A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

O interesse em desenvolver esta pesquisa foi motivado, por meio da experiência em sala de aula na Educação de Jovens e Adultos (EJA), em saber quais são.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "O interesse em desenvolver esta pesquisa foi motivado, por meio da experiência em sala de aula na Educação de Jovens e Adultos (EJA), em saber quais são."— Transcrição da apresentação:

1 O interesse em desenvolver esta pesquisa foi motivado, por meio da experiência em sala de aula na Educação de Jovens e Adultos (EJA), em saber quais são as percepções dos alunos sobre o ensino de química. A EJA de nível médio é uma modalidade de ensino destinada aos portadores de certificado do ensino fundamental, com idade igual ou superior a 18 anos (BRASIL, 2006). Prontamente, o objetivo geral da pesquisa é conhecer as especificidades (de vida escolar) e, sobretudo, a exploração da percepção dos alunos sobre o ensino de química, além da sua alfabetização científica. No artigo de Paiva (2006), publicado na revista brasileira de educação, é retratado sobre o direito dos sujeitos, jovens e adultos, à educação e identifica um amplo conjunto de reflexões de quem percorre um caminho de estudo teórico que ultrapassa os conhecimentos já disponíveis para, crítica e criativamente, ampliá-los (PAIVA, 2006, p. 520). A verdadeira educação para, Freire (2005), que trabalhou com a EJA, deveria propor-se a desenvolver a autonomia do educando, seu autogoverno, fazê-lo responsável pela construção do seu próprio conhecimento; contrário, portanto à passividade do educando. Prontamente, a pesquisa é relevante, pois irá analisar as diferentes percepções que os discentes têm sobre o ensino química para um melhor entendimento de suas trajetórias escolares, conhecendo desta forma as suas singularidades e especificidades. Já o movimento de ciência, tecnologia e sociedade (CTS) no meio educacional, no ensino de ciências (CHASSOT, 2003), concebe uma tentativa de formar cidadãos científica e tecnologicamente alfabetizados, capazes de tomar decisões (AULER; BAZZO, 2001). Trata-se de um estudo exploratório, (observação/descoberta/avaliação), desenvolvido com abordagem qualitativa (DEMO, 2008), construído a partir de observações, aplicação de questionário composto de perguntas abertas e fechadas, análise de documentos oficiais como leis e portarias, artigos e livros da área de ensino de ciências e matemática. Além disso, pessoas de notório saber contribuíram de forma direta e indireta com o desenvolvimento deste trabalho. A metodologia qualitativa, segundo Lüdke e André (1986), o estudo qualitativo é o que se desenvolve numa situação natural, rico em dados descritivos, e tem um plano aberto e flexível que focaliza a realidade de forma complexa e contextualizada. Os sujeitos envolvidos na pesquisa foram 28 alunos (N=28) do 3º ano do ensino médio da modalidade EJA do ano letivo de Participaram, também, várias pessoas, de notório saber, que contribuíram de forma direta ou indireta com o desenvolvimento da pesquisa. Para o levantamento do perfil e das concepções sobre o ensino de química dos discentes, foi aplicado um questionário, composto de perguntas abertas e fechadas. A EJA tem como princípio educativo o trabalho, no qual ele é uma necessidade natural e eterna da raça humana, sem a qual o homem não pode existir. A importância do trabalho como atividade humana é que o homem age nas relações conscientemente (PINTO, 2010). A dimensão ontológica segundo a autora Lima (2009) é intrínseca à espécie humana e se aludi ao ser enquanto elaborador dos bens, que garantam sua adequada existência, brotando conhecimentos e cultura humana e uma dimensão que se constitui em histórica, que corresponde à maneira em que se organiza em cada momento histórico. Atualmente para trabalhar, segundo Ramos (2010) é exigido na maioria das funções um mínimo de escolaridade, no qual muitas vezes, muitas pessoas são excluídas do mercado de trabalho. Com o objetivo de conhecer a concepção sobre a química dos discentes, perguntou-se: O que é química? - Segue algumas respostas no quadro (1): Uma relevante constatação do estudo foi à percepção que todos os alunos que participaram da pesquisa, gostam e entendem a importância da química, além da seriedade do incremento de CTS nas aulas para que os discentes abarquem a estima de uma ciência para toda a sociedade, com suas potencialidades e limitações. As ciências e as técnicas são, a um só tempo, criações e criadoras do ser humano e do mundo em que vivemos. Permanentemente se produz uma ciência que transforma o mundo e é transformada por ele. Na relação do ser humano com o meio ambiente - natureza- ele se transforma a sim mesmo caracterizando uma categoria ontológica. Em suma, o conhecimento que o homem tem de algo é fruto de sua experiência de vida. O homem é um ser socialmente construído, logo, é importante levar em consideração a sua história de vida na alfabetização científica. Os autores agradecem o apoio do IFES, do CEAD e da UAB. AULER, D.; BAZZO, W.A. Reflexões para a implementação do movimento CTS no contexto educacional brasileiro. Ciência e Educação, Bauru, v.7, n.1, p.1-13, Brasil. Decreto nº 5.840, de 13 de julho de Institui, no âmbito federal, o Programa Nacional de Integração da Educação Profissional com a Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos - PROEJA, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 14 jul CARVALHO, A.M.P. Critérios Estruturantes para o Ensino das Ciências. In: CARVALHO, A.M.P. (Org.). Ensino de ciências: unindo a pesquisa e a prática. 