A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Não julgueis, a fim de não serdes julgados…. …porquanto sereis julgados conforme houverdes julgado os outros; empregar-se-á convosco a mesma medida de.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Não julgueis, a fim de não serdes julgados…. …porquanto sereis julgados conforme houverdes julgado os outros; empregar-se-á convosco a mesma medida de."— Transcrição da apresentação:

1 Não julgueis, a fim de não serdes julgados…

2 …porquanto sereis julgados conforme houverdes julgado os outros; empregar-se-á convosco a mesma medida de que vos tenhais servido para com os outros. …porquanto sereis julgados conforme houverdes julgado os outros; empregar-se-á convosco a mesma medida de que vos tenhais servido para com os outros. (S. MATEUS, cap. VII, vv. 1 e 2.)

3 Lei natural: divina É a única verdadeira para a felicidade do homem; Eterna e imutável como o próprio Deus. Está escrita na consciência LE perg.614, 615

4 Leis humanas A sociedade, para que tenha harmonia, necessita de leis humanas, independentemente das Leis naturais. As paixões humanas levam as leis humanas a serem mutantes, progressivas e variáveis.A sociedade, para que tenha harmonia, necessita de leis humanas, independentemente das Leis naturais. As paixões humanas levam as leis humanas a serem mutantes, progressivas e variáveis.

5 Leis humanas preocupam-se apenas em punir o mal depois de que ele foi praticado e esquece-se de procurar preveni-lo, ensinar e incitar ao bem para evitar o cometimento de delitos.preocupam-se apenas em punir o mal depois de que ele foi praticado e esquece-se de procurar preveni-lo, ensinar e incitar ao bem para evitar o cometimento de delitos. Não há senão a educação para reformar os homens. Então eles não terão mais necessidade de Leis tão rigorosas.Não há senão a educação para reformar os homens. Então eles não terão mais necessidade de Leis tão rigorosas. (Livro dos Espíritos, resposta à perg,de n in fini.). (Livro dos Espíritos, resposta à perg,de n in fini.).

6 Alguns julgamentos na história, que foram na atualidade considerados equivocados…

7 Sócrates * 470/469 a. C. a 399 a.C Sócrates * 470/469 a. C. a 399 a.C., Conhece-te a ti mesmo.

8 Acusação: "impiedade":Acusação: "impiedade": foi acusado de ateísmo e de corromper os jovens com a sua filosofia, mas, na realidade, estas acusações encobriam ressentimentos profundos contra Sócrates por parte dos poderosos da época. foi acusado de ateísmo e de corromper os jovens com a sua filosofia, mas, na realidade, estas acusações encobriam ressentimentos profundos contra Sócrates por parte dos poderosos da época.

9 Giordano Bruno final do Séc.XVI o primeiro filósofo a afirmar a infinitude do Universo.

10 Suas teorias foram consideradas heréticas. Foi preso pelo Santo Ofício. Sete anos de tortura. Condenado a ser queimado vivo.

11 Galileu Galilei adota o sistema de Copérnico onde a Terra não era imóvel e movia- se em torno do Sol numa órbita circular.adota o sistema de Copérnico onde a Terra não era imóvel e movia- se em torno do Sol numa órbita circular.

12 condenado à cárcere privado perpétuo.condenado à cárcere privado perpétuo. Deveria declamar, uma vez por semana, durante 3 anos, os 7 salmos da penitência.Deveria declamar, uma vez por semana, durante 3 anos, os 7 salmos da penitência. Foi obrigado, ainda a ler a fórmula de abjuração, em que renegava o sistema copernicano e prometia denunciar ao Santo Ofício "qualquer herege ou quem quer que seja suspeito de heresia". Foi obrigado, ainda a ler a fórmula de abjuração, em que renegava o sistema copernicano e prometia denunciar ao Santo Ofício "qualquer herege ou quem quer que seja suspeito de heresia". A mesma instituição que o condenou o absolveu muito tempo após a sua morte, em 1983.

13 Julgar o próximo… Toda opinião ou juízo emitido por nós, assim como nossas tendências ou pensamentos julgadores, estão sedimentados em experiências passadas, são resultados de uma série de conhecimentos que adquirimos desde a infância e também através de vivências pregressas.

14 Cada pessoa analisa um fato conforme sua ótica, sua emoção, seus próprios conflitos.Cada pessoa analisa um fato conforme sua ótica, sua emoção, seus próprios conflitos.

15 É comum narrar-se um acontecimento de maneira muito direrente da real, sempre por meio do estado interior com que se haja observado.É comum narrar-se um acontecimento de maneira muito direrente da real, sempre por meio do estado interior com que se haja observado.

