A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1 POR UMA NOVA DINÂMICA DO COTIDIANO Prof. Celso Loraschi 7ª SEPEX Mini-Curso realizado em 23/10/08 MÍSTICA:

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1 POR UMA NOVA DINÂMICA DO COTIDIANO Prof. Celso Loraschi 7ª SEPEX Mini-Curso realizado em 23/10/08 MÍSTICA:"— Transcrição da apresentação:

1 1 POR UMA NOVA DINÂMICA DO COTIDIANO Prof. Celso Loraschi 7ª SEPEX Mini-Curso realizado em 23/10/08 MÍSTICA:

2 2 Proporcionar a compreensão da Mística como caminho de plena realização humana, visando a vivência de valores eticamente irrenunciáveis. Objetivo

3 3 Conteúdo programático 1. Os desafios da pós-modernidade e a emergência do espiritual 2. A Mística como busca da integridade pessoal 3. Viver o cotidiano com sentido pleno 4. Por uma sociedade nova: valores irrenunciáveis

4 4 Motivações... Desafios e esperanças que emergem da realidade:

5 5 No âmbito pessoal: Desafios: - insatisfações existenciais; - falta de sentido; - individualismo; - frustrações; - fugas; - auto-imagem negativa; - ansiedade... Esperança: - cultivo pessoal; - dignidade; - vivência de valores: ideais...

6 6 Desafios: - Relacionamentos superficiais/conflituosos; - Violência, machismo... Esperança: - diálogo, - carinho, - respeito, - dedicação mútua... No âmbito conjugal/familiar: Família

7 7 Desafios e esperanças nos ambientes de: - Moradia (prédio,vizinhança...) - Estudo/Academia... - Trabalho/Profissão... No âmbito comunitário:

8 8 Dimensão econômica: Desafios: - distância entre ricos e pobres; - desemprego; informalidade; - exploração; salários injustos; - competições;economia e mercado; - blocos econômicos; (cont.) No âmbito de sociedade

9 9 Dimensão econômica (cont.): - globalização; neo-liberalismo; - consumismo; drogas; - gastos em armamentos; - poluição; exaustão do planeta terra; - capital/lucro absolutizado... Esperança: - projetos que promovam a justiça social; - economia solidária e de comunhão; - empresas de auto-gestão; - organizações e movimentos de defesa do meio ambiente...

10 10 Desafios: - corrupção; - poder do tráfico; - retóricas vazias; - projetos interesseiros; - líderes populistas; - imperialismos; - Intromissões; Dimensão política:

11 11 Dimensão política (cont.): - guerras; - violência/insegurança... *A verdade prisioneira da injustiça* Esperança: - políticos e juízes honestos; - polícia fiel à sua missão; - administrações justas; - Movimentos e Organizações Populares pela Defesa e Promoção dos Direitos Humanos; - Conselhos Paritários; - Políticas Públicas...

12 12 Desafios: - divisões/competitividade; - guerras religiosas; - proselitismo; - exploração do sentimento religioso; - moralismo; - ideologias de poder/dominação... Esperança: - Organizações e entidades religiosas dedicadas à defesa e promoção da vida digna de todos; - CEBs; - testemunhos de doação e integridade; - Mártires da justiça; - Ecumenismo e Diálogo Inter-Religioso... Dimensão religiosa:

13 13 * Algumas pessoas se rebelam, entram na contestação amarga, não percebem saída libertadora... (Uma vida sem brilho) Reação aos desafios:

14 14 Reação aos desafios (cont.): Pessoas que perderam a fé na capacidade de regeneração: vêem o ser humano como demente e não como sábio... Outras buscam amenizar os problemas, sem se darem conta de suas causas...

15 15 Reação aos desafios (cont.): Muitas confiam na capacidade do desenvolvimento da ciência e da técnica como caminho de solução dos problemas: é uma questão de tempo... - Os cientistas seriam os agentes principais de transformação do mundo...

