materiais. A inclinação e da ordem de 76 a 82º com a horizontal Nesta região é utilizado vários sistemas de resfriamento Caixas de resfriamento de cobre Resfriamento externo (chuveiros) Staves

18 Corpo do alto-forno Topo: é a parte superior do Alto forno onde localizam-se os dispositivos de carregamento. Goela: é a secção através da qual a carga é efetuada no alto forno a partir do equipamento carga do topo.

19 Cadinho Tem forma cilíndrica e sua função é coletar o gusa e a escória à medida que se formam. Geralmente é revestido de blocos de carbono ( que têm boa condutibilidade e baixo coeficiente de dilatação) Resfriamento: Staves Resfriamento externo (chuveiros)

20 Corpo do alto-forno Cuba e ventre: o diâmetro interno da cuba cresce a medida que se desce ao longo dele, e é conectado ao ventre, este possui maior diâmetro. A cuba é constituída de um revestimento de tijolos refratários de grande espessura. Essa espessura até maior na parte inferior e vai diminuindo progressivamente até perto do topo.

21 Corpo do alto-forno Rampa: seu revestimento são tijolos de carbono, devido sua localização na zona de fusão da carga, os danos ao tijolos são severos. Ela corresponde de certo modo a zona mais quente aí a espessura do refratário é menor que a do cadinho, exigindo, em conseqüência resfriamento externo mediante ao emprego de placas metálicas por onde circula a água.

22 Cadinho Cadinho: é onde se acumulam o metal fundido e a escória, possui revestimento interno de material refratário de blocos de carbono.

23 Cadinho Na parte inferior do cadinho cerca de um metro do fundo, situa-se o furo de corrida do gusa. Acima do furo de corrida do gusa, situam- se os furos de corrida de escória. Na parte superior do cadinho situam-se as ventaneiras

24 Equipamentos, órgãos auxiliares, e complementares do alto forno É constituído de equipamentos de carga e pesagem de matérias - primas, equipamentos de carga no topo do alto forno, forno propriamente dito, equipamentos para alta pressão e os regeneradores de calor.

25 Topo É a parte superior do forno onde se localizam os dispositivos de carregamento de matérias primas no Alto Forno. (cones, distribuidor e os suportes da ponte dutos de gás, outros) Tipos: Bell Top – Duplo cone - Mackie Bell Less – Calha móvel – Paul Wurth

26 Equipamento de descarga e pesagem de matéria prima Tem o propósito de efetuar a descarga da quantidade prevista de minério de ferro ou coque. A carga é pesada no nível do solo em poços de carregamento e despejada em carros que são levados ao topo, geralmente por um plano inclinado.

27 Equipamento de carga de alto forno Tem a função de carregar a carga trazida pela correia principal no Alto- Forno e evitar vazamento de gás pelo topo.

28

29

30 Sistema de limpeza do gás do alto - forno Num alto forno de 1600t/dia de ferro gusa, a quantidade de poeira arrastada pelos gases situa-se em torno de 100t/dia. A limpeza do gás é geralmente feito por um coletor de pó e dois venturis, lavador de gases e precipitador eletrostático.

31 Regenerador de calor São constituídos de uma câmara de combustão em que o gás do alto forno é queimado juntamente com ar. Normalmente, uma instalação de alto- forno é equipada com pelo menos três regeneradores: enquanto dois estão sendo aquecidos, o terceiro cede calor ao ar sob pressão.

32

33 Equipamentos para operação com alta pressão Válvula de septus: instalado após o sistema de limpeza de gás, mantém a pressão à montante sob controle de acordo com o valor ajustado. Válvula de bleeder: é usada para regulagem de pressão durante o abaixamento do volume de sopro nas paradas do alto forno.

34 Operação com alta pressão Válvula de equalização e alívio: Usada para igualar a pressão entre os cones e eliminar o desbalanceamento. A válvula de alívio é utilizada para igualar a pressão do cone pequeno e da tremonha do topo, após a transferência do material para o cone grande. O que permite o recebimento do material de tremonha do topo.

35 Preparação da casa de corrida A casa de corrida é formada de equipamentos de perfuração, obturação do furo, transporte e condução de gusa até os recipientes adequados, no caso, carros torpedo. Os equipamentos que compõem em geral, não atingem o alto nível de automação.

36 Perfurador O perfurador de furo de gusa é uma máquina ferramenta que é utilizada para abrir o furo de gusa e permitir o escoamento de gusa e escória. No perfurador é possível o acoplamento das ferramentas: broca, tubo de ponta cortante e barras que são trocadas no decorrer da perfuração.

37 Canal principal É o canal que recebe o material do furo de gusa e na sua extremidade tem um anteparo com abertura na parte inferior. Do furo de gusa, a escória e o gusa escoam juntos, sendo separados pelo anteparo por diferença de densidade. O gusa passa sob o anteparo e a escória pelo rebaixamento lateral existente no canal principal.

38 Canais secundários Canal secundário de gusa: é o canal utilizado para escoar o gusa, da saída da escumadeira até o canal basculante. Tem também uma ligação com o fundo do canal principal, por onde é feito o esgotamento quando este é inspecionado.

39 Canal de escória: é construído em chapa metálica, com revestimento refratário e tem duas comportas destinadas ao desvio da escória para a granulação. Canal basculante: este canal recebe o gusa do canal secundário e direciona para os carros torpedos. Canhão obturador: é usado para fechar o furo de gusa com massa refratária.

40 ALTO -FORNO 1 DA CST Em operação ininterrupta desde o início de operação da usina, em 1983, o alto- forno 1 da CST vem se destacando no ranking dos grandes altos-fornos do mundo Ele é atualmente o terceiro em produção acumulada (57,1 milhões de toneladas de gusa), o quarto em produtividade ( toneladas/metro cúbico) e o quinto em duração de campanha (17 anos e meio).

41 ALTO -FORNO 1 DA CST O adiamento da reforma do alto-forno 1 teve um significativo impacto na geração de caixa da CST em A parada de um equipamento desse porte tem forte efeito econômico, pois pode implica na paralisação da produção por cerca de 100 dias e na conseqüente redução na produção de aço em cerca de um milhão de toneladas.


Carregar ppt "PROCESSOS DE REDUÇÃO DIRETA SÃO AQUELES ONDE OCORRE FUSÃO DA LIGA DE Fe PROCESSOS DE REDUÇÃO INDIRETA SÃO AQUELES ONDE OCORRE A FUSÃO DA LIGA DE FE."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google