16 O estado de ânimo diante do fato, invariavelmente gera reações diversificadas naquele que o observa, levando-o a conclusões incorretas. O estado de ânimo diante do fato, invariavelmente gera reações diversificadas naquele que o observa, levando-o a conclusões incorretas.

17 Nos julgamentos pessoais… com relação a atitudes e condutas de outrem… a precipitação e os sentimentos são convocados a traduzir o acontecido mais de acordo com o estado íntimo daqueles que se permitem fazê-los do que propriamente com o sucedido.

18 Agravantes : Algumas pessoas entregam-se a: Algumas pessoas entregam-se a: maledicência;maledicência; Auto-justificações;Auto-justificações; Masoquismo;Masoquismo; Outras silenciam-se e esperam o tempo. Outras silenciam-se e esperam o tempo. Diretrizes para o Exito,Esp. Joanna de Angelis/ Divaldo Franco. Diretrizes para o Exito,Esp. Joanna de Angelis/ Divaldo Franco.

19 Se um acontecimento atinge… A quem se ama… assume-se uma postura de defesaA quem se ama… assume-se uma postura de defesa Pessoa não estimada… complica-se o fato, ou aumenta-o (por meio da ira)Pessoa não estimada… complica-se o fato, ou aumenta-o (por meio da ira)

20 LE.P Há culpa em estudar os defeitos dos outros?LE.P Há culpa em estudar os defeitos dos outros? Se é para os criticar e divulgar, há muita culpa, porque é faltar com a caridade. Se é para fazê-lo em seu proveito pessoal e os evitar em si mesmo, isso pode algumas vezes ser útil. Antes de fazer aos outros uma censura de suas imperfeições, vede se não se pode dizer a mesma coisa de vós. …Se é para os criticar e divulgar, há muita culpa, porque é faltar com a caridade. Se é para fazê-lo em seu proveito pessoal e os evitar em si mesmo, isso pode algumas vezes ser útil. Antes de fazer aos outros uma censura de suas imperfeições, vede se não se pode dizer a mesma coisa de vós. …

21 LE- Perg.886 Qual o verdadeiro sentido da palavra CARIDADE? Qual o verdadeiro sentido da palavra CARIDADE? Benevolência para com todos, Indulgência para com as imperfeições dos outros. Perdão das ofensas. Benevolência para com todos, Indulgência para com as imperfeições dos outros. Perdão das ofensas.

22 Lembremos que… Em todo comportamento humano existe uma lógica, isto é uma maneira particular de raciocinar sobre sua verdade; portanto, julgar, medir e sentenciar os outros, não se levando em conta suas realidades, mesmo sendo consideradas preconceituosas, neuróticas e psicóticas é não ter bom senso ou racionalidade, pois na vida somente é válido e possível o autojulgamento.Em todo comportamento humano existe uma lógica, isto é uma maneira particular de raciocinar sobre sua verdade; portanto, julgar, medir e sentenciar os outros, não se levando em conta suas realidades, mesmo sendo consideradas preconceituosas, neuróticas e psicóticas é não ter bom senso ou racionalidade, pois na vida somente é válido e possível o autojulgamento. De Renovando Atitudes, (Tua Medida), Esp.Hamed-psic.Francisco do Esp.Santo NetoDe Renovando Atitudes, (Tua Medida), Esp.Hamed-psic.Francisco do Esp.Santo Neto

23 Julgar uma ação é diferente de julgar uma criatura. Posso julgar e considerar a prostituição moralmente errada, mas não posso e não devo julgar a pessoa prostituída.Julgar uma ação é diferente de julgar uma criatura. Posso julgar e considerar a prostituição moralmente errada, mas não posso e não devo julgar a pessoa prostituída. Ao usarmos a empatia, colocando-nos no lugar do outro, sentindo e pensando com ele, em vez de pensar a respeito dele, teremos o comportamento ideal diante dos atos e atitudes das pessoas.Ao usarmos a empatia, colocando-nos no lugar do outro, sentindo e pensando com ele, em vez de pensar a respeito dele, teremos o comportamento ideal diante dos atos e atitudes das pessoas. De Renovando Atitudes, (Tua Medida), Esp.Hamed-psic.Francisco do Esp.Santo NetoDe Renovando Atitudes, (Tua Medida), Esp.Hamed-psic.Francisco do Esp.Santo Neto

24 Essencialmente, tudo aquilo que decretamos ou setenciamos tornar-se-á nossa real medida: como iremos viver em nós mesmos e com os outros.Essencialmente, tudo aquilo que decretamos ou setenciamos tornar-se-á nossa real medida: como iremos viver em nós mesmos e com os outros. Nossos julgamentos são sempre os motivos de nossa liberdade ou de nossa prisão no processo de desenvolvimento de crescimento espiritual.Nossos julgamentos são sempre os motivos de nossa liberdade ou de nossa prisão no processo de desenvolvimento de crescimento espiritual.