16 16 * Há os que descartam tudo o que estiver fora do realismo materialista: - vale o que se toca, o que se percebe o que se prova pelos cinco sentidos... Porém, ] onde termina o problema do físico não termina o problema do ser humano (Ortega y Casset). Reação aos desafios (cont.):

17 17 Há pessoas que dizem que o mais importante é a moral e os costumes... [- Que moral e que costumes?...] Reação aos desafios (cont.):

18 18 Reação aos desafios (cont.): * Outras dizem que o que vai resolver é o investimento na educação... - a educação dá empoderamento às pessoas, consciência de sua cidadania, seus direitos...; [Mas, a serviço de que projeto de ser humano, de sociedade e de mundo: o da Pós-Modernidade?...]

19 19 Caracteriza-se como: 1. Primado do ter sobre o ser Primado da técnica sobre a ética Primado do subjetividade sobre a coletividade... Daí, os parâmetros de valor: a produtividade... o consumo... o subjetivismo hedonista... o individualismo...

20 20 Decorrências: - a massificação e a manipulação das pessoas; - Despersonalização; - Incomunicabilidade; - atrofia dos sentimentos; - fidelidades passageiras; - idolatria dos bens materiais; - poluição/desequilíbrio ecológico; - futuro ameaçador...

21 21 O ser humano está em busca de sua alma: quer sair do esmagamento em que está sendo submetido; Quer encontrar a si mesmo de modo autêntico: inteireza pessoal... - Cresce a consciência da dimensão do sagrado... Com rejeição ao um certo tipo de espiritualidade transmitida no passado... E com adesão a movimentos de espiritualidade de tipologias diversas...

22 22 De linha verticalista (neomísticos): * Primordialmente preocupados com a relação direta com Deus, com a salvação pessoal, com a mudança de coração: o essencial não é pensar, mas ser... - Bebem das teologias festivas, da Teologia da Contemplação, das Espiritualidades Orientais...

23 23 De linha horizontalista (os novos militantes): * Primordialmente preocupados com a transformação social: ver, julgar e agir... - Bebem da Teologia da Libertação, Teologia Política, Teologia da Esperança...

24 24 Espiritualidade - Normalmente ligamos a espiritualidade com termos ou expressões ligadas ao que consideramos como sagrado: oração, meditação, bíblia/textos sagrados, igrejas, religiões, rituais, fé, milagres, santidade, alma, céu, anjos, divindades... Em oposição ao que consideramos profano: matéria, dinheiro, negócios, mundo, política, racionalidade, ciência, tecnologias...

25 25 Etimologia: Ruah – Pneuma – Spiritus... * Tem a ver com o sentido que se descobre das coisas cotidianas da vida = Re-velação da verdade mais profunda... *A interpretação do que vemos é fruto do tipo de espiritualidade que cultivamos; ela orienta o nosso modo de ler a mensagem por trás de cada coisa, de cada fato, de cada experiência de vida...

26 26 Conforme a espiritualidade que temos, pegamos ou deixamos de pegar o espírito da coisa e nos motivamos a viver deste ou daquele modo... [Espírito é algo que não se vê, mas que faz todas as coisas terem ou não significado e importância]...

27 27 A espiritualidade nos leva além do que detectamos com os sentidos... Nos faz entender o que há de transcendente à nossa volta: ultrapassa o que podemos definir objetivamente... [É a capacidade de ver o invisível]... Espiritualidade: leva além..

28 28 Espiritualidade: responde... Procura responder às questões fundamentais: Quem sou? De onde vim? Para onde vou? Qual o sentido da existência, do que faço, do que digo, do que vejo?... [O espírito humano pode ser habitado/plenificado pelo Espírito de Deus]...

29 29...dos que têm fé, dos que dizem que tem de ver para crer, dos ateus...: porque todos têm seus critérios para ler a realidade, interpretar os fatos, de dar significado às coisas, de conectar-se com o invisível... [Somos seres necessitados de re-ligação permanente com o mistério que nos transcende e nos explica para além da racionalidade]... Espiritualidade é patrimônio de todos:

30 30 - Daí a íntima ligação da Espiritualidade com a Mística: palavra derivada de mistério (mysterion em grego, que provém de múein: perceber o caráter escondido das coisas, acontecimentos...); [Mistério não é algo indecifrável: designa a dimensão de profundidade que se inscreve em cada pessoa, em cada ser, em cada coisa, em cada acontecimento]...