2. reimp.1.ed. São Paulo: Cengace Learning, CHASSOT, A. Alfabetização científica: questões e desafios para a educação. Ijuí: Unijuí, DEMO, P. Metodologia do conhecimento científico. São Paulo: Atlas, FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. 47. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, LIMA, V.F.S. O princípio educativo do trabalho no contexto da educação de adultos p. Monografia (Especialização em Educação Profissional Integrada a Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos – PROEJA) - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás, LUDKE, M.; ANDRE, M. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, PINTO, A.H. Trabalho, ciência e cultura como princípio e fundamento da educação profissional. Vitória: Instituto Federal do Espírito Santo, RAMOS, M. Concepção do ensino médio integrado. Paraná: Secretaria de Educação. Disponível em acesso em: 28 de maio De ANÁLISE DAS PERCEPÇÕES DO ENSINO DE QUÍMICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: O CASO DA ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO IRACEMA CONCEIÇÃO SILVA Aluno 3:- Química pra mim é você ter uma base das reações, dos acontecimentos do dia a dia. Aluno 6:- É tudo! Substância e mistura. Aluno 9:- Química é tudo aquilo que temos em nosso redor. Aluno 11:- É tudo o que temos e fazemos. QUADRO 1 - Transcrição das falas apresentadas por quatro alunos referentes à pergunta: O que é Química?. Fonte: Questionário aluno EJA 2011 (N=28). Com a transcrição da fala, por exemplo, a do discente 3 [...] ter uma base das reações, dos acontecimentos do dia a dia indica que ele já sabe que tudo está intrinsecamente relacionado a química, ou seja, conforme os alunos 6 e 11 é tudo[...]. Prontamente, os conceitos difundidos pela química devem proporcionar um conjunto de conceitos significativos para o educando, ou seja, deve possibilitar a construção do conhecimento científico. Por sua vez quando os alunos foram instigados a dizer de que maneira o ensino de química mudou sua forma de pensar, obteve-se as seguintes respostas, transcritas no quadro (2): Aluno 13:- De uma maneira melhor possível. Para ter uma determinação na química. Aluno 16:- Sobre a comida que nós alimentamos. Aluno 19:- Ajudou em tudo! Até nos cálculos matemáticos. Aluno 28:- Fico pensando como seria a vida sem a química, pois até a água aparentemente tão pura, tem química. QUADRO 2 - Transcrição das falas apresentadas por quatro alunos referentes à pergunta: De que maneira o ensino de Química mudou sua forma de pensar? Cite uma situação em que o ensino de Química modificou sua atitude ou lhe ajudou a compreender melhor um acontecimento. Fonte: Questionário Aluno EJA 2011 (N=28). A resposta apresentada pelo aluno 16 Sobre a comida que nós alimentamos, pode-se inferir que possivelmente a química ajudou-lhe a despertar o interesse em continuar estudando, e de fazer o curso de nutrição. Já quando o aluno 28 diz Fico pensando como seria a vida sem a química, pois até a água aparentemente tão pura, tem química, percebe-se o entendimento do aluno, de sua alfabetização científica ao relacionar a água como uma substância química composta por dois elementos químicos diferentes que são: o hidrogênio e o oxigênio. O ensino de ciências, na abordagem CTS, deve favorecer a aculturação científica dos discentes, desta forma, sendo seres ativos, autônomos e participativos do processo de construção, prontamente, é importante que o aluno se reconheça como um ser capaz de conhecer, um ser cognoscente, como na fala do aluno 28 [...] Assim sabemos o que é bom ou prejudicial para a vida, um ser conhecedor de sua própria trajetória e o seu envolvimento com o bem estar da sociedade. Movimento Ciência-Tecnologia-Sociedade Repensar as práticas pedagógicas de química do Ensino Médio Escola Pública envolvida na pesquisa: Iracema Conceição Silva Ensinar exige respeito aos saberes dos educandos... Não há saber mais, nem saber menos, há saberes diferentes. Paulo Freire


Carregar ppt "O interesse em desenvolver esta pesquisa foi motivado, por meio da experiência em sala de aula na Educação de Jovens e Adultos (EJA), em saber quais são."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google