25 Se as criaturas afirmarem idosos não têm direito ao amor, limitando o romance só para jovens, elas estarão condenado-se a uma velhice de descontentamento e solidão afetiva, desprovida de vitalidade.Se as criaturas afirmarem idosos não têm direito ao amor, limitando o romance só para jovens, elas estarão condenado-se a uma velhice de descontentamento e solidão afetiva, desprovida de vitalidade.

26 Reprimir o mal é nosso dever. Censurar o mal, também, mas não as criaturas.Reprimir o mal é nosso dever. Censurar o mal, também, mas não as criaturas. É através do exemplo que devemos educar. As palavras convencem, mas os exemplos arrastam.É através do exemplo que devemos educar. As palavras convencem, mas os exemplos arrastam.

27 Cuidado, portanto… …quando se é convidado íntima ou exteriormente a externar qualquer tipo de julgamento! …quando se é convidado íntima ou exteriormente a externar qualquer tipo de julgamento! A atitude passiva não é a correta, como se nada houvesse acontecido. Proceder a uma análise sem emoções,como se estivesse contemplando algo sem precipitar opinião.A atitude passiva não é a correta, como se nada houvesse acontecido. Proceder a uma análise sem emoções,como se estivesse contemplando algo sem precipitar opinião.

28 Indulgência Propõe compreensão dos desvios de outrem e severidade para com os próprios equívocos;Propõe compreensão dos desvios de outrem e severidade para com os próprios equívocos; Revisão de conteúdos morais, a fim de oferecer novas oportunidades aos que se enganam, no esforço para não repetir os mesmos tropeços;Revisão de conteúdos morais, a fim de oferecer novas oportunidades aos que se enganam, no esforço para não repetir os mesmos tropeços;

29 Quem pode auferir o grau de dificuldades que existe dentro de um coração?Quem pode auferir o grau de dificuldades que existe dentro de um coração? A consciência espírita induz-nos a reconhecer que pouco conhecemos das lutas de cada um. A consciência espírita induz-nos a reconhecer que pouco conhecemos das lutas de cada um. Alguns nos atingem carregando sombras e dramas dolorosos, que despertariam em nós compaixão ao invés de mágoa, se conhecêssemos suas amargas realidades.Alguns nos atingem carregando sombras e dramas dolorosos, que despertariam em nós compaixão ao invés de mágoa, se conhecêssemos suas amargas realidades.

30 Quando o Senhor nos recomendou que evitássemos o julgamento da conduta do próximo, referia-se a este ato de amor e indulgência do qual somos necessitados por nossa vez, já que todos trazemos uma longa história de quedas e reerguimento, tendo sido auxiliados pela misericórdia de muitos, que nos estenderam as mãos de variadas maneiras.Quando o Senhor nos recomendou que evitássemos o julgamento da conduta do próximo, referia-se a este ato de amor e indulgência do qual somos necessitados por nossa vez, já que todos trazemos uma longa história de quedas e reerguimento, tendo sido auxiliados pela misericórdia de muitos, que nos estenderam as mãos de variadas maneiras. Livro: Ajuda-te de Frederico Menezes, autor de Luz para a vida sem fim.Livro: Ajuda-te de Frederico Menezes, autor de Luz para a vida sem fim.

31 Ajudar e servir, na tarefa do bem, solicita- nos aposentar a toga do julgamento e muito mais a pena de condenação.Ajudar e servir, na tarefa do bem, solicita- nos aposentar a toga do julgamento e muito mais a pena de condenação. Livro: Ajuda-te de Frederico Menezes, autor de Luz para a vida sem fim.

32 Bibliografia: Livro dos Espiritos,p. 614, 615, cap XVI p886, capXII p.903,904Livro dos Espiritos,p. 614, 615, cap XVI p886, capXII p.903,904 Diretrizes para o Êxito, esp.Joanna de Ângelis, psic.Divaldo FrancoDiretrizes para o Êxito, esp.Joanna de Ângelis, psic.Divaldo Franco Livro: Renovando Atitudes, cap.Tua Medida, pelo Esp.Hammed, psic.Francisco do Espírito Santo NetoLivro: Renovando Atitudes, cap.Tua Medida, pelo Esp.Hammed, psic.Francisco do Espírito Santo Neto ESE, Cap.X, item 11ESE, Cap.X, item 11


Carregar ppt "Não julgueis, a fim de não serdes julgados…. …porquanto sereis julgados conforme houverdes julgado os outros; empregar-se-á convosco a mesma medida de."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google