31 31 - Caminhar dentro do essencial... - Fruição de Deus no ser humano... - Força impulsionadora em favor de uma causa... - Devotamento a um ideal... - O que dá sentido a todas as coisas... - Experiência totalizante... - O que nos segura de pé em todas as circunstâncias... - Resistência e militância... Mística: o que é mesmo?

32 32 Mística e paradigma holístico Tudo e todos estamos intimamente relacionados: inter-retro-relacionamento... Unidade na diversidade... A interdependência = fraternidade universal/cósmica... = A Mística do Amor = Mística do Cuidado = Mística da Compaixão...

33 33 A Mística do Amor Emerge da convicção de que o ser humano é relação: necessitamos, então, de sabedoria que nos ajude a organizar a convivência humana sob a inspiração da lei mais fundamental do universo: a lei do amor! [É o único caminho que conduz à sinergia, à cooperação de todos com todos e à solidariedade cósmica]...

34 34 A Mística do Amor (cont.): * Uma Mística alicerçada na visão holística, ecológica e espiritual (= a unidade na totalidade e a totalidade na unidade) é caminho capaz de devolver ao ser humano a consciência de pertença à família humana, à terra, ao universo e ao propósito divino...

35 35 * O cotidiano reveste-se de nova dinâmica quando vivido dentro de uma Mística e de uma Espiritualidade que une, liga, re-liga e integra... [O cotidiano movido por esta MÍSTICA UNITIVA torna-se TEMPO E ESPAÇO de vivência de um novo paradigma civilizatório, ou seja: a civilização do amor!] A Mística do Amor (cont.):

36 36 A Mística do Amor (cont.): A física quântica prova: a própria matéria é energia dinâmica, cheia de interações complexas: cada pequena partícula está em conexão com o todo: a unidade de todas as coisas, ancorada no mistério do Criador e Provedor de tudo... Quanto mais acredito na ciência, mais acredito em Deus... O universo é inexplicável sem Deus (Albert Einstein).

37 37 A Mística do Amor (cont.): - É o acolhimento da epifania de Deus - dentro de cada um de nós, - na história da humanidade, - nas culturas, - em cada coisa, - em todas as coisas... [=pan-en-teísmo]...

38 38 *Toda relação se inscreve numa perspectiva de contínua aproximação e diálogo com a alteridade... – Alteridade é mistério a ser venerado... [Na medida em que uma pessoa entra no mais profundo de si mesma e da alteridade, mais verdadeira e íntegra se torna, mais livre se sente de assumir convicções e atitudes em coerência ao que acredita]...

39 39 - A integridade pessoal aguça os sentidos e proporciona a leitura e a intervenção na realidade, contribuindo para a sua transformação... -[Há necessidade de desenvolver o 6º sentido que qualifica os 5 sentidos e leva à práxis libertadora]...

40 40 Como se desenvolve o 6º sentido? * Sobretudo pela contemplação: mergulho na verdade... Vida-em- comunhão com todos e com tudo, permanentemente... [Unidade do imanente com o transcendente, do presente com o passado e futuro]...

41 41 A contemplação nos leva a desvendar, admirar e venerar a beleza intrínseca de um ser (a ponto de realizar-se o provérbio: quem ama o feio, bonito lhe parece)... [Nada mais torna-se descartável ou menos importante]...

42 42 Existem pessoas de bom espírito (homo sapiens) e outras de mau espírito (homo demens): - Depende do lugar social a partir do qual vivem, se movimentam, julgam, agem... - Depende, especialmente, do seu grau de contemplação... - Depende de sua mística relacional...

43 43 O ser humano realiza-se plenamente enquanto ser-de-relação: - consigo mesmo... - com os outros... - com a natureza/universo... - com o transcendente...

44 44 - Quando desrespeitada ou desajustada uma relação, há quebra do todo... - Conseqüências prejudiciais à realização da pessoa humana e de todos os seres...

45 45 - Por isso, em todas as tradições culturais e religiosas, levantam-se vozes em defesa das relações justas e solidárias, para resgatar o caminho garantidor da vida digna sem exclusões: vivência dos valores éticos no cotidiano... (cf. Movimentos proféticos e sapienciais na tradição judaica, Movimento de Jesus de Nazaré na tradição cristã, de líderes da paz e da não violência em todas as tradições: Francisco de Assis, Gandhi, Martin Luther King, Chico Mendes, Helder Câmara, Doroty...).

