A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

28/03/20121Fé TÍTULO DA PALESTRA Sérgio Biagi Gregório.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "28/03/20121Fé TÍTULO DA PALESTRA Sérgio Biagi Gregório."— Transcrição da apresentação:

1 28/03/20121Fé TÍTULO DA PALESTRA Sérgio Biagi Gregório

2 Fé Introdução 28/03/2012Fé2 O objetivo deste estudo é buscar uma compreensão mais ampla da fé, esse sentimento inato que nos pertence e que precisa ser exercitado.

3 Fé Conceito 28/03/2012Fé3 profanas religiosas Do latim fides. O termo é empregado em muitas acepções que poderiam ser divididas em profanas e religiosas. sentido profano No sentido profano, significa dar crédito na existência do fato, fazer bom juízo sobre alguém, expressar sinceridade no modo de agir etc. sentido religioso No sentido religioso, a fé não é um ato irracional. Com efeito, o espírito humano só pode aderir incondicionalmente a um objeto quando possui a certeza de que é verdadeiro (Pequena Enciclopédia de Moral e Civismo). Fé

4 Fé Fundamento da Fé 28/03/2012Fé4 anti-racional a-racional A fé não é nem anti-racional e nem a-racional, não desconhece nem renega o saber. "Não se prova que se deve ser amado expondo por ordem as causas do amor; seria ridículo" como observou Pascal. Mas este amor, fundado na razão, ainda que não sobre raciocínios, é o único que pode realizar em nós a realidade concreta de um ser espiritual, de um ser ele próprio capaz de conhecer e de amar. Eis porque a fé desemboca no mais realista dos saberes (Lalande, 1993).

5 Fé Fideísmo 28/03/2012Fé5 revelação divina manifestada ao homem através da Tradição O homem dispõe de um só princípio de conhecimento para as verdades da religião natural: a revelação divina manifestada ao homem através da Tradição; fora desta, a razão humana é apenas fraqueza e erro. Teologal fé mais ou menos sentimental Os filósofos fideístas são os que fundamentam todo o conhecimento humano numa fé mais ou menos sentimental. fé Só a fé pode apreender a essência das coisas (JERPHAGNON, 1982). Filosófico

6 Fé O Poder da Fé 28/03/2012Fé6 "O poder da Fé recebe uma aplicação direta e especial na ação magnética; por ela o homem age sobre o fluido, agente universal, lhe modifica as qualidades e lhe dá uma impulsão, por assim dizer, irresistível. Por isso aquele que, a um grande poder fluídico normal junta uma Fé ardente pode, apenas pela vontade dirigida para o bem, operar esses fenômenos estranhos de cura e outros que, outrora, passariam por prodígios e que não são, todavia, senão as conseqüências de uma lei natural. Tal o motivo pelo qual Jesus disse aos apóstolos: se não haveis curado é que não tínheis fé" (Kardec, 1984, cap. 19, it. 5, p. 245).

7 Fé Fé Cega ou Fé Raciocinada 28/03/2012Fé7 A Fé é um sentimento inato no indivíduo. A direção desse sentimento pode ser cego ou raciocinado. A Fé cega, não examinando nada, aceita sem controle o falso como o verdadeiro. A Fé raciocinada, a que se apoia sobre os fatos e a lógica, não deixa atrás de si nenhuma obscuridade. Não há Fé inabalável senão aquela que pode encarar a razão face a face, em todas as épocas da humanidade (Kardec, 1984, cap. 19, it. 6, p. 246).

8 Fé Fé Divina e Humana 28/03/2012Fé8 A Fé é humana e divina. germe É o sentimento inato, no homem, de sua destinação futura, cujo germe foi depositado nele, primeiro em estado latente, o qual deve crescer por sua vontade ativa. "prodígios" Assim, unindo sua força humana à Vontade Divina poderá realizar os "prodígios" e que não é senão o desenvolvimento das faculdades humanas (Kardec, 1984, cap. 19, it. 12, p. 250).

9 Fé Fé e Incerteza 28/03/2012Fé9 A dificuldade maior na questão da fé é esperar algo que é incerto. Temos a intuição de que este é o caminho, mas a demora na obtenção do necessário incrusta-nos o desespero. A intuição afirma que devemos perseverar, contudo a espera é difícil. De qualquer forma, temos de continuar, pois desistir no meio do combate, é ficar sem ponto de apoio e sem perspectiva de um futuro mais promissor.

10 Fé Conclusão 28/03/2012Fé10 Não nos esmoreçamos ante a dor do caminho. Se Deus é por nós quem será contra nós? Perseveremos um pouco mais. Quem sabe, se naquele momento em que nos achamos abatidos e desiludidos, não seria o momento oportuno que a divindade escolheu para a mudança de nossa rota na vida?

11 Fé Bibliografia Consultada 28/03/2012Fé11 ÁVILA, F. B. de S.J. Pequena Enciclopédia de Moral e Civismo. Rio de Janeiro, M.E.C., JERPHAGNON, L. Dicionário das Grandes Filosofias. Lisboa, Edições 70, KARDEC, A. O Evangelho Segundo o Espiritismo. 39. ed., São Paulo, IDE, LALANDE, A. Vocabulário Técnico e Crítico de Filosofia. [tradução de Fátima Sá Correia... et al.]. São Paulo, Martins Fontes, PIRES, J. H. Introdução à Filosofia Espírita. São Paulo, Paidéia, XAVIER, F. C. O Consolador, pelo Espírito Emmanuel. 7. ed., Rio de Janeiro, FEB, Texto em HTML


Carregar ppt "28/03/20121Fé TÍTULO DA PALESTRA Sérgio Biagi Gregório."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google