A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

É possível enxergar uma África diferente?

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "É possível enxergar uma África diferente?"— Transcrição da apresentação:

1 É possível enxergar uma África diferente?

2 Bloqueios persistentes (situação I) 10% da população mundial (780 milhões de habitantes), mas: 1% do PIB mundial; 2% do comércio mundial; 1% dos IDEs 2,8% de crescimento anual da população (PED: 1,9%); 5,4% de taxa de fertilidade (PED: 2,9%) 33 PMAs num total de 48 países mais pobres a nível mundial; 34 PPME (países pobres mais endividados) num total de países com um desenvolvimento humano baixo (IDH do PNUD, 2004) num total de milhões de pessoas com VIH/Sida num total de 42 milhões de pessoas infectadas 40% de trabalho infantil (grupo etário 5/14 anos) 60 % da população ativa ocupada no setor informal

3 Bloqueios persistentes (situação II) Estes indicadores traduzem uma situação continuada de estagnação, senão regressão, a nível sócio econômico: explosão demográfica fraco dinamismo e produtividade da agricultura industrialização embrionária endividamento externo insustentável marginalização relativamente aos fluxos comerciais e financeiros globais (desconexão)

4 Bloqueios persistentes (situação III) Evoluções positivas, numa visão centrada não só nos aspectos macroeconômicos, mas também nas dinâmicas sociais: capacidade de inovação e adaptação no modo como as populações – e, em particular, as mulheres – têm sabido criar atividades ligadas às necessidades essenciais progressiva constituição de uma sociedade civil, capaz de incorporar os grupos marginais no processo político e produtivo integração regional incipiente, mas com sinais de dinamização (criação de pólos de desenvolvimento regional) iniciativas endógenas para o desenvolvimento e a convergência política 2001: transformação da OUA na União Africana – UA 2002: lançamento da Nova Parceria para o Desenvolvimento de África - NEPAD

5 África: globalização X marginalização COMÉRCIO INTERNACIONAL: Participação da África nas exportações mundiais em baixa: 1980: 6% 2000: 2% Concentração em produtos primários (mais de 70% das receitas em divisas), com fraco valor acrescentado e muito dependentes da instabilidade dos mercados internacionais (especialização regressiva). Cacau: 40% da produção mundial (Costa do Marfim) Algodão: 70% da produção mundial concentrada na região do Sael (Mali, Benim, Burkina Faso, Chade) Fonte: OMC (Organização Mundial do Comércio)

6 Mesmo em relação a estes produtos primários (com exclusão do setor do petróleo) a África tem vindo a perder quotas de mercado em relação aos outros países em desenvolvimento, em particular, os da Ásia. COMÉRCIO INTERNACIONAL: África: globalização X marginalização

7 Obstáculos principais no acesso ao mercado internacional: tarifas e direitos aduaneiros aplicados, pelos países da OCDE, aos produtos agrícolas são em geral mais elevados (por comparação com os produtos manufaturados) – 11% produtos agrícolas, 4% produção industrial em média nos países do Quadrilátero (UE, Canadá, EUA, Japão). subsídios: em 2002, preço do algodão – mais importante produto de exportação dos países da CEDEAO: entre 5 e 10% do PIB, 15% das exportações mundiais – teria sido 25% superior sem subsídios dos EUA aos seus produtores. EUA: 3,9 milhões de Usd de subsídios em 2001, para uma produção que representa 30% do total (primeiro exportador mundial). EUA/UE/China: subsídios atingiram, em 2001, 4,9 mil milhões de Usd. África: globalização X marginalização

8 Instabilidade dos preços e degradação dos termos de troca: variações bruscas e muito marcadas dos preços devido a fatores climatéricos e à saturação estrutural do mercado.

9 África: globalização X marginalização Comércio internacional: liberalizar os mercados dos produtos agrícolas primários e semi-industriais por parte dos países OCDE; eliminar os subsídios (em relação, em particular, a produtos como o algodão, o açúcar, o amendoim…Com grande peso nas economias africanas). negociações no quadro da OMC: liberalizar o comércio internacional dos produtos dos países em desenvolvimento (ronda de Doha), iniciadas em 2001, sem resultados práticos.

10 África: globalização X marginalização DÍVIDA EXTERNA: a degradação dos termos de troca agravaram a situação dos países endividados.

11 África: globalização X marginalização Integração regional Nível limitado de integração regional, apesar da criação de múltiplas organizações destinadas a promover o comércio intra-africano Cooperação regional entravada designadamente por: resistência política no sentido da convergência das políticas econômicas entre países vizinhos, por vezes em conflito ou concorrentes em relação aos mesmos produtos peso da burocracia e má governança (dificuldade em harmonizar as regras aduaneiras…); debilidade das infra-estruturas de transportes e comunicações;

12 África: globalização X marginalização Dinamização, nestes últimos anos, da integração regional UEMOA (União Econômica e Monetária da África Ocidental, 1994, 5 países): eliminação dos direitos de alfândega, harmonização das políticas macroeconômicas e Financeiras CEDEAO (Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental, 1975/1993, 15 países): para além da integração econômica e monetária (Franco CFA), tem hoje intervenções de mediação e preservação da paz na região SADC (Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral, 1992, 14 países): marcada pelo papel da África do Sul como pólo regional (79% das exportações da zona) tem oscilado entre as atribuições de um organismo de integração econômica (união aduaneira, livre circulação de pessoas e capitais.

13 África: globalização X marginalização Alto preço das tecnologias de informação. em-ti/

14 África: globalização X marginalização Analfabetismo tecnológico

15 Diante de tanta dificuldade, qual é a melhor saída?

16 Novos caminhos POLÍTICAS DE AJUSTAMENTO ESTRUTURAL ULTRAPASSAR OS PARADIGMAS PARALISANTES: ESTADO CENTRALIZADOR E LIBERALISMO REDENTOR EVITAR PANAFRICANISMO E VALORIZAR A REGIONALIZAÇÃO RESPONSÁVEL ASSEGURAR A BOA GOVERNANÇA PROMOVER PARCERIA PÚBLICO/PRIVADO

17 Novos caminhos: ajustamento estrutural

18 Novos caminhos: mudança de paradigmas

19 Novos caminhos: Pan-africanismo x regionalização

20 Nem afro-pessimismo, nem afro-otimismo; mas a constatação de sinais de uma outra dinâmica interna, vinda dos próprios africanos e com um grande valor simbólico no campo da ação prática: um compromisso dos africanos – em parceria com os doadores externos – para uma África mais democrática, mais estável, mais equitativa, mais e melhor inserida na economia global. É necessário impor uma verdadeira revolução copérnica, a tal ponto está enraizado [na Europa] o hábito de agir por nós, de pensar por nós, de pôr e dispor por nós, em suma o hábito de contestar que tenhamos direito à iniciativa, que o mesmo é dizer o direito à nossa personalidade própria Aimé Césaire, Novos caminhos: um novo começo...


Carregar ppt "É possível enxergar uma África diferente?"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google