46 46 - Fruto de muitos movimentos, foi nascendo a compreensão dos Direitos Humanos: condições sine qua non se torna inviável a vida humana sobre a terra... - Os DH São universais, interdependentes e indivisíveis... - Daí nascem os valores/atitudes éticas irrenunciáveis...

47 47 Mística – Ética – Direitos Humanos (cont.): * Trata-se da questão de uma nova ordem internacional tendo em vista a garantia da dignidade de todos os seres humanos e a defesa da casa comum... - O critério decisivo é a solidariedade: os DH são direitos com...

48 48 DESCAs: 1. Direitos Econômicos: - Garantia alimentar; - Acesso à moradia; - Acesso ao trabalho; - Direitos trabalhistas. 2. Direitos Sociais: - Segurança social; - Direito das famílias; - Proteção à maternidade e à infância; - Direito à saúde mental e física; - Direito ao lazer.

49 49 3. Direitos Culturais - Direito à educação - Participação na vida cultural - Participação no progresso científico - Direitos das minorias DESCAs (cont.):

50 50 DESCAs (cont.): 4. Direitos Civis - Reconhecimento e igualdade diante da lei - Direitos dos prisioneiros - Direito de julgamento justo - Direito de ir e vir - Direito de liberdade de opinião

51 51 5. Direitos Políticos - Direito de escolher seus representantes - Direito de liberdade de reunião - Direito de liberdade de associação - Direito de participação na vida política DESCAs (cont.):

52 52 DESCAs (cont.): 6. Direitos Ambientais - Acesso à água potável - Direito a um meio ambiente não agressor à saúde - Direito a uma vida saudável em harmonia com a natureza

53 53 * A Mística (com a espiritualidade = bom espírito), em sentido amplo, ocupa-se com a aplicabilidade dos Direitos Humanos (a partir da própria casa) conhecendo a realidade, denunciando a violação e apontando caminhos de promoção da vida digna sem exclusões...

54 54 Defende e promove intransigentemente os Direitos Humanos... É agente de de transformação social. - Daí a dimensão sócio-política da mística... A qual exige opções e rupturas

55 55 Rupturas e Opções 1. Na dimensão econômica: Romper com o acúmulo/concentração de bens e optar pela administração e partilha dos bens segundo a necessidade de cada ser e de cada povo Na dimensão política: Romper com o poder-dominação e optar pela descentralização: a base organizada numa dinâmica de poder-serviço pela vida sem exclusões...

56 56 Rupturas e Opções (cont.) 3. Na dimensão religiosa/ideológica: Romper com as idéias/interesses dos dominantes e optar pela realização do sonho popular de justiça e paz (conforme a concepção de Deus/absoluto, organizamos a sociedade) Na dimensão social: Romper com o lugar social dos poderosos e optar pelo lugar social das vítimas: tarefa de inclusão num sistema de garantia de vida digna para todos os seres...

57 57 A Integridade pessoal O cotidiano como tempo cairológico... A Integridade da criação...

58 58 Qualidade de íntegro; inteireza, autenticidade... Processo de busca da verdade: A verdade vos libertará... Para ser grande sê inteiro: nada teu exagera ou exclui. Sê todo em cada coisa. Põe quanto és no mínimo que fazes. Assim, em cada lago a lua toda brilha porque alta vive (Fernando Pessoa)

59 59 Ao nível pessoal: - Aceitação profunda da história pessoal com suas belezas e traumas... A divindade aí se revela... - Carinho e veneração pelo nosso corpo: casa da divindade... Carregamos um tesouro neste vaso de barro... Cultivar a mente sadia... - Pulsar no ritmo da vida: diferente em cada pessoa e condicionado às potencialidades e limites de cada uma... Gratidão pela originalidade do nosso ser...

60 60 - Adotar um segredo para vencer a criatura velha e ir gestando a nova criatura... - Cultivar o entusiasmo (cf. a etimologia da palavra...)... - Exercitar a meditação, a contemplação, o silêncio... - Cultivar-se como ser-em-comunhão com todos os seres (espiritualidade holística / eco- espiritualidade)... - Pedir ajuda, abrir-se, derramar-se com pessoas de confiança... - Não definitivo a todas as formas de egoísmo, agressividade, amargura, ao que nos deprime, nos diminui...

61 61 Ao nível familiar: - Acolhida da família que já nos acolheu dando-nos o presente da vida... - Fazer-se presente e manifestar interesse pela felicidade de cada um... - Proporcionar clima de amizade, paz, confiança mútua, solidariedade... - Promover momentos celebrativos... - Exercitar o diálogo, a tolerância, a compreensão... - Mulher e homem: igualdade na diferença... - Não definitivo a toda forma de violência, de machismo, de dominação, de sexismo.... (Muitas vezes, o que é crime fora de casa, dentro dela torna-se um hábito)...

62 62 Ao nível comunitário: - No ambiente de estudo/trabalho: relações de companheirismo, de seriedade, de responsabilidade... - Atenção às pessoas que passam por necessidades: sensibilidade (aplicar os 5 sentidos para promover vida digna...) - Participar de celebrações/encontros comunitários... - O 6º sentido: a Ruah de Deus nos insuflando sua energia vital... - Não definitivo a toda forma de discriminação, autoritarismo, humilhação...

63 63 Ao nível de sociedade: - Exercer a cidadania ativa, a partir das vítimas do poder... Promover o poder-serviço em prol da vida digna sem exclusões... - Participar de alguma Organização ou Movimento Social: contribuir de forma voluntária em algum serviço de transformação social... Testemunho de gratuidade... - Respeito, veneração e defesa de todas as formas de vida no planeta: Tudo o que vive, merece viver... - Pequenos gestos, a partir do espaço micro: irradiadores de novos caminhos e novas energias para uma sociedade nova... - Promover uma ética do público: nossa casa comum...

64 64 1. DIGNIDADE (respeito, cuidado...); 2. IGUALDADE na diversidade (espinha dorsal do sistema de garantias dos direitos fundamentais); 3. SUBSIDIARIEDADE (resolver tudo o que é possível com a organização de base); 4. DEMOCRACIA/PARTICIPAÇÃO (sem elitismo nem autoritarismo);

65 65 Orientar-se pelos princípio s (cont.): 5. SOLIDARIEDADE (a dor de qualquer ser humano é também minha dor); 6. INCLUSÃO de todos às condições de vida digna; 7. FRATERNIDADE: Aprendemos a voar como pássaros e a nadar como peixes, mas não conseguimos aprender a conviver como irmãos (Martin L. King)...

66 66 A mística do paradigma holístico (Cf. Saber cuidar de Leonardo Boff) É um caminho coletivo que se faz caminhando: - de re-ligação, - de re-encantamento, - de com-paixão, - de uma nova ternura... [Uma nova ética nasce de uma nova ótica]...

67 67 A mística do paradigma holístico (cont.) As pessoas construtoras deste novo paradigma se mobilizam: - cultivando a ecologia, a meditação, a espiritualidade; - procurando alimentar-se com produtos naturais; - zelando pela casa onde mora, para que seja um espaço de amor e de solidariedade, de beleza e alegria, extensiva aos vizinhos e comunidade;

68 68 A mística do paradigma holístico (cont.) - acompanhando com atenção os projetos de empresas privadas ou do estado que causam impactos ambientais; - incorporando a perspectiva da terra como um todo vivo e orgânico; - vigiando e controlando o nível de contaminação e quimicalização dos produtos;

69 69 A mística do paradigma holístico (cont.) - solidarizando-se com as populações dizimadas pela fome ou por catástrofes naturais; - defendendo os direitos dos animais e dos direitos humanos sociais e culturais;

70 70 A mística do paradigma holístico (cont.): - superando o patriarcalismo e fortalecendo a dimensão da anima no homem e na mulher, - pelo apoio às mulheres, às minorias socialmente discriminadas: as pessoas negras, os povos originários, os portadores de deficiências ou de doenças;

71 71 A mística do paradigma holístico (cont): - revitalizando tradições culturais e religiosas dentro de uma espiritualidade cósmica e acolhendo as mensagens que emanam da natureza e do universo;

72 72 A mística do paradigma holístico (cont.): - construindo um novo modelo de casa humana com um novo sentido ético e moral, com formas mais cooperativas de convivência, de valorização das diferenças, aprendizes uns dos outros, de aliança de paz perene com a terra e todas as espécies, de renovada veneração pelo mistério da vida;

73 73 A mística do paradigma holístico (cont.): - adotando o cuidado como modo-de-ser essencial, caminho de construção do novo ser humano;

74 74 A mística do paradigma holístico (cont.) - superando as visões restritivas: 1. técnico-científica: o ser humano como centro de todos os seres (antropocentrismo), justificando, assim, a dominação da natureza...;

75 75 A mística do paradigma holístico (cont.): (- superando as visões restritivas): 2. capitalista (de mercado): o ser humano como um ser de necessidades e, portanto, de consumo...;

76 76 A mística do paradigma holístico (cont.): - concebendo e praticando visões que signifiquem plenitude de vida: 1. democrática: o ser humano é um ser de participação, sujeito histórico pessoal e coletivo de construção de relações sociais ; dotado de sacralidade, sujeito de direitos e deveres, um projeto infinito...

77 77 A mística do paradigma holístico (cont.): (- concebendo e praticando visões que signifiquem plenitude de vida): 2. ser-no-mundo-com-os-outros: o ser humano sempre se relacionando, construindo seu habitat, construindo valores, sofrendo e alegrando -se solidariamente...;

78 78 A Mística e a E spiritualidade: um jeito de viver Não é seguimento de doutrinas procedentes de instituições humanas: é um jeito de viver alicerçado na liberdade e consciência... No rumo da plena realização humana: vida em plenitude...

79 79 Muito mais do que a Sapientia mentis, a Sapientia cordis. Muito mais ainda: a Sapientia fidei. (Alceu Amoroso Lima)

80 80 Forças Motivadoras Beber do próprio poço a partir de quatro forças: 1. A força do alto A força do deserto A força dos amigos A força da missão...

81 81 A mística do povo tolteca: Honrar quatro compromissos: 1. Seja impecável com sua palavra. As palavras têm imenso poder e não devem ser usadas de modo leviano. Diga apenas aquilo em que acredita. Fuja de mexericos Não leve nada para o lado pessoal. Quando alguém fala de você, está na realidade expondo a si mesmo. Não absorva insultos e não se deixe levar por adulações Não tire conclusões. Seja sempre claro e transparente e exija que os outros também o sejam, ignorando o que há de nebuloso ou mal-explicado Sempre dê o melhor de si. Em qualquer circunstância, mesmo nas situações mais insignificantes, faça o melhor... (Os Quatro Compromissos – O livro da Filosofia Tolteca - Um guia prático para a liberdade pessoal. Autor: Don Miguel Ruiz)

82 82 Referência Bibliográfica: BOFF, Leonardo; BETTO, Frei. Mística e Espiritualidade. São Paulo: Cepis BOFF, L. Saber Cuidar. Petrópolis: Vozes BOFF, L. A Voz do Arco-Íris. Rio de Janeiro: Sextante BOFF, L. Ecologia, Mundialização, Espiritualidade. São Paulo: Ática CHARDIN, P. Teilhard. Hino do Universo. São Paulo: Paulus CRUZ Therezinha Motta Lima da. Este mundo de Deus: educar para a espiritualidade do cotidiano. São Paulo: Paulus CASALDÁLIGA, Pedro. VIGIL, José María. Espiritualidade da libertação. Petrópolis: Vozes NOVAK, Philip. A sabedoria do mundo: textos sagrados sobre as religiões universais. Rio de Janeiro: Nova era 1999.

83 83 Referência Bibliográfica (cont.): NOVAK, Philip. A sabedoria do mundo: textos sagrados sobre as religiões universais. Rio de Janeiro: Nova era SECRETARIADO NACIONAL do 11º Intereclesial das CEBs. CEBs: espiritualidade libertadora – seguir Jesus no compromisso com os excluídos – Texto base do 11º intereclesial das CEBs – Belo Horizonte: O libertador VVAA. Dicionário de Espiritualidade – São Paulo: Paulus VVAA. Dicionário de Mística – São Paulo: Loyola e Paulus Florianópolis,23 de outubro de 2008.


Carregar ppt "1 POR UMA NOVA DINÂMICA DO COTIDIANO Prof. Celso Loraschi 7ª SEPEX Mini-Curso realizado em 23/10/08 MÍSTICA:"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google